CORRENTE COMUNISTA REVOLUCIONÁRIA (CCR) NAS ELEIÇÕES NO BRASIL 2016

VAMOS ÀS ELEIÇÕES COM O PCO, CONTRA O GOLPE E PELAS REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES

 

21 de agosto de 2016, http://elmundosocialista.blogspot.com

 

 

 

A CCR está lançando o companheiro Prof. JOAO EVANGELISTA como candidato à vice-prefeito nas eleições municipais da cidade de Diadema. A nossa candidatura está abrigada no Partido de Causa Operária-PCO 29, tendo o militante do PCO, VANDIVAL FERREIRA DOS SANTOS, operário da construção civil como cabeça de chapa, candidato à prefeito, TENDO COMO OBJETIVO PRINCIPAL DE NOSSA CAMPANHA A LUTA CONTRA O GOLPE DE ESTADO E A DENUNCIA DA FARSA DAS ELEIÇÕES ATUAIS.

 

Em que pese as diferenças que temos com O PCO, principalmente no que concerne à algumas caracterizações da luta de classes, como por exemplo em âmbito mundial em que nós do CCR consideramos Russia e China como países imperialistas em oposição ao imperialismo tradicional de EUA-UE e Japão, porém junto com o PCO temos a mesma análise sobre os processos de golpe de Estado acontecidos patrocinados pelo imperialismo americano desde Honduras, Paraguai, Tailândia, Egito, Ucrânia e Turquia, passando pela tentativa de derrubada do governo de venezuela, as eleições fraudulentas que levaram à vitória de Macri na Argentina e finalmente o Brasil.

 

O PCO exercendo democracia operária abre as candidaturas às várias correntes e aqrupamentos revolucionários menores que ainda não tem condições de regularização partidária no Brasil. Isso se explica pelas condições burocráticaspara a criação oficial de um partido no páis são extremamente difíceis.

 

Além disso, nós do CCR, junto com o PCO, temos acordo fundamental em âmbito nacional quanto à caracterização de que o que está em curso no Brasil é um verdadeiro golpe de Estado e que é necessário juntar forças para não só derrubar o golpe, como mobilizar a classe trabalhadora contra os ataques neoliberais do governo golpista de Michel Temer , assim como de qualquer governo que venha a se estabelecer nesse momento de golpe institucional.

 

Nesse sentido, mesmo que o governo de Dilma Roussef volte ao poder, o que tudo indica é quase impossível, nós como classe operária temos que ter total independência de classe na luta contra os chamados ajustes, ou seja, as reformas trabalhistas, reforma da previdência, os cortes orçamentários na saúde, educação, habitação, a privatização das riquezas nacionais como a Petrobrás e o Pré-sal, congelamento por 20 anos nos invbestimentos em saúde e educação.etc. Tal resistência passa necessariamente pelo chamado à greve geral dos trabalhadores contra esses ataques.

 

A repressão bonapartista aos movimentos sociais, aos partidos de esquerda e a tudo que se assemelha a bandeiras progressistas está cada vez mais evidente no país. Os jogos olímpicos foram um exemplo muito claro. Vários cidadãos que gritaram “Fora Temer!” ou “Abaixo o Golpe!” foram sumariamente expulsos dos estádios. O ex-presidente Lula da Silva está ameaçado de prisão, militantes do MST e dos Movimentos sem-teto estão sendo presos ou ameaçados de prisão com base na lei anti-terrorismo, ironicamente uma lei aprovada há meses pela mesma presidente Dilma Roussef do PT afastada e sofrendo processo de impeachment.

 

A juventude dos bairros pobres da periferia, principalmente os afro-descendentes, continua sendo massacrada. Assim como nas redes sociais se demonstra forte intolerância contra os negros, contra os direitos do LGBT, aumenta o machismo se traduzindo na violência contra as mulheres, as comunidades indígenas se vêem ameaçadas de perder suas terras pelo latifúndio e o agronegócio. Em resumo é necessário uma ampla resistência e organização das classes pobres e oprimidas contra a exploração do sistema capitalista e da burguesia.

 

A nossa candidadura, além de servir para denunciar o golpe de estado, vêm alertar que nenhuma eleição dentro do sistema capitalista pode ser solução para os verdadeiros problemas da classe trabalhadora. Tudo não passa de uma falsa democracia. Somente a nossa organização e mobilização poderá levar à independência da classe trabalhadora contra seus exploradores: a burguesia. Não podemos ter nenhuma confiança no processo eleitoral, principalmente neste momento em que um golpe de estado através do parlamento, com apoio do judiciário e da mídia capitalista detém total controle das eleições.

 

CHAMAMOS OS COMPANHEIROS A SE SOMAREM À NOSSA CAMPANHA DE LUTA, A VOTAREM 29, CONTRA O GOLPE E NA DEFESA DAS REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES E DE TODOS EXPLORADOS. PROF..JOAO EVANGELISTA CANDIDATO A VICE-PREFEITO DE DIADEMA, COM VANDIVAL PREFEITO - 29 .

 

 

 

Free Homepage Translation