Chile: Tirem as mãos do Coletivo Revolução Permanente

 

Reproduzimos aqui uma carta dos camaradas do Coletivo Revolução Permanente do Chile que indica o recrudescimento da repressão política contra os militantes da classe trabalhadora.


 

Sobre a escalada da repressão no Chile e roubo de estranho na casa de militantes revolucionários


Enviamos esta carta para todas as organizações políticas da esquerda revolucionária para denunciar estranhos acontecimentos que ocorreram na casa de alguns membros da nossa organização, a Revolução Permanente Coletiva. Começamos por definir, por assim dizer, os fatos de modo que os leitores possam julgar por si mesmos o caráter deles.

Na sexta-feira 24 de maio deste ano, por volta de 19h30 , a casa de alguns dos nossos membros foi invadida por uma pessoa desconhecida. No local havia um único companheiro, dormindo, depois de ter completado o seu trabalho como agente de telefone na noite anterior. Os outros dois amigos que vivem naquela casa não estavam lá naquele horário, pois estavam no trabalho. A pessoa entrou na sala do nosso camarada e sem rodeios exigiu que ele entregasse os computadores "notebooks" da casa. Esta, sem dúvida, é uma evidência de que o ladrão sabia que havia mais do que um laptop. Calmamente, e ameaçando em que ele tinha um cúmplice armado do lado de fora da casa, ele forçou o nosso camarada a dar os três laptops que havia lá. O fato estranho é que a pessoa não estava interessado em tomar dinheiro visível na sala, ele não vacilou. Ele não verifique qualquer caixa. Não havia carregadores de notebook (para além de um velho, imprestável)conectado , e, e ele não levou nada, além dos computadores, apesar de outros objetos de valor, inclusive dinheiro, estavam à vista.

O apartamento invadido está localizado na comuna de La Cisterna, em um condomínio que nunca na sua história tinha sido roubado desta forma. O apartamento está localizado no segundo andar, o que nos leva a crer que o sujeito subiu à varanda através da Avenida El Parrón na hora quando havia muitos pedestres. O estilo distinto de se vestir e falar do ladrão, suas poucas palavras e atitude confiante, era um modus operandi totalmente diferente do lumpen comum, e o facto de não ter dinheiro e outros objetos de valor nos obrigaram a desconfiar que este não era um roubo comum.

O apartamento que foi invadido é habitada por três militantes revolucionários, trabalhadores e estudantes, que estiveram no processo de mobilização de massa que acontece no Chile nos últimos anos. Todos os três computadores roubados são de militantes da nossa organização, agora lutando na frente das fileiras ao lado de todos os setores que se revoltam contra o governo de Piñera e do regime Pinochet administrado pela Coalizão. Os notebooks continham centenas de arquivos com documentos políticos, públicos e privados, que fazem parte da vida e da história de militantes. Esclarecemos de antemão que o conteúdo desses documentos não tem nada de ilegal. O que existem dentro deles são debates teóricos e de desenvolvimento político, nacional e internacional, sobre a luta de classes na sociedade de hoje.

Nós denunciamos estes fatos porque nos recusamos a pensar neles como um "furto" que levou os computadores de três companheiros de uma organização revolucionária. Temos boas razões para suspeitar que do Estado burguês e de seus serviços de inteligência como arquitetos do assalto.

Conforme o caso, a denúncia foi feita na polícia, que, obviamente, não fez nada mais do que a investigação em torno de um par de quarterirões , então abortaram qualquer tentativa de encontrar os "culpados". Isto acreditamos, é normal já que a polícia não é apenas o instrumento de coerção do Estado burguês contra a classe operária e os explorados. Sabemos que a polícia só serve para proteger a propriedade privada da grande burguesia, e em nenhum caso proteger os pertences dos trabalhadores conseguimos às custas de muito trabalho de famílias como as nossas .

Esse ataque faz parte da escalada do regime repressivo contra ativistas da classe trabalhadora, do movimento estudantil, do campesinato pobre e dos mapuches. Mesmo que não tenhamos nenhuma evidência concreta, as características de fundo , que atendem a todos os requisitos do modus-operandi da polícia que nos permite abertamente apontar para a intervenção dos serviços de inteligência do Estado, que têm sido especialmente ativos nos últimos meses, como foi exposto pelo seqüestro do camarada César Reyes e o ativista dos direitos humanos Stephanny Muñoz nas últimas semanas. Sem mencionar os ataques estilo Pinochet em casas e contra as comunidades Mapuche em luta.

Enquanto nós não queremos que esta queixa seja excessivamente alarmante, consideramos que devemos denunciá-la como um possível novo ataque, que poderia ser a ponta de um iceberg de provocação e agressão contra os trabalhadores e lutadores populares.

Os camaradas cuja casa foi atacada são Gisselle Sanchez, operador de telefonia, Alejandro Solis, operário de construção e aluno expulso por motivos políticos de USACH , e Sergio Vega, metalúrgico. Todos os camaradas são quadros do Coletivo Revolução Permanente trotskista e lutadores consistentes para a classe trabalhadora, internacionalmente e nacionalmente. Convocamos os trabalhadores, estudantes, e as esquerdas, a trabalhar juntos rapidamente para enfrentar a atual escalada da repressão. Um encontro que visa o desenvolvimento de um plano de controle para lidar com esses ataques é uma tarefa necessária para a nossa classe e para o movimento revolucionário. Esta tarefa exige uma atitude principista de todos aqueles que lutam contra o capitalismo.

Por fim, reiteramos que esta carta não tem outro desejo a não ser de alertar os ativistas políticos anti-capitalistas que uma ofensiva repressiva está em desenvolvimento. É claro que, longe de intimidar e minando a vontade de lutar dos nossos membros, este fato só serve para redobrar nosso compromisso inabalável para lutar ao lado dos oprimidos do mundo, num momento em que o capital imperialista sangra o mundo com sua selvageria, e declarou guerra contra nós os pobres.

> Parar o ataque do governo Piñera, o Regime da Direita e da Concertación contra a classe operária, os estudantes, os camponeses pobres e os Mapuche!

> Liberdade para todos os trabalhadores e lutadores populares presos e perseguidos pelo Estado burguês no Chile e em todo o mundo!

Free Homepage Translation