Carta Aberta sobre a Revolução Árabe

A revolução árabe é um marco central para os socialistas!

Carta aberta a todas as organizações revolucionárias e ativistas

Emitido pela Tendência Comunista Revolucionária Internacional (TCRI), 04.10.2013, em Inglês RCIT, www.thecommunists.net

 

A revolução árabe é a mais nítida expressão política das contradições sociais profundas inerentes ao novo período revolucionário histórico que começou em 2008. As tendências fundamentais inerentes ao capitalismo - decadência e colapso - têm se acelerado . A economia mundial está infectada pela curva de temperatura altamente instável de bolhas financeiras , pelas armadilhas da dívida , das crises de superprodução, cuja causa fundamental é a crise de super-acumulação capitalista e a tendência da taxa de lucro em cair. Crises sociais, desemprego em massa e a destruição do meio ambiente estão , consequentemente, se acelerando. Concomitante com estes eventos , estão o fim da hegemonia absoluta do imperialismo dos EUA e o surgimento de novas potências imperialistas - em especial a China - , bem como a crescente rivalidade interna -imperialista . Neste contexto, o sentimento de inquietação e revolta entre os trabalhadores ,entre os pobres, assim como a classe média está se espalhando por todo o mundo .

É por causa dessas tendências históricas fundamentais que a RCIT tem insistido desde o início deste período histórico que esta época tem um caráter fundamentalmente revolucionário que incorpora potencialidades enormes para levantes revolucionários, assim como o de perigos contra-revolucionários.

A Revolução Árabe é o primeiro elo enorme que se quebrou na cadeia da ordem imperialista mundial. Uma série de ditaduras burguesas que eram ou subordinados diretos do imperialismo dos EUA (Ben Ali-Tunisia, Mubarak -Egito , Saleh-Iemen) ou do imperialismo russo (Síria) ou que tinham uma posição privilegiada na economia mundial capitalista (o regime de Gaddafi na Líbia) enfrentou revoltas populares espontâneas tendo início em 2011. Alguns deles foram derrubados. Os finais dos outros estão na balança.

A Revolução Árabe continua a ser o ponto central da situação mundial até hoje. Ela enfraqueceu a posição da pequena potência imperialista, Israel, e assim melhorou as condições para a luta de libertação palestina. Esta luta deve ser transformada em uma revolução permanente para esmagar o Estado de Israel e substituí-lo por uma República multinacional e democrática socialista de Trabalhadores Palestinos e dos camponeses.

No entanto, as lutas de libertação heróica dos trabalhadores, camponeses e pobres urbanos está em uma encruzilhada. No Egito, a contra-revolução ganhou uma importante vitória quando o comando do exército sob o general Al-Sisi organizou um golpe militar em 03 de julho e massacrou milhares de pessoas que protestavam contra a nova ditadura. A revolução síria também está ameaçada pela conspiração das potências imperialistas, os EUA e a Rússia. As grandes potências procuram liquidar a revolução síria como um componente importante da revolução árabe. Seu objetivo é impor uma transição negociada do poder a outro regime reacionário burguês - baseado no mesmo sangrento aparato estatal do partido  Baathist (provavelmente sem o clã Assad), além de alguns lacaios cooptados das lideranças rebeldes, e a dissolução dos numerosos comitês populares e o desarmamento das milícias.

Para derrotar esses perigos, as organizações da classe trabalhadora e dos oprimidos de todo o mundo devem se unir para apoiar a Revolução Árabe. No entanto, as condições para a conquista vitoriosa do poder pelos trabalhadores e camponeses devem estar numa correta compreensão das tarefas e dos perigos da revolução e - mais importante - a formação de partidos revolucionários autênticos em âmbito nacional e internacional.

A Revolução Árabe, por ser a atual questão-chave da situação do mundo, é a pedra de toque central para os socialistas. Ou seja, em como se posicionam sobre a Revolução Árabe, de que lado da barricada se situam, quais táticas aplicam -Isto mostra a verdadeira cor de todas as forças que pretendem estar com os interesses da classe trabalhadora. Infelizmente, muitos dos chamados "socialistas" ou juntou-se ao campo da contra-revolução ou preferiram tomar uma posição neutra nestas lutas de classe. E entre os socialistas que se encontram no campo dos trabalhadores e dos oprimidos, muitos se adaptaram de forma oportunista para forças burguesas ou pequeno-burguesas ou se  afundaram em confusão e sectarismo.

É de suma importância que os revolucionários tirem as lições corretas a partir das derrotas e vitórias da Revolução Árabe e unam suas forças na base das conclusões programáticas necessárias para promover a sua unidade com as massas em luta. O RCIT apela a todas as organizações revolucionárias e ativistas nos países árabes, assim como em todo o mundo, para estudar as lições da Revolução Árabe, e  discutir sobre essas lições conosco, a fim de examinar a possibilidade de juntar as nossas forças e fazer avançar a formação de uma forte organização comunista revolucionária internacional.

 

Quais são as principais lições da Revolução Árabe?

 

O RCIT e suas seções têm analisado a Revolução Árabe atentamente desde o seu início, tendo tirado destas análises conclusões programáticas análises, e temos participado, sempre que possível , nas atividades de solidariedade. Nós documentamos isso em inúmeras declarações, estudos e artigos. Queremos elaborar o que consideramos como as lições mais importantes e destacar quais posições políticas constituem os principais obstáculos para o movimento dos trabalhadores a desempenhar um papel progressista na luta de classes.

 

Um pré-requisito para os socialistas para desempenhar um papel progressista na luta de classes é a capacidade de reconhecer uma revolução.

A Revolução Árabe demonstrou que a maioria dos chamados socialistas - que gostam de falar muito sobre "revoluções" - são incapazes de reconhecer uma quando está realmente ocorrendo. Sustentamos que os acontecimentos no mundo árabe desde o início de 2011 refletem um processo revolucionário. Depois de décadas de ditaduras capitalistas , as massas populares estão se levantando contra seus governantes reacionários e estão lutando pela liberdade , pão e justiça. Eles já derrubaram vários ditadores (Tunísia , Egito, Líbia e Iêmen) , ou ainda estão tentando conseguir isso (Síria , Bahrein, Sudão) . Assim, a revolução árabe está na fase de uma revolução democrática inacabada. Ela vai inevitavelmente ser derrotada se a classe trabalhadora não construir uma direção revolucionária a tempo, completando assim a revolução democrática , transformando-a em uma revolução socialista, e estabelecer a ditadura do proletariado.

Aqueles que negam o caráter profundamente revolucionário deste processo por causa das lideranças atrasadas das massas ou por causa da insuficiente consciência política das massas, apenas demonstram que eles não entendem nem de revoluções , nem de história . As Revoluções na história, geralmente se iniciaram com lideranças fracas, atrasadas e com insuficiente consciência das massas (por exemplo, Revolução Francesa 1789, Revoluções Europeias de 1848, Rússia 1905 e 1917, China 1925-1927 e 1949 , Espanha 1931-1939 , Argélia 1954-1962 , Irã e Nicarágua 1979). Muitas vezes - devido à falta de uma liderança revolucionária - as massas eram incapazes de superar essas debilidades e as revoluções foram esmagadas . Isso, no entanto , não muda o caráter desses eventos históricos como sendo revoluções. Para desenvolver um programa e lutar pelas táticas corretas , os revolucionários têm que primeiro reconhecer o caráter , o potencial e as tarefas correspondentes da Revolução Árabe.

 

Um pré-requisito para os socialistas desempenharem um papel progressista na luta de classes é a capacidade de distinguir entre as revoluções e as contra-revoluções

Um abstrato louvar ao "marxismo" não tem significado se não corresponder a um programa correto, examinado à luz de ambos os precedentes históricos e a experiência real da luta de classes. Trata-se, portanto, de não estranhar que grandes segmentos dos stalinistas, bem como de pseudo-trotskistas e maoístas / Hoxahist centristas apoiam a ditadura reacionária de Assad da Síria na guerra civil contra as massas em revolta – ou por elogiar abertamente o regime (como tem feito tanto o CP (Partido Comunista) sírio , bem  como o sionista CP em Israel, o KKE grego(stalinista), assim como muitos outros CPs, DHKP / C e outros grupos maoístas / Hoxaist na Turquia, a WWP e PSL, nos EUA, etc) ou, dando-lhe "apoio crítico (ou não tão crítico) (por exemplo, Ação Socialista, RCG, Luta Socialista na Grã-Bretanha).

Eles justificam o seu apoio à contra-revolução , afirmando que os rebeldes sírios são “terroristas da Al- Qaeda patrocinados pela CIA.” Eles fazem tais afirmações , porque fecharam os olhos para a realidade e pararam de pensar . Na verdade, esses apoiadores do regime estão a apoiar o campo que recebe efetivamente a preponderância de apoio imperialista - ou seja, o regime de Assad é fortemente apoiado por dinheiro e armas fornecidas pelo imperialismo russo (e chinês). Estes apoiantes de Assad elogiam o terror do regime contra o povo e os rebeldes , apesar do fato de que estes últimos dificilmente estejam obtendo qualquer ajuda militar do Ocidente. Com sua cegueira à realidade, eles caluniam a revolução síria porque ignoram o concreto desenvolvimento histórico de uma revolta pacífica de massa que se transformou - depois de várias mortes causadas por açougueiros de Assad - em uma rebelião popular armada. Eles conseguem espalhar tal absurdo , porque eles fantasiam que a guerra mundial que o imperialismo dos EUA faz contra os rebeldes islâmicos - no Afeganistão, no Iêmen , na Somália , no Paquistão e na Síria (Jabhat al- Nusra) - é simplesmente uma conspiração misteriosa , e que os rebeldes islamitas são na verdade agentes da CIA . Eles deliram que os rebeldes são “ferramentas do imperialismo dos EUA”, apesar do fato de que a maioria dos rebeldes denunciaram publicamente a liderança pró-EUA do SNC / FSA . Em suma , eles substituem o materialismo dialético com teoria idealista conspiratória.

Da mesma forma, uma série de partidos ditos "marxistas" saudaram o golpe militar de 03 de julho dos comandantes Mubarakistas do exército como "a segunda revolução" ou um "avanço da revolução" (esta, por exemplo, é a posição da CP do Egito, bem como de Israel, o ex-stalinista-social democratizado Partido Europeu de Esquerda, os Revolucionários Socialistas do Egito e seu grupo irmão  britânico SWP, assim como os outros grupos Cliffitistas como a ISO (EUA) ou o IS- na Grã-Bretanha , o IMT de Alan Woods, o morenista LIT-CI, o LCC). Algumas destas organizações "marxistas" pró-golpe, (por exemplo, vários partidos comunistas e do IMT), até mesmo apoiaram os assassinatos em massa por parte do exército de apoiantes da Irmandade Muçulmana que ocuparam as praças, e denunciaram os islâmico como "fascistas", "terroristas" ou” contra-revolucionários vendidos".

Os partidos europeus de esquerda apelam ao poder imperialista EUA, UE e Rússia a organizar "Genebra-2", negociações entre o regime de Assad e os rebeldes, a fim de desarmar os rebeldes e impor a transferência de poder para outro regime burguês .

Outras forças de esquerda tomam uma posição neutra do “terceiro campo" nas lutas contra a ditadura burguesa no Egito e na Síria. Fazendo isso, eles se recusam a diferenciar o campo progressivo do campo reacionário , o campo da luta popular pela democracia do campo da ditadura da classe dominante reacionária . Tal incapacidade de reconhecer qual do campo em cuja vitória melhora as chances de um avanço da revolução e qual campo cuja vitória significa o esmagamento físico da revolução - tal incapacidade não é senão uma traição à classe trabalhadora e camponesa em luta. Exemplos para essa tão covarde posição "Terceiro Campista” na Síria são os CIPOML Hoxahist (que inclui o PCOT / PT na Tunísia) , IMT de Alan Woods ' , o CWI ou o COREP . A maioria deles , assim como os grupos Cliffitistas , também adotam - após os massacres sangrentos do Comando do Exército diminuíram seu entusiasmo inicial para o golpe militar - um similar “terceiro campo” com relação ao Egito hoje .

Em defesa de uma recusa tão vergonhosa em apoiar a luta democrática contra as ditaduras reacionárias da Al- Assad e Sisi , respectivamente , estes grupos geralmente apontam para o caráter burguês e reacionário das principais forças dessas lutas (por exemplo, a Irmandade Muçulmana , o Jabhat al- Nusra , os burgueses liberais pró-ocidentais) . Apesar de uma rica história de luta de classes, as lideranças desses grupos ainda não conseguiram entender que os marxistas não julgam o caráter de uma revolução , principalmente, pela política de sua liderança, mas pelo seu caráter social, pelo objetivo , pelas forças de classe envolvidas, e , consequentemente, o potencial da revolução . É por isso que Marx e Engels defenderam as lutas com influência profundamente religiosa dos povos irlandês e polonês contra os seus opressores coloniais ; Eis porque Lenin e os bolcheviques defenderam o imperialista regime "democrático" de Kerensky contra o golpe de Estado do general Kornilov em 1917 ; por isso que a Internacional Comunista defendeu numerosas lutas de libertação nacional , apesar de sua liderança islâmica ou tribais , bem como , por exemplo, chamou estar a lado com o regime burguês de Stambuliski na Bulgária contra o golpe de Estado em 1923 , ou porque Trotsky chamou revolucionários a apoiar criticamente a” democracia burguesa decadente” da Frente Popular anti-operária em Espanha contra o General Franco, em 1936-1939 .

Todos estes apoiantes supostamente marxistas de Assad e da junta militar contra-revolucionária egípcia não conseguem entender que a luta política necessária contra as lideranças seculares e religiosos pequeno-burgueses e burgueses só pode ser bem sucedida se os revolucionários se juntarem ao campo de luta de massas revolucionária e da guerra civil. Devem provar a si mesmo serem  os principais lutadores contra a ditadura reacionária e criticar as existentes lideranças em  sua incapacidade de implantar uma estratégia de sucesso para a vitória. Só juntando-se o campo da revolução e lutando dentro dele contra as direções equivocadas, podem revolucionários ganhar a confiança das massas e ganhá-los para um programa alternativo, um programa socialista para o poder operário.

 

Lutar contra o imperialismo consistentemente ou apoiar a contra-revolução em nome do “anti- imperialismo”?

Aqueles que estão lado com a ditadura Assad se justificam referindo-se a apoio do imperialismo dos Estados Unidos aos rebeldes sírios. Mas permanecem em completo silêncio - e eles devem agir assim devido à falta de argumentos - sobre o apoio militar maciça dado à Assad pelo imperialismo russo. Além disso, eles fecham os olhos para o fato de que, até agora , o imperialismo ocidental tem largamente somente apoiado os rebeldes retoricamente. Como resultado , os rebeldes quase não têm qualquer armamento moderno . Estes apoiantes "marxistas" de Assad simplesmente ignoram o fato de que as potências imperialistas ocidentais e orientais estão simplesmente competindo por influência na Síria e em toda a região e, ao mesmo tempo em que ambos os campos imperialistas têm um interesse primordial na contenção de liquidar a Revolução Árabe. (note como todas as potências imperialistas apoiaram o golpe no Egito !)

Ao fazermos duas analogias históricas , com base nos mesmos critérios que eles usam para apoiar Assad , como “marxistas” eles teriam que abandonar o seu apoio à Espanha republicana em 1936-39 contra o fascismo de Franco ou aos nacionalistas chineses contra o Japão 1939-1945 , apenas porque os imperialistas ocidentais deram suporte limitado para as forças progressistas nesses conflitos . Tais "marxistas" são, obviamente, incapazes de lidar com tantas contradições na política da vida real , por isso eles deixam de lado o pensamento dialético e o substituem com uma visão em preto e branco simples do mundo, pior ainda, eles não podem sequer distinguir entre o preto e o branco.

O RCIT considera dever de todos os socialistas se opor a qualquer ataque militar dos imperialismos dos EUA e da UE contra a Síria . No caso de um ataque tão militar, nós chamamos para a derrota dos agressores imperialistas . Defendemos que os trabalhadores boicotem qualquer apoio material - principalmente da Rússia e do Irã - para a ditadura de Assad. Apelamos para a construção de um movimento de solidariedade internacional com manifestações de apoio e fornecendo assistência material - remédios, roupas , armas , etc - para a revolução síria , cujo sucesso é fundamental para despedaçar a ordem imperialista no Oriente Médio . Esta é a única possível linha de autêntico anti- imperialismo !

 

Para as massas romperem com as lideranças (pequeno) burguesas, a aplicação da tática da Frente Única e da crítica das direções são ferramentas indispensáveis para os revolucionários. Da mesma forma os socialistas devem rejeitar a política reformista da Frente Popular com os partidos (pequeno) burgueses .

Para fazer avançar a revolução democrática , as massas devem construir seus órgãos independentes de luta - comitês populares , milícias armadas sob controle dos operários e camponeses , etc. Esta é a melhor maneira de formar uma liderança dentro de suas próprias fileiras e para lançar as bases para um futuro rompimento com suas lideranças atuais – sejam elas islamitas burguesas ou pequeno-burguesas ou liberais pró-imperialistas . A tarefa de um partido revolucionário é o de ajudar as massas na formação de tais órgãos independentes de luta, e para promover a sua ruptura com as direções traidoras .

No entanto, essa estratégia não pode ser implementada simplesmente chamando as massas para romper com os islamitas , liberais, etc. Os revolucionários devem começar se juntando às lutas das massas como elas acontecem hoje , apesar da atual consciência atrasada das massas , e independentemente das liderança não-revolucionárias que agora seguem. Os revolucionários devem defender as massas contra seus inimigos diretos – tais como os sangrentos regimes de Assad ou Al- Sisi - não só de forma abstrata, mas de forma concreta em defender e unir as lutas , mesmo que ocorram sob a liderança burguesa ou pequeno-burguês. Em suma , os revolucionários têm de aplicar a tática da Frente Única . Isto significa chamar as organizações dos trabalhadores e oprimidos - mesmo que sejam reformistas , islâmicas , ou liberais - para ações conjuntas , coordenação prática , comitês populares, etc , sem lhes dar qualquer apoio político . Claro, os revolucionários devem limitar tal Frente Única somente à luta prática contra a ditadura reacionária e para a defesa dos direitos democráticos .

O objetivo central da adoção desta tática da Frente Única é lutar ombro a ombro com os trabalhadores que , por agora ainda seguem as lideranças não- revolucionárias. Para esta finalidade , os revolucionários devem encaminhar a proposta de formar uma frente unida em especial não só para as bases dos partidos e organizações não -revolucionárias , mas também para a sua liderança oficial. No entanto, a luta comum nunca deve levar revolucionários a abdicar da crítica necessária da política insuficiente das direções burguesas e pequeno-burguesas , e em particular deve criticá-los duramente quando eles traem a luta.

No entanto, é precisamente essa combinação de uma política concreta de frente unida e a crítica necessária das lideranças não-revolucionárias, o que está faltando entre a maioria dos chamados marxistas . No Egito, muitos condenaram o massacre sangrento do comando do exército sobre milhares de manifestantes em 14 de agosto e também após. Mas eles teimosamente se recusam a chamar a única consequência possível - defender e , se possível, juntar-se às ocupações em Rabaa Al- Adawiya e na praça al- Nahda e ás marchas de protesto no Egito contra a ditadura , mesmo quando essas manifestações são guiados pelo Irmandade Muçulmana, a maior organização de massa no país. Da mesma forma, os revolucionários devem estar ao lado com a revolução síria não em abstrato, mas com a sua expressão mais concreta - as numerosas milícias rebeldes - que estão lutando contra o exército assassino de Assad , os quais são esmagadoramente liderada por forças (pequeno-) burgueses seculares ou religiosas .

Em vez disso vários "marxistas" prosseguem com  uma política de Frente Popular , ou seja, alianças políticas (com pequeno-) forças burguesas . Por exemplo, o grupo do  Egito Socialistas Revolucionários - elogiado por todos os grupos no Cliffite  chamaram a votar em Morsi em 2012 e, depois, eles apoiaram a burguesa Frente de Salvação Nacional no final de 2012 e, depois, eles elogiaram o golpe militar em 03 de julho , e agora eles formaram outra frente popular (chamada "Frente Path Revolution"), com o Movimento 6 abril pequeno-burguês (que saudou o golpe de 03 de julho também) e o burguês Partido Forte Egito do ex-líder da Irmandade Muçulmana e candidato presidencial, Abdel Moneim Aboul Fotouh . Assim, com efeito , os socialistas revolucionários continuamente estão com os olhos vendados e confusamente constituem hoje uma pequena Frente Popular em vez de defender em ações práticas as manifestações de massa - liderada pela Irmandade Muçulmana - contra a ditadura militar .

Entre os que corretamente apoiam os rebeldes sírios contra o exército de Assad, muitos infelizmente não combinam esse apoio com a denúncia necessária das lideranças (pequeno) burguesas . Para ser mais preciso, enquanto despreocupadamente condenam os rebeldes islâmicos, abdicam de atacar a pró-ocidental liderança burguesa do SNC e FSA . (Veja , por exemplo, a declaração conjunta de 30 de agosto de 2013 dos britânicos grupos Resistência Socialista (seção ao mandelista “Quarta Internacional”), grupo IS -Network , grupo Iniciativa Anti-Capitalista e grupo Poder dos Trabalhadores / Liga para a Quinta Internacional) .

Autênticos revolucionários devem combinar o apoio para a luta de libertação dos operários e camponeses - apesar de suas lideranças não revolucionárias - com a crítica necessária contra essas forças. Este é o único caminho para promover a perspectiva socialista de independência de classe.

 

Para Concluir a Revolução Democrática, a Classe Trabalhadora - em aliança com os camponeses e os pobres urbanos - deve tomar o poder e construir a Ditadura do Proletariado

A Revolução Árabe está atualmente na fase de uma revolução democrática inacabada. (Como tal, há algumas semelhanças com a Revolução espanhola 1931-1939) Isto significa que, na situação atual, a luta contra as ditaduras, contra o poderoso aparato repressivo, contra a supressão dos direitos democráticos, contra a ingerência imperialista e de dependência, para uma nova Constituição, contra a pobreza, etc. está em primeiro plano. Igualmente, sem exceção, as massas estão sendo conduzidas por forças pró-capitalistas burguesas ou pequeno-burguesas.

Mas para ganhar , ou seja, a fim de garantir uma solução democrática consistente, como Trotsky escreveu , a "revolução democrática deve evoluir ao longo diretamente para a  revolução socialista e, assim, tornar-se uma Revolução Permanente” Isso significa que a revolução democrática só pode ter sucesso se derrubar a classe dominante capitalista e romper com todas as potências imperialistas (do ocidental e do oriente) . Em outras palavras , a classe trabalhadora - em aliança com os camponeses e os pobres urbanos - deve tomar o poder , quebrar a máquina estatal capitalista , e estabelecer a ditadura do proletariado . A contra-revolução (golpe militar) de 03 de julho no Egito é uma poderosa constatação desta verdade fundamental do marxismo : Se a classe trabalhadora não destruir o aparelho de Estado capitalista, com o tempo, a classe trabalhadora será esmagada por este Leviatã. Claro, nós não confundimos a ditadura militar com o fascismo , e estamos plenamente conscientes de que a luta de classes continua. Mais cedo ou mais tarde, os trabalhadores e os pobres vão recuperar a sua força combativa . No entanto, o bem sucedido golpe de Estado do general Al- Sisi foi um revés importante contra a Revolução no Egito.

O RCIT renega qualquer programa que sugira que a luta pela democracia possa ser vencida em uma fase separada, sem a concomitante conquista do poder pela classe trabalhadora. Tal confusão reformista só pode resultar em uma política oculta ou aberta de Frente Popular, ou seja, a subordinação reacionária da classe trabalhadora perante a burguesia. (Veja, por exemplo, o respectivo apoio reacionário dos stalinistas do Egito e da Síria para o general Al-Sisi e a ditadura de Assad em nome da "democracia", ou as coligações de Frente Popular do Hoxahist PCOT / PT na Tunísia, ou dos Cliffitistas do RS-Egito.) na verdade, quem quer lutar pela democracia sem vincular essa luta à tomada de poder da classe trabalhadora pode facilmente desviar e se aliar com o campo anti-democrático e pró-imperialista.

Outro desvio grave é renunciar sectariamente à revolução democrática, substituindo - em vez de combinar - o programa da revolução democrática com o programa da revolução socialista. Argumentos como "não levantar demandas democráticas, como a Assembleia Constituinte, porque é utópico acreditar que pode ser implementada sem o governo dos trabalhadores" (WIVP África do Sul) ou "as massas já superaram suas ilusões democrático-burguesas" (LCC) tanto traem a ignorância da parte democrática do Programa de Transição de um economista ou simplesmente se divorciam da realidade. Enquanto as massas provarem com suas ações que eles desejam a democracia e estiverem longe de uma consciência socialista, autênticos revolucionários devem defender ativamente o programa democrático (como a liberdade de reunião, de imprensa, Assembleia Constituinte Revolucionária, etc) e combiná-lo com o perspectiva de um governo de trabalhadores e camponeses.

 

Entendendo a Rivalidade inter-imperialista entre as grandes potências EUA, UE, Rússia e China é a chave para compreender a atual situação mundial

O RCIT tem explicado nos últimos anos que a evolução da China como uma nova potência imperialista é um fator importante na compreensão do declínio acelerado de os EUA e a crescente rivalidade e conflitos na política mundial. A crescente influência das potências imperialistas do Oriente, China e Rússia, desempenham um papel importante na definição das condições políticas e econômicas, não só na África, Ásia Central e América Latina, mas também no Oriente Médio. A ditadura de Assad deixaria de existir se não recebesse grande apoio econômico e militar da Rússia (e em certo grau da China).

No entanto, dificilmente qualquer um dos grupos socialistas é capaz de reconhecer o caráter imperialista da China. A maioria dos stalinistas, assim como grupos como Ação Socialista (Grã-Bretanha) ou a família Espartaquista (ICL, IBT, IG), consideram a China como um país "socialista" ou como um "Estado operário degenerado." Outros, como o FLTI, insistem que a China é uma "semi-colônia", sob o comando de Obama. Tal incompreensão do caráter de classe do imperialismo chinês faz com que estes grupos sejam incapazes de compreender reviravoltas importantes na política mundial, como o recente recuo de Obama sobre a Síria. Da mesma forma, oferece uma justificativa absurda para em favor de Assad não só em se opor a uma guerra dos EUA na Síria - o que é, naturalmente, o dever de todos os socialistas -, mas também saudar o apoio imperialista da Rússia (com o apoio da China) em apoiar o regime de Assad .

O RCIT está convencido de que a rivalidade inter-imperialista - em particular entre os EUA e a China - vai aumentar substancialmente nos próximos anos. É de importância decisiva que o movimento dos trabalhadores não subordinem a qualquer um dos campos imperialistas, mas seguir uma linha internacionalista proletária. Caso contrário, corre para o perigo de se adaptar para o social-imperialismo.

 

No período que se aproxima, Construir uma forte organização internacional bolchevique é a chave

A revolução árabe está em uma encruzilhada. A contra-revolução levantou a cabeça e marcou uma importante vitória no Egito. As grandes potências imperialistas estão conspirando para salvar o aparelho de estado reacionário do partido Baath na Síria (provavelmente sem Assad), de modo que eles possam desarmar e esmagar as massas revolucionárias.

O principal desafio agora é aprender com as lições das vitórias e derrotas da Revolução Árabe e unir os revolucionários autênticos em um programa correspondente às tarefas do presente período. Pode-se objetar que os revolucionários de hoje são fracos e não podem influenciar decisivamente o destino da Revolução Árabe. Na verdade, nós os revolucionários estamos fracos e, além disso, a política de traição de muitos dos chamados "marxistas" - na verdade renegados de esquerda reformista e centrista – desacreditam o marxismo autêntico aos olhos das massas. Mas, como bolchevique -comunistas , não tiramos a conclusão cínica de que os revolucionários devem limitar-se a apenas comentar sobre a luta de classes. Passividade e desmoralização nunca vai fazer avançar a construção de um partido revolucionário. Pelo contrário, a tarefa é oferecer para a vanguarda dos trabalhadores e oprimidos uma análise da relação de forças e uma perspectiva para a luta , assim como participar e apoiar a vanguarda , a fim de melhorar as condições para superar a crise de liderança.

 Claro que, isto não é nem a curto prazo nem é uma tarefa fácil. Mas os revolucionários devem planejar com visão de longo prazo. Como explicamos em documentos anteriores, o presente período revolucionário histórico não será curto, mas sim um longo período marcado por acentuada fluxos e refluxos da luta de classes. haverá algumas vitórias, mas - pela falta de liderança revolucionária - haverá principalmente derrotas e semi-vitórias temporárias. Mas é uma lei conhecida da luta revolucionária que o caminho para a vitória é pavimentado com derrotas que, no entanto, são a base para a experiência necessária para a classe operária e sua vanguarda se unirem e começar de novo em uma base política maior.

Essas lutas e essas experiências dos trabalhadores de vanguarda e das massas são o fermento com que os bolcheviques-comunistas vão construir o partido revolucionário, bem como a Partido Mundial da Revolução Socialista (que, em nossa opinião, será a Quinta Internacional). Esta é a tarefa pelo qual o RCIT está lutando. Chamamos todos os lutadores para a solidariedade com a Revolução Árabe e da luta de libertação mundial da classe trabalhadora e dos oprimidos para unir forças na luta para a construção de novos partidos revolucionários e de uma nova quinta Internacional dos Trabalhadores.

Não há futuro sem socialismo!

Não há Socialismo sem revolução!

Não há revolução sem um partido revolucionário!

 

Para uma visão mais ampla da análise e da conclusão programática da revolução árabe feita pelo RCIT, bem como dos nossos documentos sobre a situação mundial, sobre o islamismo e as estratégias para a luta de libertação, àqueles que estão interessados vejam em nosso site: www.thecommunists.net/ e www.thecommunists.net/theory (em Inglês).

 

Free Homepage Translation