França após os ataques em Paris: defender os povos muçulmanos contra as guerras imperialistas, o ódio chauvinista e a repressão!

Declaração da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI-em inglês RCIT), 09/01/2015, www.thecommunists.net

 

1.                   Em 7 de janeiro de militantes jihadistas atacaram a sede do jornal Charlie Hebdo e, depois de separar homens e mulheres, mataram 12 homens, incluindo o editor-chefe, jornalistas e policiais. No dia seguinte, uma outra pessoa atirou em policiais e matou duas pessoas. Ao mesmo tempo, várias mesquitas foram atacadas por tiros e bombas. 88.000 policiais em todo o país foram mobilizados para caçar os militantes jihadistas. O governo liberal e social-democrata de Hollande , apoiado pelo Partido Comunista e a Frente de Esquerda, assim como a mídia burguesa, estão tentando colocar o país em estado de emergência. Desta forma, eles esperam utilizar o ataque contra Charlie Hebdo como pretexto para obter apoio para sua política imperialista reacionária.

2.                   A Corrente Comunista Revolucionária Internacional (RCIT) opõe-se a ataques terroristas individuais, como aconteceu contra o jornal Charlie Hebdo. Nós não fazemos isso por termos qualquer simpatia por este jornal e suas principais figuras. Por uma série de anos, a revista Charlie Hebdo apoiou a cruzada imperialista contra os povos muçulmanos ao publicar caricaturas repugnantes e humilhantes contra o profeta Maomé e contra os muçulmanos. Com essas ações deram apoio ideológico pela unidade de guerra imperialista francês, que, desde 2001, tem-se manifestado na participação oficial da França na invasão e ocupação do Afeganistão, causando a morte de dezenas de milhares de civis. O jornal contribuiu igualmente para o clima ideológico que justificou as invasões militares do imperialismo francês no Mali e na República Centro Africana, bem como a sua participação na última cruzada de Obama no Iraque e na Síria. Em suma, a Charlie Hebdo é um excelente exemplo do liberalismo ocidental cínico e arrogante completamente pró-imperialista, chauvinista, e contra-revolucionário. Rejeitamos completamente a hipocrisia liberal, que sustenta que o ataque a Charlie Hebdo foi um ataque contra a "imprensa livre" e os "valores liberais do Ocidente." Não há nada de progressista ou amante da liberdade em dar apoio à ocupação, ao terror imperialista, ao racismo e humilhação de outros povos!

3.                   Não, os socialistas devemos nos opor ao ataque contra jornal Charlie Hebdo, porque tais ataques são totalmente contra-produtivos. Eles não são dirigidos contra alvos militares e são inúteis para a mobilizações organizadas em massa de muçulmanos e trabalhadores não-muçulmanos e os jovens. Muito pelo contrário, eles servem de pretexto para o governo imperialista mobilizar o aparelho de estado armado, com o objetivo de criar um clima de apoio público para ataques terroristas anti-muçulmanos e a favor das guerras imperialistas, para restringir os direitos democráticos e aumentar a vigilância sobre os imigrantes muçulmanos e todas as forças progressistas.

4.                   Nós, do RCIT sustentamos que a tarefa dos socialistas agora é se opor às mobilizações pró-imperialistas que ocorrem na França. Socialistas devem sim defender os migrantes muçulmanos e mobilizar contra a unidade de guerra imperialista do governo Hollande e da UE. Os socialistas têm de afirmar claramente que o inimigo principal não são os jihadistas reacionários, mas o imperialismo francês e o governo Hollande. É o imperialismo francês que traz morte e destruição para o Afeganistão, Iraque, Síria, Mali, e na República Centro Africana. É o imperialismo francês que atualmente está ameaçando lançar ataques aéreos contra a Líbia. É o imperialismo francês que cria as condições de opressão e super-exploração dos seus imigrantes muçulmanos. É o imperialismo francês que proíbe meninas muçulmanas de usarem o hijab nas escolas e que proibiu o uso da burka em público. É o governo Hollande que mantém estreitas relações políticas e comerciais com o Estado Apartheid israelense, mesmo enquanto Israel massacrava mais de 2.300 palestinos em Gaza durante o verão de 2014. Além disso, o governo Hollande demonstrou seu caráter pró-sionista proibindo manifestações pró-Palestina durante essa guerra - um ato exclusivamente reacionário da repressão na Europa de hoje. Em suma, esses liberais que estão arrancando os cabelos não devem se surpreender que o Estado francês e o conjunto da imprensa tornaram-se um símbolo desprezado e odiado entre centenas de milhões de pessoas ao Sul.

5.                   A principal tarefa para os socialistas na França e na Europa agora é organizar unidades de auto-defesa, a fim de defender mesquitas e distritos migrantes contra ataques chauvinistas. É igualmente urgente em construir uma ampla frente única contra o chauvinismo anti-muçulmano. Finalmente, é urgente construir um forte movimento anti-guerra e contra a guerra imperialista se espalhando no Oriente Médio e na África.

6.                   O RCIT condena severamente o Partido Comunista Francês (PCF) e muitos outros chamados grupos "esquerdistas" por darem seu apoio ao pró-imperialista chamdo de Hollande pela "Unidade nacional” – Enquanto as forças centristas –o Novo Partido Anti-Capitalista- NPA (cujos líderes fazem parte da mandelista "Quarta Internacional") e Lutte Ouvrière-LO em suas declarações de 07 de janeiro não aderiram à reacionária proposta de Hollande de "unidade nacional", ambos condenaram o ataque à Charlie Hebdo como um ataque à "liberdade de expressão". Ao mesmo tempo, eles não mencionam mesmo em uma única palavra a conexão entre este evento e as guerras imperialistas da França contra os povos muçulmanos, ou a sua opressão e super-exploração dos imigrantes. Em suas declarações, ambos os grupos centristas se referem às suas estreitas relações com os jornalistas da Charlie Hebdo e, assim, revelam a sua afiliação com o meio burguês-liberal.

7.                   Tudo isso não é surpreendente, dado que o PCF era parte do governo francês, quando as tropas francesas invadiram o Afeganistão em 2001 e que o partido apoia as aventuras militares francesas em África. É igualmente característico do centrista e oportunista NPA e LO que eles falham não estar a lado com as forças de resistência que estão lutando contra a ocupação. Eles também não se opõem à política do governo de proibir o uso do hijab nas escolas francesas nem eles apoiaram o levante dos imigrantes no final de 2005.

8.                   Por conseguinte, não é nenhuma surpresa que muitos imigrantes muçulmanos em França não considerem esses partidos reformistas e centristas como defensores de seus direitos democráticos. Por estas razões, um número crescente de imigrantes muçulmanos, que estão à procura de alternativas radicais, são atraídos para o islamismo jihadista. O RCIT considera este (o jihadismo) um movimento reacionário que irá provar ser um beco sem saída para os imigrantes muçulmanos. O caminho a seguir não é o isolamento em linhas religiosas, mas as mobilizações de massa contra o principal inimigo - a classe dominante na França e na UE - que vai unir os trabalhadores brancos e imigrantes e jovens. É somente através da luta contra as guerras imperialistas, as leis anti-democráticas, e a opressão policial internacional que a unidade da classe trabalhadora vai nascer. Só com essa perspectiva os socialistas serão capazes de derrotar a influência de islamistas reacionários e conquistar os imigrantes muçulmanos. O RCIT faz um chamado para os socialistas que compartilham dessa perspectiva de unir forças a fim de construir partidos revolucionários na França e internacionalmente, de modo que a classe trabalhadora possa derrubar o capitalismo, a fonte de todos esses desenvolvimentos reacionários.

 

Secretariado Internacional do RCIT

Free Homepage Translation