Ultra-esquerdismo e a destruição do Estado de Israel - uma resposta à COR de Argentina

Por Michael Pröbsting, Corrente Comunista revolucionária Internacional (RCIT)

Originalmente publicado em 27.07.2014 em inglês em www.thecommunists.net

 

O grupo argentino Corrente Operária Revolucionária (COR) publicou recentemente uma declaração sobre a guerra de Gaza em Espanhol e Inglês. (1) o texto contém uma declaração geral que expressa a posição anti-sionista desta organização, o seu apoio com a resistência palestina contra Israel e o esboço de uma perspectiva socialista. Infelizmente os autores misturaram esta abordagem geralmente correta com bobagens ultra-esquerda. Eles atacam a nossa tendência internacional por uma suposta suavidade na luta contra o Estado sionista. Tal como eles escreveram: "... O RCIT que tem uma seção no que eles chamam de" Israel / Palestina Ocupada ', recusam-se a avançar pela destruição do Estado de Israel. Em vez disso, eles apresentam a fantasia de 'abaixo as guerras assassinas de Israel’, e é claro, eles admitem ao povo palestino o direito de auto-defesa."

 

Ou os dirigentes da COR não leram os documentos RCIT sobre a Palestina ou deliberadamente distorcem a nossa posição. Ambas as possibilidades falam contra eles. Não há praticamente uma única instrução ou artigo do RCIT ou sua seção em Israel / Palestina Ocupada em que não indicam a natureza intrinsecamente reacionária do Estado de Israel como um Estado judeu, e nosso objetivo de aboli-lo e substituí-lo com uma simples república de trabalhadores e camponeses em toda a Palestina histórica (resumido em nosso slogan de agitação "Por uma Palestina livre e vermelha!").

 

Em nossa declaração no início da atual guerra de Gaza a RCIT e sua seção em Israel/Palestina Ocupada declarou: Um estado judeu na Palestina só consegue sobreviver, enquanto a expulsão dos palestinos continuar a existir. A "solução de dois Estados" seria negar aos palestinos o direito de retorno. Da mesma forma, um Estado palestino na Cisjordânia e em Gaza seria reduzida a um bantustão, uma colônia de-facto dependente de Israel muito mais rico e mais poderoso. Nós, portanto, rejeitamos a chamada "solução de dois Estados", que é promovido pela liderança do Fatah e por também inúmeras forças socialdemocratas e centristas stalinistas, tanto em Israel, bem como em todo o mundo. Em vez disso, lutamos por um único estado em toda a Palestina em que os palestinos naturalmente constituiriam a maioria. Assim, o Estado de Israel deve ser destruído e ser substituído por uma sociedade democrática, palestina, multinacional e socialistas de Trabalhadores e República Fallahin desde o rio até o mar. Por uma Palestina livre e Vermelha!(2)

Em outra declaração, publicada no início da última guerra de Gaza, em novembro de 2012, escrevemos: "O Estado de Israel deve ser destruído e será substituído por uma república secular dos trabalhadores árabes e judeus em toda a Palestina. Em tal estado, os palestinos e os judeus, que aceitem a eliminação dos privilégios do estado de apartheid de Israel, podem viver juntos de forma igual e de forma pacífica. Combinamos essa perspectiva com a luta por uma federação socialista do povo do Oriente Médio. "(3)

 

E no nosso Manifesto Comunista Revolucionário – O programa do RCIT - escrevemos:"Portanto, a opressão nacional só pode ser superado quando os refugiados palestinos tiverem o direito pleno de retorno, obter a sua terra de volta ou receber uma compensação adequada e se o Estado de Israel for destruído.” (4)

 

No apêndice deste artigo daremos mais alguns exemplos. (5) Por isso, é óbvio que os líderes da COR esperam que os leitores de sua declaração não estejam cientes das posições reais do RCIT e sua seção em Israel/Palestina ocupada.

 

Por trás dessa distorção absurda da nossa posição não existe apenas em relação aos líderes do CR o desejar desacreditar o RCIT. Isso também reflete o seu infantil "anti-sionismo". Isto torna-se evidente a partir de sua objeção, quando falamos de "Israel/Palestina ocupada." Provavelmente é porque COR caracteriza Israel como uma "entidade (porque não é baseada em classes nacionais, nós não o consideramos propriamente um Estado)”. Infelizmente, os líderes do CR não conseguem explicar isso, vamos colocar diplomaticamente, sua original idéia. Se o Estado de Israel não se baseia em classes nacionais, sobre o que mais se baseia? A COR nega a existência de uma burguesia israelense, ou mesmo uma classe do capital monopolista como temos demonstrado em um estudo recente? Por exemplo, há uma série de empresas multinacionais israelenses. De acordo com a Forbes Global 2000 – dentre um ranking das maiores empresas mais poderosas do mundo - 10 empresas multinacionais de Israel são listadas. Isto é semelhante ao de outros países imperialistas menores que têm uma história muito mais longa de desenvolvimento imperialista como a Áustria ou a Bélgica (cada uma com 11 empresas) e da Finlândia (12). (7) De onde é que os capitalistas israelenses derivam seus lucros, se não, explorando os trabalhadores judeus, bem como a classe trabalhadora migrante árabe e em Israel (além de seus extra-lucros em operações estrangeiras) ?! Os líderes do CR querem negar a existência de uma classe trabalhadora israelense-judaica (que, claro, é muito privilegiada, em relação aos palestinos e os trabalhadores migrantes, e contém maior proporção de uma aristocracia operária) ?! Desnecessário será dizer que também há uma classe média israelense-judaica. Então, quais as classes nacional que não existem em Israel de acordo com os líderes da COR?

 

Além disso, deve ser desnecessário acrescentar que Israel não é apenas um estado, mas também um muito poderoso, Estado militarizado. É a oitavo maior potência nuclear do mundo, e ocupa a décima posição entre os exportadores de armas do mundo. (8)

Os líderes do CR poderia argumentar e, objeção que Israel está baseada no apoio das potências imperialistas. Não há dúvida de que Israel recebe uma quantidade importante de ajuda financeira e militar, como nós - e muitos outros que apoiam a luta pela libertação da Palestina – temos apontado muitas vezes. Mas essa ajuda imperialista não nega o fato básico de que a produção de mais-valia ocorre em Israel, baseada na exploração da classe trabalhadora. Também não nega o fato de que a burguesia israelense tem seus próprios interesses imperialistas, ou que não é simplesmente subordinada ao imperialismo norte-americano. Israel sempre foi um estado colonial que, com o tempo, tornou-se um poderoso, pequeno estado imperialista. Ele continua a existir como um estado colonizador colonialista, já que toda a sua existência baseia-se no roubo de terras e na expulsão do povo palestino nativo, um processo que está sendo continuado pelas atividades dos colonos em constante expansão na Cisjordânia.

 

Pequenas crianças esperam negar as realidades feias, fechando os olhos. Os líderes do COR esperam a negar a existência real do poderoso estado de Israel, alegando que ele não existe. Marxistas e adultos em geral deve saber que tais métodos de negação são bastante inúteis na busca de orientação correta na política e na vida em geral.

 

Notas de rodapé:

(1) Corriente Obrera Revolucionaria: “Derrotemos la ofensiva sionista! Destrucción del Estado de Israel!” respectively “Let’s defeat the Zionist offensive! Destruction of the State of Israel!” 9.7.2014, http://www.cor-digital.org/

(2) RCIT and ISL: Palestine: Forward to the Third Intifada! 7.7.2014, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/victory-to-palestinian-uprising/

(3) RCIT: New Wave of Israeli terror against Gaza: Support the Palestinian Resistance! Defeat the Zionist killing machine! 15.11.2012, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/defend-gaza/

(4) RCIT: The Revolutionary Communist Manifesto, 2012, p. 49, http://www.thecommunists.net/rcit-manifesto/support-the-national-liberation-struggles/

(5) See e.g.: “Peace will only be built in the region when all injustice is overthrown. In Palestine, that means the end of the state of Israel, which can only rule by apartheid discrimination and ethnic cleansing against Palestinians inside its borders and permanent war with the Palestinians and their allies beyond. It means the full right of return of all the Palestinian refugees to one democratic state, from the river to the sea. Because such a democratic state would be dedicated to overcoming the national oppression of the Palestinian people, we believe its national character would naturally be determined by the Palestinian masses, who would be its overwhelming majority. Israel’s Jews should have full civil rights as a minority in such a state and thus be able to live free of any form of religious or racial persecution. But Zionists must be denied any right to keep stolen land or property or continue their apartheid rule.” (ISL: The Zionist State Tries to Break Gaza Again – and Fails Again, November 2012, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/isl-statement-on-gaza-war/)

We in the Internationalist Socialist League, Arabs and Jews, fight for such a working class leadership. We offer against the Zionist nightmare of an apartheid state from the river to the sea a revolutionary perspective of a democratic Palestinian state from the river to the sea, that in its class contents will be a multi-national workers state supported by the Fallahin from the river to the sea.” (ISL: The Nakba Day 2013, 5.4.2013, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/nakba-day-2013/)

The slogan of a single ‘Democratic State in the whole of Palestine’ is a historic and progressive one. It expresses the desire of the Palestinians and all progressive Jews to smash the Zionist state and to replace it with a single state. In this state all privileges for the Israeli Jewish oppressor nation – which they automatically have in the present Apartheid State – will be abolished. All Palestinian refugees will have the right to return and will – given the fact that they form a 2:1 majority and that it is their historic homeland – shape the character of the future state.” (Michael Pröbsting: On some Questions of the Zionist Oppression and the Permanent Revolution in Palestine, May 2013, http://www.thecommunists.net/theory/permanent-revolution-in-palestine/)

We stand for the victory of the Palestinian resistance and the destruction of the imperialist apartheid state of Israel.” (http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/rally-for-palestine-9-7-2014/, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/rally-for-palestine-13-7-2014/, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/demo-for-palestine-20-7-2014/)

The RCIT calls for the destruction of the Israeli Apartheid state.“ (http://www.thecommunists.net/publications/editorial-revcom-7/)

(6) We have reported about the threats against comrade Johannes Wiener here: RKOB: Austria: Pro-Israeli War-Mongers try to throw 20-year old Palestine Solidarity Activist into Prison. RKOB spokesperson Johannes Wiener is accused of „sedition” because of a Pro-Palestine speech during the Gaza War, 13.12.2012, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/no-to-criminalization-of-rcit-activist/; RKOB: Victory! The Charge against RKOB Spokesperson and Palestine Solidarity Activist Johannes Wiener has been dropped! Austria: Israelite Cultus Community suffers defeat in its attack on Free Speech and Palestine Solidarity, 10.1.2013, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/solidarity-with-wiener-won/. For the international solidarity campaign including the COR’s message of solidarity see: Statements in Solidarity with RCIT Activist Johannes Wiener, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/solidarity-with-johannes-wiener/

(7) The World‘s Biggest Companies, The Forbes Magazine, 18.4.2012, http://www.forbes.com/global2000; We also refer readers to our study by Michael Pröbsting: On some Questions of the Zionist Oppression and the Permanent Revolution in Palestine. Thoughts on some exceptionalities of the Israeli state, the national oppression of the Palestinian people and its consequences for the program of the Bolshevik-Communists in Palestine, May 2013, http://www.thecommunists.net/theory/permanent-revolution-in-palestine/

(8) Stockholm International Peace Research Institute: Armaments, Disarmament and International Security, 2012, Summary, pp. 13-14

 

Free Homepage Translation