Eleições na Grécia: Votar SYRIZA, mas não confiar no Líder Tsipras!

Organizar a luta nos locais de trabalho, nas escolas e nas ruas! Lutar por um governo dos trabalhadores!

Declaração da Tendência Comunista Revolucionária Internacional (RCIT), 22/01/2015 www.thecommunists.net

 

Original in English at: http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-election-statement/

 

1.            De acordo com todas as pesquisas de opinião, as próximas eleições na Grécia em 25 de Janeiro vão provocar uma mudança dramática. Com o partido de esquerda reformista SYRIZA que está na liderança, pela primeira vez na história do país - e também, nos países capitalista da Europa desde 1919 - um governo está para ser tomado o poder por um partido à esquerda da social-democracia. Uma vitória eleitoral do SYRIZA abrirá uma nova fase política na Grécia e terá efeitos profundos sobre a União Europeia.

2.            A eleição da Grécia está a ter lugar depois que o país foi forçado a traumáticos quatro anos da pior crise econômica e social em que os países da Europa Ocidental têm experimentado desde 1945. A produção econômica caiu na Grécia durante esses anos de austeridade em 26%. Os salários estão oficialmente 18% abaixo do nível de 2007. O governo eliminou 150 mil postos de trabalho no setor público. O desemprego entre os jovens é de 58,3% e a taxa de desemprego total é oficialmente de 27,5%. Estes são claramente números burocraticamente embelezados, uma vez que a taxa da população economicamente ativa de emprego (ou seja, aqueles que têm um trabalho entre a população 25-64 anos de idade) caiu de 61,9% (2008) para 49,3% (2013), ou seja, menos da metade dessa população.

3.            Nos últimos quatro anos, a Grécia - um país semi-colonial oprimido pelo sistema imperialista mundial - foi descaradamente espremido e explorado pelo FMI e, em particular, pela Troika da UE, que serve aos bancos e corporações. De acordo com os ditames destes senhores coloniais, aos governos gregos foram ordenados a destruir os benefícios sociais do país e sistemas de saúde. Ao mesmo tempo, a dívida pública da Grécia aumentou dramaticamente de 113% do PIB em 2009, antes do início da crise do país para 321 bilhões de euros ou 175% do seu PIB em 2014. De acordo com o progressista economista Eric Toussaint, cerca de 80% da dívida pública grega estava nas mãos dos bancos privados de sete países da UE em 2009. Cinquenta por cento sozinho estava de bancos franceses e alemães. A maioria dos novos empréstimos nos últimos anos foram usados para pagar os bancos da UE, para que possam manter os seus lucros elevados. Ao mesmo tempo, os bancos da UE já estão intervindo para assumir o sistema financeiro da Grécia.

4.            Esses anos de depressão e miséria tem provocado uma enorme explosão da luta de classes. Mais de 30 greves gerais foram realizadas nos últimos anos. Uma série de empresas de menor porte e de médio porte e centros sociais e de saúde foram retomados pelos trabalhadores e continuam a operar sob autogestão. No entanto, essas lutas não foram capazes de parar a ofensiva reacionária de austeridade da classe dominante. A razão para isso é que a classe trabalhadora grega carece de uma liderança revolucionária. Em vez disso, ela só possui uma liderança que é incapaz ou sem vontade de servir os interesses da classe trabalhadora.

5.            Os burocratas sindicais, na liderança superior das Centrais trabalhistas GSSE e ADEDY estão somente apenas à procura de negociações com o governo e os capitalistas, a fim de salvar os seus próprios privilégios pessoais. Sob pressão da base dos trabalhadores, eles anunciam inúmeras greves gerais que, no entanto, começa sempre limitada a um ou dois dias e, por isso, não são suficientemente intimidadoras para obter concessões reais da classe dominante e da Troika da UE. Esses burocratas sindicais estão sempre procurando salvar a própria pele, procurando por uma relação parasitária com grupos poderosos como o social-democrata PASOK no passado e SYRIZA hoje. A fim de reviver os sindicatos e transformá-los em verdadeiros instrumentos de luta para o interesse da classe trabalhadora, a base dos trabalhadores deve jogar fora esses parasitas burocráticos e colocar os sindicatos sob o seu controle democrático.

6.            O stalinista esquerda-reformista KKE, um pequeno partido operário-burguês ", e seu sindicato afiliado PAME apresentam-se como uma alternativa radical. Enquanto o KKE certamente mantém influência importante entre a vanguarda da classe operária, os seus líderes são apenas uma versão menor dos burocratas sindicais. Eles sabotam qualquer dinâmica militante da luta de classes e a envenenam com o chauvinismo grego. Eles se recusam à colaboração prática com outros partidos do movimento operário como o SYRIZA. Em outubro de 2011 - quando centenas de milhares de pessoas marcharam para o parlamento, onde uma votação crucial sobre medidas de austeridade adicionais seria realizada - o serviço de segurança do KKE até mesmo defendeu o parlamento contra os irritados manifestantes! Não é de surpreender que, depois de anos de luta de classes e da crise capitalista, este partido supostamente "comunista" perdeu muito de seu apoio anterior e está mais fraco do que nunca, tanto no número de membros, bem como no apoio eleitoral.

7.            Contra este cenário de enormes lutas de classes e esperanças derrotadas depositadas em lideranças tradicionais, uma mudança fundamental ocorreu na consciência de classe dos trabalhadores gregos e jovens. Eles compreenderam que as ações de greve limitadas ou ocupações pacíficas não conseguem parar a ofensiva de implantação de austeridade da classe dominante. Para isso, é necessário tomar o poder político. Por isso, muitos gregos da classe trabalhadora deram seu apoio ao PASOK (e também ao KKE) e, agora, apoiam um partido que promete acabar com o regime de austeridade e lutar por um programa anti-capitalista, socialista. Isso explica a dramática ascensão do SYRIZA de um partido que recebeu apenas 4,5%, antes das eleições, em 2012, para o partido mais popular nas pesquisas, com o apoio atualmente de cerca de 30% do eleitorado.

8.            No entanto, os socialistas têm de alertar a classe trabalhadora grega que tais esperanças na liderança SYRIZA são absolutamente infundadas. Sim, o líder Alexis Tsipras do SYRIZA promete uma série de reformas sociais. Mas ele também já anunciou que vai fazer o que for necessário para a Grécia continuar a ser um membro da zona euro. Isso significa que ele está disposto a subordinar os interesses dos trabalhadores gregos aos ditames da Troika da UE. Ele também já retirou do partido a meta oficial de parar o serviço das dívidas, agora ele só quer "voltar a negociá-los com a UE-Troika.". George Stathakis, provável ministro do Desenvolvimento do SYRIZA, procura tranquilizar os capitalistas: "Queremos tornar a vida mais fácil para os homens de negócios, ajudar a remover os problemas com a burocracia que eles estão a reclamar. (...) É importante ser capaz de criar postos de trabalho "(Financial Times, 06/01/2015). Também não nos esqueçamos de que o SYRIZA, que é um partido operário-burguês ", faz parte do Partido Esquerda Europeia (ELP)- reformista - uma coalizão de partidos ex-stalinistas. Organizações-chave do ELP já estiveram no poder, como o PCF francês no governo Jospin 1997-2002 ou o Linkspartei alemão, em vários governos de coalizão regionais. O cipriota AKEL, que tem um estatuto de observador na ELP, era o partido líder do governo entre 2008 e 2013. Em todos esses casos, os partidos do ELP apoiaram a política de austeridade neoliberal!

9.            Não obstante, muitos banqueiros, chefes corporações e políticos da UE estão nervosos sobre a provável vitória eleitoral do SYRIZA. Isso ocorre porque a reformista liderança do SYRIZA está sob uma tremenda pressão de uma radicalizada base da classe trabalhadora. Sob tais circunstâncias, pode ser forçado a ser menos submisso às exigências do capitalismo do que estão realmente dispostos. Além disso, uma vitória eleitoral do SYRIZA elevaria a auto-confiança dos trabalhadores e aumentaria a sua determinação em recuperar o que foi roubado pela Troika-UE e pelos capitalistas gregos nos últimos anos. Para fazer uma analogia histórica, nós nos referimos aos acontecimentos na França, no início de junho de 1936, após a vitória eleitoral da Frente Popular - que foi dominado pelos partidos Socialista e pelos partidos "comunistas". Após esta vitória, a classe operária francesa lançou uma greve geral de uma semana e ocuparam muitas fábricas. Esta greve geral só poderia ser encerrada pelos esforços determinados e incansáveis dos socialistas e dos líderes "comunistas", tais esforços determinaram com o fim das possibilidades revolucionárias e abriram o caminho para a derrota e, depois, para a Segunda Guerra Mundial. Por isso, não excluímos a possibilidade de que uma vitória eleitoral maciça do SYRIZA poderia abrir uma situação pré-revolucionária e inflamar a luta de classes. É claro que a liderança de Tsipras fará tudo em seu poder para conter e liquidar tal explosão da luta de classes.

10.          Trata-se de uma tarefa urgente para o movimento dos trabalhadores na Europa em organizar uma campanha de solidariedade com a classe trabalhadora na Grécia. Tal campanha de solidariedade deve, naturalmente, incluir suporte material para as organizações de trabalhadores e empresas dos trabalhadores sob autogestão. No entanto, é ainda mais importante empreender uma campanha massiva para forçar a UE e os bancos a cancelar todas as dívidas que estão impiedosamente espremendo Grécia até o limite.

11.          O RCIT adverte que uma melhoria sustentável para os trabalhadores gregos e os jovens não será possível sob um governo do SYRIZA. Um governo sob Tsipras inevitavelmente trairá as esperanças da classe trabalhadora, porque ele não quer nem é capaz de romper com a elite da Grécia e da União Europeia e de tirar o país da sua cela de prisão capitalista. Tal caminho de sair da miséria para as massas populares só pode ser alcançada com base em um programa socialista. Tal programa tem que se concentrar em tomar os instrumentos do poder para longe daqueles que têm impulsionado o país ao colapso nacional. Por isso, os socialistas devem lutar por um governo dos trabalhadores com base em conselhos de ação que organizam os trabalhadores e as massas populares, bem como uma milícia de operários armados. Só esse governo dos trabalhadores é capaz de implementar um programa socialista, que incidirá sobre a expropriação da classe capitalista e, em particular, os chamados "50 famílias". Associado a isso é a luta pela nacionalização das empresas-chave sem indenização e sob controle operário. A Grécia socialista iria quebrar todos os laços com as instituições da UE e cancelar todas as dívidas. Ela iria introduzir um programa de obras públicas, a fim de reconstruir o país e sua infra-estrutura e abolir o desemprego. Iria aumentar significativamente o salário mínimo. Eliminaria a opressão dos imigrantes e das minorias nacionais e estabeleceria a igualdade completa (direitos de cidadania plena, direito à utilização da língua nativa, salários iguais, etc.). Tal governo dos trabalhadores iria desmontar a polícia e o exército e os substituiria por milícias-operárias armadas.

12.          O RCIT salienta que os revolucionários não devem espalhar ilusões sobre a possibilidade de uma transformação pacífica para o socialismo. Se a classe dominante se sentir ameaçada na sua riqueza e poder, ela vai inevitavelmente lançar uma guerra civil contra a classe trabalhadora. A classe trabalhadora grega já experimentou isto nos anos subsequentes a 1944. A classe trabalhadora pode derrubar o capitalismo e abrir o caminho para o socialismo somente por meio de uma insurreição armada liderada por um partido operário revolucionário. É por isso que é urgente que os socialistas preparem a classe trabalhadora para o confronto inevitável com os fascistas e o aparelho de Estado da classe dominante "através da construção de unidades armadas de auto-defesa que podem formar a base para as milícias populares.

13.          Seria um erro terrível se os socialistas só passivamente esperarem até a liderança SYRIZA estar desacreditada. A classe trabalhadora grega não tem tempo ilimitado. A traição previsível do governo SYRIZA conduzirá inevitavelmente à decepção entre as massas que vão olhar para uma alternativa mais radical. Se os socialistas não conseguem fazer romper  importantes setores das massas para longe do SYRIZA e pela construção de um novo, partido operário revolucionário, é provável que os fascistas do Amanhecer Dourado serão os principais beneficiários da crise,  e a classe dominante será capaz de concluir o episódio SYRIZA, de uma forma ou de outra - inclusive por meio de um golpe de Estado militar.

14.          É vital que os socialistas intervenham através da emissão de um programa revolucionário durante a campanha eleitoral, e, continuando a luta de classes após as eleições. Eles devem avisar sobre a vindoura traição da liderança do SYRIZA contra as massas. Mas eles precisam combinar isso com uma tática que leve em conta a enorme mudança para a esquerda entre as massas que encontrará expressão em apoio eleitoral em massa para SYRIZA. Atualmente, os trabalhadores e jovens esperam que Tsipras possa implementar o seu desejo por justiça social e democracia. Eles vão ter que passar por essa experiência e por essa decepção, e a tarefa dos socialistas é apoiá-los na elaboração das conclusões corretas. Isto requer a aplicação da tática da frente única, tanto nas eleições, bem como nas lutas futuras nos locais de trabalho e nas ruas. Por isso, os socialistas devem chamar para uma votação crucial para o SYRIZA nas próximas eleições. Eles devem chamar para um governo liderado pelo SYRIZA, que seria um governo operário-burguês ", e organizar a luta de massas para forçar este governo a implementar as demandas sociais da classe trabalhadora. Os socialistas devem levantar as principais reivindicações perante a liderança do SYRIZA, bem como o cancelamento de todas as dívidas, expropriando os super-ricos, nacionalizando as corporações, saindo da UE, etc. Eles devem chamar para a formação de comissões de base de trabalhadores para colocar pressão sobre a liderança e para preparar a luta de forma independente da liderança do SYRIZA. Eles devem apelar para o stalinista KKE em apoiar um governo de coalizão do SYRIZA, e tentar integrar os trabalhadores do KKE em uma frente única, apesar da recusa sectária da liderança KKE.

15.          A chave para a situação atual é procurar romper os setores de vanguarda da classe trabalhadora para longe do SYRIZA e construir um partido operário revolucionário. Só no caso de tal partido existir, pode a classe trabalhadora ser conquistada para um programa que chame pela tomada socialista do poder. É urgente que a oposição de esquerda do SYRIZA comece imediatamente a preparar e organizar-se para dividir os trabalhadores de vanguarda para longe do partido. Se vanguarda operária não possuir um partido que seja independente dos capitalistas e de um governo SYRIZA pró-capitalista, ela vai inevitavelmente perder batalhas que estão por vir.

16.          Todos os revolucionários na Grécia que estão fora do SYRIZA e que estão dispostos a construir um Partido Revolucionário dos Trabalhadores não devem ignorar os desenvolvimentos dentro do SYRIZA, ou seja, a formação de uma oposição de esquerda. É necessário trabalhar em conjunto com todos os setores ativistas da esquerda que se opõem às perspectivas de colaboração com as forças burguesas por parte da liderança de Tsipras e que estão tentando construir uma alternativa revolucionária. É importante unir forças com todos os ativistas e liderar o caminho para a formação de um partido operário revolucionário. Isso poderia envolver a política de uma tática de entrismo no SYRIZA para desenvolver uma oposição revolucionária, a fim de ganhar um setor significativo da vanguarda operária que está hoje organizada no SYRIZA.

17.          O primeiro passo nesse sentido é a criação de uma organização revolucionária pé-partido para lutar por um autêntico programa socialista e para unir ativistas nesta base. O RCIT procura a colaborar com os revolucionários gregos para apoiá-los na concretização deste objetivo.

O RCIT propõe aos socialistas da Grécia para lutar pelos seguintes slogans:

* Cancelar todas as dívidas!

* Expropriar os capitalistas e, em especial, as chamadas "50 famílias"!

* Nacionalizar as principais corporações sem pagamento de indenizações e colocá-las sob controle operário!

* Romper todas as ligações com as instituições da UE e deixar a zona do euro!

* Aumentar significativamente o salário mínimo!

* Por um programa de obras públicas, a fim de reconstruir o país!

* Pelo o direito à auto-determinação nacional para as minorias nacionais! Igualdade para os migrantes (direitos de cidadania plena, direito de uso de sua língua nativa, salários iguais, etc.)!

* Por um «governo baseado em conselhos de ação que irá organizar os trabalhadores e as massas populares e estabelecer milícias armadas dos trabalhadores!

* Por uma república dos trabalhadores na Grécia! Pela formação dos Estados Unidos Socialistas da Europa!

 

Secretariado Internacional do RCIT

 

 

Para as nossas análises da Grécia nos recomendamos  leitores:

* RCIT: Grécia: Honor Pavlos Fyssas! Esmagar o fascista Aurora Dourada, 2013/09/21, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-smash-golden-dawn/

* RCIT: Grécia: Abaixo o julgamento contra Savas Michael-Matsas! 2013/07/23, www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-solidarity-with-savas-matsas

* Nina Gunić: Solidariedade com a greve de fome na Grécia! Encaminhar para um Movimento Migrante Revolucionário! Abril de 2013, www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-solidarity-with-migrant-strike

* Michael Pröbsting: Após as eleições no dia 17 de Junho: Uma nova fase da revolução grega está começando! 19.6.2012, www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-after-17-6-elections

* Michael Pröbsting: Grécia: Por um governo dos trabalhadores! Apoio eleitoral crítico para SYRIZA e KKE! Trabalhadores: Organizar e preparar-se para a luta pelo poder! 6.6.2012, www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-for-a-workers-government

* Michael Pröbsting: Após a vitória de SYRIZA nas eleições gregas: A questão do Servidor Público e do caminho revolucionário para a frente, em maio de 2012, www.thecommunists.net/worldwide/europe/after-the-greek-elections

* Michael Pröbsting: Perspectivas sobre a revolução grega, 10.11.2011, www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-revolution-or-tragedy

Free Homepage Translation