100 Perguntas & Respostas sobre o Socialismo: III. A luta contra o imperialismo

 

 

26 . Quais são os diferentes tipos de países?

 

a) Países imperialistas : São os países da América do Norte, Europa Ocidental , China , Rússia, Japão e Austrália. São  países capitalistas. Eles oprimem outros países e  os explora economicamente .

 

b) Países  semicoloniais: São os países da América do Sul e Central , África, Europa do Leste , Sul, Sudeste , Oeste, e na Ásia Central. Eles também são  países capitalistas. Ao mesmo tempo em que  eles têm independência política formal, estão economicamente explorados pela classe dominante dos países imperialistas ( chamamos isso de "super -exploração " ) , e são, portanto, dominados politicamente por este último.

 

c ) Os países coloniais : apenas alguns dos que ainda existem , como a Guiana Francesa, as Malvinas / Falkland Islands , Porto Rico, assim como os países diretamente ocupados pelo imperialismo como o Afeganistão .São , também eles,  países capitalistas. Eles estão diretamente ocupados e administrado por potências imperialistas e são, portanto, super- explorados economicamente também.

 

d ) Estado Operário Degenerado : atualmente , este é , por exemplo, a  Coréia do Norte. Estes são os países em que a economia burocraticamente planejada existe ao lado de uma ditadura de partido único , estes países podem facilmente entrar em conflito com o imperialismo .

 

e) Estado Operário Revolucionário : A União Soviética 1917-1923 foi esse tipo de  país . Esses países são caracterizados por uma economia planejada para atender os interesses da classe trabalhadora. O Estado operário é o ponto de partida para a revolução mundial e, por essa razão, é um amargo inimigo do imperialismo.

 

 

 

27. O que é o imperialismo?

 

O imperialismo é o capitalismo durante a época de sua decadência. Sob o imperialismo, dois tipos de grandes conflitos vêm à tona: o conflito entre a classe trabalhadora e a classe capitalista e o conflito entre as nações oprimidas e opressoras. A época do imperialismo , portanto, caracteriza-se por duplamente por revoluções e guerras, no curso da qual as grandes potências e suas grandes corporações lutam continuamente entre si pela dominação econômica e política dos países não-imperialistas e regiões inteiras. Com o imperialismo, há duas possibilidades: ou a classe trabalhadora terá poder ou a humanidade vai afundar para a  barbárie.

 

 

 

28. Qual é a questão nacional?

 

Os Estados-nação modernos surgiram durante a era do capitalismo. Na maioria dos países imperialistas, a questão nacional foi resolvido pela classe capitalista (as exceções incluem por exemplo, a Irlanda do Norte ou do País Basco). Nas nações oprimidas, a questão nacional ainda desempenha um papel importante, porque esses países ainda são explorados e oprimidos pelo imperialismo. Opressão nacional pode ser por países imperialistas ou melhor, pelas classes dominantes capitalistas dos países semi-coloniais. Pelo  direito de auto-determinação nacional, o RCIT entende que uma nação não deva ser oprimidas e exploradas por uma outra nação, que tem o direito de formar seu próprio estado, para que seu povo tenha o direito de falar sua língua nativa e viver sua cultura. Há também elementos da questão nacional envolvidos na opressão dos migrantes.

 

 

 

29. O que é a guerra?

 

A guerra é a continuação da política por outros meios. Durante as guerras, uma classe tenta alcançar seus objetivos políticos pela violência. Por exemplo, na Guerra do Vietnã, na década de 1960 e início de 1970, os capitalistas norte-americanos tentaram assegurar sua posição dominante no leste da Ásia, quebrando a resistência dos trabalhadores e dos camponeses no Vietnã. Da mesma forma, hoje o imperialismo dos EUA ocupa o Afeganistão, enquanto o imperialismo  da UE  (União Européia) envia forças para Mali. Guerras imperialistas e ocupações se esforçam para garantir tanto os seus interesses geopolíticos como o seu controle sobre o petróleo e outros recursos. Para conseguir isso, eles tentam esmagar a resistência anti-imperialista.

 

 

 

30 . Quais são os diferentes tipos de guerras?

 

a) Guerras Imperialistas envolvem a luta de dois ou mais  países opressores ( imperialistas ) um contra o outro . O objetivo de cada lado é para ganhar o controle tanto do mundo tanto  quanto possível e dividi-lo entre si (por exemplo, a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial, exceto no caso da União Soviética) .

 

b) Guerras de Libertação Nacional envolvem a luta de um país oprimido contra um país opressor. Mesmo que o país oprimido seja liderado  em tal guerra por forças burguesas , continua a ser uma guerra justa , porque o objetivo é eliminar a opressão nacional .

 

c) Guerras Revolucionárias envolvem a luta de um Estado, em que a classe trabalhadora já tomou o poder, contra um país capitalista. O objetivo da tal guerra é libertar a classe operária e os oprimidos e para espalhar a revolução mundial.

 

d ) Guerras Civis envolvem a luta entre as diferentes classes , camadas ou seções de classes dentro de um único país. Nas guerras civis , o lado comunista com as massas da classe trabalhadora e dos oprimidos contra os exploradores e seus lacaios .

 

 

 

31 . Em que posição deve tomar comunistas em diferentes tipos de guerras?

 

a) Os comunistas de países imperialistas sempre opõm às  guerras travadas pelo seu próprio país - não importa contra quem. Em caso de guerra , os comunistas chamam para a derrota do "seu" país , bem como para a confraternização entre os soldados dos lados em conflito .

 

b) Os comunistas dos países coloniais e semi -coloniais defendem seu país contra o imperialismo. Mas eles defendem que tais guerras justas  devem ser transformadas em guerras revolucionárias lideradas pela classe trabalhadora . Nas guerras reacionárias entre dois , dos países semi- coloniais capitalistas ,  os comunistas de ambos os lados defendem  a derrota do “seu” respectivo país . Em uma guerra civil reacionária da "sua" classe dominante contra uma minoria nacional oprimida ,  eles chamam para a vitória da nação oprimida e a derrota da classe dominante.

 

c) Os comunistas defendem os países em que o capitalismo já foi abolido ( Estados operários ) contra seus inimigos capitalistas. Eles explicam aos soldados do exército capitalista que seu verdadeiro inimigo não é o Estado operário , mas a sua própria classe dominante em casa.

 

 

 

32. Devem os comunistas se  juntarem a  exércitos burgueses?

 

Sim e não. Se houver obrigação legal para se juntar ao exército (recrutamento), então, em geral, o RCIT chama os  comunistas para entrar no exército burguês. Lá  aprendemos habilidades militares porque, mais cedo ou mais tarde, vamos voltar-se contra os exploradores. Enquanto servimos em um exército burguês, lutamos no bastidores pelos direitos dos soldados comuns, contra a guerra imperialista, contra a casta de oficiais, e pelos conselhos dos soldados. Onde existe o recrutamento, nós nos recusamos a fazer serviço público alternativo ou  tentamos evitar o serviço militar. Se o serviço militar obrigatório não existe, dizemos que entrar para o exército não é obrigatório para os comunistas.

 

 

 

33. Que tipo de exército nós queremos?

 

Defendemos um Exército Vermelho que sirva exclusivamente a nossa classe e lute contra o imperialismo e  contra os exploradores capitalistas. Em tal exército, haverá a máxima participação democrática (desde que a situação militar permita isso). Em tal um exército, não haverá privilégios para os comunistas ou oficiais!

 

 

 

34. Qual é a nossa posição sobre a luta das nações pela independência?

 

Se a maioria de um povo de uma região quer criar um Estado separado, apoiamos a  sua luta. Mas o RCIT não defende que tal estado seja capitalista, mas sim que ela seja fundada sobre uma base socialista, ou seja, sob o domínio da classe operária e do campesinato. Exemplos de lutas legítimas para a independência de hoje são as luta dos curdos, Palestinos, chechenos, Tamil, Kashmiri, Baloch, e os povos tibetanos.

 

 

 

35. Por que somos inimigos do imperialismo?

 

Porque o imperialismo é o principal inimigo da classe trabalhadora no mundo de hoje. Ele suprime não somente a classe trabalhadora, mas também a maioria absoluta das pessoas que trabalham na Terra.

 

 

 

36. O que é o internacionalismo?

 

O Internacionalismo significa que nós, como homens e mulheres que trabalham, entendemos que somos  parte de uma classe mundial com um objetivo comum. Isso significa que, para nós, não importa qual  a cor da pele ou origem ética  que nossos irmãos e irmãs tenham. “Nossa pátria” é  a Nossa classe mundial. Nós ajudamos todos os trabalhadores e oprimidos em sua luta pela libertação - dependendo da situação - com acções de solidariedade, resoluções, doações, ações, greves, ou até mesmo armas. O internacionalismo também significa que nós expressamos a nossa solidariedade com a luta dos povos oprimidos.

 

 

 

37. O que é a revolução democrática?

 

Na maior parte do mundo (na América do Sul, África, Ásia e Europa Oriental) muitos direitos democráticos e nacionais básicos ainda não foram conquistados. As tarefas da revolução democrática são:

 

* Implementação de plenos direitos democráticos (por exemplo, a liberdade de expressão, liberdade de imprensa, liberdade de movimento, de direitos iguais para as mulheres e para as minorias nacionais ou religiosas)

 

* A execução de uma reforma abrangente da terra (redistribuição da terra de grandes proprietários de terras para os camponeses pobres e sem terra)

 

* Libertação nacional da opressão e da exploração por nações opressoras e pelo imperialismo

 

A revolução árabe, em que as massas terem lutado desde 2011 contra as ditaduras na Tunísia, Egito, Líbia, Iêmen, Síria, etc, é um exemplo real de uma revolução democrática.

 

 

 

38. Qual é a revolução permanente?

 

A Revolução permanente significa a realização dos objectivos da revolução democrática, sob a liderança e domínio da classe trabalhadora. Essa, na verdade, é a única maneira em que a revolução democrática pode ser realizada com sucesso, pois os capitalistas das nações oprimidas são muito fracos e preferem unir forças com o imperialismo do que cumprir suas responsabilidades históricas. É, portanto, a tarefa da classe operária de nações oprimidas  fazer avançar a revolução democrática, fazendo uma revolução socialista - ou seja, combinar os objectivos da revolução democrática nacional e os objetivos sociais da classe trabalhadora.

 

 

 

39. Quem são os aliados da classe trabalhadora nas colônias e semi-colônias?

 

Os aliados mais próximos da classe trabalhadora são os camponeses pobres ou sem-terra e os pobres urbanos (comerciantes pobres, moradores de favelas, etc.) Essas camadas devem ser ganhos para a revolução para que ela tenha sucesso.

 

Em um amplo movimento popular, também pode ser possível ganhar temporariamente os camponeses de nível médio e as classes médias urbanas para o lado da revolução. Mas o principal objetivo é neutralizar essas camadas de modo que eles não  estejam do lado dos capitalistas.

 

Se a classe capitalista de um país colonial ou semi-colonial entra em conflito com as forças imperialistas, é concebível que a classe trabalhadora será capaz de empreender ações militares ou de práticas em conjunto com ela. No entanto, tal aliança, se acontecer, será altamente frágil e de curta duração.

 

 

 

40. Como podemos lutar contra a destruição do nosso meio ambiente?

 

O capitalismo e sua economia não estão trabalhando para o benefício do povo, mas para o lucro dos capitalistas. O ambiente está se deteriorando rapidamente, por isso é que nós - a classe trabalhadora - que devemos impedir a destruição do nosso planeta. O RCIT solicita a abolição da energia nuclear e o desenvolvimento de energias renováveis sob o controle de homens e mulheres trabalhadores assistidos por peritos que nossa classe possa confiar. O transporte público precisa ser ampliado, os trabalhadores que estão empregados em indústrias poluentes precisam ser treinados, e não serem demitidos.