Manifesto de África: V. Por um Governo de Trabalhadores e Camponeses Pobres! Por uma Revolução Socialista!

 

Naturalmente, qualquer luta defensiva pelos direitos democráticos e qualquer greve bem-sucedida por salários mais altos só irá conseguir vitórias temporárias, porque com sua decadência, o capitalismo tem como objetivo estrangular e abolir a democracia burguesa e empobrecer os trabalhadores e os camponeses para que possa arrancar seus lucros por quaisquer meios necessários. Isso é verdade em todos os países capitalistas em todo o mundo, e mais ainda em África, devido aos enormes antagonismos econômicos e políticos dentro dessas sociedades.

 

No entanto, mesmo essas conquistas temporárias não podem ser consolidadas junto a governos corruptos ou esperando reformar o onipotente mecanismo estatal capitalista. Mesmo os políticos revolucionários mais bem-intencionados serão corrompidos por essa máquina ou, como testemunhamos com o destino trágico de Patrice Lumumba, Thomas Sankara, Kwame Nkrumah, serão eliminados. É por isso que um partido revolucionário com vários companheiros sendo líderes é crucial para o futuro da luta de libertação. Tal partido pode tanto corrigir tendências erradas de um único camarada, bem como continuar a tradição revolucionária, mesmo que os principais camaradas tenham sido presos ou assassinados.

 

A única solução duradoura, o único caminho para alcançar a liberdade econômica e política, é uma revolução socialista. Tal revolução não pode ser alcançada através de eleições parlamentares ou através de um golpe de um setor militar, mas apenas por uma revolta popular baseada em conselhos e milícias armadas dos trabalhadores e dos camponeses pobres. Um governo resultante de trabalhadores e camponeses pobres tem que ir mais longe do que as revoluções passadas: deverá nacionalizar a terra e entregá-la ao pobre campesinato; nacionalizar as grandes empresas sob o controle dos trabalhadores; expulsar os poderes imperialistas e expropriar a burguesia sem indenização; abolir a educação ocidental e neocolonial e introduzir um sistema educacional novo e socialista. Em outras palavras, para libertar o povo africano, precisamos combinar a revolução democrática com a socialista. 

 

Nosso socialismo não tem nada em comum com a caricatura burocrática que começou na URSS depois que Stalin assumiu o poder em 1923/24. Nosso socialismo será revolucionário e não burocrático; Será internacionalista e não centrado numa única nação. Será o socialismo no espírito da Revolução de outubro de 1917 liderada por Lenin e Trotsky!