LIVRO O Anti-imperialismo na era da Rivalidade das Grandes Potências (Parte 4)

 

 

Parte 4: O Fracasso da Esquerda na Luta Contra o Imperialismo

 

 

XXIII. A Esquerda Enfrentando A Rivalidade das Grandes Potências : Social-Imperialistas Pró-Ocidentais

Observações Gerais Introdutórias

O Partido da Esquerda Europeia (PEE)

Islamofobia: O Novo Anti-Semitismo do Século XXI

O Partido Comunista Japonês

PCJ: Assessor de uma Estratégia Alternativa Para o Imperialismo Japonês

 

XXIV. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências: Sociais-Imperialistas (Estalinistas) Pró-Orientais

A Aliança Estalinista em torno do Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários

Estalinismo e a Contra-Revolução na Síria

Social-Imperialismo Russo: o KPRF, o RKRP e o OKP

"Defendendo os ireitos soberanos da Grécia": o KKE Estalinista como Exemplo do Social-Chauvinismo burguês

O KKE Promete "aniquilar qualquer intruso estrangeiro que ouse atacar a Grécia"

O KKE Nega os Direitos Nacionais da Macedônia

Conclusões

Os Estalinistas Saúdam o Chauvinismo Sérvio contra os Albaneses do Kosovo

O Ultra-Estalinista PCGB-ML: Leais Apoiadores do Imperialismo Russo e Chinês

Divagações: Algumas Observações sobre os sociais-imperialistas “Pacifistas” e os sociais-imperialistas "Beligerantes"

 

XXV. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências: Social-Imperialistas Pró-Orientais (Não-Estalinistas)

Boris Kagarlitsky e Rabkor: Grandes "Marxistas" russos prontos para lutar pelos interesses de Moscou "com Sangue e Ferro"

Os Pseudo-Trotskistas Pró-Russos/Chineses (PO/CRFI)

As seitas Espartaquistas e sua defesa do “Estado Operário Degenerado” Chinês

 

XXVI. Sobre o Imperialismo Social Invertido e o Atrativo "Anti-Imperialista" da Rússia e da China

Quais são as razões para o equivocado atrativo “anti-imperialista” da Rússia e da China?

O Social-Imperialismo Invertido como uma Variação da Colaboração de Classe

O Que os Social-Imperialistas Invertidos farão em Caso de uma Grande Guerra?

 

XXVII. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências: Negadores do Caráter Imperialista da Rússia e da China sem tirar conclusões

 

XXVIII. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências : Social-Pacifistas Ecléticos

CIT /TMI: Recusa em Defender os Países Semi-Coloniais Contra o Imperialismo

TMI da Rússia: Nenhum Apoio ao “Separatismo Checheno”

Lênin “corrigiu” seu Programa de Derrotismo Revolucionário?

O Movimento Socialista Russo: Ecletistas Confusos

 

 

 

 

 

XXIII. A Esquerda Enfrentando A Rivalidade das Grandes Potências: Sociais-Imperialistas Pró-Ocidentais

 

Neste capítulo, discutiremos as estratégias que várias forças de esquerda estão oferecendo em resposta a acelerada rivalidade das Grandes Potências. Antes de fazer isso, vamos resumir brevemente as principais conclusões dos capítulos anteriores, nos quais elaboramos a estratégia do derrotismo revolucionário no período atual.

 

Observações Gerais Introdutórias

 

As pré-condições para qualquer internacionalismo significativo da classe trabalhadora na era da rivalidade das Grandes Potências são:

a) o reconhecimento da existência dessas potências imperialistas (ou seja, que os EUA, a UE, o Japão, a Rússia e a China são imperialistas) e, consequentemente,

b) que os socialistas devem permanecer na oposição anti-imperialista intransigente e consistente contra todas as Grandes Potências.

Assim, os socialistas não devem escolher um “mal menor” nos conflitos entre as Grandes Potências (ou seus representantes), mas devem assumir uma posição derrotista contra todos eles. ("O principal inimigo está em casa!", "Transformar a guerra imperialista em guerra civil")

Essa categórica rejeição em se posicionar ao lado de qualquer Grande Potência permanece puramente negativa e platônica, se não for combinada com apoio ativo às lutas dos trabalhadores e oprimidos contra a classe dominante em todos esses países, assim como pelas lutas de libertação dos povos oprimidos atacadas por qualquer uma dessas Grandes Potências (ou suas marionetes). Exemplos disso são as lutas de libertação nacional como as do Afeganistão contra os EUA, na Síria contra a Rússia e sua marionete Assad, no Iêmen contra a coalizão liderada pelos sauditas (e apoiada pelo ocidente) do povo palestino contra Israel ou do povo uigur contra a China. Também inclui apoio a lutas democráticas como as do Egito contra a ditadura militar do general Sisi ou do povo da Caxemira contra a ocupação indiana. E inclui a defesa de países como a Coreia do Norte, Cuba ou Venezuela contra a agressão dos EUA.

Além disso, a luta consistente pela plena igualdade dos Imigrantes nos países imperialistas, assim como pelas fronteiras abertas para os refugiados, também faz parte de uma estratégia anti-imperialista consistente.

Sem essa estratégia combinada de anti-imperialismo e pró-liberacionismo, de oposição contra todas as Grandes Potências e apoio a todas as lutas de libertação dos trabalhadores e oprimidos, sem um tal programa combinado, é impossível seguir uma linha marxista no atual período histórico.

Infelizmente, tal programa de derrotismo revolucionário é parcial ou completamente rejeitado pela maioria das forças de esquerda reformistas e centristas. Já discutimos e criticamos em capítulos anteriores como essas organizações não conseguem captar o caráter dos novos gigantes imperialistas Rússia e China e as consequências disso para a acelerada rivalidade das Grandes Potências. Abaixo, trataremos das consequências que esses partidos e organizações extraem de suas análises por suas táticas nas principais lutas do período atual.

Basicamente, podemos classificar as seguintes correntes entre as forças reformistas de esquerda e centristas:

1. Sociais-imperialistas abertamente pró-ocidentais

2. Sociais-imperialistas abertamente pró-orientais

3. Negadores do caráter imperialista da Rússia e da China, mas hesitantes em tirar as conclusões

4. Ecléticos Sociais-Pacifistas

Independentemente de suas diferentes alianças e diferenças táticas, os sociais-imperialistas pró-ocidentais e pró-orientais compartilham a mesma fisionomia política e socio-econômica. Eles têm a mesma base histórica-social de classe, bem como a mesma perspectiva estratégica. Na maioria dos casos, essas forças representam os partidos operários burgueses, baseados em um programa reformista. Em alguns casos, são formações burguesas-populistas como o KPRF russo ou simplesmente partidos que representam o aparato estatal dominante como os partidos “comunistas” na China, em Cuba, no Vietnã, etc.

Esses partidos são geralmente bem integrados na superestrutura política do sistema capitalista - seja pela participação repetida em governos nacionais ou regionais (em países democráticos burgueses), pela representação parlamentar regular, pela integração na burocracia sindical, etc. ou simplesmente dominando como o único partido governante existente (em ditaduras).

Em ditaduras como China, Cuba ou Vietnã, esses partidos "comunistas" representam a aliança entre a burocracia estatal e a burguesia emergente. Em países onde as forças reformistas não são partidos governantes de longa data, elas geralmente têm sua base social na aristocracia operária (ou seja, os estratos mais privilegiados da classe trabalhadora) e setores da classe média. Eles se adaptam a uma ala da burguesia - seja de seu próprio país imperialista ou de um rival imperialista.

A relação entre reformismo, social-imperialismo e aristocracia trabalhista é antiga e já foi enfatizada por Lênin.

“Qual é a substância econômica do defensismo na guerra de 1914-15? A burguesia de todas as Grandes Potências está travando a guerra para dividir e explorar o mundo e oprimir outras nações. Algumas migalhas dos enormes lucros da burguesia podem ser o caminho do pequeno grupo de burocratas trabalhistas, aristocratas trabalhistas e companheiros de viagem pequeno-burgueses. O social-chauvinismo e o oportunismo têm a mesma base de classe, a saber, a aliança de uma pequena seção de trabalhadores privilegiados com a “sua” burguesia nacional contra as massas da classe trabalhadora; a aliança entre os lacaios da burguesia e da burguesia contra a classe que este último está explorando. O oportunismo e o social-chauvinismo têm o mesmo conteúdo político, a colaboração de classes, o repúdio à ditadura do proletariado, o repúdio à ação revolucionária, a aceitação incondicional da legalidade burguesa, a confiança na burguesia e a falta de confiança no proletariado. O social-chauvinismo é a continuação e consumação diretas da política trabalhista liberal britânica, do milerandismo e do bernsteinismo.” [530]

Hoje, com a integração muito mais profunda dos partidos reformistas no sistema burguês, incluindo sua participação regular em governos regionais e nacionais, essas tendências sociais-imperialistas têm uma base econômica e política muito mais forte e sólida. [531]

Não há parede chinesa (trocadilho intencional) entre os sociais-imperialistas pró-ocidentais e os pró-orientais. Eles se adaptam às (correntes) da burguesia de diferentes potências nacionais. Mas como é bem sabido, as potências imperialistas estão alternando conflitos com a colaboração entre si. Além disso, a burguesia de um determinado país não é uma classe monolítica, mas tem diferentes facções. Entre eles, muitas vezes, setores que, pelo menos por um certo período, favorecem a colaboração com outra potência, em vez de um confronto.

Isto é especialmente verdadeiro dado o fato de que existem setores dentro da classe dominante (e ainda mais entre a classe média) na União Europeia e no Japão que simpatizam com uma política global mais “independente” de seus estados, ou seja, independente do imperialismo dos EUA e que luta por mais colaboração com a Rússia e a China.

Por isso, não é de surpreender que haja contatos e, às vezes, cooperação entre as partes do campo pró-Ocidente e do pró-Leste. Veja por exemplo as relações amistosas e a cooperação entre os sociais-imperialistas pró-ocidentais do Partido da Esquerda Europeia-PEE, dos partidos stalinistas pró-orientais, vários centristas e o YPG curdo que estão servindo como marionetes para o imperialismo norte-americano na Síria.

Além disso, as burocracias reformistas podem trocar o mestre que estão servindo. A história da social-democracia está cheia de contradições desse tipo. Não nos esqueçamos de que os partidos social-democratas da Europa Ocidental nas décadas de 1920 e 1930 faziam parte da mesma organização (a Segunda Internacional). No entanto, eles estavam alinhados com facções de suas respectivas burguesias nacionais, que frequentemente mantinham relações hostis entre si (por exemplo, Alemanha vs. França ou Grã-Bretanha). Houve também períodos em que tais partidos mantinham relações estreitas com o imperialismo norte-americano. Naturalmente, isso resultou, às vezes, em rupturas acentuadas entre si.

Neste capítulo, vamos lidar com os sociais-imperialistas pró-ocidentais. Caracterizamos essas forças reformistas como sociais-imperialistas abertamente pró-ocidentais que, lado a lado com a “sua” pátria imperialista ocidental, apoiam em palavras e ações os interesses políticos e econômicos de “sua” burguesia. Como os partidos mais importantes desta corrente, podemos identificar os partidos reformistas de esquerda unidos no Partido da Esquerda Europeia (PEE), bem como os japoneses Partido Comunista (PCJ). Os principais partidos da PEE são o Partido Comunista Francês-PCF (França), o die LINKE (Alemanha) e o SYRIZA (Grécia). [532] Todos esses partidos eram ex-forças Estalinistas que, entretanto, se transformaram em partidos democráticos neo-sociais.

 

O Partido da Esquerda Europeia (PEE)

 

Como já elaboramos em vários documentos, os partidos membros do PEE são formações sociais-imperialistas completamente reformistas e pró-ocidentais. [533] Vamos demonstrar isso com vários exemplos. Nos anos 1997-2002, o Parti Communiste Français (PCF) fez parte do governo Jospin, que participou ativamente das guerras da OTAN contra a Sérvia em 1999 e o Afeganistão em 2001. Seu partido membro na Itália na época - o Partito della Rifondazione Comunista de Fausto Bertinotti - apoiou o governo neoliberal de Romano Prodi em 1996-98 e juntou-se a um segundo governo Prodi em 2006-08. Nesse papel, votou pela participação italiana na ocupação imperialista do Afeganistão, bem como pelo envio de tropas ao Líbano. O LINKE alemão não participou de governos nacionais até agora (apesar do grande desejo da liderança do partido), mas juntou-se a vários governos regionais de coalizão implementando a política de austeridade neoliberal.

O SYRIZA lidera o governo grego desde janeiro de 2015 em aliança com o partido de extrema direita ANEL. Nos últimos quatro anos, implementou o programa de austeridade ditada pela UE com mais sucesso do que qualquer um dos seus predecessores conservadores ou social-democratas. No Conselho da União Europeia, o líder do SYRIZA e o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, apoiaram todas as decisões do imperialismo da UE, incluindo várias sanções contra a Rússia.

Importantes partidos membros da PEE também têm um histórico vergonhoso de apoiar a guerra imperialista (sob o pretexto da “guerra ao terror”) contra os povos oprimidos no Oriente Médio e na África. Eles mantinham relações estreitas com o Partido Comunista Iraquiano, que apoiava a ocupação do Iraque pelos EUA desde 2003 e participava de várias administrações coloniais do país. O PCF - assim como a Frente de Esquerda de Jean-Luc Mélenchon - expressaram em suas declarações públicas que “compartilham as metas do governo de Mali de derrotar os terroristas jihadistas no norte”. [534] Quando o governo social-democrata decidiu enviar tropas francesas para o Mali, o PCF e Mélenchon apoiaram totalmente essa decisão. Apenas criticou que tal intervenção deveria ter tido o aval das Nações Unidas. O deputado parlamentar do PCF André Chassaigne declarou: “Uma intervenção internacional foi urgente e necessária para deter a ofensiva dos fanáticos islâmicos.” A mesma posição foi expressa por François Asensi, deputado da Frente de Esquerda (em francês FdG) de Mélenchon: “A posição dos deputados da Frente de Esquerda, ambos Comunista e republicano, é claro: abandonar o povo do Mali à barbárie dos fanáticos teria sido um erro político e um pecado moral. A não intervenção teria sido o pior ato de covardia.” [535]

Após o ataque à revista racista Charlie Hebdo em 7 de janeiro de 2015, o PCF e a FdG de Mélenchon elogiaram este lixo islamofóbico como “progressista”. Eles se juntaram à campanha reacionária “Je Suis Charlie” e convocaram a participar da manifestação pró-imperialista pela “unidade nacional” em Paris no dia 11 de janeiro - uma marcha televisionada mundialmente liderada por, entre outros, chefes dos governos imperialistas ocidentais incluindo o criminoso de guerra e presidente de Israel Benjamin Netanyahu. Eles nem conseguiram votar no parlamento em 13 de janeiro contra a extensão da intervenção militar da França no Iraque! [536]

Depois dos atentados terroristas em Paris, em 13 de novembro de 2015, o PCF juntou-se novamente à “Union Nationale”. Todos os seus deputados votaram pelo estado de emergência e, depois, por sua extensão por três meses! [537] Não é de surpreender que esse partido social-chauvinista também apoie a proibição do hijab e da burca para as mulheres muçulmanas. [538]

O mesmo espírito social-chauvinista está por trás da posição de Sahra Wagenknecht e sua iniciativa aufstehen. Wagenknecht é a líder da facção parlamentar do LINKE alemão. Ela denuncia abertamente o slogan de “fronteiras abertas” como “quixotesco”, critica o governo conservador de Ângela Merkel por deixar entrar tantos refugiados do sexo masculino no país nos ataques de 2015 - similar aos racistas de direita e sionistas – por Imigrantes muçulmanos não “se Integrarem na sociedade.” [539]

 

Islamofobia: O Novo Anti-Semitismo do Século XXI

 

Neste ponto, queremos chamar a atenção para o fato, amplamente ignorado por muitos “esquerdistas”, de que a islamofobia imperialista é o novo anti-semitismo do século XXI. Enquanto as Grandes Potências estão em rivalidade umas contra as outras em várias questões, elas concordam totalmente em uma coisa: a discriminação e opressão das minorias muçulmanas. Naturalmente, elas o fazem por razões políticas e não religiosas. Um dos principais aliados de Washington no Oriente Médio é o Reino Wahhabite, na Arábia Saudita, e um dos principais aliados de Moscou é o regime teocrático do Irã, bem como o açougueiro Kadyrov, na Chechênia. [540] Mas eles pregam e utilizam o ódio contra as minorias muçulmanas e os muçulmanos por várias razões:

i) oprimir e explorar os imigrantes como mão-de-obra barata nos países imperialistas;

ii) oprimir as minorias nacionais muçulmanas (por exemplo, chechenos e outros povos caucasianos, uigures, etc.);

iii) legitimar o apoio a ditaduras “seculares” como as de Assad, General Sisi, do Uzbequistão, do Tadjiquistão, etc .;

iv) legitimar as guerras e intervenções imperialistas na Síria, Iraque, Afeganistão, Somália, Mali, Níger, etc.

Por estas razões, consideramos a abordagem da islamofobia imperialista como um dos testes mais importantes para a chamada “esquerda”. Fazer qualquer tipo de concessão a essa praga - seja em questões domésticas relativas a imigrantes ou minorias nacionais, ou em questões de política externa, como intervenções militares em países muçulmanos ou na aproximação com Israel sionista e a luta de libertação palestina - é evidência inequívoca do social-chauvinismo e capitulação ao imperialismo. Infelizmente, toda a história recente de numerosos partidos reformistas e centristas demonstra que a maioria deles vergonhosamente falhou neste teste!

Essa política social-chauvinista é colocada em prática pelo SYRIZA - o partido governante da Grécia e uma das principais forças da PEE. Assume plena co-responsabilidade pelo ataque imperialista da UE contra os refugiados, uma vez que concorda com todos os programas anti-imigrantes do Conselho da União Europeia e os executa lealmente (programa Frontex, etc.). É uma verdade marxista de longa data que, como Lênin gostava de dizer, "os homens não devem ser julgados por suas palavras, mas por suas ações." [541] Julgados por seus atos, o PEE não tem nada a ver com o anti-imperialismo e solidariedade internacionalista para os imigrantes e refugiados!

Outra expressão do social-chauvinismo arraigado do PEE é seu apoio ao estado sionista de Israel. As principais lideranças da PEE expressaram repetidamente seu apoio a esse estado colonizador colonial. Gregor Gysi, um líder permanente do LINKE alemão e atualmente presidente do PEE, repetidamente enfatizou que seu partido significa “Solidariedade com Israel”. Em um discurso, ele caracterizou “a solidariedade com Israel como um elemento moral bem fundado para a razão alemã de estado.” [542]

Durante a guerra de Gaza em 2008/09, o presidente do LINKE em Berlim, Klaus Lederer, juntou-se a uma manifestação com o slogan “Apoiar Israel - Operação Cast-Lead” e foi - ao lado de políticos dos outros partidos burgueses - um dos oradores principais. O LINKE alemão chega a criticar qualquer apoio a uma solução de um estado na Palestina, assim como criticar apelos ao boicote de commodities israelenses ou à participação em comboios de solidariedade a Gaza. Até associa essas atividades ao “anti-semitismo”. Declara também o apoio a tais posições como incompatível com a participação no grupo parlamentar! Essas posições foram adotadas em 2011 por unanimidade pela liderança, respectivamente o grupo parlamentar, do LINKE! [543] Como informamos, o Partido Comunista Austríaco, também membro da PEE, difamou repetidamente a Seção local da CCRI como “Anti-semita”. Expulsou a CCRI até mesmo de seus eventos públicos por causa de nossa consistente posição anti-sionista e o consequente apoio à luta de libertação palestina. [544]

Sob a luz da aceleração da rivalidade entre as Grandes Potências, a liderança da PEE apoia a formação da UE imperialista como uma potência independente: “Os estados-nação individuais devem parar de se permitir serem jogados uns contra os outros por corporações e bancos. Países como a Irlanda não devem mais ser autorizados a atrair investidores reduzindo seus impostos e baixando os padrões sociais e ambientais. Não conseguiremos fazer quase nada para evitar esses desequilíbrios se continuarmos a nos opor como estados-nação - e é por isso que precisamos de abraçar a integração europeia. Por si próprios, cada nação nunca será capaz de responder eficazmente a uma guerra comercial com os EUA. Aqui, precisamos ver uma resposta unida da União Europeia. Evidentemente, estou consciente do triste estado em que algumas partes desta União Europeia se encontram. Mas a economia europeia, os desafios ambientais que a Europa enfrenta, a prevenção da guerra neste continente e, em última análise, a questão social e os jovens na Europa, em especial, que estão cada vez mais abraçando uma identidade europeia - todos eles pedem a integração europeia, e não o seu oposto.” [545]

É claro que o PEE combina esse apoio à intervenção militar imperialista na África ou no Oriente Médio, apoio para Israel, ou para a declaração do estado de emergência com intermináveis invocações de pacifismo, a “importância das Nações Unidas”, da “necessidade de soluções pacíficas”, etc. [546] Esse tipo de argumentação está parcialmente enraizado na tradição pacifista pequeno-burguesa de décadas dessas forças como (ex-) partidos estalinistas da oposição e em parte no fato de defenderem uma política externa diferente para a UE. Eles se adaptam àquela ala da burguesia monopolista europeia que deseja uma posição independente de Washington. Naturalmente, como uma Grande Potência independente (isto é, sem o apoio militar dos EUA), a UE seria do ponto de vista político e militar muito mais fraca. Como um bloco imperialista enfraquecido, a UE deve esforçar-se não por um confronto de curto prazo com outros rivais, mas sim por cooperação e relações "pacifistas" com eles.

 

O Partido Comunista Japonês

 

O Partido Comunista Japonês (PCJ) nunca fez parte de um governo de coalizão. É um importante partido de oposição social-democrata, ex-Estalinista, que tem oficialmente cerca de 300.000 membros e 20.000 seções em todo o país. Nas eleições para a Câmara dos Deputados, em 2017, o PCJ recebeu 4,4 milhões de votos, ou 7,91%. E nas eleições de 2016 para a Câmara dos Conselheiros, o partido obteve 6,02 milhões de votos, ou 10,74%. [547]

Uma característica programática crucial do PCJ desde o início de sua existência legal em 1945 é a negação do caráter imperialista do Japão. Enquanto o partido aceita que o Japão havia sido uma potência imperialista antes de 1945, alega que uma mudança fundamental ocorreu desde então. Já em uma declaração programática adotada no Plenário do Comitê Central, realizada em agosto de 1948, o PCJ definiu como metas a recuperação do status do Japão como um Estado independente (ou seja, imperialista independente). Apelou para o "direito do Japão à autodefesa", o "retorno para o Japão das ilhas que nacional e historicamente pertencem a ele", assim como para uma "garantia de independência da economia japonesa":

“2. Independência: a recuperação completa da soberania. (Nenhuma obrigação apoiar algo que irá infringir a soberania). 3. Território: o retorno para o Japão de ilhas que originalmente pertencem ao Japão nacional e historicamente. (...) 5. Denúncia da guerra e direito à autodefesa: a denúncia da guerra; oposição a qualquer condição que possa envolver o Japão em uma disputa internacional e a aprovação do direito do Japão de autodefesa. 6. Economia: garantia de independência da economia japonesa e melhoria da vida das pessoas e a formação de relações econômicas iguais com todos os países do mundo.” [548]

Em um rascunho de programa publicado pela liderança do PCJ em setembro de 1957 (e posteriormente adotado em um congresso), a seguinte caracterização foi dada: "É o imperialismo dos EUA e o capital monopolista japonês, que está em relações aliadas subordinadas com os primeiros, que basicamente governam" o Japão hoje. Embora sendo um país capitalista altamente desenvolvido, o Japão tornou-se um país virtualmente dependente, semi-ocupado pelo imperialismo dos EUA." [549] O partido concluiu a partir disso que o objetivo principal é uma “revolução democrática do povo”, cujas principais tarefas são, entre outras, a conquista da “independência completa da nação”. Os opositores do partido interno, “como Shojiro Kasuga, Tomochika Naito e outros que consideravam o Japão como uma potência imperialista basicamente independente” foram denunciados como “revisionistas” e consequentemente expulsos. [550]

O JCP mantém esta posição até os dias atuais - mais de 70 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial - quando o Japão se tornou uma das potências imperialistas mais fortes da economia global! Em seu programa, adotado em 2004, o PCJ oferece a seguinte caracterização do Japão:

“Embora o Japão seja um país capitalista altamente desenvolvido, é praticamente um país dependente, com uma parte importante de sua terra, assuntos militares e outros assuntos de estado sendo controlados pelos Estados Unidos. (…) Os Estados Unidos ainda mantêm poder significativo sobre os assuntos militares e diplomáticos do Japão e constantemente usam seu enorme poder para interferir nos assuntos econômicos do Japão. Nas Nações Unidas e em outros fóruns internacionais, os representantes do governo japonês geralmente desempenham o papel de porta-vozes do governo dos EUA. O relacionamento Japão-EUA não é de uma aliança de direitos iguais. O atual estado do Japão é marcado por sua subordinação estatal aos Estados Unidos, o que é extraordinário não apenas entre os países capitalistas desenvolvidos, mas também nas relações internacionais do mundo atual, em que a colonização é história. A dominação norte-americana do Japão claramente tem um caráter imperialista, pois espezinha a soberania e a independência do Japão, no interesse da estratégia mundial dos EUA e do capitalismo monopolista dos EUA.” [551]

A partir disso, seguem as tarefas programáticas do PCJ que efetivamente é a criação de um estado imperialista independente (e claro, “pacífico”):

“Uma mudança que a sociedade japonesa precisa atualmente é uma revolução democrática em vez de uma revolução socialista. É uma revolução que põe fim à extraordinária subordinação do Japão aos Estados Unidos e ao domínio tirânico das grandes corporações e dos círculos empresariais, uma revolução que assegure a genuína independência do Japão e realize reformas democráticas na política, na economia e na sociedade. Embora estas sejam reformas democráticas realizáveis dentro do quadro do capitalismo, suas conquistas plenas podem ser possibilitadas por meio da transferência do poder do Estado para as forças que representam os interesses fundamentais do povo japonês, ao contrário daqueles que representam o capitalismo monopolista do Japão e o subordinam aos Estados Unidos. O sucesso em alcançar essa mudança democrática ajudará a resolver problemas que causam sofrimento ao povo e abrirá o caminho para a construção de um Japão independente, democrático e pacífico que proteja os interesses fundamentais da maioria do povo.”

De acordo com o programa PCJ, esse Japão imperialista independente revogaria o Tratado de Segurança do Japão-EUA ... e continuaria a cooperação com o imperialismo dos EUA "em pé de igualdade"! “O Japão concluirá um tratado de amizade com os Estados Unidos em pé de igualdade. A intervenção injustificável dos EUA será rejeitada também em assuntos econômicos, de modo a estabelecer independência em todos os campos, incluindo finanças, divisas e comércio.”

Enquanto o PCJ, como todos os partidos reformistas de esquerda, prega o pacifismo e elogia as Nações Unidas [552], também indica em seu programa sua disposição de apoiar a “guerra ao terrorismo” imperialista: “Opor-se a ataques terroristas indiscriminados que vitimam o público em guerras de retaliação, e trabalhar para aumentar os apelos internacionais e aumentar a ação comum para erradicar o terrorismo.” Da mesma forma, o líder do PCJ, Shii Kazuo, chamou “a comunidade global ”(ou seja, as Grandes Potências imperialistas que dominam o Conselho de Segurança da ONU) para unir forças“ para eliminar o terrorismo ” : "Ele (Shii, Ed.) Continua enfatizando a necessidade de a comunidade global se unir nos esforços para eliminar o terrorismo de todo o mundo." [553]

 

PCJ: Conselheiro de uma Estratégia Alternativa Para o Imperialismo Japonês

 

Esse tipo de apoio a um Japão imperialista independente se reflete em posições sociais-imperialistas sobre questões centrais no período atual. Em um comunicado programático, publicado em setembro de 2000, o PCJ declarou mais uma vez a sua vontade de trabalhar em prol de um mundo pacífico e a dissolução do exército ... embora com duas condições cruciais. Primeiro, tal cenário pacifista só deveria ser desejado “na condição de que a paz estável na Ásia seja mantida firmemente, e que o consenso público tenha amadurecido na implementação completa do Artigo 9 da Constituição”. Uma vez que a “paz estável” não pode e não existirá em um mundo dominado por potências imperialistas (e certamente não existe dada a rivalidade entre os EUA, China, Japão e Índia pela hegemonia no leste e sul da Ásia) e desde que “consenso público” significa que também as forças reacionárias do capital monopolista japonês teriam que concordar com o desarmamento (o que, é claro, nunca acontecerá), tal futuro pacifista é adiado para um futuro muito distante.

A afirmação mais importante de toda essa declaração, no entanto, é a última frase: "Será natural que façamos uso da Força de Auto Defesa existente, se a situação exigir, para garantir a segurança das pessoas." [554] Isso não significa mais nada, a não ser que o PCJ dê apoio à mobilização do exército imperialista do Japão “se a situação o exigir”.

Com efeito, o PCJ atua como conselheiro do imperialismo japonês para “emancipar-se” de seu papel subordinado ao imperialismo norte-americano. Outro exemplo disso é a crítica do PCJ ao governo Abe por não se unir ao Banco de Investimento em Infraestrutura da Ásia (AIIB), dominado pela China, que foi fundado em 2015 como uma instituição financeira alternativa imperialista. O líder do PCJ, Shii Kazuo, exigiu “que o governo japonês se junte ao planejado novo banco de investimento global com foco na Ásia [em reação à] decisão do governo de não se tornar um membro fundador do Banco de Investimentos em Infraestrutura da Ásia.” [555] Grotescamente, a liderança do PCJ justifica esta proposta afirmando que “o AIIB representa um movimento para explorar uma ordem econômica internacional alternativa, deslocando a ordem atual centrada nas principais potências econômicas”. Obviamente, eles não ouviram falar do fato de que a própria China já se tornou uma “uma Grande Potência Econômica". É claro que, na realidade, isso tudo não passa de hipocrisia que obscurece o conceito do PCJ de oferecer uma estratégia independente para o imperialismo japonês.

Outro exemplo para o papel social-imperialista do PCJ como conselheiro para o Japão atuar como uma Grande Potência é sua crítica ao conservador governo Abe por não negociar o suficiente com o governo Trump no recente conflito tarifário: “O PCJ se opõe fortemente ao comércio bilateral negociações entre o Japão e os EUA que vendem a soberania econômica do Japão para os EUA.” [556]

Além disso, o JCP também continua a exigir, respectivamente a devolução de várias ilhas que o Japão conquistou em sua história. É o que se exige em seu programa de 2004 “o retorno ao Japão das Ilhas Chishima (Kurile), bem como as Ilhas Habomai e a Ilha de Shikotan, que são historicamente parte do Japão” (Essas ilhas foram controladas pela antiga URSS e atualmente pela Rússia desde 1945.) [557] Da mesma forma, eles insistem no direito do Japão de controlar as ilhas Senkaku / Diaoyu que foram entregues ao Japão pelo imperialismo dos EUA em 1972. No entanto, essas ilhas também são reivindicadas pela China e, como resultado, houve um aumento das tensões entre as duas potências em 2012. [558] No entanto, o PCJ social-imperialista tem defendido fortemente as reivindicações do Japão de 1972 até hoje. [559]

O PCJ tem a mesma posição social-patriótica quando se trata de reivindicações do Japão sobre a Ilha Dokdo / Takeshima. Estas ilhas foram roubadas pelo imperialismo japonês da Coréia em 1905 e também são reivindicadas desde há muito pela Coreia do Sul. [560]

No entanto, um exemplo ainda pior para o social-imperialismo do PCJ tem sido o seu apoio total e incondicional à agressão das Grandes Potências contra a Coreia do Norte, quando aquele país mais tarde ousou fazer testes nucleares e de mísseis nos últimos anos. [561] Em vez de apoiar este pequeno país contra a pressão das maiores potências imperialistas (os EUA com o apoio do Japão e até o apoio tácito da China e da Rússia), em vez de defender o direito da Coréia do Norte de obter alguns mísseis nucleares para se defender da agressão imperialista. Em vez de tudo isso, o PCJ social-imperialista emitiu uma série de declarações hostis. O PCJ “condena veementemente a ação imprudente da Coréia do Norte. (...) O PCJ exige firmemente que a Coréia do Norte cumpra as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e pare de se envolver em novas provocações militares.” [562] Até mesmo vai mais longe ao exigir explicitamente a implementação do bloqueio da fome contra a Coréia do Norte pedindo “um severo aumento da implementação das sanções econômicas contra o país.” [563]

Em resumo, tanto o PEE como o PCJ são partidos sociais-imperialistas pró-ocidentais convictos. Eles defendem uma política alternativa para o imperialismo europeu, respectivamente o japonês (para a independência dos EUA, para a cooperação com a Rússia e a China) em vez de um programa socialista no interesse da classe trabalhadora. Eles combinam esse programa social-imperialista com a frases de propaganda pacifistas.

 

Notas de rodapé

530) V.I.Lênin: Oportunismo e Colapso da Segunda Internacional (1915), em: LCW 22, p. 112

531) Para uma análise mais detalhada do reformismo hoje, ver Michael Pröbsting: Marxismo e a Tática da Frente Única Hoje . A Luta pela Hegemonia Proletária no Movimento de Libertação nos Países Semi-Coloniais e Imperialistas no Presente período, Livros RCIT, Viena 2016, https://www.thecommunists.net/theory/book-united-front/

532) Houve uma divisão recentemente no PEE. A insurreição francesa de Mélenchon, do PODEMOS na Espanha, do Bloco de Esquerda (Portugal), da Aliança Vermelho-Verde (Dinamarca), do Partido de Esquerda (Suécia) e da Aliança de Esquerda (Finlândia) fundaram um novo movimento chamado “Maintenant le peuple”. ”(“ Agora as pessoas). Esta nova aliança vai ficar como uma lista separada nas eleições da UE em maio de 2019. Além disso, uma divisão também está surgindo no LINKE alemão no momento em que Sarah Wagenknecht lançou sua iniciativa aufstehen. No entanto, até agora as diferenças políticas entre o MLP e o PEE estão centradas na crítica do MLP à política pró-austeridade do SYRIZA, assim como na crítica do PEE à adaptação do MLP ao populismo. As forças pró-PEE também atacam Mélenchon e Wagenknecht pela sua adaptação ao social-chauvinismo (por exemplo, a rejeição de “fronteiras abertas” para refugiados). De fato, como mostraremos a seguir, Wagenknecht defende posições reacionárias sobre a questão da migração. No entanto, esta é uma batalha ridícula entre os bandidos hipócritas. É verdade que Mélenchon e Wagenknecht expressam abertamente posições social-chauvinistas. No entanto, o SYRIZA, uma das principais forças da PEE e do partido governista na Grécia, vem implementando desde há anos um programa social-chauvinista arqui-reacionário ao participar dos regimes imperialistas Frontex da UE! Da mesma forma, formou um governo de coalizão com o partido de extrema direita ANEL. Dada a natureza burocrática da divisão - na realidade, a questão principal é o número de assentos que ambas as partes esperam ganhar nas próximas eleições europeias - não está claro até agora se há consequências relevantes dessa divisão para o caráter específico de sua orientação social-imperialista. Consequentemente, não é possível considerar a questão da divisão do PEE neste livro. (Para mais informações sobre a divisão ver por exemplo Angelina Giannopoulou: O Partido da Esquerda Europeia, Diem25 e a campanha transnacional de Jean-Luc Mélenchon para as eleições europeias em 2019, transformar a Europa! 2018; Cécile Barbière: La France Insoumise quer transformar Eleições europeias para o referendo anti-Macron, 3. Okt. 2018, https://www.euractiv.com/section/eu-elections-2019/news/la-france-insoumise-wants-to-turn-european-elections-into-anti-macron-referendum/ ; Steffen Vogel: Linke Sammlungsbewegung: Falsches Vorbild Mélenchon, aus: »Blätter« 3/2018, https://www.blaetter.de/archiv/jahrgaenge/2018/maerz/linke-sammlungsbewegung-falsches-vorbild-melenchon ; Jürgen Meyer: »Manutenção do Peuple« (MLP, Jetzt das Volk): Spätung der Europäischen Linken oder neue linke Sammlungsbewegung? 12. Juli 2018 http://internetz-zeitung.eu/index.php/4839-%C2%BBmaintenant-le-peuple%C2%AB-mlp,-jetzt-das-volk-spaltung-der-europ%C3%A4ischen-linken-oder-neue-linke-sammlungsbewegung)

533) Ver p. Michael Pröbsting: O Grande Roubo do Sul, Capítulo 13

534) Ver PCF: L «Intervenção Militar Francesa de Grandes Risques de Guerre (12.1.2013), http://www.pcf.fr/33977; PCF: C'est le Mali qu'il faut reconstruire, (11.1.2013), http://www.pcf.fr/33940

535) Citado em Don Franks: Mali invadida em uma nova 'corrida pela África', 2 de fevereiro de 2013, https://rdln.wordpress.com/2013/02/02/mali-invaded-in-new-scramble-for-africa/ . A mesma citação é reproduzida em Kumaran Ira: Frente de Esquerda Francesa promove a guerra em Mali, WSWS, 22 de janeiro de 2013, https://www.wsws.org/en/articles/2013/01/22/left-j22.html assim como no CoReP: Abaixo a Intervenção Imperialista Francesa no Mali, http://www.revolution-socialiste.info/CoRePCCItMaliEV.htm ver também L'Intervention Jugée Nécessaire par les Députés, 16 Janvier, 2013, https://www.humanite.fr/politique/l-intervention-jugee-necessaire-par-les-deputes-513009 e Raoul Rigault: Por que Tropas Francesas estão no Mali e porque o Partido Comunista Francês Apoia a Guerra, 26 de fevereiro de 2013 https://www.marxist.com/why-french-troops-are-in-mali-and-why-the-french-supports-the-war.htm

536) Veja por exemplo RCIT: França Depois dos Ataques em Paris: Defender o Povo Muçulmano Contra as Guerras Imperialistas, o ódio teatral chauvinista e a repressão do Estado! 9.1.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/statement-paris-attacks/; Michael Pröbsting: França: Partido "Comunista" Não vota no Parlamento Contra a Guerra Imperialista no Iraque! 15.1.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/french-pcf-iraq-war/; Michael Pröbsting: Após o ataque de Paris: os socialistas devem unir forças com o povo muçulmano contra o imperialismo e o racismo! Forças reformistas e centristas tentam atrapalhar o movimento dos trabalhadores ao não defenderem a solidariedade com os muçulmanos e contra a luta imperialista contra a guerra! 17.1.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/france-defend-muslims/; Michael Pröbsting: O Caráter Racista do Charlie Hebdo e a Campanha pró-imperialista “Je Suis Charlie”. Solidariedade com o povo muçulmano! NÃO Solidariedade com Charlie Hebdo! 17.1.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/racist-charlie-hebdo/

537) Ver por exemplo, RCIT: O Terror em Paris é o Resultado do Terrorismo Imperialista no Oriente Médio! Parem os beligerantes da França e de outros Potências Imperialistas! Nenhuma mobilização do exército dentro da França! Defender os Povos Muçulmanos contra a Beligerância Chauvinista e a Repressão do Estado! 14.11.2015, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/terror-in-paris/; RCIT: Aumentar a Instabilidade e a Militarização na União Europeia. Sobre as tarefas dos revolucionários na nova fase política que se abriu na Europa após o ataque terrorista em Paris, em 08.12.2015, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/militarism-in-eu/

538) Veja por exemplo, RKO BEFREIUNG: Áustria: O Racismo Islamofóbico em Ascensão! Solidariedade com os irmãos e irmãs muçulmanos! Não ao fechamento de 7 mesquitas e à expulsão de 40 imãs e suas famílias! 8. Junho de 2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/islamophobic-racism-on-the-rise-in-austria/ ; Almedina Gunić: Gegen das Verhüllungsverbot! Für Religionsfreiheit und Frauenrechte! Kampf dem islamophoben Rassismus e der Diskriminierung muslimischer Frauen! https://www.rkob.net/aktuell/kurzmeldungen/kurzmeldungen-september-1/; ver também Yossi Schwartz: Anti-semitismo e Anti-sionismo, 16 de novembro de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/anti-semitism-and-anti-zionism/

539) Ver por exemplo: "Offene Grenzen für alle - das ist weltfremd", Entrevista com Sahra Wagenknecht, erschienen im FOCUS am 10.02.2018, https://www.thecommunists.net/theory/anti-semitism-and-anti-zionism/

540) Na adaptação formal de Kadyrov ao islamismo e, ao mesmo tempo, servindo como ditador local de Putin contra o povo checheno, ver, por exemplo, Fred Weir: Kremlin se irrita quando a região islâmica da Rússia, uma vez inquieta, adota o islamismo político. O forte Ramzan Kadyrov foi instalado por Putin para reprimir a insurreição islâmica da Chechênia. Mas a adoção da sharia e do islamismo político por Kadyrov na região está desafiando a ordem constitucional secular da Rússia, 20 de setembro de 2017 https://www.csmonitor.com/World/Europe/2017/0920/Kremlin-frets-as-Russia-s-once-restive-Islamist-region-takes-up-political-Islam

541) V. I. Lênin: Chauvinismo Alemão e não Alemão (1916); em: LCW 22, p. 183

542) Gregor Gysi: Die Haltung der deutschen Linken zum Staat Israel, Vortrag de Dr. Gregor Gysi auf einer Veranstaltung „60 Jahre Israel“ der Rosa-Luxemburg-Stiftung am 14.4.2008, http://www.juedische.at/TCgi/_v2/TCgi.cgi?target=home&Param_Kat=3&Param_RB=33&Param_Red=9722

543) Veja LINKE weist Antisemitismus-Vorwürfe zurück. A Parteivorstand der LINKEN hat é 21. Mai 2011 the Gegenstimmen the following Erklärung verabschiedet, http://www.die-linke.de/partei/organe/parteivorstand/parteivorstand20102012/beschluesse/linkeweistantisemitismusvorwuerfezurueck/; Grupo Parlamentar da LINKE: Entschieden gegen Antisemitismus, 8 de junho de 2011, http://www.die-linke.de/nc/dielinke/nachrichten/detail/artikel/entschieden-gegen-antisemitismus

544) Sobre a repressão do estado contra a seção austríaca do RCIT, bem como a campanha de difamação e ataques físicos por várias forças de “esquerda”, ver, e. os seguintes relatórios (que incluem links para mais relatórios): RKOB: Ministério Público em Viena Interrompe Investigação contra Michael Pröbsting, 09.02.2017, https://www.thecommunists.net/rcit/investigation-vs-proebsting-stopped/; RKOB: Áustria: Partido da Direita abre inquérito parlamentar contra a Seção RCIT. O Maior Partido de Oposição manchou os trotskistas por supostos "extremismo de esquerda", "anti-semitismo" e "islamismo radical" e pediu ao Ministério Federal do Interior para investigá-los oficialmente, 29.01.2017, https://www.thecommunists.net/rcit/investigation-vs-proebsting-stopped/ ; RCIT: Pare com o Processo Judicial pela Solidariedade com a Palestina! Um apelo ao Estado austríaco para deixar cair suas acusações contra Michael Pröbsting! https://www.thecommunists.net/rcit/solidarity-proebsting/; RKOB: Áustria: Sionistas de “esquerda” atacam imigrantes árabes em manifestação solidária com refugiados! Relatório (com fotos e vídeos) da manifestação anti-racista em 26 de novembro em Viena pela seção austríaca do RCIT, 27.11.2016, https://www.thecommunists.net/rcit/zionists-attack-rcit-austria/; RKOB: KPÖ schließt RKOB aus und machen den Weg frei für Frauenschläger der Anti-Nationalen Szene. Wiederholter körperlicher Angriff auf Genossin Gunić am Volksstimmefest, Organização da Revolução-Comunista alemã BEFREIUNG zum Volksstimmefest 2016, 05.09.2016, https://www.rkob.net/wer-wir-sind-1/rkob-aktiv-bei/bericht- vs-fest-2016/ ; Relatório sobre o dia de maio de 2016 na Áustria: resistência conjunta contra ataques racistas. Demonstração vigorosa, militante e internacionalista, apesar de ataques racistas, Reportagem (com Imagens e Vídeos) sobre a manifestação multinacional e internacionalista em Viena, marcando o Dia de Maio 2016 organizado pela Organização Comunista Revolucionária LIBERATION, https://www.thecommunists.net/rcit/report -dias-dia-2016-em-áustria/ ; RCIT: Vitória! A acusação contra o porta-voz do RKOB e ativista de solidariedade da Palestina, Johannes Wiener, foi abandonada! 10.1.2013, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/solidarity-with-wiener-won/

545) Uma Resposta Internacionalista, Discurso de Gregor Gysi, Presidente da Esquerda Europeia, realizada no Congresso do Partido Federal em Leipzig, 9 de junho de 2018, sobre a disputa sobre os refugiados e a migração, https://www.transform-network.net/blog / article / an-internationalist-answer/.

546) Os marxistas começaram a lutar contra tais ilusões nos tribunais internacionais de arbitragem já antes da Primeira Guerra Mundial. Infelizmente, os reformistas ainda não aprenderam nada com isso! (Veja isto, por exemplo, Annelis Laschitza: Zur Rolle des Zentrismus 1911/12. Ein Beitrag über den Zusammenhang von Imperialismus und Oportunismo, em: Fritz Klein (Ed.): Studien zum deutschen Imperialismus vor 1914, Berlim, 1976)

547) O que é o JCP? Um perfil do Partido Comunista Japonês (novembro de 2017), https://www.jcp.or.jp/english/2011what_jcp.html

548) Comitê Central do Partido Comunista do Japão: Os Cinqüenta Anos do Partido Comunista do Japão, publicado pelo Departamento de Publicação do Comitê Central do Partido Comunista do Japão, Tóquio, 1973, p. 106

549) Os cinquenta anos do Partido Comunista do Japão, p. 136

550) Sobre a história do Partido Comunista Japonês, ver também Hans Modrow e Manfred Sohn: Vor dem großen Sprung? Überblick über die Politik der Japanischen Kommunistischen Partei, PNG-Verlag, Schkeuditz 2000

551) Programa do Partido Comunista Japonês, adotado em 17 de janeiro de 2004 no 23º Congresso do JCP, http://www.jcp.or.jp/english/23rd_congress/program.html

552) Ver p. o entusiasmado apoio do PCJ aos apelos descomprometidos e sem sentido das Nações Unidas para a proibição de armas nucleares: Presidente do JCP, Shii, faz um pronunciamento para saudar o tratado de proibição de armas nucleares, 9 de julho de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/07/20170709jcp-chair-shii-issues-statement.html ; e Shii emitem declaração dando as boas-vindas ao projeto de tratado N-ban, 24 de maio de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/05/20170524shii-issues-statement.html

553) Shii condena ataques terroristas em Paris, 15 de novembro de 2015 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2015/11/20151115-shii-condemns-terror-attacks-in-paris.html

554) A visão do JCP sobre a relação entre o Artigo 9 da Constituição e as Forças de Autodefesa, 30 de setembro de 2000, https://www.jcp.or.jp/english/jps_weekly/e000930_03.html

555) Não é tarde demais para o Japão ingressar no AIIB: Shii, 2 de abril de 2015 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2015/04/20150402i.html

556) A JCP opõe-se às negociações comerciais Japão-EUA que desconsideram a soberania económica do Japão, 28 de setembro de 2018, http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2018/09/20180928-jcp-oppos-the- japan-us-trade.html

557) Notamos de passagem que o JCP já exigia a entrega dessas ilhas desde 1945, ou seja, em um tempo em que a União Soviética era um Estado de Trabalhadores Degenerados (ou um “país socialista” como o JCP até mesmo afirmou). Em outras palavras, foi um partido tão social-chauvinista que colocou os “direitos nacionais” do imperialismo japonês mais elevados do que o de um “país socialista” estrangeiro! Sua compreensão do "socialismo em um país" significava que eles eram os primeiros patriotas japoneses e apenas os "socialistas"!

558) Michael Pröbsting: Não ao fanfarrão chauvinista do imperialismo japonês e chinês! 23.9.2012, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/no-war-between-china-and-japan/

559) Em 1972, quando o imperialismo norte-americano entregou as ilhas Senkaku / Diaoyu ao Japão, o JCP em 31.3.1972 emitiu um comunicado intitulado “As Ilhas Senkaku - Território Japonês”, para declarar sua posição: “A Legislatura de Okinawa, em 3 de março A sessão plenária decidiu que "é claro que os Senkakus são território japonês e não há espaço para disputa sobre seu direito territorial". A opinião do nosso partido é que esta afirmação está correta. Gostaríamos novamente de deixar claro a opinião do nosso partido sobre a questão de Senkakus. Por algum tempo, nosso partido realizou investigações e estudou o contexto histórico e as relações sob o direito internacional em relação a isso. Nossas investigações deixaram claro que os Senkakus são o território do Japão. ”(As Ilhas Senkaku - Território do Japão. Conferência de imprensa de Tomio Nishizawa, Membro do Presidium Permanente do JCP, Akahata, 31.3.1972; http://www.japan-press.co.jp/modules/feature_articles/index.php?id=34), www.japan-press.co.jp é o site do jornal PCJ Japan Weekly Press) E, novamente, em meio a uma escalada com a China, o JCP reformista insistiu em 21.8.2012: “Em relação às Ilhas Senkaku, Ichida mencionou a declaração de 2010 do JCP que deixou claro que a posse das ilhas pelo Japão é legítima com base na história e no direito internacional. ”(Esforços diplomáticos calmos necessários para resolver questões territoriais: JCP Ichida; 21.8.2012, http://www.jcp.or.jp/english/jps_2012/20120821_04.html

560) A liderança do JCP declarou em 1977: “… o PCJ em 1977 expressou sua visão de que o Japão tem a legitimidade histórica para reivindicar a soberania do Japão sobre a ilha Tkashima” (a questão de Takeshima deve ser resolvida por diplomacia: presidente do JCP; 11 de agosto de 2012, , http://www.jcp.or.jp/english/jps_2012/20120811_01.html) Este ponto de vista foi repetido em agosto de 2012: “Em relação à Ilha de Takeshima, Ichida referiu-se à declaração do JCP de 1977 que afirmava que o Japão tinha fundamentos históricos para reivindicar sua soberania sobre a ilha. ”(Calmos esforços diplomáticos necessários para resolver questões territoriais: JCP Ichida; 21 de agosto de 2012, http://www.jcp.or.jp/english/jps_2012/20120821_04.html)

561) Veja o RCIT: A Cúpula Trump-Kim Abriu o Caminho para a Paz no Leste Asiático? 14.06.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/has-the-trump-kim-summit-opened-the-road-to-peace-in-east-asia/ ; RCIT: Coreia do Norte: Parem os belicistas americanos! Defenda a Coreia do Norte contra o louco do imperialismo dos EUA! Abaixo as sanções imperialistas contra a Coreia do Norte! Nenhum apoio político ao regime stalinista de Kim! 11 de agosto de 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/stop-us-madman-threatening-north-korea/ ; RCIT: As sanções dos EUA contra a Rússia, o Irã e a Coréia do Norte são uma Declaração de Guerra Econômica, 30 de julho de 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/north-america/us-sanctions-vs-russia-iran-north-Coréia/ ; RCIT: Coréia do Norte: Pare a guerra. Mongering do imperialismo dos EUA! 4 de abril de 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/us-aggression-vs-north-korea/ ; RCIT: Novas ameaças imperialistas no leste da Ásia: Tire a mão da Coreia do Norte! 12.3.2013, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/defend-north-korea/; RCIT: Nenhuma guerra contra a Coreia do Norte! Chamada para protestos no dia em que começa uma guerra! 6.4.2013, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/no-war-against-north-korea/; Michael Pröbsting: Agressão dos EUA contra a Coréia do Norte: O Pacifismo "Socialista" do CIT, 12.09.2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/cwi-and-north-korea. Sobre a questão da restauração capitalista na Coreia do Norte, referimos os leitores a vários ensaios que publicamos recentemente: Michael Pröbsting: A restauração capitalista na Coreia do Norte cruzou o Rubicão ou não? Resposta a uma polêmica de Władza Rad (Polônia), 15 de julho de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/has-capitalist-restoration-in-north-korea-crossed-the-rubicon-or-not/ ; Michael Pröbsting: Em que sentido se pode falar da restauração capitalista na Coreia do Norte? Resposta a várias objeções levantadas pelos camaradas poloneses de "Władza Rad", 21 de junho de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/north-korea-and-the-marxist-theory-of-capitalist-restoration/ ; Michael Pröbsting: Mais uma vez sobre a restauração capitalista na Coreia do Norte, 12 de junho de 2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/again-on-capitalist-restoration-in-north-korea/ ; Michael Pröbsting: Perspectivas do Mundo 2018: Um Mundo Grávido de Guerras e Levantes Populares. Teses sobre a Situação Mundial, as Perspectivas para a Luta de Classes e as Tarefas dos Revolucionários, Livros RCIT, Viena 2018, Capítulo VI. A Península Coreana: Agressão Imperialista, Restauração Capitalista e Defensismo Revolucionário, pp. 95-105, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2018/

562) Kazuo Shii: JCP condena veementemente o lançamento do míssil balístico da Coréia do Norte e novamente pede negociações diretas imediatas para superar a atual crise, 29 de novembro de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/11 /20171129-jcp-strongly-condemns-north-koreas.html . A mesma posição é expressa em várias outras declarações. Veja por exemplo JCP condena teste nuclear da Coréia do Norte e novamente pede negociações diretas para desarmar a crise atual, 4 de setembro de 2017, http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/09/20170904-jcp-condemns- north-koreas-nuclear.html; Shii emite declaração protestando contra o lançamento do míssil balístico da Coréia do Norte, 22 de maio de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/05/20170522shii-issues-statement.html; Shii protesta o lançamento do míssil da Coréia do Norte, 14 de fevereiro de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/02/20170214-shii-protests-north-koreas.html ; Shii saúda as novas sanções do UNSC contra a Coreia do Norte, 4 de março de 2016 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2016/03/20160304-shii-welcomes-new-unsc-sanctions-on-north -korea.html

563) Shii emite comunicado condenando o lançamento do míssil da Coréia do Norte, 30 de agosto de 2017, http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/08/20170830-shii-issues-statement.html ; a mesma formulação é repetida em que Shii explica a proposta da JCP sobre a questão da Coréia do Norte, 20 de fevereiro de 2017 http://www.jcp.or.jp/english/jcpcc/blog/2017/02/20170220-shii-explains-to -press.html

 

 

 

 

 

XXIV. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências: Sociais-Imperialistas (Estalinistas) Pró-Orientais

 

Tradicionalmente, o estalinismo (como o reformismo em geral) sempre buscou uma aliança estratégica com um setor da burguesia contra outro. O estalinismo tem estado disposto a subordinar e manipular sua influência entre os trabalhadores e oprimidos por esse objetivo. Isso é verdade tanto no terreno nacional quanto no internacional. Em contraste, o autêntico trotskismo sempre se esforçou para reunir a classe operária e os oprimidos, nacional e internacionalmente, contra todos os setores da burguesia e contra todas as Grandes Potências.

Assim, quando os estalinistas eram uma força globalmente mais forte, isto é, antes do colapso da URSS em 1989-91, eles procuravam a colaboração com uma facção “democrática”, “antifascista”, “patriótica” da burguesia imperialista contra uma facção reacionária “burguesia imperialista”. Essa era a justificativa teórica para unir governos de frente popular a partidos imperialistas (por exemplo, na França em 1936, 1945, 1981 ou 1997; na Itália em 1945, 1996, 2004). [564] E foi também a justificação teórica para apoiar um campo de estados imperialistas contra o outro (por exemplo, no apoio durante a Segunda Guerra Mundial para os EUA e o Reino Unido contra a Alemanha e a Itália).

No caso da China maoísta e pós-maoísta, essa teoria reformista foi usada até para justificar a colaboração ultra-reacionária com o imperialismo americano e europeu contra a suposta situação "social-imperialista da URSS .” [565] (De fato, todos os estados estalinistas - tanto o campo liderado pela URSS como a China - não eram estados capitalistas ou mesmo imperialistas, mas estados operários degenerados em que uma casta burocrática, que de forma ditatorial dominava a classe trabalhadora e o campesinato com base em uma economia planejada pós-capitalista. [566] Como resultado, para mencionar uma anedota bizarra, membros dos grupos maoístas da Europa Ocidental foram instruídos na década de 1970 a se unirem ao exército imperialista para defender sua “pátria” contra a “ameaça social-imperialista” do Oriente”!

Em suma, os partidos estalinistas justificaram a sua colaboração com um campo da burguesia contra o outro, respectivamente com um campo de estados imperialistas contra o outro, argumentando que isso ajudaria a defender os estados "socialistas" (URSS, China, Europa Oriental, Vietnã, Coréia do Norte, Cuba, etc.). Como resultado, eles eram pró-capitalistas e pró-imperialistas pseudo-socialistas a serviço da burocracia estalinista dominante dos estados operários degenerados.

No entanto, isso é diferente da situação atual, já que hoje não existe nenhum estado “socialista”, isto é, não existe nenhum estado operário degenerado. Agora, esses estalinistas servem diretamente a uma facção da classe dominante, respectivamente, um campo dos estados imperialistas - e não indiretamente através da burocracia conservadora de um estado operário degenerado. É por isso que esse tipo de social-imperialismo assume a forma geopolítica burguesa. Dizemos geopolítica burguesa porque significa definir a situação do mundo e as tarefas da luta não do ponto de vista da luta de classes internacional para promover a causa da classe trabalhadora e dos povos oprimidos, mas do ponto de vista de reordenar o mundo para a desvantagem das antigas Grandes Potências (EUA, UE e Japão) e para a vantagem das novas Grandes Potências (China e Rússia). A geopolítica burguesa é filha bastarda da clássica teoria estalinista do “socialismo num só país”. Exclua a palavra "socialismo" e estará satisfeito com algum tipo de "capitalismo num só país".

 

A Aliança Estalinista em torno do Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários

 

Desde o colapso da URSS, os partidos estalinistas estão rachados e divididos e não possuem qualquer organização internacional centralizada. Em vários países existem várias formações estalinistas em paralelo. Fiel ao seu dogma do "socialismo em um só país", eles existem em primeiro lugar como partidos nacionais e subordinam qualquer tática internacional aos seus interesses nacionais. No entanto, isso não significa que os partidos estalinistas não tomem posições sobre questões da política mundial. Nem significa que eles não se esforcem por colaboração internacional.

Hoje, muitos partidos estalinistas são vagamente afiliados em torno do chamado Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários (EIPCO). Esta é uma conferência anual que foi iniciada pelo Partido Comunista da Grécia (KKE) em 1998. As partes presentes nesta conferência emitiram declarações conjuntas. Vários deles publicam uma revista - a International Communist Review [567] - e constituem um grupo de trabalho. Embora essas estruturas existam em uma base muito federalista e solta, elas, no entanto, conseguem às vezes iniciar declarações conjuntas sobre eventos políticos mundiais importantes.

Alguns dos partidos estalinistas mencionados acima frequentemente participam das conferências do EIPCO. Entre eles estão os partidos estalinistas da China, Vietnã, Cuba, Coréia do Norte e Laos; outros partidos são os dois grandes partidos comunistas da Índia - PCI e PCI (M) -, o russo KPRF e RKRP, os PC da África do Sul, Brasil, Venezuela, Síria, Grécia, Portugal, bem como um número de outros partidos menores .

Vários desses partidos, como demonstramos acima, consideram a China imperialista como um "estado socialista" que eles apoiam incondicionalmente. Entre eles estão os partidos que controlam estados nacionais - tais como os chineses, os cubanos, etc., assim como outros como o PC da África do Sul. No entanto, os partidos estalinistas não têm uma visão unificada do caráter de classe da Rússia e da China. O grego KKE, por exemplo, é mais crítico e expressa sua insatisfação com as reformas de mercado. Da mesma forma, existem diferentes pontos de vista sobre o caráter de classe da Rússia - incluindo entre os participantes russos, como mostramos acima.

No entanto, todos eles concordam em ver o mundo não como um caracterizado pela rivalidade entre as diferentes Grandes Potências imperialistas (incluindo a China e a Rússia), mas como um país dominado por um campo imperialista com os EUA e seus aliados no topo. Como resultado, eles também concordam em apoiar as forças que estão em conflito com os EUA e em denunciar as forças que estão em conflito com o campo chinês / russo.

Isto fica evidente a partir de várias declarações conjuntas do EIPCO anual. Em sua última declaração, adotada em uma conferência em Atenas, em novembro de 2018, os partidos Estalinistas usam a categoria “imperialista” apenas quando falam sobre os EUA e seus aliados. Rússia e China não são mencionados e nem conflitos de povos oprimidos por essas Grandes Potências.

“Os Partidos Comunistas e Operários saúdam as lutas dos trabalhadores e dos povos do mundo contra a ofensiva do imperialismo, contra a ocupação, contra qualquer ameaça aos direitos soberanos e à independência nacional, pela paz, pela defesa e pelo alargamento das relações sociais e direitos democráticos. A experiência adquirida em muitos países das lutas contra os planos imperialistas e a linha política dos EUA, da OTAN, da UE e dos seus aliados é valiosa.

A intensificação das contradições envolve o risco de novas guerras imperialistas, o controle de recursos produtores de riqueza, mercados e dutos de energia; este risco define tarefas sérias para o movimento operário e os comunistas para o fortalecimento de uma ampla luta anti-imperialista pela paz e pelo desarmamento, a intensificação da luta contra a linha política dos governos burgueses que serve à lucratividade do grande capital e à agressão imperialista e guerra. (...)

Eles reafirmaram sua solidariedade internacionalista com os povos sírios, palestinos e cipriotas; com os povos do Líbano, do Sudão, da Cuba Socialista, da Venezuela, do Brasil, do Irã, com todos os povos que enfrentam ataques e ameaças imperialistas. (...) ”

Quando se trata de atividades para as quais esses partidos estalinistas convocam, novamente elas são dirigidas apenas contra os EUA e seus aliados (além disso, eles também convocam por atividades em torno do dia primeiro de maio, várias datas comemorativas, etc.).

“Os partidos comunistas e operários exigem o desenvolvimento de ações comuns e convergentes no próximo período, ao longo desses eixos principais:

Contra a guerra imperialista, as intervenções e a militarização.

Ações contra a OTAN - cujo 70º aniversário é em 4 de abril de 2019 - e a UE, que está sendo militarizada através da União Estrutural Permanente-( em inglês PESCO) e outros mecanismos. (...)

Fortalecer a Solidariedade Internacionalista com os povos em luta, que enfrentam ocupação, ameaças e intervenções imperialistas

Fortalecer a solidariedade e a luta internacionalista exigindo o fim do bloqueio dos EUA contra Cuba e as intervenções e ameaças contra a Venezuela bolivariana. Apoiar a luta do povo palestino pelo fim da ocupação e autodeterminação, estabelecendo um estado nacional independente com Jerusalém Oriental como capital, de acordo com as resoluções da ONU, apoiando a resistência do povo palestino e condenando a política criminosa de Israel. Denunciar as intervenções imperialistas na península coreana e expressar solidariedade com o povo coreano pela reunificação independente e pacífica. Expressar solidariedade aos refugiados e a todos os povos que enfrentam ocupação, intervenção e bloqueios pelo imperialismo.” [568]

Vemos que, enquanto os partidos estalinistas condenam o imperialismo norte-americano e seus aliados, eles “ignoram” os outros estados envolvidos na rivalidade das Grandes Potências - China e Rússia. Eles estão do lado do regime de Assad, que foi salvo temporariamente pela massiva intervenção militar da Rússia. Eles defendem o povo palestino, mas não falam uma palavra sobre o povo egípcio brutalmente oprimido pela ditadura militar do general Sisi (que tem boas relações com Moscou e que em julho de 2013 o golpe foi apoiado pelo Partido Comunista do Egito). Eles não falam uma palavra sobre o povo checheno oprimido pela Rússia ou o povo uigur sofrendo em campos de concentração chineses. Caracteristicamente, esses partidos estalinistas vão mais longe e elogiam, sem crítica, o regime do culto à personalidade estalinista-capitalista de Kim Jong-Un na Coréia do Norte! [569]

 

Estalinismo e a Contra-Revolução na Síria

 

Um exemplo real para caracterizar o caráter reacionário, anti-libertador e pró-russo/chinês desses partidos estalinistas é a guerra civil na Síria. Quando a administração Trump ordenou a sua marinha a disparar alguns mísseis em casas vazias na Síria em abril de 2018 (em "retaliação" por outro Massacre de Armas Químicas cometido pelas forças Assadistas contra o povo sírio), os partidos estalinistas se reuniram em defesa do regime fantoche de Moscou em Damasco. [570]

Como analisamos em outro lugar, a reação dos estalinistas a esse evento foi característica. [571] Em duas declarações, assinadas por dezenas de partidos estalinistas (a maioria da Europa, mas também de outros países), limitaram sua condenação exclusivamente às ações do imperialismo norte-americano. Eles o fazem independentemente do fato de que, de acordo com sua própria conta, Moscou enviou 63 mil soldados desde o início de sua intervenção em setembro de 2015 e matou 85 mil "terroristas". [572]

“As partes signatárias expressam veementemente a condenação da agressão militar imperialista contra a República Árabe Síria levada a cabo pelos EUA, Reino Unido e França.” [573]

“Os partidos comunistas e operários da Europa condenam a escalada da agressividade imperialista e o aguçamento da situação na Síria e na região mais ampla depois da declaração de D. Trump, Presidente dos EUA, em 11 de abril sobre o bombardeio da Síria sob o pretexto do uso de armas químicas, algo que os EUA fizeram repetidamente no passado.” [574]

Da mesma forma, expressam, em termos mais ou menos explícitos, seu apoio ao regime de Assad contra o levante popular:

“As partes signatárias apelam à solidariedade com o povo sírio que há sete anos vem enfrentando a agressão do imperialismo norte-americano e seus aliados - seja diretamente ou por ação de grupos terroristas -, resistindo e lutando para defender a soberania, independência e integridade territorial de seu país, e seu direito de decidir sobre seu destino, livre de qualquer interferência.”

“Os partidos comunistas e operários expressam a sua solidariedade internacionalista ao povo da Síria e dos outros povos da região, apelam à classe trabalhadora, às forças populares para que reforcem a luta contra as intervenções e guerras imperialistas, da NATO, da EUA e a UE. ”

Portanto, é lógico que uma das duas declarações tenha sido assinada pelo Partido Comunista Sírio, que faz parte do bloco governante oficial no pseudo-parlamento de Assad, em Damasco.

Encontramos a mesma posição em uma declaração emitida ao mesmo tempo pela Federação Mundial dos Sindicatos, dominada pelos estalinistas. Eles condenam duramente “os governos dos EUA, França e Grã-Bretanha e seus aliados que estão realizando preparativos de guerra e ameaçando a Síria e o povo sírio com ataques de mísseis”. Eles alegaram que as acusações sobre o uso de armas químicas pelo regime de Assad são “falsas” e condenam “o papel sujo da maioria das ONGs como as que são denunciadas de terem montado a provocação com as armas químicas”. Da mesma forma os estalinistas denunciam “o papel sujo das lideranças sindicais amarelas que apoiaram as intervenções imperialistas no Iraque, na Líbia, no Líbano, na Síria e agora justificam as estratégias da OTAN e da União Europeia.” [575]

Mais uma vez, nem uma única palavra sobre a intervenção militar da Rússia na Síria, que tem sido muito maior e muito mais mortal do que a do Ocidente. E nem uma única palavra contra o regime tirânico de Assad que está massacrando o povo sírio.

Em outra declaração anterior, o KKE grego também declarou explicitamente sua condenação à Revolução Árabe e à revolta síria em especial: “Deve-se notar que o KKE desde o primeiro momento, em 2011, denunciou a intervenção que tem consequências muito sérias. para o povo da Síria e também para os povos da região ao redor. Quando partidos burgueses e oportunistas celebraram a chamada “Primavera Árabe”, nosso partido expôs os esforços organizados para financiar e armar a chamada oposição síria patrocinados pelas potências imperialistas.” [576]

Como observamos em uma ocasião anterior, a abordagem hipócrita dos estalinistas à intervenção das Grandes Potências na Síria nos lembra a política de seu precursor em 1939-41, quando a Internacional "Comunista" denunciou o imperialismo britânico e francês unilateralmente por sua política colonial e por sua agressiva política externa, mas poupou a Alemanha nazista.

Vamos agora lidar com alguns dos principais partidos estalinistas. Não trataremos dos partidos oficiais do Estado, pois sua política é idêntica à do aparato estatal chinês, cubano, vietnamita etc. Na verdade, esses partidos não são tanto partidos no sentido real, mas sim um componente-chave do respectivo aparato estatal - inicialmente de um estado operário degenerado, entretanto de um estado capitalista.

 

Social-Imperialismo Russo: o KPRF, o RKRP e o PCU

 

Como já mencionamos acima, o Partido Comunista da Federação Russa (PCFR), liderado por Gennady Zyuganov, é o maior partido estalinista da Rússia. Não considera a Rússia como uma Grande Potência imperialista e é um comprometido defensor da “pátria”. De fato, é um grande partido social-imperialista russo.

O PCFR vê a Rússia como um país que está ameaçado pelos imperialistas ocidentais (assim como por “homossexuais” e “imigrantes”). Contra tais ameaças estrangeiras, pede uma “luta de libertação nacional” - como se a Rússia não fosse um país imperialista, mas um oprimido país semi-colonial!

Assim, o partido afirma em seu programa: “Nas condições atuais, o Partido Comunista da Federação Russa vê sua tarefa de unir a classe social e os movimentos de libertação nacional em uma frente popular unida. (...) O partido luta pela unidade, integridade e independência da Pátria, pela restauração da União fraterna dos povos soviéticos, pelo bem-estar e segurança, pela saúde moral e física dos cidadãos. (…)

[O partido também luta para] garantir a integridade territorial da Rússia e a proteção de compatriotas no exterior; (...) O fogo dos conflitos internacionais não diminui. A questão russa adquiriu extrema urgência após os anos de restauração capitalista. Hoje, os russos se tornaram os povos mais divididas do planeta. Há um franco genocídio de uma grande nação. O número de russos está diminuindo. A cultura e a linguagem historicamente estabelecidas são destruídas. As tarefas de resolver a questão russa e a luta pelo socialismo são essencialmente as mesmas.” [577]

Francamente, este é um programa do grande chauvinismo russo. Lutar pela “unidade e integridade” da pátria significa nada mais do que negar as minorias nacionais, como por ex. os chechenos, o direito de separação. Chamar "pela proteção dos compatriotas russos no exterior" é o programa do expansionismo.

E, de fato, o PCFR convoca abertamente o expansionismo para criar um Grande Império Russo. Seu líder Zyuganov pediu recentemente a anexação do Donbass na Ucrânia. “Se eu fosse presidente (da Federação Russa, Ed.), Faria imediatamente a região de Donbass fazer parte da Rússia. Primeiro, reconhecemos a República de Donetsk e Lugansk, assim como foi na Ossétia do Sul e na Abkházia.” [578]

Da mesma forma, o PCFR tomou o partido do regime de Putin quando iniciou a segunda guerra contra a Chechênia em 1999 assim como no caso da intervenção militar russa na Ucrânia em 2014. [579] Em outras palavras, Zyuganov é um "patriota" tão comprometido que ele em breve poderá usar um boné com o slogan "Make Russia Great Again" (Fazer a Rússia Grande de Novo)!

Animado pelo mesmo grande espírito, o PCFR também apoia os esforços do regime de Putin para promover a língua russa entre as minorias nacionais na Rússia. Artem Prokofiev, deputado do PCFR do Conselho de Estado do Tartaristão, expressou a opinião do partido que "que a língua russa no Tartaristão é ensinado em um volume muito menor do que a média na Rússia Mas devemos lembrar que, de acordo com os resultados do Exame Unificado do Estado Russo, Tartaristão obteve uma muito boa colocação. Se o volume do ensino de língua russa aumentar, os resultados serão ainda melhores.". [580]

Em um artigo com o título auto-explicativo "Como proteger a língua russa?" (realmente? Língua russa está em perigo na própria Rússia de Putin?!), um autor próximo ao PCFR pede maiores esforços para a "defesa da língua do Estado". [581]

Da mesma forma, um partido verdadeiramente patriótico, o PCFR de Zyuganov apoia a política anti-Imigrante do regime de Putin, assim enquanto se opõe à "propaganda homossexual" tece elogios ao papel da Igreja Ortodoxa. [582]

Portanto, é lógico que o PCFR também apoie a guerra de Putin na Síria desde o começo. Por exemplo, expressa sua admiração pela tirania do presidente sírio Bashar Assad em um artigo com um título auto-explicativo "Presidente sírio Bashar Assad elogiou a ajuda do Partido Comunista e seu líder, GA Zyuganov” [583] Em outro artigo, o PCFR aplaude "o governo da Síria [que] está fazendo tudo para cristãos e muçulmanos viverem em paz." (matando meio milhão deles!) [584]

O PCFR é certamente um dos partidos socialistas-chauvinistas mais sinceros e indisfarçados que servem uma Grande Potência imperialista. É um social-imperialista tão chauvinista que até mesmo alguns estalinistas se sentem constrangidos com isso. No entanto, participou de 20 reuniões do Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários e segue sendo uma força central desta frouxa "internacional" estalinista.

Com afirmamos acima , O Partido dos Trabalhadores Comunistas Russos - Partido Revolucionário dos Comunistas ( em russo-RKRP-RPK) por Viktor Tyulkin tem uma posição mais diferenciada. Reconhece o caráter imperialista da Rússia, assim como sem qualquer pudor admira de Stalin, a liderança do partido adere à teoria clássica de diferenciação entre estados imperialistas "democráticos", "antifascistas" que deveriam ser apoiados contra os rivais imperialistas "reacionários", "fascistas". Não se pode deixar de reconhecer a ironia na aplicação errada de uma teoria errada. Se seria legítimo diferenciar entre Estados imperialistas "democráticos" e "reacionários", a RKRP - seguindo consistentemente a sua lógica errônea - seria obrigada a ficar do lado do Ocidente contra a Rússia e a China. Eles dificilmente podem negar que há mais democracia burguesa na América do Norte, na Europa Ocidental e no Japão do que nas duas Grandes Potências orientais!

Mas a liderança da RKRP não considera a teoria marxista como uma diretriz científica, mas como um servo pragmático por seu apoio ao grande imperialismo russo. Assim, ele molda a diferenciação estalinista entre o "bom" e o "mau" imperialismo, a fim de legitimar seu apoio à política externa reacionária de Moscou. Como tal, por exemplo, a liderança da RKRP apoia as intervenções militares da Rússia no exterior, assim como as intervenções na Ucrânia ou na Síria. "As autoridades russas hoje, expressando os interesses do capital russo, apoiando a luta da Síria e do Donbass" [585]

A crítica do partido ao regime de Putin não é que ele esteja implementando intervenções imperialistas, mas não está intervindo energeticamente o suficiente! Como tal escreveu Viktor Tyulkin, primeiro secretário do Comitê Central da RKRP: "Por exemplo, acompanhamos essa luta no Donbass e na Síria. A posição da Federação Russa objetivamente contribui na luta contra das milícias de Donbas contra o regime fascista de Poroshenko. A RKRP não apenas aprova o apoio das autoridades russas para as milícias de Donbas, mas exige ainda mais, exige uma caracterização como fascista dos princípios do regime de Poroshenko . (...) A Rússia e a China, como países imperialistas, formam algum tipo de união (incluindo os BRICS) e se opõem ao imperialismo norte-americano mais agressivo e desavergonhado. Isso é bastante compreensível e oferece oportunidades para certos cursos e situações específicas para usar essa luta no interesse da classe trabalhadora e do mundo." [586]

Nesse contexto, é crucial reconhecer que a "crítica" do regime de Putin não é progressiva. Para dar uma analogia: o governo alemão liderado pelo partido conservador de Angela Merkel. Forças progressistas e internacionalistas denunciaram-no por ser restritivo e discriminatório. As forças de direita e semi-fascistas (incluindo a AfD) atacaram violentamente Merkel por serem muito liberais em relação aos refugiados. Portanto, as críticas à política de refugiados de Merkel não são progressivas por si mesma. É preciso julgar concretamente se tal crítica vem de um ponto de vista reacionário, nacionalista ou de um ponto de vista progressista e internacionalista.

É semelhante à crítica da política externa de Putin. Pode-se atacar por ser muito chauvinista e por dar apoio a forças reacionárias como Assad. Ou pode-se atacar por não ser suficientemente favorável para tais objetivos imperialistas. A primeira crítica é progressiva, a segunda ultra-reacionária. Infelizmente, os estalinistas escolhem a última opção.

Um aspecto do apoio da RKRP à política reacionária da Rússia é sua avaliação acrítica sobre Aleksey Mozgovoy, um ex-comandante militar da autoproclamada República Popular de Lugansk-RPL, em Donbass. Em uma necrologia, o RKRP elogiou-o como um "comunista espontâneo": "Ele estava muito próximo dos trabalhadores, ele era o mais" vermelho "entre os comandantes. Ele tem a maior parte da divisão comunista e tem faixas vermelhas com slogans "Morte aos invasores fascistas!" Ele aceitou o fórum anti-fascista internacional, que foi rejeitado pelo governo do RPL. (...) Ele era um comunista espontâneo por suas intenções e espírito. Tais pessoas são geralmente chamadas de comunistas sem partido." [587]

No entanto, na verdade, Mozgovoy combinou a fraseologia comunista com o Grande Chauvinismo Russo e o Anti-Semitismo (ou Judeofobia). Como ele publicou diários demonstram, ele acusou os "nazistas judeus" das coisas mais absurdas, subscrevendo as clássicas teorias anti-semitas da conspiração: "Eles [judeus nazistas] não estão apenas destruindo o campo e as cidades de Donbass. Eles destroem o exército da Ucrânia aqui, triturando-o em caldeiras e ataques sem sentido. Seus médicos, suas brigadas sanitárias estão desmontando os soldados das Forças Armadas da Ucrânia e os civis de Donbas, coletando aqui uma rica colheita de órgãos humanos que fluem para Israel, Europa e EUA. Eles já publicaram um novo Israel na Ucrânia. Eles estão fazendo isso junto com a oligarquia russa. (...) O assassinato de escritores, padres e deputados não é sobre a "agonia da junta de Kiev" nem sobre a "ira dos nacionalistas ucranianos", como é apresentado na mídia. É o terror judeu depois da revolução judaica que ganhou na Ucrânia. É o mesmo que em 1917. Desdobrou-se agora em nosso Donbass ". [588]

Quão absurdo para o RKRP louvar Mozgovoy como herói comunista quando ele era de fato um lunático anti-semita! Notamos que isto também é verdade para muitos defensores "antifascistas" ocidentais das Repúblicas de Donbass que publicamente admiravam Mozgovoy.

Em suma, a RKRP alega que apoiar o imperialismo russo e chinês contra a rivalidade ocidental e as ditaduras anti-populares e reacionárias, como Assad ou os regimes fantoches de Donbass, ajudariam a luta de classes e os interesses da classe trabalhadora internacional. Como explicamos acima, tal abordagem é uma geopolítica burguesa ou social-imperialista. Os líderes bolcheviques argumentaram contra esse absurdo há muito tempo:

"Do ponto de vista da justiça burguesa e da liberdade nacional (ou do direito das nações à existência), a Alemanha sem dúvida teria alguma razão contra a Inglaterra e a França, uma vez que ficou "decepcionada" com a distribuição das colônias. , e seus inimigos oprimem muito mais nações que ela; Quanto ao seu aliado, na Áustria, os eslavos oprimidos certamente gozam de mais liberdade do que na Rússia czarista, uma verdadeira "prisão dos povos". Mas a própria Alemanha não luta para libertar os povos, mas para subjugá-los. E não cabe aos socialistas ajudar um bandido mais jovem e vigoroso (Alemanha) a desvalorizar outros bandidos mais velhos e mais preparados. O que os socialistas devem fazer é aproveitar a guerra que os bandidos estão fazendo para derrubar todos eles. Para poder fazer isso, os socialistas devem antes de mais dizer ao povo a verdade, a saber, que esta guerra é, em três aspectos, uma guerra entre escravistas com o objetivo de consolidar a escravidão. Esta é uma guerra, em primeiro lugar, para aumentar a escravização das colônias por uma distribuição mais equitativa e subsequente exploração concertada das colônias; em segundo lugar, aumentar a opressão de outras nações dentro das "Grandes" Potências, desde a Áustria e a Rússia ); e em terceiro lugar, para aumentar e prolongar a escravidão assalariada, uma vez que o proletariado é dividido e suprimido, enquanto os capitalistas são os ganhadores, fazendo fortunas com a guerra, incentivando preconceitos nacionais e intensificando a reação, que levantou a cabeça em todos os países , mesmo nos mais livres e mais republicanos ". 589

Como mencionamos acima, o Partido Comunista Unido (PCU), aliado do pseudo-trotskista Comitê Coordenador para a Refundação da Quarta Internacional (CRFI) em torno do Partido Obrero argentino, considera a Russia não um país capitalista mas um "país capitalista periférico” Isto, naturalmente, se encaixa em uma política "patriótica" de defender a "pátria" contra o imperialismo ocidental. Nós mencionamos acima o Partido Comunista Japonês "patriótico" que exige o retorno das Ilhas Kurilas ao Japão. O PCU, impulsionado pelo mesmo chauvinismo social-imperialista, rejeita fortemente quaisquer concessões ao Japão. Certamente não é menos "patriótico" do que os "camaradas" japoneses! Em um comunicado intitulado "Nós rejeitamos as concessões territoriais feitas contra a vontade dos trabalhadores", a liderança da PCU denuncia que o Japão quer "cancelar a soberania da Rússia sobre parte das Kurilas do Sul". (...) Nós Rejeitamos quaisquer concessões territoriais feitas contra a vontade do povo trabalhador da Rússia e servindo de moeda para o acerto de contas com os imperialistas". [590]

Da mesma forma, o PCU também apoia várias intervenções militares da Rússia no exterior. Darya Mitina, líder central do PCU, serviu por algum tempo à frente da sucursal de Moscou do Ministério do Exterior da República Popular de Donetsk. [591] Da mesma forma, os líderes do PCU "apoiam" criticamente o tirânico regime de Assad e o imperialista PKK/YPG: "Sim, hoje o PKK e Assad estão longe dos ideais do socialismo e do marxismo. No entanto, eles são provavelmente os únicos que trazem verdadeiro internacionalismo para o conflito no Oriente Médio." [592] Darya Mitina até tirou uma foto dela com um enorme retrato de Assad, posando com admiração na frente dela!

É característico da posição social-imperialista do PCU que Darya Mitina afirmou em um comentário que ela fica ao lado do regime imperialista no Afeganistão contra o Taliban islamista pequeno-burguês que está no topo de uma insurgência popular. Ela comentou sobre a reação à iniciativa Moscou sediar negociações entre os grupos em guerra no Afeganistão:

"Eu não acho que vou viver até tal desgraça. (...) Terroristas, assassinos e canibais apertam suas mãos, perguntam sobre sua opinião, fazem fotos com eles ao fundo dos símbolos estatais de alto nível em Moscoul. "O Taleban não está pronto para negociações diretas com o governo do Afeganistão e vai conduzir um diálogo com os Estados Unidos", disse Mohammad Abbas Stanakzai, chefe do departamento do Taleban em Moscou, na sexta-feira. "Primeiro de tudo, não vamos negociar com eles", observou ele. Na minha opinião, a autoridade oficial de Cabul está absolutamente certa. Ninguém deve beber chá no hotel do presidente com os terroristas, eles devem ser destruídos ". [593]

Sem dúvida, esta é a voz repugnante de um conselheiro para os mestres imperialistas, não de um socialista que está do lado das insurreições populares anti-imperialistas!

 

"Defendendo os direitos soberanos da Grécia": o KKE Estalinista como Exemplo do Social-Chauvinismo burguês

 

Como dissemos acima O KKE ( Partido Comunista da Grécia) desempenha um papel fundamental no meio estalinista europeu e mundial. [594] É um exemplo clássico do estalinismo tradicional, ou seja, o reformismo de base nacional. [595] Condena o imperialismo e o capital monopolista ... em declarações gerais. No entanto, quando se trata de seu próprio estado burguês e do chauvinismo de sua "própria" burguesia, o KKE troca seu internacionalismo pelo social-chauvinismo. O internacionalismo é excelente ... quando é dirigido contra inimigos estrangeiros. No entanto, é um obstáculo quando o KKE tem de lidar com os "direitos soberanos da Grécia".

Não importa para esta questão que a Grécia seja um país semi-colonial avançado que, nos anos 90, falhou em se tornar um estado imperialista. [596] Não é importante neste contexto porque a própria liderança do KKE nega a natureza semicolonial da Grécia e (erradamente) enfatiza que se tornou um estado imperialista. [597]

Além disso, também não é relevante porque os "inimigos" contra os quais o KKE social-chauvinista defende os "direitos soberanos da Grécia" não são potências imperialistas atacando o país, mas sim seus "inimigos" de longa data e países vizinhos - em especial a Turquia. e Macedônia. Esses dois países são eles próprios estados semicoloniais e a Macedônia teve alguma experiência com a Grécia desde que declarou sua independência em 1991. [598]

De fato, o estado burguês da Grécia tem uma longa e vergonhosa história de opressão e limpeza étnica das minorias nacionais em seu território. De fato, Atenas expulsou centenas de milhares de cidadãos turcos, macedônios e outros cidadãos de seu território desde a década de 1920. Os marxistas sempre categorizaram qualquer forma do chauvinismo grego contra essas minorias e defenderam seu direito de autodeterminação nacional. [599]

 

O KKE promete "aniquilar qualquer intruso estrangeiro que ouse atacar a Grécia"

No entanto, o estalinista KKE está longe de tal posição anti-chauvinista comunista. Ele é categorizado em seu programa de "socialismo" na Grécia e está inextricavelmente ligado à defesa de suas fronteiras atuais e aos "direitos soberanos da Grécia". "A luta pela defesa das fronteiras, os direitos soberanos da Grécia, do ponto de vista da classe trabalhadora e as camadas populares é parte integrante da luta pela derrubada do poder do capital ". [600]

Isto significa nada mais que a defesa do estado capitalista contra qualquer "inimigo", assim como a defesa deste estado contra os direitos nacionais de qualquer oprimido pela soberania dos "direitos soberanos da Grécia" chauvinista! Em outras palavras, a concha "anti-imperialista" do KKE esconde um núcleo social-chauvinista burguês.

Isso se torna óbvio quando os alegados "direitos soberanos da Grécia" estão em risco - pelo menos quando tal risco existe de acordo com a mídia burguesa histérica. Vamos demonstrar isso com dois exemplos recentes. Durante um período de tensão entre a Grécia e a Turquia em 2018, os fascistas gregos acusaram o KKE de que, no caso de uma guerra com a Turquia, não defenderiam o seu país. Em resposta, o KKE expressou sua indignação. Seu secretário-geral, Dimitris Koutsoumbas, disse literalmente em uma manifestação pública em Tessalônica: "Nós comunistas, como sempre fizemos em nossa centenária história, estaremos unidos em defender nossa integridade territorial e nossos direitos soberanos. Estamos fazendo isso para que qualquer invasor estrangeiro que ouse atacar a Grécia seja aniquilado ”. [601]

Vemos que o KKE não tem problemas em elogiar o marxismo-leninismo e os princípios do internacionalismo anti-imperialista. No entanto, quando a "integridade territorial e os direitos soberanos" de sua terra natal são (supostamente) ameaçados pela Turquia, a liderança do KKE se transforma em uma fração de segundo em chauvinistas ferozes que estão prontos para aniquilar seus vizinhos.

O discurso do líder de KKE não foi uma gafe retórica desde que o partido republicou em sua imprensa como a citação acima demonstra. Isso também é confirmado pelo fato de que o partido repetiu esta linha social-chauvinista em teses programáticas que publicou para uma conferência internacional em abril de 2018.

"Especialmente na nossa região, é possível melhorar a situação entre a Grécia e a Turquia, com o envolvimento de outros países. O questionamento das fronteiras e dos direitos soberanos da Grécia por parte da classe burguesa turca está integrado no quadro de suas relações competitivas com a classe burguesa grega na região. A classe burguesa grega participa ativamente dos planos, intervenções, competição e guerras imperialistas, orientada por seu objetivo de melhorar estrategicamente sua posição na região mais ampla. Ela é responsável pelo possível envolvimento do país em uma guerra. O Programa do Partido determinou a posição sobre a guerra imperialista , onde se observa que: "A luta pela defesa das fronteiras, os direitos soberanos da Grécia, do ponto de vista da classe trabalhadora os estratos populares são parte integrante da luta pela derrubada do poder do capital. Não tem qualquer relação com a defesa dos planos de um ou outro polo imperialista ou com a rentabilidade de um ou outro grupo monopolista. No caso do envolvimento da Grécia numa guerra imperialista, ou numa guerra defensiva ou agressiva, o partido deve liderar a organização independente da luta do povo operário em todas as suas formas, tanto o doméstico quanto o invasor estrangeiro, e conectar tal ação com a conquista do poder ". [602]

Todas as conversas do KKE sobre oposição "às guerras imperialistas" e "a conquista do poder" são uma retórica vazia a fim de ocultar sua capitulação social-patriótica ao chauvinismo grego. De fato, este partido está longe de conquistar o poder. Isto se provou mais uma vez pelo seu fracasso em tentar crescer sua influência- sem falar sobre a intenção de tomada de poder-durante a crise pré-revolucionária na Grécia na última década. De fato, o KKE recebe menos votos nas eleições do que antes!

Embora a conquista do poder seja uma possibilidade incerta no futuro distante, as tensões com a Turquia ou a Macedônia e a propaganda chauvinista da opinião pública da Grécia acontecem hoje. E hoje, em tais conflitos, o KKE promete defender a "integridade territorial e os direitos soberanos" do Estado capitalista grego contra qualquer "invasor estrangeiro"!

Os comunistas autênticos não devem apoiar a Grécia ou a Turquia. Ambos são estados semi-coloniais capitalistas dominados por uma burguesia reacionária que colabora com potências imperialistas como os EUA, a UE e a Rússia. Nenhum deles é "o menor mal". O programa leninista de derrotismo revolucionário é plenamente aplicável em tal caso, como nossos camaradas na Palestina Ocupada declararam uns tempos atrás:

"Para reiterar, num caso de guerra apenas entre a Turquia e a Grécia, a CCRI conclama pelo derrotismo revolucionário em ambos os lados. Isso significa que eles não devem apoiar a guerra em seu país, mas defender a derrota do "seu" estado. Naturalmente, o envolvimento das potências imperialistas de cada lado não alterou o caráter da guerra. Como princípio geral, argumentamos que a CCRI se opõe ao imperialismo dos EUA, UE e Rússia. " [603]

 

O KKE nega os direitos nacionais da Macedônia

O KKE exibia o mesmo chauvinismo repugnante quando a Macedônia realizou seu referendo sobre a mudança de seu nome oficial. Nós não discutimos a questão deste referendo ao ponto e indicamos a declaração dos camaradas trotskistas do grego OKDE que nós republicamos (com um breve prefácio) em nosso site. [604] O interesse aqui são os argumentos usados pelo KKE.

Em uma recente declaração oficial publicada, o KKE critica o acordo entre os governos grego e macedônio por causa de seu conteúdo pró-OTAN (que os revolucionários naturalmente também rejeitam), mas também porque supostamente abre as portas para o "irredentismo (ou seja, um projeto de retomadas de terras) macedônio"!

"“O acordo entre os governos da Grécia e da FYROM foi alcançado pela intervenção aberta dos EUA, da OTAN e da UE, tem seu selo e foi assinado nas instalações dos prazos e agendas que essas organizações determinaram, a fim de a integração euro-atlântica a avançar nos Balcãs Ocidentais. Este objetivo deriva claramente do texto do acordo. Não é por acaso que os primeiros a saudarem este acordo sejam o Departamento de Estado, a OTAN e a UE. É por isso que todo o processo se concentra na questão do tema, enquanto uma série de questões críticas, tais como o combate ao irredentismo, as mudanças necessárias na Constituição dos países vizinhos, não só são adiadas para um futuro incerto mas também a situação se torna complicada com a aceitação por parte do governo grego de posições relativas aos “cidadãos macedônios e à “língua macedônica”, posições que constituem a essência do irredentismo. Consequentemente, é um acordo que não pode garantir uma solução a favor do povo grego, dos povos dos países vizinhos nem dos povos da região. [605]

Nada poderia ser mais absurdo! O estado grego tem uma longa história de opressão brutal contra o povo macedônio que resultou na expulsão de quase todos eles. Hoje, apenas uma pequena minoria de macedônios continua a viver no norte da Grécia. A Macedônia é um país pequeno e pobre, explorado por monopólios capitalistas estrangeiros (entre eles, não poucos da Grécia). A Grécia tem uma longa e vergonhosa tradição de chauvinismo anti-macedônio. (Por exemplo, as maiores manifestações na história do país ocorreram em 1992 e 1994 em protesto contra o fato de que a Macedônia independente se atreveu a escolher a "Macedônia" em sua designação oficial!)

Independentemente desta tradição chauvinista, ou melhor, por causa disso, o KKE se junta à tradição nacionalista grega e acusa a Macedônia de "irredentismo" (em vez de acusar o estado grego de seu insuportável chauvinismo)! Até acusa o governo reformista do SYRIZA de fazer concessões ao "irredentismo macedônio" porque aceita "cidadãos macedónios" e uma "língua macedônia"!

Esta declaração reflete que o KKE apoia totalmente as mais reacionárias mentiras que o chauvinismo grego disseminou ao longo de toda a sua história e que simplesmente fazem negar a existência da nação Macedónia!

Isso também é confirmado por um artigo recentemente publicado em sua revista teórica, que afirma: “Uma solução real significa garantias da eliminação do irredentismo macedônio, do nacionalismo, das reivindicações [territoriais], garantindo a inviolabilidade das fronteiras, o que significa mudanças agora, não no futuro próximo, à Constituição da Antiga República Jugoslava da Macedónia-ARJM. ”O KKE insiste que qualquer nome adotado pela República“ deve ter uma definição estritamente geográfica ”.

Além disso, o KKE repete, sem nenhuma vergonha, o clássico mito chauvinista grego que nega a existência nacional de outros povos balcânicos: "Uma nação" macedónia "formada historicamente, etnicidade da "macedónia ", língua da "macedónia ", que forma a base do irredentismo levanta questões sobre a existência de uma minoria, suas reivindicações e defesa de seus direitos, etc., não existem." [606]

 

Conclusões

Lênin costumava dizer: "Raspe alguns comunistas e você encontrará grandes chauvinistas russos". [607] É óbvio que não é necessário raspar todo o chauvinismo grego da desenfreada liderança reacionária do KKE!

Em resumo, o KKE grego é um excelente exemplo para nossa análise do estalinismo como uma tendência reformista burguesa. Quando se trata de imperialismo e guerra, o estalinista pode se referir aos clássicos marxistas e recitar uma ou outra citação de Lênin sobre o imperialismo. Mas, em essência, eles seguem uma linha reacionária social-chauvinista e defendem o estado capitalista da Grécia e suas atuais fronteiras contra qualquer "invasor estrangeiro". Eles não são derrotistas contra sua própria burguesia. Eles são apenas derrotistas contra a classe trabalhadora internacional e os povos oprimidos!

 

Os Estalinistas Saúdam o Chauvinismo Sérvio contra os Albaneses do Kosovo

 

Seria completamente errado imaginar que tais explosões chauvinistas são uma espécie de questão peculiar unicamente do Partido Comunista grego, o KKE. Não, a adaptação ao chauvinismo das nações opressoras está no DNA político do estalinismo. Quando serve aos interesses de uma burocracia governante ou estados aliados, os estalinistas sempre estiveram dispostos a apoiar a opressão das minorias nacionais e a pregar o chauvinismo. A política de Stalin de tornar o grande chauvinismo russo a política oficial da URSS e as terríveis deportações do povo caucasiano em 1944 são conhecidas. [608]

Os stalinistas continuam a se adaptar ao chauvinismo ainda muitos anos depois de perderem a cidadela de seu poder burocrático pelo colapso dos regimes burocráticos no Leste Europeu e na URSS em 1989-91. Já demos o exemplo do KKE grego. Aqui está outro exemplo real.

Muitos partidos estalinistas apoiam a reivindicação expansionista sérvia ao Kosovo (Kosoya em idioma albanês). 36 partidos estalinistas, presentes no 20º congresso anual do Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários (EIPCO) em novembro de 2018, publicaram uma declaração conjunta que reproduzimos aqui na íntegra:

"Apoio ao Kosovo [sic] como parte integrante da República da Sérvia.

O partido "Comunistas da Sérvia" pede apoio dos partidos comunistas e operários do mundo para apoiar o Kosovo como parte integrante da República da Sérvia, que está sob ocupação da OTAN desde 1999 e de um regime subordinado aos separatistas albaneses. " [609]

Da mesma forma, os estalinistas austríacos, o Partido do Trabalho (Partei der Arbeit), que também participaram deste congresso, publicaram no relatório de suas atividades em que se referiam a Kosovo no mesmo espírito soviético-chauvinista ("a província sérvia de Kosovo"). [610]

Este é um escândalo vergonhoso, pois o Kosovo é povoado por uma maioria de 90% albanesa! Eles haviam sido nacionalmente oprimidos pela Sérvia desde o início da sua ocupação colonial em 1913 e sempre desejaram independência de Belgrado. Ao longo de toda a história da ocupação do Kosovo, os albaneses resistiram e tentaram revoltas populares que foram brutalmente esmagadas pelas forças de ocupação sérvias. Finalmente, uma insurreição armada, iniciada em 1997, teve êxito e os albaneses do Kosovo se livraram da tirania sérvia.

No entanto, a legítima luta de libertação dos kosovares, liderada pelo nacionalista pequeno-burguês UCC, foi sequestrada pelo imperialismo da OTAN em 1999 e explorada para ocupar a nova república.

A organização precursora da CCRI se posicionou pela vitória da revolta e pediu uma república operária do Kosovo. Não demos apoio político à liderança do UÇK e defendemos a Sérvia contra os bombardeamentos da OTAN. Nossa seção austríaca participou das atividades da comunidade albanesa durante a revolta em 1997/98. Hoje, a CCRI apoia incondicionalmente o desejo do povo de Kosovo de se livrar da ocupação da OTAN/UE e de ter um estado totalmente independente, em nossa opinião, deveria ser uma república operária. Enquanto apoiamos os direitos das minorias para a população sérvia no Kosovo, denunciamos firmemente qualquer tentativa do estado sérvio de reocupar o país. [611]

Algumas décadas atrás, os estalinistas justificaram o apoio ao chauvinismo sérvio referindo-se ao caráter "socialista" do regime de Tito na ex-Iugoslávia. Naturalmente, isso não se justificava para suprimir o desejo albanês de independência. No entanto, tal apoio às reivindicações nas atuais circunstâncias carece até mesmo de falsas justificativas. Não existe mais Tito nem Iugoslávia e a Servia tornou-se um estado capitalista. Ainda assim, é uma Sérvia é governada pelo governo de Aleksandar Vučić e a sua SNS, uma divisão do partido semi-fascista Chetnik SRS liderada pelo notório criminoso da guerra Vojislav Šešelj. Esses arqui-reacionários justificam suas reivindicações históricas referindo-se à chamada Batalha do Kosovo Field, um evento no ano de 1389, envolto em mito.

No entanto, todos esses fatores não são susceptíveis de serem aplicados a uma declaração de direito e de "apoio ao Kosovo como parte integrante da República da Sérvia" e que ao mesmo tempo denunciam os "separatistas albaneses". Isto não é nada além de um apoio desavergonhado ao reacionário expansionismo sérvio contra a vontade do povo do Kosovo!

É claro que a lógica dos estalinistas é tão transparente quanto reacionária. Na sua opinião, apenas os EUA, a UE e o Japão são imperialistas, enquanto a Rússia e a China representam supostamente forças "socialistas" (ou pelo menos "progressistas", "anti-imperialistas"). Em consequência, os estalinistas apoiam todos os regimes e forças - incluindo, por exemplo, os monarquistas, fascistas e semifascistas no Donbass - que são aliados da Rússia e da China.

É simbólico que esta declaração tenha sido assinada pelo lambe-botas Partido Comunista da Síria, também pelos vários partidos estalinistas russos (por exemplo, KPRF de Zyuganov e RKRP-RPK de Tyulkin), o KKE grego, o PC alemão, o Partido Comunista (Itália) e outros .

Finalmente, também apontamos que o chauvinismo sérvio dos estalinistas compartilha a companhia de várias forças ultra-reacionárias. Todos os grandes chauvinistas russos, incluindo os monarquistas da Rússia Branca, apoiam a reivindicação da Sérvia ao Kosovo. O mesmo é verdade para vários partidos radicais de direita na Europa Ocidental. Por exemplo, a FPO austríaca sempre declarou que o Kosovo faz parte da Sérvia. Seu líder, HC Strache, usa orgulhosamente o chamado Brojanica - um rosário sérvio-ortodoxo - em seu pulso. [612] Que aliança profana de "esquerdistas" e chauvinistas de direita!

Tudo isso prova uma vez mais: o estalinismo nunca foi, não é, e nunca será uma força internacionalista da classe operária. É organicamente corrupto e chauvinista. Na época atual da rivalidade das Grandes Potências, os estalinistas inevitavelmente servem como lacaios das outras Grandes Potências imperialistas. Os revolucionários devem impiedosamente denunciar essa tendência reformista burguesa!

 

O Ultra-Estalinista PCGB-ML: Leais Apoiadores do Imperialismo Russo e Chinês

 

Já mencionamos acima sobre o ultra-estalinista Partido Comunista da Grã-Bretanha (Marxista-Leninista) cuja abreviação é PCGB-ML. Este grupo considera o papel da Rússia e da China como "progressista e anti-imperialista". Embora esses adoradores de Stalin, de Gaddafi e de Assad, sejam burros no campo da teoria marxista, eles são mais consistentes e sinceros do que a maioria de seus companheiros de viagem estalinistas. Eles saúdam Assad e clamam por "vitória para o presidente, o governo, o exército e o povo da Síria!" (Nessa ordem!). [613]

Joti Brar, um de seus líderes, deixou inequivocamente claro que o PCGB-ML também se posiciona pela vitória da China e da Rússia contra seus rivais ocidentais: “Além disso, se a Grã-Bretanha e os EUA realmente começarem uma guerra contra a Rússia ou a China, é a opinião do PCGB-ML de que os verdadeiros anti-imperialistas e socialistas apoiarão a defesa dos países Rússia e China e trabalharão pela derrota classe dominante dos inimigos Grã-Bretanha e EUA. Os slogans de um movimento anti-guerra verdadeiramente anti-imperialista nesse caso devem ser: a vitória para a Rússia e a China; Derrota do imperialismo britânico; Nenhuma cooperação com as guerras imperialistas britânicas! ” [614]

A mesma linha foi confirmada em uma resolução adotada em seu último congresso: "O Congresso confirma que, no caso de uma guerra como esta, o proletariado britânico não teria interesse na vitória de sua própria burguesia imperialista, e teria todos os interesses uma vitória das forças do anti-imperialismo. (...) O Congresso também resolve que, no caso de a guerra estourar, nosso partido pedirá a vitória da Rússia e da China e trabalhará para mobilizar as massas contra o próprio sistema imperialista, que é a causa de toda a guerra no sistema moderno. mundo." [615]

Esses ultra-estalinistas são certamente mais consistentes em tirar conclusões táticas do que a maioria dos outros defensores do imperialismo russo e chinês. O seu apelo às vitórias de Moscovo e Pequim contra os seus rivais ocidentais qualificou-as de sociais-imperialistas pró-orientais. Este é o complemento perfeito para o seu papel como apoiantes reacionários das ditaduras capitalistas de Assad e Gaddafi, que massacraram o seu povo quando se levantaram pela liberdade!

Sem dúvida, esses estalinistas britânicos se veem como anti-imperialistas radicais, pois se opõem à "burguesia" deles e apoiam os rivais da OTAN. Sua posição assemelha-se à abordagem "derrotista" dos estalinistas britânicos no período do Pacto Hitler-Stalin, quando o PCGB denunciou furiosamente o imperialismo britânico e o transformou (e na França) nas únicas forças responsáveis pela eclosão da Guerra Mundial (elogiando as denominadas “iniciativas de paz” de Hitler). Naturalmente, essa posição pseudo-derrotista foi substituída sem cerimônia pelo patriotismo ultra-servil quando Moscou então o exigiu, depois de 22 de junho de 1941.

Obviamente, tal tipo de "derrotismo" na época não tinha nada a ver com "anti-imperialismo", pois não era dirigido contra o imperialismo, mas apenas contra os interesses de uma Grande Potência e um dos interesses de outra Grande Potência. Trotsky denunciou corretamente tal pseudo-derrotismo quando uma política foi lançada pelos reformistas alemães depois de 1933.

"“Lembremos que todos os líderes da social-democracia alemã na emigração são“ derrotistas ”à sua maneira. Hitler os privou de suas fontes de influência e renda. A natureza progressiva desse derrotismo “democrático” e “antifascista” é exatamente zero. Ela está ligada não à luta revolucionária, mas a depositar esperanças no papel "libertador" do francês ou de algum outro imperialismo. Os autores do documento, obviamente contra sua própria vontade, deram, infelizmente, um passo nessa mesma direção." [616]

Ele acrescentou: "Mas eles estão absolutamente errados ao pensar que o proletariado pode resolver grandes problemas por meio de inimigos mortais, os governos imperialistas". [617]

Em resumo, a adulação desavergonhada da Rússia e da China pelo PCGB-ML nada mais é que uma versão moderna da política social-imperialista de Stálin.

 

Reflexões: Algumas Observações sobre os sociais-imperialistas “Pacifistas” e os Sociais-Imperialistas "Beligerantes"

 

Neste ponto, desejamos fazer uma interessante e importante diferença "metodológica" entre os sociais-imperialistas pró-ocidentais e os pró-orientais. O primeiro, o Partido da Esquerda Europeia (PEE) e o Partido Comunista Japonês (PCJ), geralmente criticam seus governos por serem muito agressivos e confrontados contra a Rússia e a China. Eles pedem a seus governos que aceitem várias iniciativas de Putin e Xi (por exemplo, a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura). Eles pregam a necessidade de pacifismo e reconciliação de interesses entre o Ocidente e a Rússia a China respectivamente.

As coisas são diferentes com os sociais-imperialistas pró-orientais. Se eles expressam críticas contra o regime de Putin e Xi no campo da política externa, não é que eles não seriam muito hostis ao Ocidente, mas seriam complacentes. Alguns estalinistas russos chegam a afirmar que o Kremlin seria um servo dos EUA! [618] Por exemplo, vários estalinistas russos e outros intelectuais de esquerda como Buzgalin e Kagarlitsky criticam o estado russo não do ponto de vista anti-imperialista. Muito pelo contrário, eles atacam a política do governo de Putin por "não ser agressiva o suficiente", por não cumprir suas promessas a Assad, etc. O site Vestnik Buri é um exemplo supremo. Em sua propaganda na rede social, eles afirmam: "Basta lembrar a derrubada dos caças bombardeiros Sukhoi Su-24 russo em 2015, Su-25 e do Tu-154 (em Sochi), e dos aviões de apoio aéreo An-26, Su-30, que foram perdidos em várias circunstâncias. Lembre-se dos golpes não respondidos pela coalizão liderada pelos EUA / Israel contra o Estado soberano, que é aliado a nós (sic!) Como Bashar Assad pediu ajuda à Rússia em 2011, incluindo complexos de defesa aérea, e ajuda veio somente em 2014, quando a situação estava quase sem esperança. O fato de a Síria estar dividida em áreas de influência e uma das tarefas de nossos militares (a preservação da integridade territorial da Síria) fracassou ”. [619]

A denúncia de Vestnik Buri sobre a política da Rússia é feita de tal maneira que é sugerido que se eles estivessem na posição do Estado russo imediatamente esmagariam brutalmente vários rivais estrangeiros em contraste com o governo atual supostamente "fraco". Essa política social-imperialista geralmente não é consciente, mas sim o subproduto da adaptação às forças reformistas - no caso de Vestnik Buri, é a liderança burocrática dos sindicatos da CLR.

Assim, enquanto os sociais-imperialistas pró-ocidentais pedem aos seus governos que cooperem mais com a Rússia e a China, os sociais-imperialistas pró-orientais instam os seus governos a agir de forma mais antagónica. Qual é a razão para essa diferença?

A principal razão para isso não é tanto nas ideologias ou programas específicos desses partidos. São basicamente todas as forças reformistas que se adaptam a setores da classe dominante. Mas eles precisam se adaptar a diferentes países, a classes dirigentes que enfrentam diferentes condições concretas com bases econômicas e super-estruturas políticas específicas.

Conforme elaboramos acima, as classes dominantes das Grandes Potências no Ocidente e no Oriente são caracterizadas por diferentes dinâmicas. O Ocidente em geral, e os EUA em especial, estão em declínio, enquanto a Rússia e, em especial, a China, estão num ascenso. Deste fato seguem várias consequências importantes, por exemplo:

a) Um sentimento social de pessimismo relativo no Ocidente em geral, em especial os EUA e de relativo otimismo na Rússia e na China.

b) Entre as Grandes Potências ocidentais: crise interna, profundas divisões dentro da burguesia e graves rupturas dentro do "bloco histórico" da classe dominante, da classe média e da aristocracia operária; em comparação, há um forte apoio ao regime ou, pelo menos, não há divisões profundas nem forças de oposição fortes na China e na Rússia.

Como resultado, há setores entre a burguesia europeia e japonesa em conjunto com a classe média que busca a cooperação e não o confronto com as Grandes Potências orientais (ou que até simpatiza com seu tipo político de governo). Eles querem se tornar mais independentes da hegemonia tradicional dos EUA. Os partidos sociais-imperialistas pró-ocidentais estão se adaptando a esses setores. Em contraste, os sociais-imperialistas pró-orientais se adaptam a setores entre a burguesia russa e chinesa e a classe média que defendem uma abordagem mais agressiva contra os rivais ocidentais, que odeiam o neoliberalismo ocidental etc. Esta é a base material para as diferenças entre os sociais-imperialistas "pacifistas" e os sociais-imperialistas "beligerantes".

 

Notas de rodapé

564) Existe uma vasta literatura sobre a política e da Frente Popular. Veja por exemplo Tom Kemp: Estalinismo na França, New Park Publications, Londres 1984; Jaques Danos, Marcel Gibelin: Die Volksfront em Frankreich. Generalstreik und Linksregierung im Juni '36, Junius Verlag, Hamburgo, 1982. Leon Trotsky criticou extensivamente essa concepção estalinista. Veja por exemplo Leo Trotsky: Para onde vai a França? New Park Publications, Londres. O principal teórico estalinista declarou o conceito de Frente Popular em vários discursos e escritos depois de 1935. Eles estão resumidos em: Georgi Dimitroff: The United Front. A luta contra o fascismo e a guerra, editores proletários, San Francisco 1975

565) Veja neste exemplo o capítulo “A Origem Maoísta da Teoria da Superpotência” em nosso panfleto A Teoria do imperialismo de Lênin e a ascensão da Rússia como uma Grande Potência (veja a nota de rodapé acima para o título completo e link).

566) Uma elaboração mais detalhada da teoria trotskista dos estados estalinistas pode ser lida em Leon Trotsky: A Revolução Traída (1936), Pathfinder Press, 1972. A análise da CCRI é resumida no capítulo II de Michael Pröbsting: A Revolução de Cuba Vendida ? O caminho da revolução para a restauração do capitalismo, Viena 2013, https://www.thecommunists.net/theory/cuba-s-revolution-sold-out/ . Veja também Yossi Schwartz: A República Popular Democrática do Iêmen era um Estado Deformado pelos Trabalhadores? Agosto de 2015, https://www.thecommunists.net/theory/south-yemen/

567) Até agora, 8 edições desta revista apareceram. Seu site é https://www.iccr.gr/en/home/.

568) Apelo do 20º Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários, 29.11.2018, http://www.solidnet.org/article/20-IMCWP-Appeal-of-the-20th-International-Meeting-of-Communist-and-Workers-Parties/

569) Em um comunicado conjunto, assinado por 63 partidos estalinistas que participaram do 20º congresso anual do Encontro Internacional dos Comunistas e Partidos de Trabalhadores-IMCWP em novembro de 2018, eles declararam: “Nós, participantes do 20º Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários, realizado em Atenas, Grécia, em 23 e 25 de novembro. 2018 expressam total apoio e solidariedade à justa causa do Partido dos Trabalhadores da Coréia e do povo coreano para realizar uma reunificação independente e pacífica da Coréia e manter a paz e a segurança na península coreana. (...) A justa causa do Partido dos Trabalhadores da Coréia e do povo coreano para defender a paz e a segurança da península coreana e construir um poderoso país socialista constitui uma contribuição ativa para a luta dos partidos comunistas e operários para garantir justiça internacional e paz e vitoriosamente avançar a causa do socialismo em escala global. (...) Esperamos que a comunidade internacional responda positivamente às medidas tomadas de boa fé pela RDPCoreia para a facilidade de tensão e reconciliação na península coreana e convoque todos os partidos comunistas e operários e as organizações progressistas do mundo. intensificar o movimento de solidariedade internacional pela causa justa do Partido dos Trabalhadores da Coreia e do povo coreano. ”(Declaração de solidariedade dos partidos comunistas e operários em apoio à causa justa do Partido dos Trabalhadores da Coreia e do povo coreano para uma Reunificação Independente e Pacífica da Coreia e para a Paz e a Segurança na Península da Coreia, 20 IMCWP, Declaração de Solidariedade dos Partidos Comunistas e Operários, 25 de novembro de 2018, Atenas, Grécia, http://www.solidnet.org/article/20-IMCWP-Statement-of-Solidarity-of-Communist-and-Workers-Parties/)

570) Veja os seguintes documentos da CCRI: Abaixo a Beligerância Imperialista de todas as Grandes Potências! Ataque à Síria, Tarifas Protecionistas e envenenamento por Salisbury: Contra toda agressão diplomática, econômica e militar imperialista! Nos EUA, UE, Rússia e China: O Principal Inimigo está em Casa! Apoie as lutas de libertação democrática e nacional dos povos oprimidos! Declaração Conjunta da CCRI e do Grupo Marxista 'Política de Classe' (Rússia), 13.04.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/syria-down-with-imperialist-warmongering-of-all-great-powers/ ISL: Sobre o ataque de Trump à Síria, 15.04.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/on-trump-s-attack-on-syria/

571) Veja em Michael Pröbsting: Síria e Rivalidade das Grandes Potências: O Fracasso da "Esquerda". A sangrenta Revolução síria e a recente escalada da rivalidade entre os imperialistas entre os EUA e a Rússia - uma crítica marxista da social-democracia, estalinismo e centrismo, 21 de abril de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/syria-great- Poder-rivalidade-e-a-falha-da-esquerda /

572) AFP: Rússia diz que mais de 63.000 soldados lutaram na Síria, 22 de agosto de 2018, https://www.yahoo.com/news/russia-says-over-63-000-troops-fought-syria-141424820.html; TASS: Rússia perdeu 112 militares ao longo de três anos de operação contra o terror na Síria - MP, 30 de setembro de 2018, http://tass.com/defense/1023714; veja também Michael Pröbsting: 63.000 tropas. Forças Imperialistas Russas Apoiam o Regime Reacionário de Assad na Síria, 27.08.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/63-000-russian-troops-in-syria/

573) Declaração conjunta: Condenar o Bombardeio da Síria pelos EUA, Reino Unido e França, 17 de abril de 2018, http://www.solidnet.org/portugal-portuguese-communist-party/portuguese-cp-condemnation-of-the-bombing-of-syria-by-the-usa-united-kingdom-and-france-en-fr-es-pt

574) Declaração dos Partidos Comunistas e Operários da Europa condenando a escalada da agressividade imperialista na Síria, 13 de abril de 2018, http://www.solidnet.org/greece-communist-party-of-greece/cp-of-greece-statement-of-the-communist-and-workers-parties-of-europe-condemning-the-escalation-of-the-imperialist-aggressiveness-in-syria-en-ru-es-ar-fr-sq

575) FSM sobre a situação em S.E. Mediterrâneo, 12 Abr 2018, http://www.wftucentral.org/wftu-on-the-situation-in-s-e-mediterranean/

576) Elisseos Vagenas: A Equação Político-Militar na Síria (Extensos trechos do artigo publicado em "Kommounistiki Epitheorisi", a revista política-teórica do CC do KKE, edição 1 de 2016), https://inter.kke.gr/en/articles/THE-MILITARY-POLITICAL-EQUATION-IN-SYRIA/

577) KPRF: Party Program (2008), https://kprf.ru/party/program (nossa tradução)

578) Зюганов попросил признать Донбасс территорией России (Zyuganov pediu para reconhecer o Donbass como território da Rússia), dp.ru, 11.09.2018,  https://www.msn.com/ru-ru/news/featured/%D0%B7%D1%8E%D0%B3%D0%B0%D0%BD%D0%BE%D0%B2-%D0%BF%D0%BE%D0%BF%D1%80%D0%BE%D1%81%D0%B8%D0%BB-%D0%BF%D1%80%D0%B8%D0%B7%D0%BD%D0%B0%D1%82%D1%8C-%D0%B4%D0%BE%D0%BD%D0%B1%D0%B0%D1%81%D1%81-%D1%82%D0%B5%D1%80%D1%80%D0%B8%D1%82%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%B5%D0%B9-%D1%80%D0%BE%D1%81%D1%81%D0%B8%D0%B8/ar-BBN8FXU

579) Veja por exemplo Gennady Zyuganov: A crise na Ucrânia e suas raízes profundas, setembro de 2014, http://cprf.ru/2014/09/1108/

580) Катерина Коростиченко: «Изучение татарского превращается в муку для родителей», 8 de сентября 2017, https://vz.ru/society/2017/9/8/886257.html (nossa tradução)

581) Viktor Kozhemyako: Como proteger o idioma russo? 15.06.2012, https://kprf.ru/rus_soc/107254.html (nossa tradução)

582) Por exemplo, Zuyganov escreveu em 2012: "É um dever sagrado dos comunistas e da Igreja Ortodoxa se unirem". (Mansur Mirovalev: Partido Comunista da Rússia se volta para a Igreja Ortodoxa. Após décadas de ateísmo militante, os comunistas russos recorrem ao estabelecimento religioso para ganhar adeptos, 2016-12-12, http://www.aljazeera.com/indepth/features/2016 /12/russia-communist-party-turns-orthodox-church-161212075756966.html)

583) Президент Сирии Башар Асад высоко оценил помощь КПРФи ее лидера Г.А. ,Ганова, 25.10.2015, https://kprf.ru/dep/gosduma/activities/147743.html (nossa tradução)

584) Сирия: Так было и так будет! 17.04.2018, https://kprf.ru/party-live/opinion/174882.html (nossa tradução)

585) RKPR: Contra a guerra! Contra o belicismo! 16.04.2018, https://rkrp-rpk.ru/2018/04/16/%D0%BF%D1%80%D0%BE%D1%82%D0%B8%D0%B2-%D0%B2%D0%BE%D0%B9%D0%BD%D1%8B-%D0%BF%D1%80%D0%BE%D1%82%D0%B8%D0%B2-%D0%BD%D0%B0%D0%B3%D0%BD%D0%B5%D1%82%D0%B0%D0%BD%D0%B8%D1%8F-%D0%B2%D0%BE%D0%B5%D0%BD%D0%BD/ (nossa tradução)

586) Viktor Tyulkin: Algumas palavras sobre o imperialismo russo, 09.10.2017, https://rkrp-rpk.ru/2017/10/09/%D0%BD%D0%B5%D1%81%D0%BA%D0%BE%D0%BB%D1%8C%D0%BA%D0%BE-%D1%81%D0%BB%D0%BE%D0%B2-%D0%BE-%D1%80%D0%BE%D1%81%D1%81%D0%B8%D0%B9%D1%81%D0%BA%D0%BE%D0%BC-%D0%B8%D0%BC%D0%BF%D0%B5%D1%80%D0%B8%D0%B0%D0%BB/

587) Sobre a morte do camarada, 24.05.2015, https://rkrp-rpk.ru/2015/05/24/%D1%83%D0%B1%D0%B8%D1%82-%D0%B0%D0%BB%D0%B5%D0%BA%D1%81%D0%B5%D0%B9-%D0%BC%D0%BE%D0%B7%D0%B3%D0%BE%D0%B2%D0%BE%D0%B9/ (nossa tradução)

588) Citado em: Дневник комбрига. Алексей Мозговой, 22.06.2016, http://rusdozor.ru/2016/06/22/dnevnik-kombriga-aleksej-mozgovoj/ (nossa tradução)

589) G. Zinoviev / V. I. Lenin: Socialismo e a Guerra (1915) ; in: LCW Vol. 21, pp. 303-304

590) аявление Президиума ЦК ОКП: Мы отвергаем территориальные уступки, осуществленные против воли трудящихся, 21 Дек. 2016 http://ucp.su/category/news/683-my-otvergaem-territorialnye-ustupki-osushestvlenny/ (Declaração do Presidium do CC PCU: Rejeitamos as concessões territoriais contra a vontade dos trabalhadores, 21 de dezembro 2016) (nossa tradução)

591) https://wikivisually.com/wiki/Darya_Mitina

592) Comentário da UCP sobre destruição de estátuas em Palmira, https://vk.com/wall-9225_48085 (nossa tradução)

593) Darya Mitina: Comente sobre o Taleban no Afeganistão, Не думала, что доживу до такого позорища, 10 de novembro de 2018, https://kolobok1973.livejournal.com/4688030.html (nossa tradução)

594) Para a avaliação da CCRI do KKE, ver por exemplo RKOB: Perspectivas da Revolução Grega, 10.11.2011, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-revolution-or-tragedy/ ; Michael Pröbsting: Grécia: por um governo dos trabalhadores! Apoio eleitoral crítico para SYRIZA e KKE! Trabalhadores: Organize-se e prepare-se para a luta pelo poder! 6.6.2012, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/greece-for-a-workers-government/; Michael Pröbsting: Após a vitória do SYRIZA nas eleições gregas: A questão do governo dos trabalhadores e o caminho revolucionário a seguir, junho de 2012, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/after-the-greek-elections/; Michael Pröbsting: Grécia: uma semi-colônia moderna. O desenvolvimento contraditório do capitalismo grego, suas tentativas fracassadas de se tornar um poder imperialista menor e sua situação atual como um país semi-colonial avançado com algumas características específicas (capítulo IV.4: O KKE e o caráter de classe da Grécia), ), https://www.thecommunists.net/theory/greece-semi-colony/

595) A CCRI e sua organização antecessora analisaram o estalinismo - um pressente sobre o movimento operário - em numerosas ocasiões. Veja por exemplo Michael Pröbsting: a revolução de Cuba está esgotada? O caminho da revolução para a restauração do capitalismo, agosto de 2013, Livros da CCRI, https://www.thecommunists.net/theory/cuba-s-revolution-sold-out/ . Veja também LRCI: A Revolução Degenerada: A Origem e Natureza dos Estados Estalinistas, https://www.thecommunists.net/theory/stalinism-and-the-degeneration-of-revolution/

596) Veja neste artigo Michael Pröbsting: Grécia: Uma Semi-Colônia Moderna (ver capítulo III e IV), https://www.thecommunists.net/theory/greece-semi-colony/

597) Tal como o KKE afirma em seu programa, adotado em 2013: “O capitalismo na Grécia está na etapa imperialista de seu desenvolvimento, em uma posição intermediária no sistema imperialista internacional, com fortes dependências desiguais nos EUA e na UE. (...) A participação da Grécia na OTAN, as dependências econômico-políticas e político-militares da UE e dos EUA limitam a margem da burguesia grega para manobrar de forma independente, pois todas as relações de aliança do capital são governadas pela concorrência, desigualdade e conseqüentemente a posição vantajosa do mais forte; eles são formados como relações de interdependência desigual. ”(Programa do KKE, adotado em 2013, http://inter.kke.gr/en/articles/Programme-of-theKKE/ )

Da mesma forma, Aleka Parariga, secretária geral do KKE na época, escreveu: “A posição básica do oportunismo na Grécia é que o país está sob ocupação alemã, está sendo transformado ou foi transformado em colônia e está sendo saqueado principalmente por Merkel, os credores. A tríade dos representantes da UE, do Banco Central Europeu e do FMI que supervisionam e determinam a gestão da dívida interna ou externa, os déficits fiscais são vistos como o principal inimigo à parte da própria Alemanha. Eles acusam a classe burguesa do país e os partidos governamentais como sendo traiçoeiros, antipatrióticos, subordinados e subservientes em relação à Alemanha, aos credores ou aos banqueiros.

Aqueles que falam de subordinação e ocupação não reconhecem a exportação de capital da Grécia (uma característica do capitalismo na fase imperialista), que foi significativa antes da crise e continua inalterada nas condições da crise. A exportação de capital está sendo realizada para investimentos produtivos em outros países e, é claro, em bancos europeus, até que as condições sejam formadas, para que possam reentrar no processo de garantir o máximo lucro possível. Eles vêem uma falta de capital e não excesso de acumulação.

Eles não vêem a questão da acumulação excessiva, porque serão forçados a admitir o caráter da crise econômica capitalista, algo que faz explodir sua proposta política pró-monopólio. Tanto os partidos burgueses quanto os oportunistas, apesar das diversas diferenças, apoiam a salvaguarda da competitividade dos monopólios domésticos, que inevitavelmente traz à tona as reestruturações reacionárias, garantindo mão-de-obra mais barata, intensificação da intimidação estatal, repressão e antidiscriminação. comunismo, e, ao mesmo tempo, especialmente foco na expansão do capital grego na região mais ampla (os Balcãs, o Mediterrâneo Oriental, a área do Mar Negro). Isto é, entre outras coisas, um círculo vicioso que conduz a um novo e mais profundo ciclo de crise.

Lênin e seu trabalho sobre o imperialismo acrescentam que a comparação não pode ser feita entre países capitalistas desenvolvidos e países capitalistas atrasados, mas entre exportações de capital, uma questão que oportunistas em todos os lugares não querem e não ousam reconhecer porque sua opinião sobre a ocupação da Grécia, que A Grécia é uma colônia, é refutada apenas por este critério. (…)

Consequentemente, a posição do KKE de que a Grécia pertence ao sistema imperialista, é organicamente incorporada e desempenha um papel ativo na guerra como um aliado dos protagonistas é absolutamente justificada. Esta é a escolha do interesse da burguesia que duas vezes convidou o imperialismo britânico e norte-americano a esmagar o povo armado com forças militares, armas e operações militares directas. ”(Aleka Parariga (Secretária Geral do KKE): A Posição da Grécia no Capitalismo Internacional , Artigo para "El Machete", a Revisão Teórica e Política da CP do México, http://mltoday.com/the-position-of-greece-within-international-capitalism)

Para a crítica da CCRI da análise do KKE sobre o capitalismo grego, ver capítulo IV.4. Excurse: O KKE e o Caráter de Classe da Grécia em nosso livro Grécia: Uma Semi-Colônia Moderna, mencionada acima.

598) Na análise da CCRI sobre a Turquia como uma semi-colônia avançada, ver: Michael Pröbsting: Perspectivas do Mundo 2018: Um Mundo Grávido de Guerras e Levantes Populares. Teses sobre a situação mundial, as perspectivas para a luta de classes e as tarefas dos revolucionários (Capítulo V), Livros da CCRI, Viena 2018, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2018/ ; Michael Pröbsting: O Grande Roubo do Sul. Continuidade e mudanças na super-exploração do mundo semi-colonial pelo capital monopolista. Consequências para a Teoria Marxista do Imperialismo (Capítulo 9), Livros da CCRI, Viena 2013, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/ ; TEK YOL DEVRIM! Programa de Ação para a Turquia por Sınıf Savaşı (Seção da Tendência Internacional Comunista Revolucionária na Turquia), outubro de 2016, https://www.thecommunists.net/theory/program-turkey/ Na Macedônia, veja da CCRI: Macedônia: Pare a Violência Policial! Apoie a autodeterminação nacional da minoria albanesa! Para um governo dos trabalhadores e camponeses! Para uma federação socialista dos povos balcânicos! 8.5.2015, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/macedonia-statement/; ver também capítulo II.3 Excurse: Chauvinismo Grego e a Questão Macedônia em nosso livro Grécia: Uma Semi-Colônia Moderna mencionada acima.

599) Veja nesta Michael Pröbsting: Grécia: Uma Semi-Colônia Moderna (ver capítulo II.3 Excurse: Chauvinismo Grego e a Questão Macedônia, bem como o capítulo V.3 A Luta contra o Chauvinismo Grego: A Questão Macedônia), https: // www.thecommunists.net/theory/greece-semi-colony/ . Como mostramos nesse livro, Leon Trotsky e os trotskistas gregos sempre adotaram uma posição internacionalista consistente sobre essa questão. Eles se opunham ao chauvinismo grego e defendiam os direitos das minorias nacionais. Trotski, por exemplo, aconselhou os marxistas gregos a respeito da questão macedônica: “Apenas dizemos que, se os macedônios o querem, nós então nos colocaremos ao lado deles, para que eles possam decidir, e também apoiaremos sua decisão. O que me perturba não é tanto a questão dos camponeses macedónios, mas sim se não há um toque de veneno chauvinista nos trabalhadores gregos. Isso é muito perigoso. Para nós, que somos para uma federação balcânica de estados soviéticos, é tudo a mesma coisa se a Macedônia pertencer a essa federação como um todo autônomo ou parte de outro estado. No entanto, se os macedônios são oprimidos pelo governo burguês, ou se sentem oprimidos, devemos dar-lhes apoio. ”(Leon Trotsky: Uma discussão sobre a Grécia (primavera de 1932), In: Escritos de Leon Trotsky: Suplemento (1929- 33), Pathfinder, New York 1979, pp. 129-130)

Pantelis Pouliopoulos, o primeiro Secretário Geral do KKE e líder histórico do trotskismo grego nas décadas de 1920 e 1930, também declarou categoricamente: “Quem quer que refute a existência, não resolvida até hoje, de uma questão macedônica nacional em grego, búlgaro, sérvio sem dúvida um cachorrinho da burguesia. Quem quer que refute o movimento histórico de libertação dos macedônios, é ignorante e deve aprender a história desse movimento e seus heróis nacionais, ou é novamente um cão de uma das três burguesias opressoras. ”(Pantelis Pouliopoulos: Comunistas e a questão macedônica [ Maio de 1940], republicado em Spartakos No. 30, 1991, https://www.marxists.org/archive/pouliop/works/1940/05/commac.htm)

600) Programa do KKE, adotado no 19º Congresso do KKE, de 11 a 14 de abril de 2013, http://inter.kke.gr/en/articles/Programme-of-the-KKE/

601) Citado em Nikos Mottas: Foi morto por griechischen Kommunisten em Falle eines Krieges tun ?; em: Einheit und Widerspruch (Theoretisches und Diskussions der der Partei der Arbeit Österreichs), Heft 6, Juni 2018, p. 117, http://parteiderarbeit.at/?page_id=1915 (nossa tradução)

602) O perigo da guerra imperialista e a postura dos comunistas, Teses do Partido Comunista da Grécia (KKE) na 12ª Conferência Internacional “V.I. Lênin e o mundo contemporâneo ”, 20.04.2018, https://inter.kke.gr/pt/artigos/ESTE-DIS-COMUNISTA-PARTY-DO-GREECE-KKE-AT-TH-12-INTERNATIONALCONFERENCE -VI-LENIN-E-O MUNDO CONTEMPORÂNEO /

603) Veja isto, além de nosso livro sobre a Grécia capitalista mencionado acima, por exemplo. Max Bonham: Sobre a Crescente Tensão greco-turca, a Liga Socialista Internacionalista (Seção da CCRI em Israel / Palestina Ocupada), 30 de abril de 2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/escalating- tensões greco-turcas/

604) OKDE: Acordo de Prespa - Referendo na vizinha Macedônia, 24.9.2018, https://www.thecommunists.net/forum/okde-greece-referendum-in-neighboring-macedonia/

605) KKE: Sobre o acordo entre a Grécia e a ARJM, 14/6/2018, Serviço de Imprensa do CC do KKE, http://www.solidnet.org/article/CP-of-Greece-On-the-agreement-between-Greece-FYROM/

606) Kommounistiki Epitheorisi (No. 2, 2018), citado em SL: Por uma Federação Socialista dos Bálcãs! Grécia: Frenesi Chauvinista sobre a Macedônia, Parte Um, Workers Vanguard No. 1142, 19 de outubro de 2018, https://www.icl-fi.org/english/wv/1142/macedonia.html

607) V. I. Lenin: Discurso Encerramento O Debate Sobre o Programa do Partido, Oito Congresso da R.C.P. (B.) 18-23 março de 1919, em: LCW Vol. 29, p. 194, https://www.marxists.org/archive/lenin/works/1919/rcp8th/04.htm

608) Veja por exemplo William Flemming: A deportação dos Povos Chechenos e Injustos: Um Exame Crítico, em: Ben Fowkes (Ed.): Rússia e Chechênia: A Crise Permanente. Ensaios sobre as relações russo-chechenas, Macmillan Press Ltd 1998, pp. 65-88; Alex Marshall: O Cáucaso sob o domínio soviético, Routledge, Londres 2010, pp. 244-271; Brian Glyn Williams: Inferno na Chechênia, University Press of New England 2015, pp. 46-75; John Dunlop: Rússia enfrenta a Chechênia. Raízes de um Conflito Separatista, Cambridge University Press 1998, pp. 46-74; Amjad Jaimoukha: os chechenos. Um manual, RoutledgeCurzon 2005, pp. 60-73

609) 20 IMCWP, APOIO À KOSOVO COMO PARTE INTEGRAL DA REPÚBLICA DA SÉRVIA, 10/12/2018 http://www.solidnet.org/article/20-IMCWP-SUPPORT-FOR-KOSOVA-AS-AN-INTEGRAL-PART-OF-THE-REPUBLIC-OF-SERBIA/ . É uma anedota engraçada que os estalinistas estúpidos não reconheceram que, sem querer, escreveram o nome “Kosovo” no título em sua versão albanesa (Kosovo)! Ou talvez o tradutor do texto original para o idioma inglês tenha expressado sua repulsa por essa declaração dessa maneira?

610) 20 IMCWP, Nota Informativa do Partido do Trabalho da Áustria, 19/11/2018 http://www.solidnet.org/article/20-IMCWP-Informative-note-of-Party-of-Labour-of-Austria/, http://parteiderarbeit.at/?p=5020

611) Ver p. Johannnes Wiener e Ime Berisha: Liberdade e autodeterminação para o Kosovo! Abaixo o governo de Isa Mustafa Hashim Thaçi, Lacaios pelos ricos e imperialismo! 31.01.2015, https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/freedom-for-kosova/

612) Ver p. "Solidariedade com a Sérvia": Jubel für Strache em Belgrad, Der Standard, 5. Mai 2008, https://derstandard.at/3290627/Solidaritaet-mit-Serbien-Jubel-fuer-Strache-in-Belgrad

613) Ver p. um artigo publicado recentemente do CPGB-ML que conclui: “Permanecendo firme contra todas as tramas e intrigas pelas quais o imperialismo espera enganar o povo sírio de sua vitória, Assad afirmou:“ Esta é a nossa terra, é nosso direito, é nosso dever para liberar [essas áreas ocupadas], e os americanos deveriam partir. De alguma forma, eles vão partir ”. Vitória para o presidente, governo, exército e povo da Síria!” (CPGB-ML: A Síria avança para a libertação. O povo sírio está firme contra todas as conspirações e intrigas que o imperialismo espera enganá-los de sua vitória, 10 de julho de 2018, https://www.cpgb-ml.org/2018/07/10/news/syria-advances-to-liberation/ ); veja também: CPGB-ML: Imperialismo dos EUA perdendo a conspiração na Síria. Os imperialistas estão furiosos, enquanto uma forte diplomacia combinada com avanços militares aproximam cada vez mais o povo sírio da sua vitória final, 9 de dezembro de 2018, https://www.cpgb-ml.org/2018/12/09/news/us-imperialism- perdendo-o-enredo-na-síria-guerra /

614) Joti Brar: A unidade para a guerra contra a Rússia e China, CPGB (ML), Shakun Impressoras, Shahdara 2017, p. 45

615) CPGB (ML): Cuidado com a campanha para a WW3 com a Rússia e China, declaração do Partido do 8º Congresso da CPGB (ML), 21 de novembro de 2018 https://www.cpgb-ml.org/2018/11/21/news/beware-the-drive-to-ww3-with-russia-and-china/

616) Leon Trotsky: Um passo em direção ao patriotismo social (1939), em: Escritos de Leon Trotsky, 1938-39, p. 209

617) Leon Trotsky: Um passo em direção ao patriotismo social (1939), em: Escritos de Leon Trotsky, 1938-39, p. 211

618) Ver p. o site estalinista Politsturm: Почему Путин помог Майдану победить? (Por que Putin ajudou Maidan a vencer), 16.08.2018, https://politsturm.com/pochemu-putin-pomog-majdanu-pobedit/

619) https://vk.com/wall-73211733_50539

 


XXV. A Esquerda Enfrentando a Rivalidade das Grandes Potências: Sociais-Imperialistas Pró-Orientais (Não-Estalinistas)

 

Seria errado imaginar que a corrente dos sociais-imperialistas pró-orientais se limitaria aos partidos estalinistas. De fato, há também um número de forças não-estalinistas que veem, com mais ou menos críticas, o imperialismo russo e chinês como aliados. Neste capítulo, vamos lidar com alguns exemplos representativos.

 

Boris Kagarlitsky e Rabkor: Grandes "Marxistas" Russos Prontos a Lutar Pelos Interesses de Moscou "com Sangue e Ferro"

 

Já mencionamos acima Boris Kagarlitsky, que é o diretor do Instituto de Globalização e Movimentos Sociais (IGSO) em Moscou, bem como o editor da revista online Rabkor. Embora ele não represente um partido, suas teorias são bastante influentes entre a esquerda russa e altamente respeitadas entre os esquerdistas ocidentais. Infelizmente, Kagarlitsky, que nunca foi stalinista (ele era um dissidente nos anos 80), desenvolveu-se cada vez mais como um defensor “marxista” do Grande chauvinismo russo.

Como demonstramos no capítulo VIII, ele não reconhece a Rússia como um estado imperialista, mas sim como um “estado capitalista periférico” comparável a outros países semicoloniais maiores como o México ou a Índia (semelhante às posições de LIT e UIT). Essa avaliação é usada como justificativa teórica para apoiar na prática o imperialismo russo e seus aliados reacionários.

Por exemplo, Kagarlitsky e sua revista Rabkor tornaram-se apoiadores da intervenção russa na Ucrânia desde 2014. Em 2016, esta revista publicou um artigo que alertava sobre a transformação da Ucrânia de “de Weimar em um novo Reich”, despertando associações com o Terceiro Reich de Hitler. ! Consequentemente, a revista chamou Moscou para lidar com a Ucrânia "com sangue e ferro"!

“Então, os russos observarão a transformação da Ucrânia da República de Weimar para o Reich. No entanto, se a Rússia não estiver disposta a lidar com o Reich, isso não significa que o Reich deixará a Rússia em paz. Não, a Rússia terá que enfrentar uma Ucrânia transformada no futuro e os únicos instrumentos para lidar com esse problema serão o sangue e o ferro.” [620]

Assim, vemos que está apenas a um pequeno passo de negar o caráter imperialista da Rússia para se tornar um chicote fervoroso da guerra reacionária!

Não é de surpreender que Kagarlitsky e sua revista Rabkor também tenham oferecido seu espaço para o aventureiro extremamente direitista Igor Strelkov. Dizem que Strelkov é um coronel aposentado do GRU (organização de inteligência militar externa da Rússia). Ele se tornou proeminente em 2014 como líder militar da República de Donbass em sua primeira fase. Ele é um grande chauvinista russo, um monarquista russo branco e um antissemita. Ele se descreve abertamente: “Eu me considero um defensor da monarquia autocrática na Rússia”. Caracteristicamente, ele fala sobre os “interesses de seus oponentes [que] estão inextricavelmente ligados ao capital internacional judaico-anglo-saxão ”. [621] Em 2016, ele fundou um novo partido chamado Movimento Nacional Russo, que chama em seu Manifesto para "unir a Federação Russa, a Ucrânia, Bielorrússia e outras terras russas em um único estado russo e transformar todo o território da antiga URSS em uma zona incondicional da influência russa ". Também favorece o rígido sistema de cotas para os trabalhadores imigrantes das antigas repúblicas soviéticas da Ásia Central e do Cáucaso. [622]

Tudo isso não impediu que Kagarlitsky e sua revista Rabkor promovessem Strelkov e lhe dessem uma tribuna para sua propaganda reacionária. Em 2015, publicou uma entrevista com Strelkov em que o último pediu a criação de uma aliança vermelho-marrom. [623]

E é também o mesmo espírito vermelho-marrom reacionário que guiou Kagarlitsky a participar de reuniões com figuras fascistas e semifascistas do Movimento Eurasiano de Aleksandr Dugin. [624]

Notamos de passagem que a primeira adaptação de Kagarlitsky ao grande chauvinismo russo começou muito antes da guerra da Ucrânia em 2014. Em seu livro sobre a história da Rússia - que foi publicado em 2008 e que também cobre os eventos mais recentes na Rússia - ele ignora completamente o trágico destino dos chechenos no século XX. A bárbara deportação desse pequeno povo caucasiano por Stalin, as duas guerras genocidas da Rússia - a primeira travada por Yeltsin em 1994-96 e a segunda por Putin em 1999-2002 - tudo isso não vale nem uma única palavra para esta Grande Federação Russa. "Marxista"! [625]

Tal adaptação reacionária ao Grande Imperialismo russo tem enormes e inevitáveis consequências para as opiniões de Kagarlitsky sobre outros assuntos. Em um editorial, a revista Rabkor, de Kagarlitsky, proclama que o derrotismo revolucionário, tal como foi elaborado por Lênin, não é mais válido. "O Derrotismo", afirma Kagarlitsky, tornou-se "burguês":

“Não adianta, cem anos depois da Primeira Guerra Mundial, fazer referências a Lênin, à conferência de Zimmerwald e ao“ derrotismo ”anti-imperialista. Em primeiro lugar porque, ao contrário do início de 1914, não há guerra, não vai e não pode acontecer. Em segundo lugar, o derrotismo no início do século XX era anti-sistêmico e anti-burguês. Mas hoje estamos lidando com a ideologia totalmente burguesa, orientada para a promoção da mesma política neoliberal com a qual todos os socialistas devem lutar. Não importa como se avalia a posição de Lênin ou Martov em 1914, eles não foram às manifestações sob as bandeiras alemã e austríaca, não escreveram panfletos pedindo que esses impérios aumentassem a pressão sobre o exército russo.” [626]

Em um artigo sobre o movimento de independência popular na Catalunha, Kagarlitsky denuncia agudamente essa revolta. [627] Ele declara: “A revolta catalã, como o separatismo escocês, é uma revolta dos ricos contra os pobres. É um protesto de uma sociedade liberal contra os restos de um-Estado social redistributivo“ Ele até mesmo denunciou o nacionalismo dos povos oprimidos – em colocá-lo no mesmo nível como o chauvinismo de uma nação opressora:“. Então, a esquerda não ousa reconhecer que o nacionalismo das minorias não é menos hostil aos interesses dos trabalhadores do que qualquer outro nacionalismo.” [628]

Portanto, não foi surpresa, mas confirmou a transformação de Kagarlitsky em um porta-voz “crítico” do regime de Putin, quando ele saudou a vitória eleitoral do ultra-reacionário presidente dos Estados Unidos, Donald Trump! Louvou-o por ser um oponente da oligarquia financeira e representante da ideologia antiliberal do protecionismo imperialista - algo que ele considera digno de apoio contra a globalização imperialista. Ele até chamou a classe trabalhadora para apoiar Trump nisso. Em um artigo publicado por Counterpunch, ele disse a um público desconcertado:

“Além disso, Trump nunca disse nada de errado em relação a afro-americanos, mulheres ou gays, exceto por uma conversa particular muitos anos atrás, quando ele contou ao amigo sobre uma tentativa frustrada de molestar alguma dama .”

“O quadragésimo quinto presidente dos Estados Unidos está firmemente comprometido com os princípios do protecionismo; ele protegerá os mercados e empregos dos EUA. E, mais importante, ele encoraja outros países a fazer o mesmo, sem levar em consideração os interesses de corporações multinacionais baseadas nos Estados Unidos. Pior, ele considera essas corporações como a principal ameaça à América.”

“Esta parte da burguesia rebelou-se bastante naturalmente contra as corporações transnacionais (...) O negócio médio, que se rebelou contra as oligarquias transnacionais, foi forçado a procurar aliados. Por sua vez, as classes mais baixas da sociedade, que durante décadas sofreram com políticas do neoliberalismo entusiasticamente aderiram à revolta. Tal aliança não durará por muito tempo, mas não é acidental. O desenvolvimento da indústria, do mercado interno e da política social que fortalece a posição dos trabalhadores e lhes dá confiança é necessário para restaurar o movimento dos trabalhadores, para que ele ganhe força. Em suma, precisamos de protecionismo.”

“Sem dúvida, a ideologia do quadragésimo quinto presidente dos Estados Unidos é plena de contradições, seu programa, assim como a coalizão de forças sociais que se estabelecem ao redor, é transitória, focada apenas na decisão de uma, mas absolutamente fundamental tarefa - minar o domínio da oligarquia financeira. Não há como apoiarmos suas ações impedindo que os muçulmanos da Síria ou do Irã (qualquer pessoa) entrem nos EUA. Há muitas outras decisões e políticas de Trump que a Esquerda, jamais concordará. No entanto, a administração em Washington, finalmente, parece ser liderada por um político que está determinado a colocar em prática as demandas que os ativistas radicais apresentaram pelo menos desde o tempo dos protestos em Seattle em 1999. E isso é realmente um ponto de inflexão histórico.”

“... o presidente dos EUA está ciente de que enfrenta um possível golpe e sabe de onde vem a ameaça. Ele será forçado a contribuir para a mobilização e organização das classes mais baixas. Nesta situação, ninguém irá ajudá-lo, mas a classe trabalhadora.” [629]

Que Trump seja a encarnação de uma oligarquia corrupta e especulativa, de que ele é um inimigo reacionário dos trabalhadores, dos imigrantes e das mulheres, que ele é um beligerante ) da Guerra (Fria) contra os rivais dos EUA - tudo isso é convenientemente varrido para debaixo do tapete por este Putinista "marxista"!

Concluímos este capítulo observando que também outros pensadores reformistas do sistema mundial, como Alexander Buzgalin e Ruslan Dzarasov, compartilham um apoio “crítico” ao Estado russo e sua intervenção na política interna e externa. Buzgalin, por exemplo, promove uma aliança de esquerda com o Estado russo e exige reformas a fim de estabelecer algum bem-estar social combinado com elementos do planejamento capitalista de estado ("Gosplan do século XXI" de Buzgalin). Não é de surpreender que os economistas imperialistas pró-russos conectados com o Estado, como Sergey Glazyev, também se refiram repetidamente à análise do Sistema Mundial. [630]

 

Os Pseudo-Trotskistas Pró-Russos/Chineses (PO/CRFI)

 

Há também vários pseudo-trotskistas que se recusam a reconhecer o caráter imperialista da Rússia e da China e que, consequentemente, estão lado a lado com os rivais ocidentais. O maior desses “trotskistas” sociais-imperialistas é a tendência internacional em torno do Partido Obrero (PO), que é chamado de Comitê Coordenador para a Refundação da Quarta Internacional (CRQI) e que também inclui o PT (Uruguai). , EEK (Grécia) e DIP (Turquia). E, como já mencionamos acima, o PO/ CRQI também colabora com os estalinistas russos (e simpatizantes de Assad) do Partido Comunista Unido (OKP).

Como descrevemos em detalhes acima, o PO/CRQI nega que a restauração capitalista tenha sido concluída na Rússia e na China. Consequentemente, eles rejeitam fortemente a noção de que esses estados se tornaram Grandes Potências. Em uma declaração recentemente adotada, eles proclamam que a Rússia e a China não se tornaram imperialistas e não podem se caracterizar como tal. Eles afirmam que esses países só têm a alternativa de se tornar colônias do imperialismo ocidental ou estados socialistas. Eles consideram nossa caracterização de classe da China e da Rússia como “propaganda imperialista”: “O reflexo dessa propaganda imperialista à esquerda, seja ela consciente ou não, é descrever a Rússia e a China como potências imperialistas”. [631]

A partir disso, eles tiram a conclusão inevitável de que a Rússia e a China precisam ser defendidas hoje contra os EUA, a UE e o Japão. Notamos, como um aparte, que a teoria do PO/CRFI os teria obrigado, em retrospectiva, a ficar do lado da Rússia capitalista em uma guerra isolada com a Alemanha ou a Grã-Bretanha antes de 1917. [632]

Lênin gostava de dizer: "Nossa doutrina não é um dogma, mas um guia para a ação." [633] Uma teoria correta guia um partido a uma prática correta. Ao contrário, podemos dizer que uma teoria revisionista guia um partido para uma prática revisionista.

Infelizmente, este é o caso do PO/CRQI. A partir de sua análise - de que a Rússia e a China não são potências imperialistas - eles traçam a conclusão estratégica para apoiar essas potências orientais contra seus rivais ocidentais. Isso se torna evidente a partir de uma declaração conjunta recentemente publicada em reação à mais recente escalada das tensões entre as Grandes Potências:

“A escalada da guerra comercial internacional entre a América, a Europa, a Rússia e a China está intensificando o movimento de guerra imperialista em todos os lugares. Do vulcão de guerra do Oriente Médio aos Bálcãs e das fronteiras orientais da Europa na Ucrânia, do Cáucaso à Ásia Central, ao Mar da China Meridional e à Coréia, o imperialismo já está em confronto direto ou indireto com a Rússia e a China para fragmentá-los e recolonizá-los, absorvendo-os no capitalismo mundial. A classe trabalhadora e os movimentos populares não podem ser neutros neste confronto, que ameaça a humanidade e todos os seres vivos da Terra com a guerra mundial e a extinção nuclear: declaramos guerra contra a guerra imperialista de recolonização da Rússia e da China, sem apoiar ou cultivar ilusões nas elites restauracionistas bonapartistas no Kremlin ou em Pequim.” [634]

É preciso agradecer aos companheiros do PO/CRQI, que articulam mais explicitamente do que outros defensores as devastadoras consequências da tese “Rússia e China são semicolônias”. A mesma posição foi expressa em uma declaração adotada em um congresso do CRQI em abril de 2018.

“Um capital imperialista não foi criado na Rússia ou na China, e a probabilidade de um imperialismo exclusivamente estatal é uma hipótese frágil. Esses regimes de transição para o capitalismo enfrentam, por um lado, a colonização imperialista (e as guerras) e, por outro, a revolução proletária. Dada a hipótese de uma guerra imperialista contra a Rússia e / ou a China, para levar a cabo uma restauração capitalista de natureza colonial, os socialistas revolucionários lutarão pela derrota completa do imperialismo e aproveitarão esta luta para promover o ressurgimento dos sovietes, como o poder político independente da classe trabalhadora; expropriar a oligarquia e a burocracia e desenvolver uma revolução socialista, defendendo a livre autodeterminação dos povos, na perspectiva da reconstrução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas [inspiradas] na origem revolucionária e internacionalista da Revolução de Outubro." [635]

A retórica pseudo-socialista mal consegue esconder a posição social-imperialista contida nesta declaração. Se a Rússia e a China não são imperialistas (na verdade, de acordo com a liderança da PO, nem sequer são totalmente capitalistas) e se as Grandes Potências ocidentais são imperialistas, então a formulação “socialistas revolucionários lutarão pela derrota completa do imperialismo” pode ter único significado: que o PO está do lado da Rússia e da China contra as antigas potências imperialistas.

Esta é a base teórica e estratégica para a aliança que a liderança do PO/CRQI criou com o OKP estalinista russo de Darya Mitina. Como demonstrámos acima, este partido também rejeita a noção de que a Rússia é um Estado imperialista e considera-o antes como um "país capitalista periférico". Em uma base comum, essas forças podem concordar em apoiar o imperialismo russo e chinês. Vemos: a confusão teórica e o fracasso abismal em reconhecer os desenvolvimentos sócio-históricos da política mundial resultam inevitavelmente no lado errado da luta de classes e na traição aberta à causa da libertação do proletariado internacional e dos povos oprimidos! A teoria revisionista cria cortinas de fumaça revisionistas sobre o imperialismo chinês e russo. E tudo isso em nome do “marxismo” e do “anti-imperialismo”!

Não obstante, é preciso agradecer aos companheiros do PO/CRQI por uma coisa: como mostramos em outros trabalhos, muitas organizações autoproclamadas “trotskistas” compartilham a tese de que a Rússia e a China não são estados imperialistas. No entanto, apenas alguns estão preparados para articular de forma tão consistente e explícita as consequências devastadoras dessa posição ao apelar para apoiar a China e a Rússia contra seus rivais ocidentais.

Os marxistas autênticos traçam uma linha divisória entre o anti-imperialismo consistente e o social-imperialismo pró-oriental. O primeiro se opõe a todas as Grandes Potências e apoia a luta de libertação dos povos oprimidos contra eles. O último se põe ao lado com a China e a Rússia contra seus rivais ocidentais e se recusa a apoiar as lutas de libertação do povo oprimido que são dirigidas contra os regimes de Putin e Xi, respectivamente. seus aliados locais. E, de fato, é lógico que a liderança do PO/CRQI se recuse a dar qualquer apoio ao povo sírio que luta contra a tirania de Assad e seus mestres imperialistas russos e iranianos. Na verdade, eles estão se preparando para se juntar abertamente ao campo de Assad, tal como eles estão alertando em sua última declaração conjunta:

“A 4ª Conferência Euro-mediterrânica em maio de 2017 enfatizou as implicações da primeira viagem de Trump fora dos EUA na Arábia Saudita e em Israel: a formação de um eixo de guerra pró-imperialista de Israel, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Sudão apontou contra o Irã e seus aliados na região, em primeiro lugar o Hezbollah no Líbano e o regime sírio de Bashar al Assad.” [636]

Negando o caráter imperialista da Rússia, que é o mestre do Irã e da Síria, eles veem os eventos políticos no Oriente exclusivamente com o prisma da oposição contra o imperialismo ocidental. Então, o que significa quando o PO/CRQI levanta, como fez nesta declaração, o chamado “Imperialistas fora da Síria”, mas nunca menciona a necessidade de as tropas russas e iranianas serem expulsas da Síria?! Não significa outra coisa senão o apoio implícito à continuação da presença das forças contra-revolucionárias russas e iranianas que estão implantadas no solo sírio para reprimir a luta popular de libertação! Obviamente, os marxistas revolucionários se opõem fortemente a essa cortina de fumaça revisionista do imperialismo chinês e russo.

Concluímos ao reiterar nossa posição que delineamos em nossas “Teses sobre o Derrotismo Revolucionário nos Estados Imperialistas”: “Em casos de conflitos entre estados imperialistas, a CCRI convoca os trabalhadores e as organizações populares em todo o mundo a agir de forma decisiva com base nos princípios da solidariedade internacional da classe trabalhadora. Isso significa que eles não devem apoiar nenhum dos lados. Eles devem recusar-se a ficar do lado de sua própria classe dominante, assim como do campo imperialista opositor: Abaixo todas as Grandes Potências imperialistas - sejam os EUA, a UE, o Japão, a China ou a Rússia!”

“A recusa em reconhecer a rivalidade das Grandes Potências como uma característica chave do período atual e, relacionado a isso, a recusa em reconhecer o caráter imperialista da China e da Rússia” inevitavelmente resulta em “apoiar o imperialismo russo e chinês.” [637]

 

As seitas Espartaquistas e sua defesa que fazem do “Estado Operário Degenerado” Chinês

 

Vamos mencionar, de passagem, que há também outros grupos pseudo-marxistas que chegam a conclusões semelhantes como os stalinistas. Exemplos disso são o Partido Mundial dos Trabalhadores-PMT (em inglês WWP) e o Partido para o Socialismo e Libertação-PSL nos EUA, assim como alguns “trotskistas” – melhor dizendo, caricaturas do trotskismo. Tais seitas estalinófilas, como a Espartaquista Liga Comunista Internacional-LCI, a Tendência Bolchevique Internacional-TBI ou o Grupo Internacionalista-Liga Pela Quarta Internacional- GI/LQI de Jan Norden, afirmam que a China ainda seria um “estado operário deformado” - mais de um quarto de século após a restauração capitalista! Certamente, os numerosos bilionários chineses não parariam de rir caso se deparem com tais proclamações! Eles também sugerem que a Rússia não é um estado imperialista. [638] Como nós mencionado acima, o World Socialist Website (WSWS) publicou até mesmo uma polêmica contra a CCRI porque nos atrevemos a caracterizar a China e a Rússia como potências imperialistas.

Consequentemente, todos eles se recusam a apoiar a luta de libertação popular em curso do povo sírio contra a ditadura de Assad. Alguns, como o PMT americano e o PSL ou o grupamento britânico Socialist Fight-SF (Luta Socialista), chegaram a apresentar declarações de apoio à Rússia e a Assad contra os EUA e contra a Revolução Síria.

Como resultado, estes grupos apelam para uma frente única social-imperialista com a Rússia contra os EUA - em vez de uma “frente única anti-imperialista”, como eles pretendem: “Nós não chamamos pela expulsão dos russos, pois isso seria objetivamente dar apoio aos Imperialistas dos EUA / OTAN e aos grupos jihadistas que eles apoiam (assim como aqueles a quem se opõem, isto é, o EI). Se os EUA e seus aliados da Otan atacarem diretamente as forças russas na Síria, nós somos pela defesa das forças contra o imperialismo.” [639]

Escrevendo com o mesmo espírito, o grupo SF intitulou uma declaração: "Defender a Síria e a Rússia: o imperialismo fora do Oriente Médio." [640]

Na superfície, pode parecer que os marxistas concordam com os estalinistas e os pseudo-trotskistas na oposição contra a interferência militar do imperialismo norte-americano na Síria e em todo o Oriente Médio. Mas a verdade é que alguém pode se opor à política externa dos EUA nesta região por razões muito diferentes. Pode-se opor a isso de um ponto de vista revolucionário internacionalista e anti-imperialista. Mas também se pode opor a isso de um pacifista pequeno-burguês, liberal-humanista, ou de um social-imperialista pró-russo, pró-Assad, ou mesmo de um ponto de vista fascista. [641]

Trotsky certa vez observou que o pensamento dialético requer a fusão da análise geral da situação mundial com uma análise concreta dos fatores cruciais e sua interação. Repetindo frases comuns sobre o “imperialismo” e focalizando apenas as antigas Grandes Potências do Ocidente sem entender as mudanças fundamentais que ocorreram nas últimas duas décadas - tal pensamento esquemático e mecanicista deve inevitavelmente resultar em erros grosseiros da dinâmica da situação mundial e, consequentemente, das tarefas consequentes da luta de classes.

“O pensamento marxista é concreto, isto é, considera todos os fatores decisivos ou importantes em qualquer questão, não apenas do ponto de vista de suas relações recíprocas, mas também de seu desenvolvimento. Nunca dissolve a situação momentânea na perspectiva geral, mas por meio da perspectiva geral possibilita uma análise da situação momentânea em todas as suas peculiaridades. A política tem seu ponto de partida precisamente nesse tipo de análise concreta. O pensamento oportunista e o pensamento sectário têm essa característica em comum: extraem da complexidade das circunstâncias e forçam um ou dois fatores que parecem ser os mais importantes (e às vezes são, com certeza), isolá-los da realidade complexa, e atribuir-lhes poderes ilimitados e irrestritos.” [642]

E, de fato, a realidade objetiva - caracterizada pela rivalidade inter-imperialista entre as Grandes Potências e as contínuas lutas de libertação dos povos oprimidos - é um livro fechado para esses grupos. Na falta de qualquer orientação teórica, eles são forçados a tropeçar no campo do imperialismo russo com uma coerência muito mais patética do que a maioria dos estalinistas.

Lênin advertiu sobre tais organizações confusas: “Estamos constantemente cometendo o erro na Rússia de julgar os slogans e táticas de um determinado partido ou grupo, de julgar sua tendência geral, pelas intenções ou motivos que o grupo reivindica por si mesmo. Tal julgamento é inútil. O caminho para o inferno - como foi dito há muito tempo - é pavimentado com boas intenções. Não é uma questão de intenções, motivos ou palavras, mas da situação objetiva, independente deles, que determina o destino e o significado de slogans, de táticas ou, em geral, da tendência de um determinado partido ou grupo.” [643]

Da mesma forma, tal realidade existe hoje com os sociais-imperialistas pró-orientais. Eles elogiam o anti-imperialismo e muitas outras coisas boas. Mas algumas frases trotskistas não podem ocultar sua política social-imperialista pró-russa ou pró-chinesa. Na verdade, nem o pecador entrará no paraíso só porque ele disse algumas orações apressadas, muito menos como os semi-estalinistas camuflados não se juntarão ao campo do internacionalismo da classe trabalhadora só porque recitam algumas citações memorizadas dos livros de Trotsky.

Não se deve ignorar a amarga verdade: os pseudo-trotskistas pró-Rússia / China que combinam admiração vazia e sem sentido pelo fundador do Exército Vermelho cobrindo com cortina de fumaça revisionista o imperialismo chinês e russo são nada mais que lobos estalinistas em roupas de ovelha “trotskistas”!

 

Notas de rodapé

620) Ivan Lisan: Da República de Weimar ao Reich, 01.02.2016, http://rabkor.ru/columns/debates/2016/02/01/weimar-republic-to-reich/ (nossa tradução)

621) Ambas as citações retiradas de: Zbigniew Marcin Kowalewski: Ucrânia: Guardas Brancos Russos no Donbass, 29 de junho de 2014, https://www.nihilist.li/2014/07/25/russkie-belogvardejtsy-na-donbasse/#english

622) Líder ex-separatista lança partido destinado a restaurar o império da Rússia, https://web.archive.org/web/20160602041435/http://georgiatoday.ge/news/3927/Ex-Separatist-Leader-Launches-Party-Aimed -at-Restaurando-Rússia% E2% 80% 99s-Empire

623) Стрелков рассказал, что сейчас объединяет красных и белых”, 24.01.2015 http://rabkor.ru/columns/events/2015/01/24/conference-novorossia/ Impulsionado pela mesma solidariedade reacionária marrom-avermelhada, Dzarasov Ruslan Soltanovich, pesquisador do Instituto Central de Economia e Matemática da Academia Russa de Ciências e associado de Kagarlitsky, afirmou em 2016: “Não vou esconder que não posso aceitar a anticomunista visão de mundo de Strelkov. No entanto, vou abster-me de criticá-lo, porque não quero nem mesmo apoiar indiretamente a campanha ideológica contra ele, que se tornou o símbolo da rebelião de Novorossiya ”.

624) Veja sobre este Anton Shekhovtsov: Boris Kagarlitsky, uma toupeira do Kremlin no movimento esquerdista, http://anton-shekhovtsov.blogspot.co.uk/2014/09/boris-kagarlitsky-kremlins-mole-in.html

625) Boris Kagarlitsky: Império da Periferia. Rússia e o Sistema Mundial, Pluto Press, Londres 2008

626) Editorial: Rússia e Crimeia, 24.03.2014, http://rabkor.ru/columns/editorials/2014/03/24/russia-and-crimea/

(nossa tradução)

627) A CCRI publicou vários documentos sobre a luta pela independência do povo catalão. Eles são coletados em uma sub-página especial em nosso site: https://www.thecommunists.net/worldwide/europe/collection-of-articles-on-catalunya-s-independence-struggle/ . Em especial, nos referimos a um longo ensaio sobre o pano de fundo dessa luta: Michael Pröbsting: A Luta pela Independência da Catalunha e suas Críticas da Pseudo-Esquerda, 27.10.2017, https://www.thecommunists.net/theory/catalunya -s-luta-pela-independência-e-pseudo-esquerda-crítica/

628) Boris Kagarlitsky: Revolta dos ricos, 06.10.2017, http://rabkor.ru/columns/editorial-columns/2017/10/06/bunt-bogatih/ (nossa tradução)

629) Todas as citações de Boris Kagarlitsky: As Escolhas para a Esquerda na Era de Trump, 7 de fevereiro de 2017, http://www.counterpunch.org/2017/02/07/the-choices-for-the-left-in -a-idade-de-trunfo/

630) Ver p. Por que o Ocidente odeia Putin? - RAI com A. Buzgalin (10/12), 25 de julho de 2018, https://therealnews.com/stories/why-does-the-west-hate-putin-rai-with-a-buzgalin-10-12 ; Демидова Светлана Евгеньевна Особенности индикативного планирования в России // Вестник Псковского государственного университета. Серия: Экономика. Право. Управление. 2016. №3. URL: https://cyberleninka.ru/article/n/osobennosti-indikativnogo-planirovaniya-v-rossii; Александр Бузгалин: «Российский капитал не пустили на рынки - и он начал драться», 16.03.2018, https://www.business-gazeta.ru/article/382298.

Notamos de passagem que também há algumas exceções. Alexander Tarasov, por exemplo, também é um defensor de esquerda da análise do Sistema Mundial e considera a Rússia como semi-periferia e semi-colônia. No entanto, em contraste com os social-imperialistas como Kagarlitsky, Buzgalin e Dzarasov, ele é um oponente corajoso do Estado imperialista russo. Ele já era um dissidente sob o stalinismo, construindo um grupo clandestino chamado "Partido dos Novos Comunistas" no início dos anos 1970, pelo qual ele foi preso pela KGB. Ao contrário de outros ex-dissidentes, ele recusou qualquer colaboração com o Estado capitalista depois de 1989. Ele continua a ser um militante e escritor esquerdista de esquerda, mesmo que muitas de suas posições sejam antes "pós-marxistas" e ultra-esquerdistas.

631) Levent Dölek: O Caráter da Guerra no Século 21: A China e a Rússia são um alvo ou um lado da guerra? In: Revolução Mundial / Revolução Mundial Edição 1 (Outono de 2018), p. 49

632) Conforme elaboramos acima, a nova teoria do PO / CRQI nega o caráter imperialista da Rússia não apenas para hoje, mas também para o período anterior a 1917. Como mostra a seguinte citação, isso os aproxima da renúncia ao programa revolucionário derrotista dos bolcheviques: Os elementos do militarismo e do feudalismo que dominavam o imperialismo russo também estavam presentes no imperialismo otomano. No entanto, o Império Otomano era uma semi-colônia e não possuía as características distintas do imperialismo definido como o mais alto estágio do capitalismo. Portanto, nem a Rússia nem o Império Otomano não podem ser vistos como potências imperialistas que definiram o caráter (imperialista) da Primeira Guerra Mundial. Eles eram dependentes de Grandes Potências imperialistas e, portanto, ocuparam uma posição secundária (na melhor das hipóteses) na rivalidade inter-imperialista. Assim, o imperialismo da Rússia e dos otomanos assemelhava-se ao imperialismo da Grande Roma, em vez do imperialismo capitalista. (...) Lênin enfatizou continuamente essa distinção, especialmente no que diz respeito à Rússia. Por outro lado, Lênin usou a tática do “derrotismo revolucionário” e a estratégia de “transformar a guerra em guerra civil” na luta contra a Rússia que se juntou à Primeira Guerra Mundial do lado do imperialismo inglês e francês e travou uma guerra colonial/caráter saqueador. Essa luta, sem dúvida, necessitava enfatizar o caráter injusto e imperialista da guerra liderada pelas classes dominantes da Rússia. O erro daqueles que alegam que a Rússia sempre foi imperialista deriva de uma má interpretação desta ênfase. ”(Levent Dölek: O Caráter da Guerra no Século XXI, pp. 52-53)

Isso efetivamente significa a seguinte idéia revisionista: a Rússia antes da Primeira Guerra Mundial não era uma potência imperialista, mas sim uma semi-colônia (“como o Império Otomano”). Se a Rússia não tivesse estado envolvida no lado das potências imperialistas Grã-Bretanha e França na Primeira Guerra Mundial, mas, vamos supor, teria travado uma guerra exclusivamente com a Alemanha (que era indubitavelmente uma potência imperialista, mesmo pelos padrões PO / CRQI) , os camaradas do PO / CRQI teriam sido obrigados a defender a Rússia (“semicolonial”) contra a Alemanha (imperialista)! É preciso pensar apenas um segundo para imaginar o horror que Lênin e os bolcheviques teriam sentido sobre a posição do PO / CRQI

633) V.I. Lênin: Certos Recursos do Desenvolvimento Histórico do Marxismo (1910); em: CW 17, p. 39

634) Encontro Euro-Mediterrânico de Emergência Resolução Final: Combater o imperialismo e a guerra com a revolução socialista internacional! Encaminhar para a Internacional revolucionária! Eretria, Grécia, 25 de julho de 2018 (Tese 3), http://redmed.org/article/emergency-euro-mediterranean-encounter-final-resolution-fight-imperialism-and-war.

A mesma idéia é elaborada no artigo recentemente publicado no periódico PO/ CRQI: „O mundo inteiro percebe que estamos à beira de uma nova guerra. Agora é amplamente aceito que os EUA constituirão um lado das forças combatentes, enquanto a Rússia e a China, de uma forma ou de outra, se posicionarão contra os EUA. ”(Levent Dölek: O Caráter da Guerra no Século 21, p. 49) Veja também: “O que determina o caráter da guerra no século XXI é o cerco da Rússia e da China pelo imperialismo dos EUA, em aliança com seus aliados subordinados do imperialismo europeu e japonês, a fim de integrar os antigos países ao sistema imperialista mundial de forma desenfreada, trazendo o processo de restauração capitalista nestes países até a sua conclusão. (…) O interesse do proletariado mundial reside na derrota do imperialismo. O poder militar da Rússia e da China reduz a possibilidade de uma invasão imperialista a quase impossível. No entanto, antes de um ataque militar, esses países enfrentam o risco de um colapso econômico e político, resultante da destruição de todas as conquistas da revolução proletária e da aguda mobilização de toda a dinâmica da crise capitalista para esses países. Isso quer dizer que, embora esses poderes possam resistir ao imperialismo, eles não podem derrotá-lo. Por outro lado, a derrota da Rússia e da China nas mãos do imperialismo daria origem a resultados regressivos em todo o mundo. Assim, nenhuma imparcialidade é possível entre o imperialismo e esses países. Pelo contrário, cada golpe recebido pelo imperialismo abriria o caminho para a dinâmica revolucionária ”(ibid, pp. 58-59).

635) Partido Obrero, PT (Uruguai), DIP (Turquia), EEK (Grécia): Declaração da Conferência Internacional, 13 de abril de 2018, http://www.prensaobrera.com/prensaObrera/online/internacionales/declaration-of-the -conferência Internacional

636) Encontro Emergencial Euro-mediterrânico Resolução Final: Combate o imperialismo e a guerra com a revolução socialista internacional! Encaminhar para a Internacional revolucionária! Eretria, Grécia, 25 de julho de 2018 (Tese 4), http://redmed.org/article/emergency-euro-mediterranean-encounter-final-resolution-fight-imperialism-and-war

637) RCIT: Teses sobre Derrotismo Revolucionário em Estados Imperialistas, 8 de setembro de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/theses-on-revolutionary-defeatism-in-imperialist-states/

638) O pequeno grupo TBI recentemente teve uma ruptura - que continua a se chamar TBI em oposição à outra - mudou sua posição tradicional na Rússia. Notamos com aprovação que esta corrente agora reconhece que a Rússia se tornou uma potência imperialista nos anos 2000. Também extrai as conclusões táticas necessárias e defende uma posição derrotista na Rússia. (Ver TBI: Uma Nota sobre a Situação Mundial. Partidas Recentes e Mudança de Linha na Rússia, 27.10.2018, http://www.bolshevik.org/statements/ibt_20181019_world_situation.html ) Infelizmente, estes camaradas ainda - no final do ano de 2018! - Acreditam que a China é um "Estado Operário Degenerado"!

639) Ver IG: expulsar os imperialistas do Oriente Médio! U.S./OTAN: Tirem suas garras sangrentas da Síria! http://www.internationalist.org/syriausnatobloodyhands1804.html

640) Veja SF: Defender a Síria e a Rússia: fora o imperialismo do Oriente Médio, 14/04/2018 https://socialistfight.com/2018/04/14/defend-syria-and-russia-imperialism-out-of-the -Médio Oriente/

641) Vários artigos foram publicados documentando o apoio de muitas organizações fascistas ao regime de Assad. Veja por exemplo Alex Rowell: Pequena maravilha: O Caso de Amor Fascista Global com o Regime de Assad, https://pulsemedia.org/2017/08/20/small-wonder-the-global-fascist-love-affair-with-assass- regime/; Patrick Strickland: Por que os fascistas italianos adoram Bashar al-Assad da Síria? 14 de fevereiro de 2018, http://www.aljazeera.com/news/2018/01/italian-fascists-adore-syria-bashar-al-assad-180125115153121.html. Sobre a oposição à mais recente greve dos EUA contra a Síria pelos Nazistas dos EUA, ver por exemplo a declaração de Gregory Conte e Richard Spencer: Fiquem fora da Síria, 14 de abril de 2018 https://nationalpolicy.institute/2018/04/14/stay-out-of-syria/

642) Leon Trotsky: Ultra-esquerdistas em geral Incuráveis Ultra-esquerdistas em especial (Algumas Considerações Teóricas), 1937, em: Leon Trotsky: A Revolução Espanhola (1931-39), Pathfinder Press, Nova York 1973, p. 292, https://www.marxists.org/archive/trotsky/1937/1937-ultra.htm

643) V. I. Lênin: Palavra e Ação (1913); em: LCW 19, p. 262

 

 

XXVI. Sobre o Imperialismo Social Invertido e o Atrativo "Anti-Imperialista" da Rússia e da China

 

Neste capítulo, queremos abordar algumas questões específicas que surgem do caráter peculiar da China e da Rússia como Grandes Potências imperialistas emergentes. Em particular, discutiremos as consequências desse caráter peculiar para a específica fisionomia política do social-imperialismo.

 

Quais são as razões para o equivocado atrativo “anti-imperialista” da Rússia e da China?

 

Parece-nos importante compreender o apelo específico que o social-imperialismo pró-oriental pode ter para um certo número de ativistas. Pode ser o caso de que, para alguns, essas forças, ao lado da Rússia e da China, parecem mais radicais, mais “anti-imperialistas” do que os social-imperialistas pró-ocidentais. Para a maioria dos ativistas progressistas, não é preciso muita explicação para entender porque os EUA, as potências europeias ou o Japão devem ser considerados imperialistas. Estas potências imperialistas têm uma longa história de décadas ou mesmo séculos de opressão direta e indireta e exploração dos povos ao Sul.

É diferente no caso da Rússia e da China. A história da China como uma Grande Potência opressiva terminou mais ou menos com a primeira Guerra do Ópio em 1839-1842, quando as potências ocidentais atacaram o Reino do Meio e iniciaram a humilhação dessa orgulhosa nação. Antes disso, Pequim dominou vários povos muçulmanos, Coréia, Vietnã, Tailândia, etc. - direta ou indiretamente através do Sistema Cefong (Sistema Tributário Imperial da China). No entanto, a partir de meados do século XIX, a China lutou contra a dominação das potências europeias, da Rússia e do Japão. Após a Revolução de 1949, a China se reconstruiu como um Estado estalinista. Somente duas últimas décadas Pequim tentou reconstruir o Império do Meio como uma potência de atuação global .

O caso da China é semelhante à Rússia. Embora a Rússia tenha sido uma Grande Potência opressora e em expansão durante séculos, isso mudou radicalmente com a Revolução Socialista de Outubro de 1917. Com a criação da União Soviética, já não era uma potência imperialista, mas sim o adversário mais importante das Grandes Potências e um aliado fundamental de muitos povos oprimidos que lutavam contra a dominação imperialista. Mesmo quando Moscou perdeu seu apelo revolucionário com a degeneração estalinista, até certo ponto, permaneceu um fator progressista em um mundo dominado pelo imperialismo norte-americano e seus aliados. Após a restauração do capitalismo em 1991/92, a Rússia permaneceu um estado fraco nos primeiros anos. Sua ascensão como nova potência imperialista é, como no caso da China, um fenômeno bastante recente.

Não é de surpreender que tanto Pequim quanto Moscou enfatizem que não estão lutando pela hegemonia. Um tema central em sua propaganda é a oposição contra a “ordem mundial unipolar” e a defesa do “multilateralismo”, ou seja, a coexistência de várias Grandes Potências no Oriente e no Ocidente. Tal ideologia tem uma base na realidade objetiva, pois como a Rússia, e respectivamente, a China não podem num futuro próximo realisticamente esperar derrotar os EUA e substituí-lo como a nova hegemonia mundial . Até certo ponto, sua posição é semelhante à dos EUA, Japão ou Alemanha no final do século 19 e início do século 20, que também eram potências "emergentes". Em contraste com a Grã-Bretanha, a França ou a Rússia, eles quase não tinham posses coloniais e reivindicaram sua “parte justa” do bolo.

Por todas estas razões, não é de surpreender que a Rússia e a China apareçam para muitos ativistas progressistas em todo o mundo não como "imperialistas", mas sim como opositores ou desafiantes das antigas potências imperialistas do Ocidente. (Da mesma forma, os EUA sob o presidente Wilson, entre 1913 e 1921, também pareceu para muitos como uma potência “progressista” e não imperialista.) De fato, semelhante aos períodos anteriores às duas Guerras Mundiais, a situação mundial atual é caracterizada pela ascensão das Grandes Potencias imperialistas. esforçando-se para desafiar as antigas potências. Como resultado, tanto as velhas quanto as novas potências imperialistas estão alimentando a corrida armamentista e ameaçando os povos oprimidos.

É por isso que a CCRI adverte contra quaisquer ilusões nas Grandes Potências emergentes e contra qualquer apoio a elas. Trotsky explicou na década de 1930 que a Internacional Comunista (Comintern) comandada pelo estalinismo era o inimigo mais perigoso para a luta de libertação, pois era menos desacreditado que os social-democratas:

“A luta contra a guerra é inseparável da luta de classes do proletariado. A consciência de classe irreconciliável é a primeira condição para uma luta bem-sucedida contra a guerra. Os piores destruidores da consciência de classe e os piores sabotadores da luta revolucionária na atualidade são os chamados "comunistas". (…) É por isso que a luta contra a guerra deve começar e terminar com o desmascaramento do papel traiçoeiro do Comintern, que finalmente se tornou um agente da burguesia imperialista. A Segunda Internacional, claro, não é melhor. Mas é mais comprometia e, portanto, menos perigosa.” [644]

Daí se segue que qualquer apoio ao objetivo estratégico da China e da Rússia de uma “ordem mundial multilateral”, como é proclamada pelos reformistas pró-orientais, é inerentemente social-imperialista. Uma vez que uma “ordem mundial multilateral” não significa mais do que uma ordem mundial com várias Grandes Potências que, por sua natureza, estão em completa rivalidade umas contra as outras, o apoio estalinista a tal objetivo não tem nada a ver com o socialismo e tudo a ver com geopolítica burguesa. Não é preciso ser um Einstein para entender que tal ordem mundial não teria um caráter mais pacífico, mas no mínimo tão cheio de crises e de guerras quanto era no passado.

Por trás desse sonho reformista de uma "ordem mundial multilateral" de longo prazo e estável, está a ilusão revisionista da possibilidade de pressionar a burguesia imperialista a parar de lutar pela expansão e concordar com uma coexistência pacífica com seus rivais. É, como já assinalamos acima, um resultado da falsa teoria estalinista de que uma "neutralização da burguesia mundial" seria possível. A crítica de Trotsky não perdeu sua validade:

“A luta contra a guerra é decidida não por pressão sobre o governo, mas apenas pela luta revolucionária pelo poder. Os efeitos "pacifistas" da luta de classes proletária, assim como seus efeitos reformistas, são apenas subprodutos da luta revolucionária pelo poder; eles têm apenas uma força relativa e podem facilmente se transformar em seu oposto, isto é, podem levar a burguesia a tomar o caminho da guerra.” [645]

Consequentemente, esses sociais-imperialistas veem as lutas de libertação dos trabalhadores e dos oprimidos a partir do ponto de vista se elas avançam os objetivos na reordenação do mundo no interesse da Rússia e da China ou não. Eles só apoiarão as lutas que enfraquecerão o Ocidente e fortalecerão a posição global das Potências Orientais. Assim, a resistência do povo iemenita contra o aliado norte-americano Arábia Saudita é boa. Assim é a resistência do Irã e da Venezuela contra os EUA. Assim é o movimento de massa dos "Gilet Jaunes" (coletes amarelos), uma vez que é dirigido contra um governo da UE. Mas isso se torna diferente com relação a greves de trabalhadores chineses ou russos, com lutas nacionais dos chechenos ou dos uigures ou do povo sírio contra o aliado russo Assad.

Novamente, vemos que o “anti-imperialismo” estalinista é apenas “anti-imperialista” contra um campo das Grandes Potências, mas não contra o outro. Isso não é melhor do que as forças liberais na Rússia e na China, que apoiam as sanções ocidentais e a pressão da “comunidade internacional” contra os “seus” governos, a fim de melhorar a situação dos direitos humanos em seus países. É verdade que os estalinistas nos países ocidentais geralmente encerram seu apoio às Grandes Potências orientais em uma linguagem “socialista”, enquanto os democratas pequeno-burgueses ou burgueses na Rússia e na China se referem à Carta dos Direitos Humanos da ONU. Mas isso significa nada mais do que a folha de sua figueira pode ser diferente. A essência é em ambos os casos a mesma: apoio social-imperialista invertido para uma Grande Potência rival. Em outras palavras, tal “anti-imperialismo” é apenas metade “anti-imperialista” e metade “pró-imperialista” que, no final, se equivale ao social-imperialismo.

Esse pseudo “anti-imperialismo” é frequentemente combinado com o centralismo nacionalista isolacionista. Esses estalinistas ou semi-estalinistas afirmam que a única questão importante seria se opor à própria burguesia. Para justificar tal posição, eles se referem à famosa fórmula “O principal inimigo está em casa”. Naturalmente, tal argumento não se sustenta em base alguma. Como se Lênin e Liebknecht tivessem se oposto apenas à classe dominante russa ou alemã! Como todos os calouros da história do movimento operário durante a Primeira Guerra Mundial estão conscientes, os marxistas se opuseram não apenas à "classe dominante" deles, mas também a todas as outras classes dominantes das Grandes Potências participantes!

O conteúdo remanescente com a burguesia opositora reflete a teoria estalinista do “socialismo em um só país”. Expressa a ideia errada de que a política socialista autêntica pode ser definida em linhas puramente nacionais, tomando uma posição apenas sobre questões relevantes nas suas próprias fronteiras. Mas, na verdade, isso é impossível para os socialistas! As questões políticas de uma determinada nação estão inextricavelmente ligadas a questões globais. O imperialismo é um sistema mundial. A oposição contra o imperialismo só é possível em escala mundial e não em apenas em um país! Se os "socialistas" se opõem aos seus "próprios" governantes imperialistas, mas apoiam os rivais, eles não são sociais-imperialistas em relação à sua própria burguesia, mas sim em relação à burguesia rival! Eles são simplesmente sociais-imperialistas invertidos, como a Quarta Internacional denominou tais forças! [646]

É uma prática bem conhecida das Grandes Potências apoiar as lutas dos povos oprimidos contra os seus rivais imperialistas. Os japoneses fizeram isso durante a guerra contra a Rússia em 1904/05; os alemães apoiaram os revolucionários irlandeses contra a Grã-Bretanha durante a Primeira Guerra Mundial; durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses apoiaram o Exército Nacional Indiano de Bose e os imperialistas ocidentais apoiaram as forças chinesas que combatiam o Japão, bem como os partidários anti-alemães nos Bálcãs. Teríamos muitos mais exemplos. Em suma, apoiar uma luta de libertação contra uma Grande Potência rival não demonstra necessariamente o anti-imperialismo, mas pode simplesmente servir para ajudar os interesses das Grandes Potências de um campo imperialista.

Notemos finalmente que Estados poderosos também podem, por vezes, concordar e unir forças para lutar contra essa ou aquela força em países semicoloniais. Esse já era o caso durante a Revolta de Taiping na China nas décadas de 1850 e 60, ou contra a chamada Revolta dos Boxers na China em 1899-1901. Exemplos reais são a hostilidade das Grandes Potências contra a Revolução Árabe e contra várias forças islâmicas pequeno-burguesas. Portanto, não é de surpreender que também os partidos sociais-imperialistas pró-orientais e pró-ocidentais às vezes concordem, por exemplo, contra os chamados radicais islâmicos.

A tarefa dos autênticos revolucionários não é reordenar para o mundo em proveito desta ou daquela Grande Potência, mas lutar contra todas as Grandes Potências e destruir completamente a ordem imperialista e substituí-la por um mundo socialista!

 

O Social-Imperialismo Invertido como uma Variação da Colaboração de Classe

 

É necessário, neste contexto, lidar brevemente com as raízes históricas do fenômeno do social-imperialismo invertido. Como acabamos de explicar, essa categoria caracteriza as forças pseudo-socialistas que, abertamente ou ocultas, não apoiam sua própria burguesia imperialista, mas a burguesia imperialista de uma Grande Potência rival. Os clássicos marxistas têm repetidamente chamado a atenção para o fato de que não existe apenas uma única forma de social-chauvinismo, mas sim diversas variantes. Lênin e Trotsky explicaram que, além da capitulação à própria classe dominante imperialista, existe também o social-chauvinismo como capitulação à classe dominante das potências imperialistas rivais. Durante a Primeira Guerra Mundial, um setor significativo da União Judaica Trabalhista da Rússia-Bund pequeno-burguês (que fazia parte da Segunda Internacional) apoiou o campo imperialista alemão, considerando que o tzar era o principal inimigo. Outro exemplo famoso foi o socialista russo-judaico Alexander Parvus, ex-colaborador próximo de Trotsky em sua juventude, bem como da ala de esquerda da social-democracia alemã. Mais tarde, ele se tornou um reformista e colaborador do imperialismo alemão.

Na década de 1920 - durante o chamado período de "estabilização" do capitalismo - a social-democracia da Europa tornou-se defensora do Plano Dawes e apoiou a hegemonia da América sobre o velho continente. Colaborou com o imperialismo dos EUA e estava em uma espécie de oposição às "suas" classes dominantes. Nas palavras de Trotsky, “a social-democracia europeia está se tornando, diante de nossos olhos, a agência política do capitalismo norte-americano”. [647]

Da mesma forma, nos anos 1930 e durante a Segunda Guerra Mundial, os social-democratas alemães, austríacos e italianos, os estalinistas e a maioria dos centristas, como o Partido Socialista dos Trabalhadores-PST ( em alemão-SAP), apoiaram o imperialismo ocidental. Eles justificaram seu apoio ao imperialismo francês, britânico e norte-americano afirmando que seu principal inimigo era a classe dominante fascista em casa. Quando a burocracia dominante na União Soviética estava em aliança com Hitler em 1939-41, os estalinistas ficaram ao lado dos nazistas e concentraram seu fogo contra as "democracias plutocráticas" britânicas e francesas. [648]

Os trotskistas sempre condenaram duramente esses sociais-imperialistas invertidos, não menos do que condenaram os sociais-imperialistas “comuns”. Tal como escreveram os trotskistas americanos sobre a natureza patética dos líderes exilados da democracia social alemã depois de 1933:

“Enquanto uma medida da democracia burguesa é mantida em um país, isto é, enquanto a social democracia é tolerada, [socialdemocracia, Ed.] ela prova sua indispensabilidade à burguesia em todas as crises, acima de tudo quando a guerra chega, então não se deixa sobressair no zelo patriótico. Mas e o partido social-democrata daquele país em que o fascismo o suprimiu ou exilou grosseiramente, no qual não há nem mesmo uma pretensão de democracia - como pode sair em favor da “defesa da pátria”? Não pode e, por via de regra, não faz. O que ele faz, no entanto, é contratar seus serviços para a classe dominante de uma democracia estrangeira, pedindo em troca apenas que seja trazido de volta à posição que ocupou em sua terra natal nas carretas de seu empregador temporário estrangeiro. A liderança social-democrata alemã exilada está agora desempenhando justamente esse papel não muito digno nos assuntos mundiais. Um exemplo flagrante foi a revelação há um ano e meio que o lamentável herói da democracia social do Sarre, Max Braun, solicitara ao governo francês apoio financeiro ao seu jornal e ao seu movimento em troca de propaganda militar entre os jovens do país. Emigração alemã que os converteria em soldados ardentes para o exército francês "contra o fascismo alemão". Os pervertidos líderes socialdemocratas alemães, que capitulavam ao fascismo quando tinham forças invencíveis sob seu comando e agora esperam restaurar seu poder por “uma política que espera a salvação das baionetas estrangeiras”, como um de seus dissidentes coloca, não se limita a França. Em todas as “democracias” imperialistas, os social-democratas alemães têm seus emissários e representantes cuja principal atividade é direcionada para mobilizar o movimento trabalhista para a nova Guerra Santa, desta vez não "contra o tzarismo," mas "contra o fascismo". Os Estados Unidos têm a sua parte dessas senhoras e senhores, principalmente ex-membros do Reichstag de Weimar.” [649]

Trotsky também rejeitou totalmente o argumento daqueles que justificaram o apoio a um Estado imperialista com o argumento da necessidade de combater o fascismo. Ele respondeu àqueles que distorceram seu apoio a uma intervenção do Exército Vermelho da União Soviética contra Hitler em 1933:

“Mas eles estão absolutamente errados ao pensar que o proletariado pode resolver grandes tarefas históricas por meio de guerras que são conduzidas não por eles mesmos, mas por seus inimigos mortais, os governos imperialistas. Pode-se interpretar o documento da seguinte maneira: durante a crise na Tchecoslováquia, nossos camaradas franceses ou ingleses deveriam ter exigido a intervenção militar de sua própria burguesia, e assim assumido a responsabilidade pela guerra - não pela guerra em geral e, claro, não por uma guerra revolucionária, mas para a guerra imperialista dada. O documento cita as palavras de Trotsky no sentido de que Moscou deveria ter tomado a iniciativa de esmagar Hitler já em 1933, antes de se tornar um perigo terrível (Biulleten Oppozitsii, 21 de março de 1933). Mas essas palavras significam apenas que tal deveria ter sido o comportamento de um verdadeiro governo revolucionário de um Estado operário. Mas é permitido emitir a mesma demanda a um governo de um estado imperialista?” [650]

Hoje estamos testemunhando um fenômeno semelhante entre os chamados “anti-germânicos” ou “anti-nacionais” na Alemanha e na Áustria. Trata-se de uma corrente arqui-reacionária, de pseudo-esquerda, extremamente pró-sionista e pró-americana, e que justifica seu apoio a essas forças reacionárias com sua oposição ao chauvinismo e ao supostamente inerente "anti-semitismo" do alemão e austríaco.

Lênin e Zinoviev deram a seguinte definição abrangente de social-chauvinismo que deixou claro que esta corrente inclui não apenas aqueles que apóiam sua “própria” burguesia imperialista, mas também aqueles que apoiam a classe dominante de uma potência imperialista rival.

“Social-chauvinismo é defesa da ideia de“ defesa da pátria ”na presente guerra. Essa ideia logicamente leva ao abandono da luta de classes durante a guerra, ao voto por créditos de guerra, etc. Na verdade, os social-chauvinistas estão perseguindo uma política burguesa anti-proletária, pois eles estão na verdade defendendo, não “a defesa da pátria ”, no sentido de combater a opressão estrangeira, mas o“ direito ”de um ou outro das“ Grandes Potências de saquear colônias e oprimir outras nações. Os social-chauvinistas reiteram o engano burguês do povo de que a guerra está sendo travada para proteger a liberdade e a existência das nações, assim tomando partido da burguesia contra o proletariado. Entre os social-chauvinistas estão aqueles que justificam e envernizam os governos e a burguesia de um dos grupos de potência beligerantes, bem como aqueles que, como Kautsky, argumentam que os socialistas de todas as potências beligerantes têm igual direito a “defender a pátria”. ” O social-chauvinismo, que é, na verdade, a defesa dos privilégios, as vantagens, o direito de saquear e saquear, de uma burguesia "própria" (ou qualquer outra) imperialista, é a traição total de todas as convicções socialistas e da decisão do Congresso Socialista Internacional de Basileia.” [651]

Nem será preciso dizer que Trotsky e a Quarta Internacional denunciaram resolutamente todas essas manifestações do social-imperialismo invertido. O marxismo autêntico é consistentemente internacionalista e anti-imperialista ou não é marxismo! A CCRI luta por um novo Partido Revolucionário Mundial baseado em um consistente programa anti-imperialista. Tal programa inclui a oposição incondicional a todas as formas de social-imperialismo.

 

O Que os Sociais-Imperialistas Invertidos farão em Caso de uma Grande Guerra?

 

O que acontecerá em caso de aceleração qualitativa dos conflitos inter-imperialistas? Irão os sociais-imperialistas invertidos permanecer leais aos apoiantes das Grandes Potências rivais ou entrarão em colapso e capitularão perante a sua própria classe dominante?

Pode-se tomar o exemplo dos estalinistas nas décadas de 1930 e 1940. De modo geral, eles implementaram lealmente cada virada política que Moscou ditava: eles serviam à própria burguesia e serviam aos rivais - o que quer que fosse solicitado pelo quartel-general da Comintern. Houve algumas dificuldades quando os estalinistas franceses e britânicos tiveram que declarar "sua" burguesia como principais inimigos no outono de 1939 (em vez de Hitler). Por exemplo, um terço dos membros estalinistas dos parlamentos na França deixou o partido e muitos membros deixaram os partidos “comunistas” naquela época. Mas, em geral, Moscou conseguiu evitar grandes rupturas.

Será que vamos ver uma repetição de tal cenário em futuros períodos de guerra? Claro, isso não é fácil de prever. No entanto, pensamos que isso é bastante improvável, já que nos parece que as diferenças entre o presente e aquela situação superam as semelhanças. Primeiro, os estalinistas daquela época tinham uma organização internacional consolidada, com muitos quadros altamente leais que ainda viam a URSS como pátria da Revolução de Outubro. Muitos quadros passaram um tempo em Moscou e lá foram treinados por anos. Nada disso existe hoje. Não há Comintern - o hoje denominado Encontro Internacional de Comunistas e Partidos Operários é uma aliança frouxa e heterogênea sem nenhum centro organizacional; em suma: não é uma organização unificada. Os estalinistas estão do lado da Rússia, mas seria totalmente absurdo vê-los como parte orgânica do aparato do regime de Putin. Os chineses nunca - mesmo na época de ouro maoísta - tentaram construir qualquer coisa que se aproximasse de uma organização do tipo Comintern. Eles sempre foram muito mais centrados no seu próprio país do que seus rivais estalinistas em Moscou.

Além disso, o Comintern estalinista gastou muito dinheiro para financiar o aparato do partido em numerosos países. Como resultado, esses partidos eram altamente dependentes da burocracia soviética. Hoje, nem Moscou nem Pequim gastam somas significativas semelhantes. Sim, existem vários meios de comunicação como a Russia Today-RT ou instituições acadêmicas como a Associação Mundial para Economia Política (AMEP) sediada na China, mas isso não é nada comparado com os esforços da URSS na época.