China: Popular Rebellion against Lockdowns and “Zero COVID”

Statement of the Revolutionary Communist International Tendency (RCIT), 28 November 2022, www.thecommunists.net

 

1.           An unprecedented wave of protests is spreading across China since early November. People are demonstrating against the draconic Lockdown policy – called “Zero COVID” strategy – which the Xi regime has imposed since early 2020. Migrant workers in Guangzhou broke through metal barriers and demanded an end to the lockdown. A few days ago, workers at a Foxconn factory in Zhengzhou clashed with police over poor pay and brutal COVID restrictions. These protests have become more widespread after a tragedy in Ürümqi (in the Xinjiang region) on 24 November 2022 when a fire in a building killed 10 people and wounded 9 in a residential area under lockdown. Since then, protest rallies have been held in many large cities, including Beijing, Shanghai, Nanjing, Chengdu, Chongqing and Korla. Demonstrations have taken place at 50 universities., including at Xi’s alma mater, Tsinghua University in Beijing, where about 2,000 students gathered to demand an easing of anti-virus controls, shouted “freedom of speech!” and sang the Internationale.

2.           These popular protests are primarily directed against the reactionary Lockdown and “Zero COVID” policy. Videos from rallies show demonstrators shouting slogans like “No more lockdowns! No more lockdowns!”, “Unlock Xinjiang, unlock China!”, “We do not want PCR (tests), we want freedom”, “We don’t want masks, we want freedom! We don’t want COVID tests, we want freedom!” In Chongqing, a man was filmed giving a speech in his residential compound, loudly proclaiming "Give me liberty, or give me death!" to the cheers and applause of the crowd. Quotes from this man’s speech – who has become known on social media as the "Chongqing hero" – are widely circulating, such as "there is only one disease in the world and that is being both poor and not having freedom [...] we have now got both".

3.           The Xi regime justifies its brutal policy of state repression with the need to fight the virus. However, China shares the approach of most other capitalist countries around the globe in 2020-21 of combating the pandemic primarily not with health provisions but with police state measures. This policy – which we have called chauvinist state bonapartism – is characterized by local or even nation-wide lockdowns for longer periods, draconic restrictions of freedom of movement (both within the country as well as across the border), mass surveillance (Green Pass, etc.), (semi-)compulsory vaccination campaigns, etc.

4.           While the reactionary Lockdown policy is not unique in itself, the Xi regime has certainly imposed the most brutal version of it. Huge areas are put under strictest lockdown for long periods. The Xinjiang region – which is home of nationally oppressed Uyghur people – has been in strict lockdown for three months! People are often not allowed to go out to buy food or even to get medical treatment. In many cases, residents have their doors chained shut. Thousands of people are forcibly transported to makeshift quarantine camp. Incidents like the death of a four-month-old baby after a delay in receiving medical attention while suffering vomiting and diarrhoea in a quarantine hotel in Zhengzhou, have provoked public outcry.

5.           A particularly interesting feature of the current demonstrations is their increasingly political, anti-regime character. Many people hold up blank sheets of paper to protest the totalitarian censorship in public media by the Stalinist authorities. The slogan “press freedom!” has become a popular demand at these rallies. Videos on social media also show people chanting slogans against the bonapartist regime of Xi Jinping. “We don’t want lifelong rulers. We don’t want emperors!”, “Remove the Communist Party! Remove Xi Jinping!” or “Xi Jinping, step down, Communist Party, step down!” It is hardly surprising that these protests have quickly turned politically and anti-regime, given the fact that workers and oppressed are suffering from Xi’s extreme draconic Lockdown policy since nearly three years.

6.           The Revolutionary Communist International Tendency (RCIT) strongly welcomes the popular rebellion against the reactionary Lockdown and “Zero COVID” policy! We fully support the demand for an immediate end of this chauvinist state bonapartist policy. We have condemned this policy – which we have called COVID Counterrevolution – since early February 2020. We explained that the ruling class exploited the pandemic as an excuse for expanding state control over the popular masses in a world situation characterized by the worst economic depression since nearly a century, accelerating rivalry between the Great Powers and increasing political instability in many countries. As we stated in our Manifesto “COVID-19: A Cover for a Major Global Counterrevolutionary Offensive” (21 March 2020): “These are the conditions which make it necessary for the ruling class to adopt major steps in order to regain the initiative and to enforce its political control over the popular classes via massively expanding its state apparatus. In order to achieve this goal, they create the atmosphere of global panic and a state of emergency. They do so both on a national as well as on a global level.” Mass protests in many countries, particularly in late 2021 and early 2022, forced most capitalist governments around the world to beat a (temporarily?) retreat. However, the specific characteristics of the Chinese Stalinist-capitalist regime – an unprecedented economic crisis, massive social contradictions, Xi’s determined attempt to consolidate his one-man rule – have resulted in a particularly long and draconic implementation of the Lockdown and “Zero COVID” policy.

7.           The current wave of demonstrations – which might be one of the, if not the, largest protests since the Tiananmen Square uprising in 1989 – could provoke a serious challenge for the totalitarian-bonapartist Xi regime. If police forces do not succeed in smashing these protests, they could even open a revolutionary crisis in one of the most important imperialist Great Powers. The RCIT and all authentic socialists are in unconditional solidarity with the rebellion of the Chinese workers and oppressed. We call for the downfall of the Stalinist-capitalist regime and for a socialist revolution opening the road to an authentic workers and poor peasants republic in China. In contrast to the Stalinist dictatorship, such a workers and popular government would respect the right of self-determination for all oppressed nations, including the right to secede and to create their own state.

8.           The current mass protests are a powerful blow against the Stalinist, reformist and left-populist parties around the world which support the Stalinist-capitalist regime in Beijing as a “progressive”, an “anti-imperialist” or even “socialist” force. As a matter of fact, this regime has nothing to do with “socialism” and everything with capitalism, imperialism and totalitarian bonapartism! Those “left-wing” parties which side with this regime against the people are counterrevolutionary enemies of the international working class.

9.           It is also worth pointing out that China’s reactionary Lockdown policy is only the most consistent and most brutal version of a policy which has been supported since early 2020 by nearly the whole reformist and centrist left. As we demonstrated in various documents, many of these forces – including various pseudo-“Trotskyist” groups – have openly called for a world-wide “Zero COVID” policy. Often, they explicitly praised China as a model! The mass protests against such a policy demonstrate that such “left-wing” parties are thoroughly reactionary.

10.         The RCIT calls socialists to join forces in supporting for anti-Lockdown and anti-bonapartist popular protests. We support health measures that really serve to confront Covid and other diseases, but we never support policies that, in the name of health, serve to restrict freedoms and impose authoritarian regimes. The general orientation of the WHO and the capitalist governments was not to defend health, but to use Covid as an excuse to defend the capitalist system, which is going through the worst crisis in its history. We combine such an approach with an internationalist and socialist perspective and fight for the creation of a Revolutionary World Party.

 

International Bureau of the RCIT

 

* * * * *

 

The RCIT has analysed the COVID-19 counterrevolution extensively since its beginning. Starting from 2 February 2020 we have published more than 100 pamphlets, essays, articles and statements plus a book which are all compiled at a special sub-page on our website: https://www.thecommunists.net/worldwide/global/collection-of-articles-on-the-2019-corona-virus/. In particular we refer readers to two RCIT Manifestos: COVID-19: A Cover for a Major Global Counterrevolutionary Offensive. We are at a turning point in the world situation as the ruling classes provoke a war-like atmosphere in order to legitimize the build-up of chauvinist state-bonapartist regimes, 21 March 2020, https://www.thecommunists.net/worldwide/global/covid-19-a-cover-for-a-major-global-counterrevolutionary-offensive/; “Green Pass” & Compulsory Vaccinations: A New Stage in the COVID Counterrevolution. Down with the chauvinist-bonapartist police & surveillance state – defend democratic rights! No to health policy in the service of the capitalist monopolies – expand the public health sector under workers and popular control! 29 July 2021, https://www.thecommunists.net/worldwide/global/green-pass-compulsory-vaccinations-a-new-stage-in-the-covid-counterrevolution/; In addition, we draw attention to our book by Michael Pröbsting: The COVID-19 Global Counterrevolution: What It Is and How to Fight It. A Marxist analysis and strategy for the revolutionary struggle, RCIT Books, April 2020, https://www.thecommunists.net/theory/the-covid-19-global-counterrevolution/.

China: Rebelión popular contra los confinamientos y “Covid cero”

Declaración de la Corriente Comunista Revolucionaria Internacional, CCRI, 28 de noviembre de 2022, www.thecommunists.net

 

1. Una ola de protestas sin precedentes se está extendiendo por China desde principios de noviembre, ya que el pueblo se está manifestando contra la política de confinamiento draconiana, llamada estrategia "Covid cero", que el régimen de Xi ha impuesto desde principios de 2020. Los trabajadores migrantes de Guangzhou rompieron las barreras metálicas y exigieron el fin del confinamiento. Hace unos días, los trabajadores de una fábrica de Foxconn, en Zhengzhou, se enfrentaron con la policía por los bajos salarios y las brutales restricciones de COVID. 

Estas protestas se han generalizado después de una tragedia en Ürümqi (en la región de Xinjiang) el 24 de noviembre de 2022, cuando un incendio en un edificio mató a 10 personas e hirió a 9 en una zona residencial cerrada. Desde entonces, se han realizado manifestaciones de protesta en muchas ciudades grandes, incluidas Beijing, Shanghai, Nanjing, Chengdu, Chongqing y Korla. También hubo manifestaciones en 50 universidades, incluida el alma mater de Xi, la Universidad Tsinghua en Beijing, donde unos 2000 estudiantes se reunieron para exigir una relajación de los controles antivirus, cantando la Internacional y gritando “¡Libertad de expresión!”.

2. Estas protestas populares están dirigidas principalmente contra la política reaccionaria de Confinamiento y “Covid Cero”. Los videos de las manifestaciones los muestran gritando consignas como “¡No más cierres! ¡No más bloqueos!”, “¡Desbloqueen Xinjiang, desbloqueen China!”, “No queremos PCR (pruebas), queremos libertad”, “¡No queremos máscaras, queremos libertad! ¡No queremos pruebas de COVID, queremos libertad!”. En Chongqing, se filmó a un hombre dando un discurso en su complejo residencial, proclamando en voz alta "¡Dame la libertad o dame la muerte!" ante los vítores y aplausos del público. Citas del discurso de este hombre, conocido en las redes sociales como el "héroe de Chongqing", están circulando ampliamente, como "solo hay una enfermedad en el mundo y es ser pobre y no tener libertad [...] ahora tenemos ambos".

3. El régimen de Xi justifica su brutal política de represión estatal con la necesidad de combatir el virus. Sin embargo, China comparte el enfoque de la mayoría de los demás países capitalistas del mundo, que a partir del 2020 decidieron enfrentar la pandemia principalmente, no con disposiciones sanitarias sino con medidas de estado policial. Esta política -que hemos llamado bonapartismo estatal chovinista- se caracteriza por la imposición de cuarentenas locales o incluso nacionales por períodos más prolongados, restricciones draconianas a la libertad de movimiento (tanto dentro del país como a través de la frontera), vigilancia masiva (Pase Verde, etc.), campañas de vacunación (semi-)obligatorias, etc.

4. Si bien la política reaccionaria de confinamiento no es única en sí misma, el régimen de Xi ciertamente ha impuesto la versión más brutal de la misma. Grandes áreas se someten a bloqueos más estrictos durante largos períodos. ¡La región de Xinjiang, que es el hogar del pueblo uigur oprimido a nivel nacional, ha estado bajo estricto confinamiento durante tres meses! A las personas a menudo no se les permite salir a comprar alimentos o incluso a recibir tratamiento médico. En muchos casos, los residentes tienen sus puertas cerradas con cadenas. Miles de personas son transportadas a la fuerza a campamentos de cuarentena improvisados. Incidentes como la muerte de un bebé de cuatro meses tras demorar en recibir atención médica mientras sufría vómitos y diarrea en un hotel de cuarentena en Zhengzhou, han provocado protestas públicas.

5. Una característica particularmente interesante de las manifestaciones actuales es su carácter cada vez más político y anti-régimen. Muchas personas levantan hojas de papel en blanco para protestar contra la censura totalitaria en los medios públicos por parte de las autoridades estalinistas. El lema “¡libertad de prensa!” se ha convertido en una demanda popular en estos mítines. Los videos en las redes sociales también muestran a personas coreando consignas contra el régimen bonapartista de Xi Jinping. “No queremos gobernantes de por vida. ¡No queremos emperadores!”, “¡Quiten el Partido Comunista! ¡Elimine a Xi Jinping!” o “¡Xi Jinping, renuncia, Partido Comunista, renuncia!” No es de extrañar que estas protestas se hayan convertido rápidamente en políticas y en contra del régimen, dado que los trabajadores y los oprimidos están sufriendo la política de cierre draconiano extremo de Xi desde hace casi tres años.

6. ¡Desde la Corriente Comunista Revolucionaria Internacional, CCRI, saludamos con fuerza la rebelión popular contra la política reaccionaria de Confinamiento y “Covid Cero”! Apoyamos plenamente la exigencia del cese inmediato de esta política bonapartista de Estado chovinista. Hemos condenado esta política, que hemos llamado Contrarrevolución COVID, desde principios de febrero de 2020, cuando explicamos que la clase dominante explotó la pandemia como una excusa para expandir el control estatal sobre las masas populares, en una situación mundial caracterizada por la peor depresión económica desde hace casi un siglo, acelerando la rivalidad entre las grandes potencias y aumentando la inestabilidad política en muchos países. Como dijimos en nuestro Manifiesto “COVID-19: Una tapadera para una gran ofensiva contrarrevolucionaria global” (21 de marzo de 2020):

“Estas son las condiciones que hacen necesario que la clase dominante adopte pasos importantes para recuperar la iniciativa y para imponer su control político sobre las clases populares mediante la expansión masiva de su aparato estatal. Para lograr este objetivo, crean la atmósfera de pánico global y un estado de emergencia. Lo hacen tanto a nivel nacional como a nivel mundial”. Las protestas masivas en muchos países, particularmente a fines de 2021 y principios de 2022, obligaron a la mayoría de los gobiernos capitalistas de todo el mundo a batirse en retirada (¿temporalmente?). Sin embargo, las características específicas del régimen estalinista-capitalista chino (una crisis económica sin precedentes, contradicciones sociales masivas, el intento decidido de Xi de consolidar su gobierno de un solo hombre) han resultado en una implementación particularmente larga y draconiana del Lockdown -cuarentena- y "Zero COVID"..

7. La ola actual de manifestaciones, que podría ser una de las protestas más grandes, si no la más grande, desde el levantamiento de la Plaza de Tiananmen en 1989, podría provocar un serio desafío para el régimen totalitario-bonapartista de Xi. Si las fuerzas policiales no logran aplastar las movilizaciones, podrían incluso abrir una crisis revolucionaria en una de las grandes potencias imperialistas más importantes. Desde la CCRI, junto a todos los auténticos socialistas, nos solidarizamos incondicionalmente con la rebelión de los trabajadores y oprimidos chinos. Llamamos a la caída del régimen estalinista-capitalista y a una revolución socialista que abra el camino a una auténtica república de trabajadores y campesinos pobres en China. A diferencia de la dictadura estalinista, tal gobierno obrero y popular respetaría el derecho a la autodeterminación de todas las naciones oprimidas, incluido el derecho a separarse y crear su propio estado.

8. Las protestas masivas actuales son un poderoso golpe contra los partidos estalinistas, reformistas y populistas de izquierda en todo el mundo que apoyan al régimen estalinista-capitalista en Beijing como una fuerza "progresista", "antiimperialista" o incluso "socialista". . ¡De hecho, este régimen no tiene nada que ver con el “socialismo” y todo con el capitalismo, el imperialismo y el bonapartismo totalitario! Esos partidos de “izquierda” que se ponen del lado de este régimen contra el pueblo son enemigos contrarrevolucionarios de la clase obrera internacional.

9. También vale la pena señalar que la política reaccionaria de confinamiento de China es solo la versión más consistente y brutal de una política que ha sido apoyada desde principios de 2020 por casi toda la izquierda reformista y centrista. Como demostramos en varios documentos, muchas de estas fuerzas, incluidos varios grupos pseudo "trotskistas", han pedido abiertamente una política mundial de "Covid cero". ¡A menudo, elogiaron explícitamente a China como modelo! Las protestas masivas contra tal política demuestran que tales partidos de “izquierda” son completamente reaccionarios.

10. Desde la CCRI apoyamos medidas sanitarias que sirvan realmente para enfrentar al Covid y otras enfermedades, pero nunca políticas que, en nombre de la salud, sirvan para restringir las libertades e imponer regímenes autoritarios. La orientación general de la OMS y los gobiernos capitalistas no fue defender la salud, sino utilizar al Covid como excusa para defender al sistema capitalista, que está atravesando la peor crisis de su historia.

 

China: Rebelião popular contra os Lockdowns e "Zero COVID".

Declaração da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI/RCIT), 28 de novembro de 2022, www.thecommunists.net

 

1.           Uma onda de protestos sem precedentes está se espalhando pela China desde o início de novembro. As pessoas estão se manifestando contra a draconiana política de lockdown - chamada de estratégia "COVID Zero" - que o regime Xi tem imposto desde o início de 2020. Os trabalhadores migrantes em Guangzhou romperam as barreiras metálicas e exigiram o fim do confinamento. Há alguns dias, trabalhadores de uma fábrica de Foxconn em Zhengzhou entraram em conflito com a polícia por causa de salários baixos e restrições brutais da COVID. Estes protestos se tornaram mais generalizados após uma tragédia em Ürümqi (na região de Xinjiang) em 24 de novembro de 2022, quando um incêndio em um prédio matou 10 pessoas e feriu 9 em uma área residencial sob lockdown. Desde então, foram realizados protesto em muitas grandes cidades, incluindo Pequim, Xangai, Nanjing, Chengdu, Chongqing e Korla. Foram realizadas manifestações em 50 universidades, inclusive na alma mater de Xi, Universidade Tsinghua em Pequim, onde cerca de 2.000 estudantes se reuniram para exigir uma flexibilização dos controles antivírus, gritaram "liberdade de expressão! " e cantaram a International.

2.           Estes protestos populares são dirigidos principalmente contra a política reacionária de "Lockdown e "Zero COVID". Vídeos de comícios mostram manifestantes gritando slogans como "Basta de lockdowns! Basta de lockdowns! ", "Desbloqueie Xinjiang, desbloqueie a China! ", "Não queremos PCR (testes), queremos liberdade", "Não queremos máscaras, queremos liberdade! Não queremos testes COVID, nós queremos liberdade! "Em Chongqing, um homem foi filmado fazendo um discurso em seu complexo residencial, proclamando em voz alta: "Dê-me liberdade, ou dê-me morte! " causando apoios e aplausos da multidão. Citações do discurso deste homem - que ficou conhecido nas mídias sociais como o "herói de Chongqing" - estão circulando amplamente, tais como "há apenas uma doença no mundo e que é ser pobre e não ter liberdade [...] agora temos ambas".

3.           O regime Xi justifica sua brutal política de repressão do Estado com a necessidade de combater o vírus. Entretanto, a China compartilha a abordagem da maioria dos outros países capitalistas ao redor do mundo em 2020-21 de combater a pandemia principalmente não com disposições sanitárias, mas com medidas policiais estatais. Esta política - que chamamos de bonapartismo estatal chauvinista - é caracterizada por lockdowns locais ou mesmo nacionais por períodos mais longos, restrições draconianas de liberdade de circulação (tanto dentro do país como através da fronteira), vigilância em massa (Passe Verde, etc.), campanhas de vacinação (semi-)obrigatórias, etc.

4.           Embora a política reacionária de lockdowns não seja única em si mesma, o regime Xi certamente impôs a versão mais brutal da mesma. Enormes áreas são colocadas sob o mais rigoroso confinamento por longos períodos. A região de Xinjiang - que é o lar do povo Uyghur, oprimido nacionalmente - tem estado em estrito confinamento por três meses! Muitas vezes as pessoas não podem sair para comprar alimentos ou mesmo para receber tratamento médico. Em muitos casos, os residentes têm suas portas fechadas trancadas. Milhares de pessoas são transportadas à força para o acampamento de quarentena improvisado. Incidentes como a morte de um bebê de quatro meses após um atraso em receber atendimento médico enquanto sofria vômitos e diarréia em um hotel de quarentena em Zhengzhou, provocaram protestos públicos.

5.           Uma característica particularmente interessante das atuais manifestações é seu caráter cada vez mais político e anti-regime. Muitas pessoas seguram folhas de papel em branco para protestar contra a censura totalitária na mídia pública por parte das autoridades estalinistas. O slogan "liberdade de imprensa! " tornou-se uma exigência popular nestes comícios. Vídeos sobre a mídia social também mostram pessoas cantando slogans contra o regime bonapartista de Xi Jinping. "Não queremos governantes para toda a vida". Não queremos imperadores! ", "Removam o Partido Comunista! Removam o Xi Jinping! " ou "Xi Jinping, desça, Partido Comunista, desça! "Não é surpreendente que estes protestos tenham se transformado rapidamente em política e anti-regime, dado o fato de que os trabalhadores e os oprimidos estão sofrendo com a política draconiana e extrema de lockdown de Xi desde quase três anos.

6.           A Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI/RCIT) saúda com muita satisfação a rebelião popular contra o lockdown reacionário e a política de "COVID Zero"! Apoiamos plenamente a exigência de um fim imediato desta política bonapartista estatal chauvinista. Condenamos esta política - que denominamos Contra-Revolução COVID - desde o início de fevereiro de 2020. Explicamos que a classe dominante explorou a pandemia como desculpa para expandir o controle estatal sobre as massas populares em uma situação mundial caracterizada pela pior depressão econômica desde quase um século, acelerando a rivalidade entre as Grandes Potências e aumentando a instabilidade política em muitos países. Como declaramos em nosso Manifesto "COVID-19: Um Encobrimento para uma Grande Ofensiva Contra-revolucionária Global" (21 de março de 2020): "Estas são as condições que tornam necessário que a classe dominante adote medidas importantes para recuperar a iniciativa e impor seu controle político sobre as classes populares através da massiva expansão de seu aparato estatal". A fim de alcançar este objetivo, eles criam a atmosfera de pânico global e um estado de emergência. Eles o fazem tanto em nível nacional quanto em nível global. "Os protestos em massa em muitos países, particularmente no final de 2021 e início de 2022, forçaram a maioria dos governos capitalistas em todo o mundo a bater em retirada (temporariamente?). Entretanto, as características específicas do regime estalinista-capitalista chinês - uma crise econômica sem precedentes, enormes contradições sociais, a tentativa determinada de Xi de consolidar seu governo de um só homem - resultaram em uma implementação particularmente longa e draconiana da política de Lockdown e "COVID Zero".

7.           A atual onda de manifestações - que pode ser um dos maiores, senão o maior protesto desde a revolta da Praça Tiananmen em 1989 - pode provocar um sério desafio para o regime totalitário-bonapartista de Xi. Se as forças policiais não conseguirem quebrar estes protestos, poderão até mesmo abrir uma crise revolucionária em uma das grandes potências imperialistas mais importantes. A CCRI e todos os socialistas autênticos estão em solidariedade incondicional com a rebelião dos trabalhadores chineses e oprimidos. Exigimos a queda do regime estalinista-capitalista e uma revolução socialista que abra o caminho para uma autêntica república operária e dos camponeses pobres na China. Em contraste com a ditadura estalinista, tais trabalhadores e governo popular respeitariam o direito de autodeterminação de todas as nações oprimidas, incluindo o direito de se separarem e criarem seu próprio Estado.

8.           Os atuais protestos em massa são um poderoso golpe contra os partidos estalinistas, reformista e populista-esquerda em todo o mundo que apoiam o regime estalinista-capitalista de Pequim como uma força "progressista", "anti-imperialista" ou mesmo "socialista". De fato, este regime nada tem a ver com "socialismo" e tudo com capitalismo, imperialismo e bonapartismo totalitário! Os partidos de "esquerda" que estão ao lado deste regime contra o povo são inimigos contra-revolucionários da classe trabalhadora internacional.

9.           Vale ressaltar também que a política reacionária de Lockdown da China é apenas a versão mais consistente e brutal de uma política que tem sido apoiada desde o início de 2020 por quase toda a esquerda reformista e centrista. Como demonstramos em vários documentos, muitas destas forças - incluindo vários grupos pseudo-"trotskistas" - pediram abertamente uma política mundial de "COVID Zero". Muitas vezes, eles elogiaram explicitamente a China como um modelo! Os protestos em massa contra tal política demonstram que tais partidos "de esquerda" são completamente reacionários.

10.         A CCRI chama os socialistas a unir forças no apoio aos protestos populares anti-Lockdown e anti-bonapartistas. Apoiamos medidas de saúde que realmente sirvam para enfrentar a Covid e outras doenças, mas nunca apoiamos políticas que, em nome da saúde, sirvam para restringir as liberdades e impor regimes autoritários. A orientação geral da OMS e dos governos capitalistas não foi de defender a saúde, mas de usar Covid como desculpa para defender o sistema capitalista, que está passando pela pior crise de sua história. Combinamos tal abordagem com uma perspectiva internacionalista e socialista e lutamos pela criação de um Partido Mundial Revolucionário.

 

Secretariado Internacional da CCRI/RCIT

 

* * * * *

 

A CCRI/RCIT tem analisado a contra-revolução COVID-19 extensivamente desde seu início. A partir de 2 de fevereiro de 2020, publicamos mais de 100 folhetos, ensaios, artigos e declarações, além de um livro, todos compilados em uma sub-página especial em nosso site: https://www.thecommunists.net/worldwide/global/collection-of-articles-on-the-2019-corona-virus/. Em particular, encaminhamos os leitores a dois Manifestos RCIT: COVID-19: Uma cobertura para uma grande ofensiva contra-revolucionária global. Estamos em um momento decisivo na situação mundial, pois as classes dirigentes provocam uma atmosfera de guerra a fim de legitimar a acumulação de regimes estaduais e bonapartistas chauvinistas, 21 de março de 2020, https://www.thecommunists.net/home/portugu%C3%AAs/covid-19-o-encobrimento-para-uma-grande-ofensiva-contra-revolucionaria-global/; "Green Pass" & Vacinas Compulsórias: Um novo estágio na contra-revolução da COVID. Abaixo a polícia chauvinista-bonapartista e a vigilância do Estado - defender os direitos democráticos! Não à política de saúde a serviço dos monopólios capitalistas - expandir o setor de saúde pública sob controle operário e popular! 29 de julho de 2021, https://www.thecommunists.net/worldwide/global/green-pass-compulsory-vaccinations-a-new-stage-in-the-covid-counterrevolution/#anker_5; Além disso, chamamos a atenção para nosso livro de Michael Pröbsting: A Contra-Revolução Global da COVID-19: O que é e como combatê-la. Uma análise e estratégia marxista para a luta revolucionária, RCIT Books, abril de 2020, https://www.thecommunists.net/home/portugu%C3%AAs/livro-a-contra-revolucao-global-no-covid-19/.

중국 민중반란: “봉쇄 반대!” “제로 코로나 반대” 대중시위가 빠르게 정치적, 반체제적으로 변해 가고 있다

혁명적 공산주의인터내셔널 동맹 (RCIT) 성명, 2022 11 28, www.thecommunists.net

 

 

 

Download
KOR trans of China Popular Rebellion.pdf
Adobe Acrobat Document 84.6 KB

1. 전례 없는 시위 물결이 11 초부터 중국 전역으로 확산되고 있다. 시진핑 정권이 2020 이래로 실시한 제로 코로나 전략으로 불린 계엄령 록다운 봉쇄 정책에 반대하여 노동자와 학생, 소수민족 거주지 주민들이 들고 일어선 것이다. 광저우의 이주노동자들은 철제 차단벽을 부수고 봉쇄 중단을 요구했다. 며칠 정저우에 있는 폭스콘 공장의 노동자들은 저임금과 가혹한 코로나 통제를 둘러싸고 경찰과 충돌했다. 시위들이 더욱 확산되기에 이른 것은 11 24 신장/위구르 우루무치에서 건물 화재로 봉쇄 상태에서 10명이 사망하고 9명이 부상당하는 참사가 벌어지고 나서였다. 이후 베이징, 상하이, 난징, 청두, 충칭, 신장 코를라를 비롯한 많은 대도시에서 항의 집회가 열렸다. 베이징의 칭화대 50 대학에서 시위가 벌어져 2000여명의 학생이 방역 통제 완화를 요구하며 "언론 자유!" 외치고 인터내셔널 가를 불렀다.

2. 이들 민중 시위가 일차적으로 반동적인 록다운 봉쇄와 "제로 코로나" 정책을 겨냥한 시위인 것은 맞다. 집회 동영상은 시위자들이 "봉쇄 반대!" "신장의 봉쇄를 해제하라! 중국의 모든 봉쇄를 해제하라!", "우리는 PCR(테스트) 원하지 않는다. 우리는 자유를 원한다", "우리는 코로나 검사를 원하지 않는다! 우리는 자유를 원한다!” 같은 구호를 외치고 있음을 보여준다. 충칭에서는 남성이 PCR 검사소 앞에서 군중들의 환호와 박수에 "자유가 아니면 죽음을 달라!" 큰소리로 선언하며 연설하는 모습이 촬영됐다. 소셜미디어에 "충칭 영웅"으로 유포되고 있는 남자의 연설에서 인용한 말들이 널리 퍼지고 있는데, 하나가 다음과 같은 발언이다. "세계에는 오직 가지 병만 있다. 바로 가난한 것과 자유가 없는 것이다."

3. 시진핑 정권은 코로나 바이러스와의 전쟁을 내세워 잔학한 국가탄압 정책을 정당화한다. 그러나 기실 이는 유독 중국만 이런 것은 아니다. 2020-21 세계 대부분의 자본가 국가들이 팬데믹과 싸운다며 일차적으로 보건의료 대책보다는 경찰 국가조치로 방역 대책을 대신했던 정책을 중국도 공유하고 있는 것이다. 우리가 배외주의적 국가 보나파르트주의라고 불러온 정책은 장기간 지역 전체에 대한, 심지어는 전국적 규모의 록다운 봉쇄, 이동의 자유에 대한 계엄령 제한 (나라 이동과 국외 이동 모두), 대량 감시체계 (방역패스 ), 백신접종 의무화 캠페인 대내외적 국가 집행권력 확대 조치들을 주요 내용으로 한다.

4. 반동적 봉쇄 정책 자체로는 중국에 유일한 것이 아니지만, 확실히 시진핑 정권은 중에서도 가장 압제적인 버전의 봉쇄 정책을 실시했다. 거대 지역들이 장기간 가장 엄격한 봉쇄령 하에 놓여졌다. 피억압 민족 위구르 인민의 본거지인 신장 지역은 동안이나 봉쇄로 철저히 갇혀 살아야 했다. 식료품을 사러 나가거나 심지어 치료를 받는 것조차 허용되지 않는 경우들도 있었다. 많은 경우에, 주민들은 대문에 쇠사슬이 쳐져 외부와 차단됐다. 수천 명의 사람들이 임시 격리수용소로 강제 이송됐다. 정저우의 검역 숙소에서 구토와 설사로 고통 속에서 진료가 지연되어 4개월 아기가 죽는 등의 사건이 발생해 사람들의 공분을 불러일으켰다.

5. 시위의 특히 주목할 만한 특징은 점점 정치적, 반체제적 성격을 띠어가고 있는 점이다. 많은 사람들이 스탈린주의 당국에 의한 전체주의적인 언론 검열에 항의하기 위해 백지를 들고 있다. "언론 자유!" 구호가 집회에서 가장 많이 외치는 요구가 되었다. 소셜미디어 동영상은 사람들이 시진핑 보나파르트주의 정권에 반대하는 구호들을 외치는 것을 보여준다. "우리는 종신 총통을 원하지 않는다. 우리는 황제를 원하지 않는다!", "시진핑은 물러나라! 공산당은 물러나라!", "시진핑 퇴진, 공산당 퇴진!". 노동자·피억압자가 3년이나 시진핑의 극단적인 압제적 봉쇄 정책으로 고통 받고 있는 점을 감안할 이러한 시위가 정치적으로, 반체제적으로 빠르게 변하는 것은 놀라운 일이 아니다.

6. 혁명적 공산주의인터내셔널 동맹 (RCIT) 반동적인 봉쇄 "제로 코로나" 정책에 반대하는 민중 반란을 강력하게 환영한다! 우리는 배외주의적 국가 보나파르트주의 정책의 즉각 종식 요구를 전적으로 지지한다. 우리는, 2020 2 이래로 우리가 <코로나 반혁명>이라고 불러온 정책을 거듭 규탄해왔다. 우리는 세기만에 최악의 경제공황과 강대국들 제국주의 패권경쟁의 가속화 그에 따른 많은 나라들에서의 정치적 불안정 고조로