LIVRO O Anti-imperialismo na era da Rivalidade das Grandes Potências (Introdução & Parte 1)

 

 

Nota do Conselho Editorial: Os capítulos a seguir contêm vários quadros. Por razões técnicas, eles só podem ser visualizadas na versão pdf do livro, que pode ser baixada aqui.

 

 

Introdução

 

 

 

Parte 1: Características do imperialismo no século XXI

 

 

I. A crise histórica do capitalismo

 

 

II. A Ofensiva Global dos Capitalistas Contra a Classe Trabalhadora

 

 

III .O Capitalismo e a Crescente Relevância da Imigração

 

 

IV Os critérios marxistas para uma grande potência imperialista

 

Principais Características de um Estado Imperialista e Respectivamente de um Estado Semicolonial

 

É Possível uma Transição de ser Um Tipo de Estado para Outro Tipo de Estado?

 

"Sub-imperialismo" – É uma categoria útil?

 

 

 

V. O surgimento da China e da Rússia Como Novas Grandes Potências

 

Produção e Comércio

 

Monopólios e Bilionários

 

Exportação de Capital e Gastos Militares

 

 

 

VI. A Aceleração das Rivalidades Inter-Imperialistas e a Guerra Global do Comércio

 

O Início de Uma Nova Guerra Fria

 

Tianxia - O Desafio Ideológico da China

 

Protecionismo e Militarismo

 

O Impulso Imperialista pelo Controle do Sul

 

A Rivalidade entre EUA e China como eixo principal das contradições Internas dos imperialistas

 

 

 

VII Grandes poderes imperialistas: algumas comparações históricas

 

Análise: A Lei do Desenvolvimento Desigual e Combinado

 

Alguns Exemplos Históricos Sobre a Desigualdade das Grandes Potências antes de 1939

 

A Globalização e as Grande Rivalidade das Potencias no período anterior à Primeira Guerra Mundial

 

As vacas "gordas" e as "magras"

 

 

Introdução

 

Um dos maiores problemas do nosso tempo é a crescente rivalidade entre as Grandes Potências imperialistas - os EUA, a China, a UE, a Rússia e o Japão. Então, as disputas diplomáticas, as sanções, as guerras comerciais, as tensões militares e, em última análise, as grandes guerras entre essas Grandes Potências são características marcantes do período histórico que se aproxima. A iminente Guerra Global do Comércio entre os EUA e a China, as tensões no Mar do Sul da China, as sanções entre o Ocidente e a Rússia - tudo isso demonstra a atualidade maior da questão da rivalidade entre as Grandes Potências.

Estes desenvolvimentos estão intimamente relacionados com a crescente agressão das Grandes Potências contra os povos oprimidos - um fenômeno que tem massivamente se acelerado desde 2001 sob o disfarce da "Guerra ao Terror".

Por estas razões, sempre enfatizamos a importância crucial de compreender a natureza do sistema mundial imperialista. Sem essa compreensão da teoria marxista na época moderna, é impossível reconhecer o caráter imperialista das Grandes Potências. Esta é uma questão especialmente urgente, dado o surgimento de novas potências imperialistas - China e Rússia - que estão a desafiar os antigos senhores da antiga ordem imperialista mundial (os EUA, como hegemônico, e a UE e o Japão como potências aliadas).

Consequentemente, uma correta compreensão teórica das principais contradições do capitalismo mundial é o pré-requisito para os socialistas adotarem uma posição anti-imperialista inequívoca - uma das tarefas mais importantes para os marxistas hoje, em especial para aqueles que atuam no coração da besta fera imperialista.

Tal programa marxista de luta anti-imperialista dentro dos próprios países imperialistas tornou-se conhecido como Derrotismo, ou, para ser mais preciso, como Derrotismo Revolucionário. Este programa significa, resumindo-o numa fórmula simples, rejeitar qualquer tipo de apoio a toda e qualquer Grande Potência imperialista, apoiar todas as lutas de libertação contra qualquer uma dessas potências e utilizar todas as dificuldades e crises para fazer avançar a luta de classes para derrotar a classe dominante imperialista em todos os países. Nossa organização, a Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI), publicou recentemente um documento substancial sobre esta questão ("Teses sobre Derrotismo Revolucionário em Estados Imperialistas"). Este documento programático é republicado aqui como um apêndice. [1]

O presente livro é basicamente estruturado em quatro partes principais. Na primeira parte, lidamos com várias características do imperialismo que são relevantes para o nosso tópico, com foco na rivalidade entre as Grandes Potências. Portanto, não é uma análise abrangente de todos os aspectos do imperialismo, mas se concentra em alguns deles. Nós nos permitimos tal procedimento também porque já lidamos com numerosas questões do imperialismo atual em outros livros e panfletos da CCRI. [2]

Na segunda parte, discutimos a análise da rivalidade entre as Grandes Potências, como foi elaborada por vários partidos e organizações de esquerda. Ao criticar a posição deles, defendemos e aprimoramos nossos argumentos. Neste processo, apresentamos uma série de fatos históricos e reais. Também comparamos os argumentos dessas organizações de esquerda com a teoria marxista sobre o imperialismo, tal como foi elaborada por Lênin e Trotsky.

A terceira parte elabora os componentes essenciais do programa do derrotismo - sobre as questões de conflitos entre as Grandes Potências, assim como entre os estados imperialistas e os países semicoloniais, respectivamente, as minorias nacionais e os migrantes. Nós explicamos o que os clássicos marxistas disseram sobre esse assunto e por que ele é relevante hoje. Além disso, também analisamos quais mudanças políticas e sociais ocorreram desde os tempos de Lênin e Trotsky e quais são suas consequências para o programa do derrotismo.

Na quarta parte do presente trabalho, discutimos sobre a abordagem de várias organizações de esquerda sobre a questão da luta anti-imperialista. Mais uma vez, submetemos suas posições a uma crítica do ponto de vista marxista e elaboramos nossos argumentos com numerosos exemplos. Demonstramos que várias forças, embora afirmem ter uma posição anti-imperialista, na prática estão do lado de uma ou outra Grande Potência. Em outras palavras, eles não são anti-imperialistas, mas sim social-imperialistas abertos ou disfarçados.

Nós encerramos o livro com um resumo das tarefas dos marxistas na luta contra a guerra imperialista e as agressões.

Finalmente, um “aviso”: este livro não é escrito do ponto de vista “neutro”. Não é indiferente às crescentes rivalidades entre as Grandes Potências e a agressão imperialista contra os povos oprimidos. É preciso uma posição - uma posição contra todas as Grandes Potências no sentido de apoiar todas as lutas de libertação dos trabalhadores e oprimidos! Por isso, polemizamos contra as organizações de esquerda que, a nosso ver, fracassam em tomar uma posição anti-imperialista. Portanto, este trabalho não é escrito com o propósito de se tornar um sucesso comercial, mas sim como uma diretriz para os ativistas anti-imperialistas. Já existem milhares de best-sellers no mercado. O que é necessário é uma autêntica literatura marxista! Lênin gostava de dizer que "sem teoria revolucionária não pode haver movimento revolucionário" [3]. Essa verdade intrínseca não perdeu sua importância.

Estamos plenamente conscientes de que as questões discutidas neste trabalho nem sempre são fáceis de entender. Isto é especialmente verdade quando estamos a discutir fenômenos que surgiram recentemente (como, por exemplo, o surgimento da China e da Rússia como Grandes Potências imperialistas). Muitos socialistas podem preferir manter a velha fórmula tendo a ideia de que apenas os EUA, a Europa Ocidental e o Japão são estados imperialistas. No entanto, consideramos esse “conservadorismo” como altamente perigoso, uma vez que se perde sobre as mudanças cruciais na política mundial na última década. A observação de Trotsky sobre a importância de manter a análise teórica em sintonia com os desenvolvimentos objetivos permanece plenamente válida.

“A vasta importância prática de uma orientação teórica correta é manifestada de forma mais impressionante em um período de conflito social agudo de rápidas mudanças políticas, de mudanças abruptas na situação. Nesses períodos, concepções políticas e generalizações são rapidamente usadas e requerem uma substituição completa (o que é mais fácil) ou sua concretização, precisão ou retificação parcial (o que é mais difícil). É justamente nesses períodos que todo tipo de situações e combinações transitórias e intermediárias surgem, por motivo de necessidade, que perturbam os padrões costumeiros e exigem duplamente uma atenção teórica sustentada. Em suma, se no período pacífico e “orgânico” (antes da guerra) ainda se pudesse viver da receita de algumas abstrações prontas, em nosso tempo, cada novo evento traz força à lei mais importante da dialética: A verdade é sempre concreta.” [4]

Esperamos que este livro ajude a esclarecer as complexas questões teóricas e táticas relacionadas às crescentes rivalidades entre as Grandes Potências. Terá cumprido o seu propósito se ajudar os ativistas e todos os interessados em compreender estas questões para obter uma compreensão mais abrangente de uma das questões mais importantes do nosso tempo e extrair as conclusões necessárias a partir disso.

Finalmente, este livro beneficiou-se de discussões coletivas que o autor teve com vários companheiros na CCRI. Em especial, quero agradecer à camarada Nina Gunić, com quem tenho o privilégio de desenvolver ideias e argumentos conjuntos desde há anos e que desempenha um papel central na elaboração do quadro programático da nossa teoria. Além disso, quero expressar minha gratidão ao camarada Petr Sedov, que ajudou na elaboração deste livro não apenas com uma série de comentários perspicazes, mas também com a tradução de muitas citações de fontes de língua russa.

 

Notas de rodapé

1) Veja também no nosso website: https://www.thecommunists.net/home/portugu%C3%AAs/teses-sobre-o-derrotismo-revolucionario-nos-estados-imperialistas/

2) Para referências da literatura da CCRI nesses temas veja relevantes capítulos neste panfleto.

3) in: LCW Vol. 5, p. 369. Muitos trabalhos de Marx, Engels, Lenin, Trotsky and outros classicos Marxistas estão publicados no website Marxist Internet Archive, www.marxists.org, que é uma fonte valiosa para qualquer pessoa interessada no Marxismo.

4) Leon Trotsky: Bonapartismo e Fascismo (July 1934), in: Trotsky Writings 1934-35, p. 35


Parte 1: Características do Imperialismo no Século 21

 

I. A Crise Histórica do Capitalismo

 

Como afirmamos em nossas “Teses sobre o derrotismo revolucionário nos Estados imperialistas”, a aceleração global das contradições entre estados e classes só pode ser entendida quando inserida em um contexto histórico mais amplo - a decadência do sistema capitalista que domina o mundo. Tal declínio força a classe dominante de todos os países capitalistas a acelerar os ataques contra a classe trabalhadora e os povos oprimidos, assim como uns países capitalistas contra os outros. Por isso, vemos em tal período de crise histórica do capitalismo que as classes dominantes de todos os estados imperialistas lutam por:

i) Intensificação da exploração da classe trabalhadora;

ii) Intensificação da opressão e super-exploração dos imigrantes nesses países;

iii) Intensificação da opressão e super-exploração dos países semicoloniais;

iv) Intensificação de suas intervenções militares e guerras de agressão no mundo semicolonial sob a frase hipócrita de “Guerra ao Terror” (em especial no Oriente Médio e na África);

v) Aumentar o uso de sanções e guerras comerciais contra rivais;

vi) Aceleração do armamento e propaganda militarista contra rivais (EUA e Japão vs. China, EUA e UE vs. Rússia, etc.).

Nos capítulos seguintes, mostraremos essa análise com vários fatos e números. Vamos começar com uma breve visão geral dos antecedentes da recente aceleração das rivalidades entre as Grandes Potências. A situação mundial é caracterizada por uma profunda aceleração das contradições entre as forças produtivas e as relações capitalistas de produção. Como resultado, temos testemunhado uma tendência à estagnação desde a década de 1970 - uma tendência que se transformou em decadência total desde o início do novo período histórico em 2008.

Essa decadência do capitalismo é refletida na dramática crise climática e nas catástrofes ambientais resultantes, na crescente pobreza e no declínio das taxas de crescimento da produção mundial. Como lidamos com isso em detalhes em algum outro lugar, nos limitamos a apresentar alguns quadros e tabelas das instituições burguesas oficiais. [5]

O Quadro 1 demonstra o declínio a longo prazo da produção mundial per capita. A Tabela 1 e 2, assim como o quadro 2, que tiramos de fontes das Nações Unidas, demonstram o mesmo. As taxas anuais de crescimento da produção mundial caíram consecutivamente de + 5,84% (1960-70), + 4,09% (1970-80), + 3,46% (1980–1990, + 3,04% (1990–2000) para + 2,66% (2000–1990). 10) A Tabela 2 mostra também que as taxas de crescimento desde 2007 estão claramente abaixo dos números anteriores em quase todas as regiões do mundo, assim como a Tabela 3 demonstra que o crescimento da produção mundial entre 2008 e 2017 foi substancialmente menor em todos os anos (exceto um). crescimento médio no ciclo anterior.

 

Tabela 1. O desenvolvimento do Produto Interno Bruto global, 1960–2010 (em números absolutos e crescimento médio anual) [6]

 

PIB global                                           Taxa média de                                                    Taxa média de

em números absolutos                     crescimento anual (5 anos)                             crescimento anual (10 anos)

1960: 7279

1965: 9420                                           1960–1965: +5.88%

1970: 12153                                         1965–1970: +5.80%                                           1960–1970: +5.84%

1975: 14598                                         1970–1975: +4.02%

1980: 17652                                         1975–1980: +4.18%                                           1970–1980: +4.09%

1985: 20275                                         1980–1985: +2.97%

1990: 24284                                         1985–1990: +3.95%                                           1980–1990: +3.46%

1995: 27247                                         1990–1995: +2.44%

2000: 32213                                         1995–2000: +3.64%                                           1990–2000: +3.04%

2005: 36926                                         2000–2005: +2.93%

2010: 41365                                         2005–2010: +2.40%                                           2000–2010: +2.66%

 

Legendas: Os números do PIB estão em bilhões de dólares constantes de 2000. Os números de crescimento são os respectivas médias do ciclo de cinco dez anos (nossos cálculos).

 

Quadro 1. Taxa de Crescimento do Produto Global Bruto Real Per Capita, 1961-2015 [7]

 

 

Quadro 2. Produção Global e Comércio Mundial, grupos de países selecionados e seus períodos, 1870-2016 (Crescimento Anual Médio e Contribuição do Grupo, em Porcentagem) [8]

Production= Produção / Trade= Comércio

Legenda: As áreas mais escuras representam a contribuição dos países desenvolvidos para os agregados mundiais correspondentes. Os dados representam taxas reais de crescimento composto anual, calculadas usando dólares constantes de 1990 entre 1870 e 1973 e dólares constantes de 2010 entre 1973 e 2016.

 

Tabela 2. Taxas de Crescimento Industrial Regiões e Países Selecionados 1870-2014 (em porcentagem) [9]

 

Grupos                                  1870-     1890-     1913-     1920-     1938-     1950-     1973-     1990-     2007

                                                1890       1913       1920       1938       1950       1973       1990       2007       2014

Alemanha

Reino Unido e

Estados Unidos                 3.1          3.4          1.4          1.9          0.9          5.2          1.1          2.1          0.2

Alemanha,

Japão e

Estados Unidos                 -               -               -               -               -               7.9          2.4          2.2          0.3

Periferia Europeia            4.7          5.0          -6.5         4.7          3.6          8.9          3.3          2.8          0.0

Asia                                       1.5          4.2          5.2          4.2          -1.7         8.5          5.8          4.2          4.1

America Latina

e Caribe                               6.4          4.4          3.4          2.8          5.3          5.7          2.7          2.2          1.0

Oriente Médio e

Norte da Africa                 1.7          1.7          -5.8         4.9          6.0          6.2          6.1          4.5          3.2

África Subsaariana          -               -               13.4        4.6          8.6          5.5          3.5          3.9          4.1

 

Tabela 3. Crescimento da produção mundial: variação percentual anual 2001-2017 (Produto Interno Bruto em dólares constantes de 2005) [10]

2001-08                 2008       2009       2010       2011       2012       2013       2014       2015       2016       2017

3.2                          1.5          -2.1         4.1          2.8          2.2          2.3          2.6          2.6          2.2          2.6

 

Como demonstramos em nosso livro “O Grande Roubo do Sul”, o coração desse declínio tem sido os antigos estados imperialistas - a América do Norte, a Europa Ocidental e o Japão - resultando em uma mudança maciça na produção de valor capitalista para a China e o mundo semicolonial.

Essa mudança é indicada pelas mudanças dramáticas na produção industrial mundial - o setor que cria a maior parte do valor capitalista. Historicamente, os antigos países imperialistas (geralmente chamados de “países desenvolvidos” por economistas burgueses) têm sido o centro da produção de valor capitalista. De acordo com um estudo do economista soviético S.L. Wygodski, em 1938, os países imperialistas tinham uma participação de 91,7% na produção mundial e os países (semi-) coloniais produziam 8,3%. [11] Em 1985, os chamados "países desenvolvidos" ainda representavam 80,8% da produção mundial. Naquela época, os “países em desenvolvimento”, por outro lado, ainda eram a origem de 19,2% do produto industrial mundial. Até 2015, os “países desenvolvidos” representavam apenas 56,3%, enquanto a participação dos “países em desenvolvimento” aumentou para 43,7% (ou seja, mais do que o dobro). (Veja a Tabela 4) Observamos, à parte, que a categoria “países em desenvolvimento” confunde diferentes tipos de estados, isto é, os países semicoloniais, assim como a China e a antiga URSS.

No entanto, como explicamos no livro mencionado acima, esses números ainda subestimam enormemente a verdadeira mudança que ocorreu. Na realidade, a criação de valor real ao Sul é muito maior do que os números oficiais sugerem e, inversamente, a criação de valor real ao Norte é muito menor. (Basicamente, uma parte substancial do valor criado no Sul aparece nos números oficiais criados no Norte.)

Outro indicador dessa mudança dramática da produção de valor capitalista distante das antigas metrópoles imperialistas é a evolução da quantidade total de mão-de-obra empregada em toda a economia, refletida no número total de horas trabalhadas. Como podemos ver no quadro 3, o número total de horas trabalhadas globalmente entre 1993 e 2014 aumentou em cerca de 37%. A taxa de crescimento do total de horas trabalhadas tem sido, no entanto, muito maior nos chamados países de “renda baixa e média baixa” (ou seja, os países mais pobres e semicoloniais). Nestes países, o número de horas trabalhadas aumentou em 65%. Em contraste, o total de horas trabalhadas nos países de “alta renda” (ou seja, nos países imperialistas ocidentais) aumentou no mesmo período apenas cerca de 20%. Nos países de "renda média-alta", aumentou em cerca de 27%.

 

Tabela 4. Participação na Produção por Região, 1985 e 2015 (em%) [12]

                                                                                1985                       2015

Mundo                                                                 100%                     100%

Países Desenvolvidos                                     80.8%                    56.3%

Países em Desenvolvimento                        19.2%                    43.7%

 

Quadro 3. Evolução do total de número de horas trabalhadas (1993 a 2014) [13]

High income = Alto rendimentos

Upper-middle income = altos-rendimentos médios

Low and Lower-middle income = rendimentos baixos ou médios-baixos

World = Mundo

 

Notamos, como um sinal, que vários think-tanks (peritos em aconselhamento e ideias sobre problemas políticos ou económicos) burgueses alertam contra o "declínio do Ocidente" e a ascensão imparável dos "mercados emergentes". A PricewaterhouseCoopers, por exemplo, um importante think-tank baseado na Grã-Bretanha, prevê que até 2050 as dez economias mais importantes devem ser, na seguinte ordem, China, Estados Unidos, Índia, Indonésia, Japão, Brasil, Alemanha, México, Estados Unidos. Reino Unido e Rússia (PIB medido a taxas de câmbio de mercado) [14] Embora tais prognósticos devam ser tratados com cautela, eles refletem o declínio das antigas potências imperialistas, assim como uma profunda crise de autoconfiança do Ocidente. [15]

Outra indicação da decadência do capitalismo, como discutimos em trabalhos anteriores, é a estagnação da globalização econômica e a crescente tendência ao protecionismo. Este desenvolvimento não é uma surpresa para os marxistas. Previmos no passado o fim da globalização e a criação de blocos regionais em torno de Grandes Potências individuais ou Grandes Potências em alainça.

“Neste livro, delineamos o processo de globalização e introduzimos a fórmula“ Globalização = Internacionalização + Monopolização ”. Nós explicamos que a enorme quantidade de capital acumulado, o desenvolvimento das forças produtivas, etc. requer um mercado mundial. Um recuo para o isolamento relativo - como havia tal tendência entre a classe dominante dos EUA nos anos 1920 e 1930 - é impossível hoje em dia.

No entanto, também destacamos que o mesmo processo de globalização, que cria melhores condições para os lucros e os lucros extra, também cria enormes contradições e crises ao mesmo tempo. Além disso, o capitalismo repousa - e vai repousar enquanto existir - nos estados nacionais. Sem eles, as classes dominantes capitalistas não podem organizar sua base doméstica para a exploração nem possuem um braço forte para apoiar o mercado mundial.

No entanto, a crescente rivalidade entre as Grandes Potências está minando essa globalização. Os monopólios precisam de um mercado tão grande quanto possível. Mas, ao mesmo tempo, eles precisam de domínio absoluto, acesso irrestrito para si mesmos, mas máxima restrição possível para seus concorrentes. Como resultado, haverá uma tendência para formas de protecionismo e regionalização. Cada Grande Potência tentará formar um bloco regional em torno dela e restringir o acesso para as outras Potências. Por definição, isso deve resultar em inúmeros conflitos e eventuais guerras ”. [16]

Tal tendência não está isenta de paralelos históricos como pudemos observar no período histórico entre as duas Guerras Mundiais de 1914-1945. Agora vemos novamente o começo de tal desenvolvimento. Isso se reflete na estagnação do comércio mundial em relação à produção, assim como na estagnação do investimento transfronteiriço. (Veja a Quadro 4)

 

Quadro 4. Mudanças no comércio mundial e no investimento direto estrangeiro, 1980-2015 [17}

 

Além disso, há também uma tendência fundamental na Rússia e na China para aumentar os pagamentos em moedas nacionais. Da mesma forma, há um aumento substancial da produção de ouro nesses estados. De fato, a Rússia tornou-se o estado com a quinta maior reserva mundial de ouro, superando o recorde histórico de Stalin de 2.100 toneladas. A estatal Gazprom está discutindo agora um sistema de pagamento relacionado ao equivalente em ouro. Hoje, o Banco Central Russo é responsável por mais de 17% das reservas mundiais de ouro e divisas estrangeiras. [18] Tais políticas levam a uma menor dependência do sistema bancário dos EUA.

Finalmente, queremos chamar a atenção para a tendência fundamental que é a força motriz por trás da crise histórica do capitalismo: o declínio a longo prazo da taxa de lucro. Como amplamente conhecido, Marx elaborou essa lei fundamental no Capital Vol.III. Isso significa basicamente que, a longo prazo, a parcela da mais-valia se torna menor em relação a todo o capital investido na produção (em maquinário, matérias-primas, etc., assim como os salários pagos aos trabalhadores). Portanto, a mais-valia que potencialmente poderia ser usada para a reprodução do capital em um nível estendido torna-se cada vez menor. Isso inevitavelmente leva a rupturas e crises e a uma tendência histórica de declínio, à medida que se torna cada vez menos lucrativo para os capitalistas investirem na expansão da produção. [19]

Naturalmente, a superacumulação de capital, a superprodução de mercadorias e a tendência da queda da taxa de lucro não é um processo linear, mas seu ritmo e dinâmica são influenciados por várias tendências contrárias - principalmente pela relação de forças entre as classes, ou seja, a luta de classes política. [20] No entanto, enquanto esses fatores podem por algum tempo desacelerar ou interromper temporariamente a queda da taxa de lucro (como aconteceu na década de 1990, por exemplo, como resultado da unificação da ofensiva neoliberal, do avanço da globalização imperialista, e colapso dos estados operários stalinistas), eles não podem parar - ou mesmo reverter - o declínio a longo prazo. (Veja a Quadro 5)

 

Quadro 5. Taxa Mundial de Lucro e Taxa Média nos Países Centrais e Periféricos (1869-2010) [21]

 

Quadro 6. Declínio da Proporção do Salário Global [22]

 

 

Notas de rodapé

5) Veja por exemplo, Michael Pröbsting: O Fracasso Catastrófico da Teoria do "Catastrofismo". Sobre a Teoria Marxista do Colapso Capitalista e sua Interpretação Errônea pelo Partido Obrero (Argentina) e seu "Comitê Coordenador para a Refundação da Quarta Internacional", CCRI Pamphlet, maio de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/the-catastrophic-failure-of-the-theory-of-catastrophism/; CCRI: O Avanço da Contra-Revolução e a Aceleração das Contradições de Classe Marcam a Abertura de uma Nova Fase Política. Teses Sobre a Situação Mundial, as Perspectivas da Luta de Classes e as Tarefas dos evolucionários (janeiro de 2016), capítulos II e III, em: Comunismo Revolucionário nº 46, http://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2016/; Michael Pröbsting: Perspectivas Mundiais 2018: Um Mundo Repleto de Guerras e Levantes Populares. Teses sobre a situação mundial, as perspectivas da luta de classes e as tarefas dos revolucionários, RCIT Books, Viena 2018, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2018/; Michael Pröbsting: O Grande Roubo do Sul. Continuidade e mudanças na superexploração do mundo semicolonial pela Monopólio do capital. Consequências para a teoria Marxista do Imperialismo, livros de RCIT, Viena 2013, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/ ; Michael Pröbsting: Imperialismo, Globalização e o Declínio do Capitalismo (2008), em: Richard Brenner, Michael Pröbsting, Keith Spencer: A Trituração do Crédito-uma análise Marxista, Londres 2008, https://www.thecommunists.net/theory/imperialism-and-globalization/

6) Deepak Nayyar: O Sul na Economia Mundial: Passado, Presente e Futuro, Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD, papel ocasional 2013/01, p. 6

7) Leon Podkaminer: É O Comércio que Conduz o Crescimento Econômico global, Instituto de Viena para Estudos económicos internacionais 2016, documento de trabalho 131, p. 3

8) UNCTAD: Relatório de Comércio e Desenvolvimento 2018, Nova York e Genebra, 2018, p. 37

9) UNCTAD: Relatório do Comércio e desenvolvimento 2016, Nova York e Genebra, 2016, p. 32

10) UNCTAD: Relatório do Comércio e Desenvolvimento 2017, Nova York e Genebra, 2017, p. 2

11) S.L. Wygodski: der gegenwärtige Kapitalismus (1969), Berlim 1972, p. 387

12) As estatísticas são compiladas a partir de dois relatórios diferentes da ONUDI: ONUDI: desenvolvimento industrial Relatório 2002/2003. Competindo através da Inovação e Aprendizagem, p. 149 (para o ano 1985); UNIDO: relatório de desenvolvimento industrial 2018. Demanda por Manufatura: Condução Inclusiva e Desenvolvimento industrial sustentável, p. 200 (para o ano 2015)

13) OMC: Relatório do Comércio Mundial 2017. Comércio, tecnologia e emprego, p. 22

14) PricewaterhouseCoopers: A visão de longo prazo. Como a ordem econômica global mudará até 2050? Fevereiro de 2017, p. 68. Neste ponto, pode ser útil observar o seguinte. O leitor atento observará que, nas estatísticas oficiais, os números que comparam vários aspectos da força econômica dos EUA, da China e de outros países são diferentes. Eles às vezes diferem tanto quanto em uma estatística, por exemplo, os EUA são o número um e a China número dois e em outra estatística, um é o mesmo assunto, é o outro é redondo. A razão para isso é que padrões diferentes são usados. Às vezes, os economistas dão números sobre o produto interno bruto na paridade do poder de compra, que ajusta as diferenças no nível de preços entre os países e, às vezes, dão números sobre o produto interno bruto às taxas de câmbio do mercado. Ambas as metodologias têm suas vantagens. O PIB na PPP é um indicador melhor dos padrões médios de vida ou volumes de produtos ou insumos, porque corrige as diferenças de preços entre países em diferentes níveis de desenvolvimento. No entanto, o PIB nos MERs é uma medida melhor do tamanho relativo das economias na comparação internacional, uma vez que compara todas as economias pelo mesmo padrão. Como os níveis de preços são significativamente menores nos países menos desenvolvidos, olhar para o PIB nas PPPs reduz a diferença de renda com as economias avançadas em comparação com o uso das taxas de câmbio do mercado. Em nossa opinião, é preferível comparar diferentes países usando o PIB a taxas de câmbio do mercado. De qualquer forma, independentemente de se usarmos PPP ou MER, a dinâmica do desenvolvimento econômico nas últimas décadas é a mesma: o velho declínio da potência imperialista e a China e outros países se elevam.

15) Veja por exemplo Michael Pröbsting: O Grande Roubo do Sul, pp. 382-394

16) Michael Pröbsting: O Grande Roubo do Sul, capitulo 14ii), pp. 389-390, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/

17) Tomohiro Omura: A Maturidade das Economias Emergentes e Novos Desenvolvimentos Economia Gobal, Relatório Mensal do Instituto global de Estudos Estratégicos da Mitsui, abril de 2017, p. 4

18) Reservas de ouro da Rússia excedem 2.000 toneladas pela primeira vez, 02 Nov 2018, http://www.pravdareport.com/news/russia/economics/02-11-2018/141931-russiangold-0/

19) Marx considerou que esta é a lei mais importante do capitalismo: “Esta é, em todos os aspectos, a lei mais importante da economia política moderna e a mais essencial para compreender as relações mais difíceis. É a lei mais importante do ponto de vista histórico. É uma lei que, apesar de sua simplicidade, nunca foi compreendida e, menos ainda, conscientemente articulada. ”(Karl Marx: Grundrisse der Kritik der politischen Ökonomie; in: MECW Vol. 29, p. 133)

20) Veja por exemplo, Richard Brenner, Michael Pröbsting, Keith Spencer: A Trituração do Crédito-uma análise Marxista, Londres 2008

21) Esteban Ezequiel Maito: A Transitoriedade Histórica do Capital. A tendência descendente na taxa de lucro desde o século XIX, 2014, p. 13

22) Para a nossa caracterização geral da composição da classe trabalhadora mundial e das alterações nas últimas décadas nos referimos, entre outros, Michael Pröbsting: Marxismo e a Tática da Frente Única Hoje; A luta pela hegemonia proletária no movimento de Libertação em nos Países semicoloniais e Países imperialistas no presente período, RCIT Books, Viena 2016, capítulo III, https://www.thecommunists.net/theory/book-united-front/


 

 

 

II. Ofensiva Global dos Capitalistas contra a Classe Trabalhadora

 

Para deter essa tendência de queda da taxa de lucro, os capitalistas estão acelerando seus ataques à classe trabalhadora. Isto tanto é verdade com relação aos antigos países imperialistas, assim como com as novas Grandes Potências China e a Rússia, assim como os capitalistas dos países semicoloniais. Isso se reflete, entre outras coisas, no declínio da massa salarial na renda da maioria dos países - tanto ao Norte quanto ao Sul. [23]

Loukas Karabarbounis e Brent Neiman, dois economistas que publicaram estudos pesquisados sobre esse assunto, chegaram à conclusão de que a massa salarial global declinou de aproximadamente 64% em 1975 para cerca de 59% em 2012. (Ver Quadro 6)

Vemos a mesma situação em outro quadro que mostra os encargos trabalhistas de todas as Grandes potências, assim como outros países do G20. (Veja a quadro 7) De acordo com esta estatística, os ajustamentos dos encargos trabalhistas diminuíram entre 1991-2011 de cerca de 63% para 58%.

Mesmo o Fundo Monetário Internacional (FMI) - conhecidamente uma instituição pouco amigável aos movimentos trabalhistas - tem que admitir esse fato. Em um grande estudo, o FMI descobriu:

“Em uma amostra de 35 economias avançadas, entre 1991 e 2014, o peso dos salários declinou em 19 economias, o que representou 78 por cento do PIB da economia avançada de 2014, e subiu ou permaneceu relativamente estável no restante. A dispersão global entre países em relação ao peso dos salários é consideravelmente maior em mercados emergentes e em economias avançadas. Numa amostra de 54 mercados emergentes e economias em desenvolvimento (para o qual, em média, o declínio do peso salarial durante o período da amostra está concentrado no início da década de 1990), o peso dos salários diminuiu em 32 economias, o que representou cerca de 70% do PIB dos mercados emergentes de 2014 ” [24]

No Quadro 8, vemos os números do FMI para o desenvolvimento da quota de trabalho ajustada nos anos 1980-2014 para os antigos países imperialistas ("economias avançadas"), assim como para os outros países.

 

Quadro 7. A Massa Salarial Global Ajustadas e Não Ajustadas em Países Selecionados do G20, 1991-2011 [25]

 

Quadro 8. Evolução da Massa Salarial Ajustada (percentual) [26]

 

 

Quadro 9. Declínio da Massa Salarial nas Maiores Economias [27]

 

 

Quadro 10. Declínio da Massa Salarial nas Maiores Economias Em Desenvolvimento [28]

 

Nos quadros 9 e 10, vemos um colapso do desenvolvimento da massa salarial em um conjunto de países importantes - os EUA, Japão, Alemanha, China, Índia, México e Colômbia. Mais uma vez, com exceção do último país, a dinâmica igualmente declinante. [29]

O custo desses ataques capitalistas foi jogado nas costas da massa da classe trabalhadora – ou seja, trabalhadores de baixa e média qualificação, como confirmam os autores do estudo elaborado pelo FMI em outro trabalho de pesquisa. Apenas o setor dos trabalhadores com salário superior, em que muitas vezes fazem parte da aristocracia operária privilegiada, foi capaz de aumentar sua parcela de renda. (Veja o Quadro 11)

“O declínio da massa salarial global foi jogado nas costas dos trabalhadores de mão-de-obra de faixa salarial baixa e média. Durante o período de 1995 a 2009, sua participação combinada no rendimento do trabalho foi reduzida em mais de 7 pontos percentuais, enquanto a quota global de mão-de-obra altamente qualificada aumentou em mais de 5 pontos percentuais”. [30]

 

Quadro 11. Evolução da Massa Salarial e da Composição da Força de Trabalho por Nível de Habilidade ( em percentual) [31]

 

Quadro 12. Massa Salarial por Competências, conforme definido pela Formação dos Trabalhadores, 1995-2009 (Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Coréia do Sul, Turquia) [32]

 

Quadro 13. Principais 1% de rendimentos de ações em todo o mundo, 1980–2016 [33]

 

O quadro 12 mostra o desenvolvimento massa salarial nos rendimentos nos anos 1995-2009 na China, assim como em sete outros importantes avançados países semicoloniais. Como podemos ver, em todos os países, exceto no Brasil, a massa salarial diminuiu. Nestes países, a participação nos rendimentos dos estratos médio e inferior do a classe trabalhadora está declinando enquanto a parcela dos estratos superiores aumenta.

O desenvolvimento reverso de tal declínio dos salários dos trabalhadores tem sido o aumento dos lucros dos capitalistas. Nós nos contentamos em reproduzir os números da recém-publicada e altamente informativo Relatório da Desigualdade Mundial 2018 (World Inequality Report 2018), que demonstra a evolução das principais participações de 1% regiões do mundo entre 1980 e 2016. (Veja o quadro 13)

Nós elaboramos mais detalhadamente sobre o caráter global dos ataques à classe trabalhadora por várias razões. Primeiro, queremos demonstrar a validade da lei marxista de que a classe capitalista, diante do declínio de seu modo de produção, tenta aumentar a mais-valia reduzindo sistematicamente massa salarial.

Em segundo lugar, o caráter profundo da deterioração do padrão de vida dos trabalhadores aumenta o desejo da burguesia imperialista de confundir e manipular a classe trabalhadora através do chauvinismo, ou seja do nacionalismo exacerbado) e da agressividade bélica, a fim de desviar seu ódio do verdadeiro culpado, ou seja, a burguesia imperialista, e contra seus próprios irmão e irmãs de classe ( a classe trabalhadora).

Em terceiro lugar, é importante tomar nota dos fortes ataques à massa do proletariado (a maioria com baixa e média qualificação profissional) nos países imperialistas, pois objetivamente enfraquece a base material da lealdade desta classe trabalhadora ao estado imperialista e, daí consequentemente enfraquece a lealdade a “sua” burguesia. Isto, por sua vez, cria as pré-condições férteis no terreno para a política do derrotismo revolucionário, ou seja, a luta de classes contra os mestres imperialistas.

Finalmente, é crucial reconhecer as tendências divergentes nos rendimentos salariais entre os estratos superiores do proletariado e os estratos médio e inferior. O relativo desenvolvimento positivo da parte da renda dos extratos superiores constitui uma base objetiva e material para as tendências aristocráticas e pró-imperialistas, isto é, social-imperialistas, entre este setor privilegiado da classe trabalhadora.

 

Notas de rodapé

23) Loukas Karabarbounis e Brent Neiman: O Declínio Global da participação no trabalho, NBER Documento de trabalho 19136, junho 2013, p. 35

24) FMI: Perspectivas Económicas Mundiais: Ganhando Impulso? Washington, abril 2017, p. 126

25) A Participação do Trabalho nas Economias do G20, Relatório da Organização Internacional do Trabalho e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento economicos com Contribuições do Fundo Monetário Internacional e o Grupo Banco Mundial, relatório elaborado para o emprego do G20 Working Group, Antalya, Turquia, 26-27 fevereiro 2015, p. 5

26) FMI: Perspectivas Econômicas Mundiais: Ganhando Impulso? Washington, abril 2017, p. 133

27) Loukas Karabarbounis e Brent Neiman: O Declínio Global da Participação no Trabalho (e Pensamentos), Universidade de Chicago, março 2014, p. 11

28) Loukas Karabarbounis e Brent Neiman: O Declínio Global da Participação no Trabalho, trimestral Journal of Economics (2014), apresentado por Sergio Feijoo, 29 de março de 2017, p. 6

29) Através de uma nota secundária, chamamos a atenção para o declínio maciço da Massa Salarial na China. É um golpe severo para o mito espalhado pelos defensores stalinistas e semi-stalinistas do capitalismo "comunista" da China. Enquanto eles defendem o modelo da China como “socialismo” ou pelo menos “estado operário degenerado ”, a realidade é que uma parcela crescente da renda entra nos bolsos dos capitalistas, enquanto parte do trabalhador declina. (Veja também os quadros 9, 10, 12 e 23.)

30) Mai Chi Dao, Mitali Das, Zsoka Koczan, Weicheng Lian: Por que o Trabalho Recebe uma Parcela Menor da Renda Global? Teoria e Evidência Empírica. Documento de trabalho do FMI, julho de 2017, pp. 14-15

31) FMI: Perspectivas Econômicas Mundiais: Ganhando Impulso? Washington, abril de 2017, p. 128

32) Alexander Guschanski e Özlem Onaran: Por que a Participação dos Salários está caindo nas economias emergentes? Evidência do nível da indústria, Universidade de Greenwich, 2017, p. 18

33) Facundo Alvaredo, Lucas Chancel, Thomas Piketty, Emmanuel Saez, Gabriel Zucman: Relatório da Desigualdade no Mundo, 2018, p. 44

 



 

III. O Capitalismo e a Crescente Importância da Imigração

 

Um setor crucial da classe trabalhadora, que se torna cada vez mais importante nos países imperialistas, são os imigrantes. Como temos abordado extensivamente em outras publicações, essa camada da classe trabalhadora é nacionalmente oprimida e economicamente super-explorada, ou seja, os capitalistas obtêm lucros extra do trabalho dos imigrantes. [34]

A migração do Sul para o Norte imperialista se acelerou nas décadas passadas, em função do crescente empobrecimento e o crescente número de guerras, assim como de catástrofes ambientais nos países semicoloniais. Além disso, os capitalistas têm encorajado cada vez mais um processo de importação de imigrantes dos países mais pobres para as metrópoles imperialistas, a fim de explorá-los como mão-de-obra barata. O pano de fundo para isso é, por um lado, o desejo dos capitalistas de reduzir os custos salariais (assim como os custos da educação). Por outro lado, os estados imperialistas enfrentam uma redução constante da força de trabalho dos jovens. [35]

Um executivo de negócios holandês declarou, em entrevista ao Wall Street Journal, que “a União Europeia terá 32 milhões de pessoas a menos até 2050. Esse número pode chegar a 50 milhões, porque uma parte substancial da população ainda não tem uma educação de boa qualidade. Pode-se fazer o que quiser, mas um aumento na produtividade não ajudará, aumentando a idade de aposentadoria não vai ajudar, você terá que trabalhar no assunto relativo à imigração. Não há escolha”. [36]

A situação nos EUA não é muito melhor. De acordo com os dados do United States Census Bureau (Escritório do Censo dos Estados Unidos), para cada 100 americanos em idade ativa, há atualmente 21 com 65 anos ou mais. No entanto, esse índice aumentará para 35 até o ano 2030. [37]

Da mesma forma, o Boston Consulting Group estima que o superávit da China no ano 2020 (cerca de 55,2 milhões a 75,3 milhões de trabalhadores) poderia se reverter drasticamente, chegando a uma escassez de até 24,5 milhões de pessoas até 2030. [38] Segundo a última edição da ONU World Population Perspects, a população da China deverá diminuir de 1,409 milhões (2017) para 1,020 milhões (2100). [39]

A Rússia também enfrenta perspectivas de escassez de mão-de-obra. O Ministério das Finanças de Putin prevê um declínio de 4% na população ativa até 2035. A ONU prevê um declínio da população do país de 144 milhões (2017) para 140,5 milhões (2030), 132,7 milhões (2050) e 124 milhões (2100). [40] O Instituto para Análise Social e Previsões da Academia Presidencial Russa de Economia Nacional e Administração Pública (RANEPA) vê a força de trabalho encolher cerca de 0,8-0,9 milhões de pessoas por ano até 2025. A força de trabalho da Rússia, que subiu desde 1999, ficou em 76,3 milhões de pessoas em julho de 2017, uma queda de 1 milhão no ano anterior. [41]

Como resultado destes desenvolvimentos, nas últimas décadas, milhões de pessoas do hemisfério Sul conseguiram alcançar as regiões relativamente ricas da América do Norte, Europa Ocidental e Oceania. (Veja também a Figura 14) Nos EUA, a proporção de imigrantes entre a população geral aumentou de 5,2% (1960) para 12,3% (2000) para mais de 14% (2010) e 16% (2017). Na Europa Ocidental, a participação dos imigrantes na população cresceu de cerca de 4,6% (1960) para quase 10% (2010) e 14,4% (2017). [42]

As Nações Unidas estimam em seu último relatório de migração: “Entre 2000 e 2015, a migração líquida positiva contribuiu com 42% do crescimento populacional na América do Norte e 31% na Oceania. Na Europa, o tamanho da população teria diminuído durante o período 2000-2015 na ausência de migração líquida positiva ”. [43]

A Rússia, uma potência imperialista emergente, experimenta também um processo massivo de migração, em particular das repúblicas da Ásia Central. Segundo as estatísticas oficiais, aproximadamente 11,6 milhões de imigrantes legais residem atualmente dentro da Rússia. Além disso, outros 5 a 8 milhões de imigrantes entraram ilegalmente no país para trabalhar lá. O número oficial da parcela de imigrantes na população da Rússia é de 8,1%. No entanto, existem estimativas que calculam uma parcela maior de imigrantes na Rússia. [44]

O papel dos imigrantes é ainda mais significativo do que estes números indicam, pois estão concentrados nas áreas metropolitanas dos países imperialistas. Já nos primeiros anos da década de 2000, metade de todos os trabalhadores residentes em Nova York eram negros, latinos ou pertenciam a outra minoria nacional. Nas regiões interna e externa de Londres, respectivamente 29% e 22%, dos residentes eram de minorias étnicas em 2000. [45] Na Áustria, os imigrantes constituem oficialmente 19,4% da população total, e em Viena, a capital, esta percentagem é superior com 38,5%. (Se incluirmos a segunda e terceira geração de imigrantes, essa parcela será ainda maior.) Cerca de 2/3 desses imigrantes vêm dos Bálcãs, da Europa Oriental ou da Turquia.

 

 

Figura 14. População Estrangeira e Cidadãos Estrangeiro em 2013 (porcentagem da população total) [46]

 

Ao contrário do mito espalhado pelos populistas de direita, a migração não é a causa da pobreza e do desemprego. De fato, como demonstramos em outros trabalhos, os imigrantes são super-explorados e contribuem mais para a riqueza nacional de seu novo país do que o que recebem. Para dar apenas alguns exemplos: na Áustria, os imigrantes pagaram 1,6 mil milhões de euros pelo serviço social em 2007, mas receberam apenas 0,4 mil milhões de benefícios sociais. Assim, o Estado austríaco se apropriou de 1,2 bilhão de euros somente naquele ano e o utilizou para outros fins. [47] Este exemplo do ano de 2007 não é exceção, mas sim a regra, como outros estudos mostraram. [48]

Outro exemplo de como os capitalistas lucram com o trabalho dos imigrantes pode ser visto na Grã-Bretanha. Segundo o então ministro da migração, Liam Byrne, a "economia britânica" ganhou cerca de 6 bilhões de libras no ano de 2006. Segundo o então ministro das Finanças do Reino Unido, a mão-de-obra dos imigrantes era responsável por 15% a 20% do crescimento econômico na Grã-Bretanha nos anos 2001-2006. [49] Em nossos estudos sobre migração citados acima, nós vemos muitos outros exemplos dessa forma de superexploração capitalista. [50]

Um estudo publicado recentemente chegou às mesmas conclusões. De acordo com a Resolution Foundation, a diferença salarial entre as etnias representou “um enorme impacto no nível de vida das pessoas afetadas”. Funcionários de minorias étnicas e os negros estão perdendo £ 3,2 bilhões de libras por ano em salários, em comparação com os colegas brancos fazendo o mesmo trabalho. Depois de levar em conta as diferenças nas qualificações médias e tipos de trabalho, a análise da Fundação de Resolução descobriu que a diferença subiu para até 17%, ou 3,90 por hora, pelo pagamento dos homens negros graduados. Verificou-se que os graduados masculinos paquistaneses e bengaleses obtiveram uma média de £ 2,67 por hora (12%) a menos, enquanto entre mulheres formadas, as mulheres negras enfrentaram a maior diferença, de £ 1,62 por hora (9%). [51]

O mesmo fenômeno pode ser observado na Rússia. Por exemplo, os imigrantes são obrigados a pagar taxas de vários milhares de rublos para obter uma licença para trabalhar. Em Moscou, esses pagamentos estão trazendo ainda mais receitas para o orçamento do que os impostos das empresas petrolíferas! [52]

Em resumo, dado o número crescente de imigrantes nos estados imperialistas, a intensificação do racismo e da opressão nacional contra os imigrantes nestes países e a contínua super-exploração deles como mão-de-obra barata, podemos afirmar, sem dúvida, a crescente importância da imigração tanto para o capitalismo, assim como pela luta de libertação da classe operária internacional.

 

* * * * *

 

Podemos comparar, até certo ponto, o papel dos imigrantes nos países imperialistas com o papel das nações oprimidas nos estados imperialistas antes de 1918. A Rússia e o Império Austro-Húngaro tinham uma população com uma maioria pertencente a nações oprimidas. Grandes setores da população dos EUA eram negros ou imigrantes. Como todos sabem, a questão nacional desempenhou um papel fundamental no colapso do Império Russo e Austro-Húngaro. (Os EUA conseguiram administrar melhor essa questão, pois ainda era uma potência imperialista em ascensão).

Obviamente, existem diferenças importantes entre os imigrantes atuais e as minorias nacionais nos estados naquela época. Os imigrantes não constituem a maioria da população nos países imperialistas ocidentais. Mas eles são certamente mais significativos do que os imigrantes e as minorias nacionais que estavam na maioria dos países ocidentais antes de 1918. Além disso, a maioria das minorias nacionais naquela época era mais "atrasada" em seu desenvolvimento capitalista do que a nação dominante. Assim, a participação do proletariado dessas nações oprimidas era menos do que a média desses estados, enquanto a parcela do campesinato e da pequena burguesia urbana estava acima da média. Esta realidade é completamente diferente com os imigrantes atuais, pois a maioria deles faz parte da classe trabalhadora ativamente empregada no processo de trabalho. [53] Assim, de fato, os imigrantes nos antigos países imperialistas são ainda mais proletários em sua composição do que a população nativa.

 

* * * * *

 

Em um livro publicado há 50 anos, Ernest Mandel discutiu as dificuldades objetivas para que a classe trabalhadora europeia desenvolvesse uma consciência internacionalista. Ele apontou as dificuldades materiais e culturais para os trabalhadores europeus entrarem em contato com trabalhadores de outros países, uma vez que, naquela época, os trabalhadores dificilmente tinham dinheiro suficiente para fazer férias no exterior ou para aprender línguas estrangeiras. Ele também atacou a burocracia reformista do movimento dos trabalhadores por dificultar ou mesmo lutar contra qualquer orientação internacionalista. [54]

No entanto, houve mudanças importantes desde então. Os custos de transporte foram reduzidos, tornando as viagens ao exterior muito mais fáceis para os trabalhadores europeus. O nível cultural também melhorou, pois, aprender inglês na escola tornou-se obrigatório. Além disso, a classe trabalhadora na Europa tornou-se muito mais multinacional em sua composição. Uma parte crescente dos trabalhadores - os imigrantes - tem uma consciência que excede as fronteiras nacionais, não porque sejam inerentemente mais progressistas ou internacionalistas do que os trabalhadores nativos, mas simplesmente porque continuam a ter numerosos laços com seu país de origem. Por isso, eles estão naturalmente mais interessados em (algumas) questões internacionais. O forte interesse e identificação dos imigrantes árabes na Europa com a Revolução Árabe desde 2011 ou a forte solidariedade dos imigrantes muçulmanos com a luta de libertação na Palestina são exemplos vívidos desse fato. [55]

Outro exemplo de consciência internacionalista espontânea entre os imigrantes são os famosos slogans das caravanas de migrantes da América Central que marcham para os EUA: “¡No somos criminosos! ¡Somos trabajadores internacionales! ”(“Não somos criminosos! Somos trabalhadores internacionais!”)

Como os migrantes não fazem parte da nação nativa dominante, mas sim das minorias nacionalmente oprimidas, a grande maioria deles tem uma identificação substancialmente menor com sua nova "pátria" imperialista do que a população nativa, predominantemente nacional. Isto é comprovado simbolicamente em cada partida de futebol entre um país imperialista e a pátria original dos imigrantes que vivem no estado imperialista em questão. Nesses casos, os imigrantes estarão sempre do lado entusiasta da sua pátria original e não do país de acolhimento imperialista (ver, por exemplo, jogos de futebol entre Alemanha ou Áustria contra a Turquia ou um ex-país iugoslavo; França contra a Argélia; os EUA contra o México). Em muitos casos, os torcedores imigrantes da "equipe visitante" superam em número os torcedores do "time da casa". É verdade que existem alguns alpinistas sociais e "super-patriotas" colaboracionistas entre os imigrantes, mas a imensa maioria dos imigrantes continua a identificar-se mais com a sua pátria original, semicolonial, do que com o novo país imperialista que o acolheu.

Isto tem consequências importantes para o clima político e a estabilidade social dos antigos países imperialistas, pois a classe dominante tende a contar menos com a lealdade incondicional da sua população com o seu estado-nação do que no passado. Tal desenvolvimento tem consequências importantes para situações em que a classe dominante chamará sua população para se unir à bandeira chauvinista de “defesa nacional” contra uma “ameaça estrangeira”. A observação de Trotsky na década de 1930 sobre o papel potencialmente importante da minoria negra nos EUA na luta contra a guerra imperialista, dado seu patriotismo limitado em um país que os reprime brutalmente, ganha relevância real no caso dos imigrantes de hoje. [56]

Além disso, os imigrantes podem desempenhar um papel importante, pois estão vindo do Sul e vivem agora na América do Norte, Europa Ocidental ou Rússia. Eles podem constituir uma espécie correia de transmissão entre as duas partes do mundo: eles podem trazer o espírito de luta militante de seus países de origem para o norte e transmitir várias habilidades e experiências do norte ao Sul.

Tal multi-nacionalização também tem efeitos profundos para a consciência dos trabalhadores nativos da Europa Ocidental. É verdade que alguns setores se tornam mais chauvinistas. Isso é frequentemente causado por uma desorientação e retrocesso em sua consciência política como resultado de décadas de traição pela burocracia trabalhista e a consequente ascensão de partidos populistas de direita. Tal desenvolvimento também é facilitado por um certo “instinto aristocrático” dos trabalhadores da Europa Ocidental em relação aos “estrangeiros” dos países mais pobres - isso é resultado do fato de que eles vivem em países que dominaram o mundo por séculos e do fracasso do reformismo em ajudar trabalhadores a superar tal "consciência aristocrática".

Além disso, a classe trabalhadora não é (e não consegue ser) imune à influência da pequena burguesia e da camada intermediária. Além disso, é preciso levar em conta certas diferenças no desenvolvimento da consciência dos trabalhadores nas áreas metropolitanas (que geralmente têm uma composição mais multinacional) e aquelas no campo (que geralmente têm uma parcela menor de imigrantes).

Por outro lado, existe também um setor significativo da classe trabalhadora da Europa nativa que se solidariza com os refugiados, que os ajudou em 2015, quando muitos chegaram, que rejeitam a islamofobia e que apoiam os direitos dos refugiados de entrar em seus países. É verdade que às vezes esse setor é maior e domina a “opinião pública” (por exemplo, no outono de 2015 e primavera de 2016) mas em outras vezes são os racistas reacionários que dominam. Mas isso não significa que os setores solidários não existam. Eles são menos visíveis para a “opinião pública” burguesa. Seja como for, este sector, juntamente com os imigrantes, desempenhará um papel primordial na construção da resistência da classe trabalhadora e dos partidos revolucionários na Europa.

 

Notas de rodapé

34) Veja neste exemplo Michael Pröbsting: Migração e super-exploração: a teoria marxista e o papel da migração no presente período de decaimento capitalista, em: Critique: Journal of Socialist Theory (Volume 43, Issue 3-4, 2015), pp. 329-346; Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South, Chapter 9, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/; Michael Pröbsting: Marxismus, Migration und revolutionäre Integration (2010); in: Der Weg des Revolutionären Kommunismus, Nr. 7, http://www.thecommunists.net/publications/werk-7 . Um resumo deste estudo em inglês: Michael Pröbsting: Marxism, Migration and revolutionary Integration, in: Revolutionary Communism, No. 1 (English-language Journal of the RCIT), http://www.thecommunists.net/oppressed/revolutionary-integration/

35) Veja neste exemplo McKinsey Global Institute: Crescimento global: a produtividade pode salvar o dia em um mundo que está envelhecendo? January 2015, p. 34; Lukasz Rachel and Thomas D Smith: Fatores seculares da taxa de juros real global, Bank of England, Staff Working Paper No. 571, December 2015

36) Andre Sterk and Robin van Daalen: Imigração Mantém a Chave para escassez de mão-de-obra, Wall Street,Journal,June 28, 2011, https://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304314404576411362925170744

37) Arthur S. Guarino: As Implicações econômicas do Envelhecimento da População Global, 02.08.2018, https://www.focus-economics.com/blog/economic-implications-of-an-aging-global-population

38) Boston Consulting Group: A Crise Global da Força de Trabalho: US$ 10 trilhões em risco, BCG Report, June 2014, p. 4

39) Perspectivas da População Mundial, The 2017 Revision. Principais Conclusões e Tabelas Avançadas, Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, Divisão de População, New York, 2017, p. 24

40) Perspectivas da População Mundial, The 2017 Revision, p. 26

41) Denis Pinchuk, Maria Kiselyova: "Nenhum milagre": Escassez de mão-de-obra para atingir o PIB da Rússia,Reuters,October 3, 2017 ,https://www.reuters.com/article/us-russia-labour-demography/no-miracles-labor-shortage-set-to-hit-russias-gdp-idUSKCN1C80CY

42) Veja Rainer Münz/Heinz Fassmann: Migrantes na Europa e sua Posição Econômica: Evidência da Pesquisa Europeia às Forças de Trabalho e de Outra Fontes (2004), pp. 5-6; Carlos Vargas-Silva: Global International Migrant Stock: The UK in International Comparison (2011), www.migrationobservatory.ox.ac.uk,, p. 5; Nações Unidas: Relatório Internacional de Migração 2017,Highlights, New York, 2017, pp. 29-30. A terceira região onde os migrantes desempenham um papel importante são nos estados produtores de petróleo no Oriente Médio. Nós lidamos com esse caso específico em outro documento. Veja e.g.,Michael Pröbsting: Die halbe Revolution. Lehren und Perspektiven des arabischen Aufstandes, in: Der Weg des Revolutionären Kommunismus, Nr. 8 (2011), p. 14, http://www.thecommunists.net/publications/werk-8

43) Relatório Internacional de Migração 2017. (Destaques), Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas , New York 2017, p. 18

44) Nações Unidas: Relatório Internacional de Migração 2017, Destaques, New York, 2017, p. 29; Irina Sinitsina:Cooperação econômica entre a Rússia e os países da Ásia Central: tendências e perspectiva,, 2012, pp. 38-39

45) Veja Peter Dicken: Global Shift. Mapeando os Contornos da Economia Mundial em Mudança (sexta Edição), The Guilford Press, New York 2011, p. 496

46) Uuriintuya Batsaikhan, Zsolt Darvas e Inês Gonçalves Raposo: Pessoas em movimento: migração e mobilidade na União Europeia, Bruegel Blueprint Series, Volume XXVIII, Bruegel, Bruxelas 2018, p.86

47) See Hans Gmundner: Straches Handlangerdienste, KPÖ, 10.11.07, http://www.kpoe.at/index.php?id=23&tx_ttnews[tt_news]=105&tx_ttnews[backPid]=2&cHash=7fe484e968

48) See Gudrun Biffl: Die Zuwanderung von Ausländern nach Österreich. Kosten-Nutzen-Überlegungen und Fragen der Sozialtransfers (1997), WIFO, p. 8

49) House of Lords (Britain): Relatório - Impacto Econômico da Imigração no Reino Unido (2008), p. 22

50) Veja também Martin Kahanec and Martin Guzi: Como os Imigrantes Ajudaram os Mercados de Trabalho da UE a se Ajustar Durante a Grande Recessão, IZA - Instituto de Economia do Trabalho, Discussion Paper No. 10443, December 2016

51) Kathleen Henehan: The £3.2bn pay penalty facing black and ethnic minority workers, 27 December 2018, https://www.resolutionfoundation.org/media/blog/the-3-2bn-pay-penalty-facing-black-and-ethnic-minority-workers/

52) Доходы Москвы от мигрантов превысили налоги с нефтяных компаний, 6.8.206, https://lenta.ru/news/2016/08/06/migrants_pay/

53) Havia, é claro, algumas exceções, como os poloneses que viviam na Rússia czarista ou o povo checo que vivia no Império Austro-Húngaro. Essas pessoas eram do ponto de vista capitalista mais desenvolvidas do que a nação dominante e, portanto, tinham um proletariado significativo (e militante). Veja isso em e.g. Georg W. Strobel: Die Partei Rosa Luxemburgs, Lenin und die SPD. Der polnische ‚europäische‘ Internationalismus in der russischen Sozialdemokratie; Franz Steiner Verlag, Wiesbaden 1974; Georg W. Strobel: Quellen zur Geschichte des Kommunismus in Polen 1878-1918, Verlag Wissenschaft und Politik., Köln 1968; Raimund Löw: Der Zerfall der Kleinen Internationale: Nationalitätenkonflikte in der Arbeiterbewegung des alten Österreich (1889-1914), Europaverlag, Wien 1984

54) Ernest Mandel: Die EWG und die Konkurrenz Europa – USA, Europäische Verlagsanstalt Frankfurt a.M. 1968, pp. 90-91. Este livro, até onde sabemos, nunca foi publicado em inglês. Para nossa avaliação política de Mandel, um líder central da Quarta Internacional do pós-guerra, tanto em sua fase inicial revolucionária como em seu período de degeneração centrista, encaminhamos os leitores a nosso panfleto Michael Pröbsting: A falha catastrófica da teoria do “catastrofismo”,em: Revolutionary Communism, New Series No.7, June 2018, p.29, https://www.thecommunists.net/theory/the-catastrophic-failure-of-the-theory-of-catastrophism/

55) Os ativistas das seções da CCRI na Europa poderiam ganhar muita experiência prática com esses desenvolvimentos ao longo de muitos anos de estreita colaboração com esses imigrantes, tanto no trabalho de solidariedade com as lutas de libertação no mundo árabe quanto nas atividades contra o racismo e a islamofobia. Veja em Michael Pröbsting: O marxismo e a tática da frente unida hoje. A Luta pela Hegemonia Proletária no Movimento de Libertação nos Países Semi-Coloniais e Imperialistas no Período atual, RCIT Books, Vienna 2016, pp. 116-119, https://www.thecommunists.net/theory/book-united-front/; Veja também vários relatórios no nosso website.

56) “A questão do negro assume uma nova importância. Os negros dificilmente serão patrióticos na próxima guerra”. (Leon Trotsky: For A Courageous Reorientation (1939), in: Writings of Leon Trotsky, 1938-39, p. 349)

 

 

 

IV. Os Critérios Marxistas para uma Grande Potência Imperialista

 

No capítulo seguinte, resumiremos nossa compreensão teórica das consequências da teoria marxista do imperialismo, tal como foi desenvolvida por Lênin, para a respectiva definição de estados imperialistas e estados semicoloniais. [57]

 

Principais Características de um Estado Imperialista e Respectivamente de um Estado Semicolonial

 

Lênin descreveu a característica essencial do imperialismo como sendo a formação de monopólios que dominam a economia. Relacionado a isso, ele apontou a fusão do capital bancário e industrial no capital financeiro, o aumento nas exportações de capital juntamente com a exportação de matérias-primas (commodities), e a luta por esferas de influência, especificamente a luta pelas colônias.

Em O imperialismo e a cisão do socialismo - seu ensaio teórico mais abrangente sobre o imperialismo -, Lênin deu a seguinte definição de imperialismo:

“Temos que começar com uma definição tão precisa e completa do imperialismo quanto possível. O imperialismo é um estágio histórico específico do capitalismo. Seu caráter específico é triplo: o imperialismo é o capitalismo monopolista; capitalismo parasitário ou decadente; capitalismo moribundo. A suplantação da livre concorrência pelo monopólio é a característica econômica fundamental, a quintessência do imperialismo. O monopólio se manifesta em cinco formas principais: (1) cartéis, consórcios e trusts - a concentração da produção atingiu um grau que dá origem a essas associações monopolistas de capitalistas; (2) a posição monopolista dos grandes bancos - três, quatro ou cinco bancos gigantes manipulam toda a vida econômica da América, França, Alemanha; (3) apropriação das fontes de matéria-prima pelos trustes e pela oligarquia financeira (capital financeiro é o monopólio do capital industrial que se fundiu com o capital dos bancos); (4) a partilha (econômica) do mundo pelos cartéis internacionais já começou. Já existem mais de cem cartéis internacionais, que comandam o mercado mundial inteiro e o dividem “amigavelmente” entre si - até que a guerra obrigue a redistribuição. A exportação de capital,como fenômeno particularmente característico, diferentemente da exportação de mercadorias no capitalismo pré-monopolista, está intimamente ligada à divisão econômica e territorial-política do mundo; (5) a partilha territorial do mundo (colônias) está completa.” [58]

Uma falha generalizada na definição do caráter de classe dos estados é tentar analisá-los isoladamente. Um leva a esse ou aquele dado econômico de riqueza, a este ou aquele número variável de corporações e deriva deles o suposto caráter de classe de um determinado estado. No entanto, tal abordagem não é apropriada para os marxistas, pois está em contradição fundamental com o método no qual nossa visão de mundo filosófica é baseada. É impossível chegar a um entendimento correto sem abordar essa questão do ponto de vista da dialética materialista. Este método, que é a base metodológica do marxismo, nos obriga a analisar a cada coisa, cada fenômeno não isoladamente, mas em relação uns aos outros.

Abram Deborin, o principal filósofo marxista da URSS nos anos 1920, antes da repressão estalinista, formulou esta questão muito bem. “Nada no mundo existe em si mesmo, mas tudo existe em relação ao resto da totalidade.” [59]

Tal visão é baseada na visão dialética das coisas e seu desenvolvimento o qual Lênin formulou tão precisamente em 1915 em seu artigo filosófico Sobre a Questão da Dialética. Neste artigo, Lênin enfatizou que é fundamental entender que o desenvolvimento (ou evolução) em geral se baseia na unidade de opostos, uma unidade caracterizada pela luta e interação ou, em outras palavras, relações de contradições em movimento permanente.

“As duas concepções básicas (…) de desenvolvimento (evolução) são: desenvolvimento como diminuição e aumento, como repetição, e desenvolvimento como uma unidade de opostos (a divisão de uma unidade em opostos mutuamente exclusivos e sua relação recíproca). Na primeira concepção de movimento, o auto - movimento, sua força motriz, sua fonte, seu motivo, permanece na sombra (ou essa fonte é feita externamente - Deus, sujeito, etc.). Na segunda concepção, a principal atenção é dirigida precisamente ao conhecimento da fonte do "eu" - movimento. A primeira concepção é sem vida, pálida e seca. O segundo é o viver. O segundo sozinho fornece a chave para o “auto-movimento” de tudo o que existe; só ela fornece a chave para os "saltos", para a "quebra na continuidade", para a "transformação no oposto", para a destruição do antigo e o surgimento do novo. A unidade (coincidência, identidade, ação igual) dos opostos é condicional, temporária, transitória, relativa. A luta dos opostos mutuamente exclusivos é absoluta, assim como o desenvolvimento e o movimento são absoluto.” [60]

Abordar as coisas, incluindo os estados, analisando-as em relação aos outros é a base fundamental para chegar a um entendimento correto. Assim, um determinado estado deve ser visto não apenas como uma unidade separada, mas antes de mais nada em sua relação com outros estados e nações. Da mesma forma, a propósito, as classes só podem ser entendidas em relação de uma com a outra. Isso é evidente porque os estados, por definição, não poderiam existir isoladamente, mas apenas porque outros estados existem também. O mesmo acontece, novamente, no caso das classes: não há burguesia sem classe trabalhadora. Não há grandes latifundiários sem trabalhadores rurais e camponeses. Da mesma forma, não há estados imperialistas sem colônias e semicolônias. Não há uma única Grande Potência, mas várias Grandes Potências que estão em rivalidade umas com as outras. [61]

Observamos, à parte, que o teórico centrista alemão Karl Kautsky desenvolveu em 1914 uma teoria segundo a qual as leis econômicas do capitalismo levariam a burguesia a superar o estágio do imperialismo e a entrar em um estágio chamado “ultra-imperialismo”. Essa época seria caracterizada por uma crescente exploração da classe trabalhadora, assim como a crescente exploração dos países coloniais e semicoloniais. Ao mesmo tempo, as potências imperialistas superariam cada vez mais as suas rivalidades e se uniriam numa única confiança ou aliança imperialista. No entanto, esta teoria do ultra-imperialismo foi totalmente refutada pela história do século XX. Porém, existem hoje vários teóricos revisionistas que defendem uma releitura desta teoria sugerindo que o imperialismo moderno seria caracterizado não pela rivalidade entre as Grandes Potências, mas pela existência de um “Império” global (por exemplo, as obras de Negri, Panitch, Gindin, etc). De fato, aqueles marxistas que negam o caráter imperialista da China e da Rússia e que afirmam que existe apenas um bloco imperialista mais ou menos unido, liderado pelos EUA, aproxima-se muito da teoria do ultra-imperialismo de Kautsky! [62]

 A comparação entre estados e classes neste contexto é particularmente válida dado o fato de que os estados, no entendimento marxista, são “corpos especiais de homens armados que servem à classe dominante”, como Lênin colocou em 1917 em seu famoso livro O Estado e a Revolução. [63]

A formação de monopólios e Grandes Potências levou cada vez mais à divisão do mundo inteiro em diferentes esferas de influência entre os estados imperialistas rivais e a subjugação da maioria dos países sob essas poucas Grandes Potências. Daí segue uma característica essencial da análise de Lênin (e de Trotsky) do imperialismo: a caracterização da conexão entre as nações imperialistas e a grande maioria das pessoas que vivem nos países capitalistas menos desenvolvidos como uma relação de opressão. De fato, Lênin, e seguindo-o, Trotsky também chegou à conclusão de que essa divisão das nações do mundo em nações opressoras e oprimidas é uma das características mais importantes da época imperialista:

“Imperialismo significa a opressão progressivamente crescente das nações do mundo por um punhado de Grandes Potências (…) É por isso que o ponto focal no programa social-democrata deve ser aquela divisão das nações em opressor e oprimido que forma a essência do imperialismo. e é iludida pelos social-chauvinistas e Kautsky. Essa divisão não é significativa do ponto de vista do pacifismo burguês ou da utopia filistina da competição pacífica entre nações independentes sob o capitalismo, mas é mais significativa do ponto de vista da luta revolucionária contra o imperialismo. ” [64]

A partir disso, Lenin concluiu que a divisão entre nações oprimidas e opressoras deve constituir uma característica central do programa marxista:

“O programa da social-democracia (como os marxistas se chamavam então, Ed.), como um contrapeso a essa utopia oportunista pequeno-burguesa, deve postular a divisão das nações em opressora e oprimida como básica, significante e inevitável sob o imperialismo.” [65]

A base econômica da relação entre os estados imperialistas e semicoloniais é o que Lenin chamou de super-exploração dessas nações oprimidas pelos monopólios imperialistas. Devido a essa super-exploração, o capital monopolista pode adquirir - além da taxa média de lucro - um lucro extra. Esses lucros extras são adições importantes aos lucros que o capital monopolista já extrai dos trabalhadores dos países ricos. Eles são, a propósito, uma fonte essencial para subornar os setores com faixa salarial superiores, aristocráticos da classe trabalhadora e, em particular, a burocracia operária nos países imperialistas - características que ajudam a fortalecer o domínio do capital monopolista.

Em nosso livro The Great Robbery of the South ( O Grande Roubo do Sul), elaboramos basicamente quatro formas diferentes de super-exploração pelas quais o capital monopolista obtém lucros extras de países coloniais e semicoloniais: [66]

i) Exportação de capital como investimento produtivo

ii) Exportação de capital como capital monetário (empréstimos, reservas monetárias, especulação, etc.)

iii) Transferência de valor via troca desigual

iv) Transferência de valor via imigração (baseada na superexploração de imigrantes, uma camada nacionalmente oprimida da classe trabalhadora)

A relação entre os Estados tem que ser vista sempre na totalidade de suas características econômicas, políticas e militares - “a totalidade das múltiplas relações dessa coisa com os outros” (Lenin). [67] Um estado imperialista geralmente entra em um relacionamento com outros estados e nações as quais ele oprime, de uma forma ou de outra, e os super-explora - isto é, se apropria de uma parte de seu valor capitalista produzido. No entanto, isso deve ser visto em sua totalidade, ou seja, se um estado explorado obtém certos lucros do investimento estrangeiro, mas tem que pagar muito mais (serviço da dívida, repatriação de lucros, etc.) para investimentos estrangeiros, e através deempréstimos etc. de outros países,etc., esse estado geralmente não pode ser considerado como imperialista. Da mesma forma, as diferentes formas de opressão e super-exploração podem ocorrer em várias combinações ou apenas em uma, mas não em outra. Estados imperialistas menores geralmente não atacam ou ameaçam semicolônias por forças armadas. Isso pode ser verdade para uma grande potência como o Japão. Este último, no entanto, super-explora muitos povos oprimidos via exportação de capital, mas apenas em um grau muito pequeno via migração. Essa super-exploração de imigrantes aparece com destaque na Rússia, que, por outro lado, exporta muito menos capital do que o Japão.

Naturalmente, não é suficiente dividir os países em categorias de estados imperialistas ou semicoloniais. Há, claro, muitos tons diferentes. Isso já começa com diferenças entre as Grandes Potências. Há Grandes Potências, como a mais forte, os EUA, mas também outras que foram economicamente fortes, mas militarmente muito mais fracas nas últimas décadas (como o Japão ou a Alemanha). Como dito acima, é preciso considerar a totalidade da posição econômica, política e militar de um estado na hierarquia global dos estados. Assim, podemos considerar um determinado estado como imperialista, mesmo que seja economicamente mais fraco, mas ainda possua uma posição política e militar relativamente forte (como a Rússia antes de 1917 e, mais uma vez, desde o início dos anos 2000). Uma posição política e militar tão forte pode ser usada para oprimir outros países e nações e apropriar-se do valor capitalista deles.

Nós elaboramos com muito detalhe em trabalhos anteriores que tal desigualdade entre as Grandes Potências sempre foi uma característica proeminente em toda a história do capitalismo moderno. [68] No Capítulo VII abaixo, daremos alguns exemplos para demonstrar essa desigualdade. Neste ponto, limitamo-nos a nos referir às vastas diferenças de desenvolvimento industrial, produtividade econômica, exportação de capital, empréstimos, etc. entre diferentes estados imperialistas, numa época em que Lênin e Trotsky elaboraram a teoria marxista do imperialismo.

Podemos afirmar, em geral, que a desigualdade nos desenvolvimentos históricos resultou na situação de que antigas potências imperialistas "amadurecidas" (como a Inglaterra ou a França) existiam (e rivalizavam) com novas potências emergentes (como os EUA ou a Alemanha), bem como com potências mais atrasadas (como a Rússia, o Império Austro-Húngaro, a Itália ou o Japão).

O próprio Lênin chamou a atenção para esse desnível repetidamente. Em seus Cadernos sobre o imperialismo, por exemplo, ele sugeriu uma "hierarquização" entre as Grandes Potências. Em uma de suas notas, ele diferenciou entre três categorias de estados imperialistas:

"I. Três principais países (totalmente independentes): Grã-Bretanha, Alemanha, Estados Unidos

II. Secundário (primeira classe, mas não totalmente independente): França, Rússia, Japão

III. Itália, Áustria-Hungria” [69]

Além disso, temos que diferenciar entre Grandes Potências e estados imperialistas menores (como Austrália, Bélgica, Suíça, Holanda, Áustria, países escandinavos, etc.). Obviamente, eles não são iguais às Grandes Potências, mas são subordinados a eles. Estes estados imperialistas menores são política e militarmente dependentes de um ou das várias Grandes Potências para participarem na ordem imperialista global. Assim, garantem sua posição privilegiada ao entrar em alianças econômicas, políticas e militares com as Grandes Potências como a UE, OCDE, FMI, Banco Mundial, OMC, OTAN e várias “parcerias”. No entanto, esses estados imperialistas menores não são super-explorados pelas Grandes Potências, mas participam da super-exploração do mundo semicolonial, apropriando-se de uma quantidade significativa de valor das semicolônias.

Os clássicos marxistas sempre reconheceram que pode haver diferenças importantes com relação ao poder, ao regime político, etc, entre as diferentes potências imperialistas. Em seu famoso panfleto Socialismo e Guerra, Lênin e Zinoviev explicaram que, durante a época imperialista, é típico ver poderes imperialistas mais fortes e mais fracos, mais avançados e mais atrasados. No entanto, essas disparidades não levaram os dois líderes do partido bolchevique a abandonar a conclusão de que todas essas Grandes Potências eram imperialistas.

“As principais esferas de investimento do capital britânico são as colônias britânicas, que são muito grandes também na América (por exemplo, o Canadá), para não falar da Ásia, etc. Neste caso, enormes exportações de capital estão ligadas mais de perto colônias, cuja importância para o imperialismo falarei mais tarde. No caso da França, a situação é diferente. As exportações de capital francesas são investidas principalmente na Europa, principalmente na Rússia (pelo menos dez mil milhões de francos). Isto é principalmente capital de empréstimos, empréstimos do governo e não capital investido em empreendimentos industriais. Diferentemente do imperialismo colonial britânico, o imperialismo francês poderia ser chamado de imperialismo da usura. No caso da Alemanha, temos um terceiro tipo; as colônias são insignificantes e o capital alemão investido no exterior é dividido de maneira mais uniforme entre a Europa e a América.” [70]

Resumindo, é impossível compreender o imperialismo sem reconhecer a desigualdade do capitalismo mundial, que inclui também a compreensão do desenvolvimento desigual entre as próprias Grandes Potências. Não é à toa que Trotsky considerou esse desnível como “a lei mais geral do processo histórico.” [71]

Também é essencial ver o capital financeiro como uma fusão entre capital industrial e bancário. É um erro eclético difundido entre vários centristas entender o capital financeiro, no sentido burguês, como unicamente "capital bancário". [72] Como resultado desse erro, tais pessoas caracterizam apenas os estados imperialistas que possuem o sistema financeiro ou bancário mais poderoso (como os EUA). Além disso, o capital financeiro no sentido marxista é caracterizado por um alto grau de monopolização. Como resultado, podemos observar mudanças importantes em comparação com o período do capitalismo ascendente. Hilferding, Lênin e Bukharin observaram que políticas como o protecionismo e até mesmo o comércio simples mudaram seu caráter no estágio monopolista do capitalismo. Aqui o estado desempenha um papel cada vez mais crucial. Uma de suas ferramentas é o protecionismo que ajuda a garantir a posição dos monopólios por meio de tarifas permanentes, subsídios, políticas de crédito dos Estados imperialistas etc. Outros exemplos são a diplomacia financeira estatal por meio de apoio ao crédito, criação de uniões aduaneiras ou acordos de livre comércio etc.

Em conclusão, como os marxistas definirão um estado imperialista? A fórmula, que desenvolvemos em trabalhos passados e que nos parece ainda mais precisa, é a seguinte: Um Estado imperialista é um Estado capitalista cujos monopólios e aparatos estatais têm uma posição na ordem mundial em que antes de mais nada dominam outros estados e nações. Como resultado, eles obtêm lucros extra e outras vantagens econômicas, políticas e / ou militares de tal relação baseada na super-exploração e opressão. [73]

Da mesma forma, também é preciso diferenciar os diferentes tipos de semicolônia. Obviamente, existem grandes diferenças hoje entre Peru e Argentina ou Brasil, Congo e Egito, Paquistão e Turquia, Nepal e Tailândia, Cazaquistão e Polônia. Alguns países são mais industrializados que outros, alguns alcançaram certa importância política e outros não. Assim, podemos diferenciar entre semicolônias avançadas ou industrializadas, como por exemplo Argentina, Brasil, Egito, Turquia, Grécia, Irã, Polônia ou Tailândia, por um lado, e semicolônias mais pobres ou semi-industrializadas, como Bolívia, Peru, Sub - Países da África do Sul (exceto África do Sul), Paquistão, Afeganistão, Indonésia, etc.

No entanto, é importante ter em mente que esses diferentes tipos de semicolônia têm muito mais em comum do que o que se diferencia entre eles, como Trotsky já apontou:

“Os países coloniais e semicoloniais - e, portanto, atrasados - que abarcam a maior parte da humanidade diferem extraordinariamente um do outro em seu grau de atraso, representando uma escada histórica que vai do nomadismo até o canibalismo até a cultura industrial mais moderna. A combinação de extremos em um grau ou outro caracteriza todos os países atrasados. No entanto, a hierarquia do atraso, se é que se pode empregar tal expressão, é determinada pelo peso específico dos elementos de barbárie e da cultura na vida de cada país colonial. A África Equatorial está muito atrás da Argélia, do Paraguai atrás do México, da Abissínia atrás da Índia ou da China. Com a sua dependência econômica comum da metrópole imperialista, a sua dependência política tem, em alguns casos, o caráter de escravatura colonial aberta (Índia,África Equatorial), enquanto em outros ela é ocultada pela ficção da independência do Estado (China, América Latina). ” [74]

Para resumir nossa definição de semicolônias, propomos a seguinte fórmula: Um país semicolonial é um estado capitalista cuja economia e aparato estatal têm uma posição na ordem mundial, em que antes de mais nada são dominados por outros estados e nações. Como resultado, criam lucros extras e fornecem outras vantagens econômicas, políticas e / ou militares aos monopólios e estados imperialistas através de sua relação baseada na superexploração e na opressão.

 

É Possível uma Transição de ser Um Tipo de Estado para Outro Tipo de Estado?

 

A análise e divisão de países em diferentes tipos não deve ser entendida de maneira dogmática, mecanicista, mas sim de maneira marxista, isto é, dialética. Lênin já assinalou que as definições não são dogmas abstratos, mas devem ser entendidas como categorias elásticas: "...sem esquecer o valor condicional e relativo de todas as definições em geral, que nunca podem abarcar todas as concatenações de um fenômeno em seu pleno desenvolvimento ..." [75]

Por isso, seria errôneo imaginar uma parede chinesa separando as duas categorias, estados imperialistas e semicoloniais. Como temos argumentado em outras ocasiões, houve vários exemplos em que, em circunstâncias excepcionais, um Estado dependente pôde se tornar um país imperialista, assim como o contrário. A razão central para isso é a lei do desenvolvimento desigual e combinado que explica os diferentes ritmos de desenvolvimento das forças produtivas em diferentes nações e sua interação, que novamente resulta em instabilidade, confrontos, guerras e transformações das relações políticas e sociais existentes. Portanto, é lógico que tais desenvolvimentos possam provocar o surgimento e o crescimento de novas potências capitalistas, assim como o declínio de velhas potências. [76]

O próprio Lênin apontou explicitamente a possibilidade de países atrasados e semicoloniais poderem transformar seu caráter de classe: “O capitalismo está crescendo com a maior rapidez nas colônias e nos países estrangeiros. Entre estes últimos, novas potências imperialistas estão surgindo (por exemplo, o Japão). ”[77]

De fato, como apontamos em outro lugar, houve vários exemplos históricos de tais transformações. Há o exemplo da Checoslováquia, que foi uma colônia no Império Habsburgo, mas tornou-se -após a implosão do império em 1918- uma pequena potência imperialista. Da mesma forma, a Coréia do Sul e Israel se tornaram estados imperialistas nos anos 90, assim como a Rússia e a China no início e no final da primeira década dos anos 2000, respectivamente. [78] Por outro lado, Portugal perdeu seu status de imperialista durante as últimas quatro décadas após a perda de suas colônias em 1974.

 

“Sub-imperialismo” - É Uma Categoria Útil?

 

Vários teóricos progressistas apoiam a concepção de um estado “transitório” ou “Sub-Imperialista” como uma terceira categoria adicional de países, além de países coloniais e semicoloniais. [79] Elaboramos nossa crítica da teoria do sub-imperialismo em The Great Robbery of the South (O Grande Roubo do Sul) e resumiremos brevemente aqui algumas conclusões. [80]

Naturalmente, se os Estados passam por um processo de transformação de um país imperialista para um semicolonial ou vice-versa, eles estão “em transição” e, nesse sentido, pode ser útil descrever um processo temporário de transformação. No entanto, os defensores da teoria do sub-imperialismo não entendem isso como uma categoria para descrever o processo de transição, mas sim vê-lo como uma categoria separada e independente. E aqui reside o problema fundamental.

O capitalismo une todas as nações do mundo através da expansão econômica e política e da formação de um mercado mundial. Este processo ocorreu desde o início do modo de produção capitalista e acelerou tremendamente na época do imperialismo. Nestas condições, nenhuma nação escapa à formação de laços econômicos e políticos cada vez mais próximos das potências imperialistas dominantes. Essas relações estreitas criam, modificam e reproduzem automaticamente mecanismos de exploração e superexploração. Em outras palavras, sob o capitalismo - e ainda mais sob o imperialismo - todas as nações são sugadas para o processo de super-exploração. Ou eles são fortes o suficiente e se tornam parte das nações opressoras, ou são empurrados para o campo da maioria da humanidade – ou seja, as nações oprimidas. Não há “terceiro campo” entre eles.

É claro que existem diferenças significativas no desenvolvimento das forças produtivas entre os estados imperialistas e entre os países semicoloniais. Isso é apenas lógico, dada a dinâmica desigual de desenvolvimento entre as nações. Por isso, é verdade que existem países imperialistas maiores e menores que são desiguais. No entanto, a questão é que os menores não são explorados por potências imperialistas maiores. Por exemplo, os EUA e o Canadá certamente não são iguais, mas também não exploram sistematicamente um ao outro. O mesmo se aplica à Alemanha e à Áustria ou à França e à Bélgica, Luxemburgo ou Suíça. No entanto, são todas nações imperialistas. Por quê? Porque eles desenvolveram capital monopolista significativo que sistematicamente explora e transfere valor a partir do Sul, e eles são parte de uma ordem imperialista internacional da qual eles lucram e defendem por vários meios. Da mesma forma, há semicolônias avançadas que têm uma certa influência regional (por exemplo, Brasil, Índia, Grécia) e outras que não têm nenhuma; alguns são mais fortes e outros são mais fracos. Mas como marxista, devemos nos concentrar na lei do valor e na transferência de valor entre os países e a ordem política associada a isso. E aqui é óbvio que as semicolônias industrializadas também são dominadas e super-exploradas pelos monopólios imperialistas. Por essas razões, rejeitamos a utilidade da categoria de “Sub-Imperialismo” como parte do aparato analítico marxista.

Finalmente, como um aparte, chamamos a atenção para o fato de que, objetivamente, a teoria do sub-imperialismo é uma repetição de tentativas semelhantes na década de 1920. Como apontamos em outro lugar, o ex-marxista japonês Takahashi Kamekichi desenvolveu na época sua notória teoria do Japão como um "pequeno imperialismo". Takahashi observou que, dado o atraso do Japão nas áreas de capital financeiro e exportação de capital, o capitalismo japonês "ainda não havia atingido o estágio do imperialismo", para usar os termos de Lênin. A partir disso, ele concluiu que os socialistas japoneses não deveriam ver o principal inimigo como sendo a burguesia doméstica, mas sim as potências ocidentais.

“Se você olhar para o capitalismo internacionalmente, [ele argumentou], pode de fato ser imperialista. No entanto, no máximo, é um país imperialista como o pequeno burguês é para o grande burguês. Se tomarmos o termo pequeno-burguês e estabelecermos a categoria do pequeno imperialismo, o Japão não passa de um pequeno país imperialista. Assim, assim como os interesses da pequena burguesia coincidem com os interesses do proletariado e não coincidem com os interesses da grande burguesia, os interesses dos pequenos países imperialistas coincidem mais com os dos países sujeitos ao imperialismo do que com os dos grandes países imperialistas.

Takahashi prosseguiu afirmando que havia considerável evidência de que o Japão também “está na posição de país sujeito ao imperialismo. (…) Consequentemente, o papel de classe internacional [do Japão], em vez de coincidir com o de países imperialistas como a Inglaterra e os Estados Unidos, coincide muito mais com o da China, Índia e outros países sujeitos ao imperialismo.” [81]

Em suma, Takahashi forneceu objetivamente uma teoria social-imperialista que justificava as aspirações expansionistas da classe dominante japonesa e os comunistas japoneses o atacaram corretamente por essa teoria falida.

Infelizmente, vários sucessores modernos estão, muito provavelmente, sem saber, seguindo o caminho da teoria de Takahashi para “menosprezar”, isto é, para justificar o imperialismo russo e chinês e, entre outras coisas, para propagar uma aliança de povos oprimidos com as Grandes Potências orientais.

 

Notas de rodapé

57) Nós lidamos extensivamente com a teoria do imperialismo de Lênin em outras publicações. Veja, por exemplo: Michael Pröbsting: Lenin’s Theory of Imperialism and the Rise of Russia as a Great Power. On the Understanding and Misunderstanding of Today’s Inter-Imperialist Rivalry in the Light of Lenin’s Theory of Imperialism. Another Reply to Our Critics Who Deny Russia’s Imperialist Character, in: Revolutionary Communism No. 25, August 2014, http://www.thecommunists.net/theory/imperialism-theory-and-russia/; Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South. Continuity and Changes in the Super-Exploitation of the Semi-Colonial World by Monopoly Capital Consequences for the Marxist Theory of Imperialism, 2013, http://www.great-robbery-of-the-south.net/; Michael Pröbsting: Imperialism and the Decline of Capitalism (2008), in: Richard Brenner, Michael Pröbsting, Keith Spencer: The Credit Crunch – A Marxist Analysis (2008), http://www.thecommunists.net/theory/imperialism-and-globalization/

58) V. I. Lenin: o imperialismo e a divisão no socialismo (1916); in: CW Vol. 23, pp. 105-106 [Emphases in the original]

59) Abram Deborin: Lenin als revolutionärer Dialektiker (1925); in: Nikolai Bucharin/Abram Deborin: Kontroversen über dialektischen und mechanistischen Materialismus, Frankfurt a.M. 1974, p. 136 [our translation]

60) V.I. Lênin: Sobre a questão da dialética 1915); in: LCW 38, p.358 [Emphases in the original]

61) Isto, a propósito, também é verdade para os estados operários (incluindo os degenerados). Tais países representam, na forma de um estado, o estado do equilíbrio internacional entre as classes antagônicas. Isso também era verdade no caso dos estados stalinistas, embora essa relação fosse complicada pela maquinaria burocrática da casta dominante. Veja nesta nossa análise dos estados stalinistas:Michael Pröbsting: Cuba’s Revolution Sold Out? The Road from Revolution to the Restoration of Capitalism (Chapter II), August 2013, RCIT Books, https://www.thecommunists.net/theory/cuba-s-revolution-sold-out/

62) Temos lidado com esses argumentos em Michael Pröbsting: a teoria do imperialismo de Lênin e a ascensão da Rússia como uma grande potência. Sobre a compreensão e a incompreensão da rivalidade interimperialista de hoje à luz da teoria do imperialismo de Lênin. Outra resposta aos nossos críticos que negam o caráter imperialista da Rússia,in: Revolutionary Communism No. 25, August 2014,

63) “Um estado surge, um poder especial é criado, corpos especiais de homens armados, e toda revolução, ao destruir o aparato estatal, nos mostra a luta de classes nua, claramente nos mostra como a classe dominante se esforça para restaurar os corpos especiais de homens armados que sirva-a e como a classe oprimida se empenha em criar uma nova organização desse tipo, capaz de servir os explorados em vez dos exploradores. (V. I. Lenin: The State and Revolution. The Marxist Theory of the State and the Tasks of the Proletariat in the Revolution (1917), in: LCW Vol. 25, p. 395). Tal entendimento foi baseado na teoria do estado de Marx e Engels. Veja, por exemplo, o livro "A Origem da Família, Propriedade Privada e o Estado em que ele analisou a origem histórica do estado".: “Esta força pública existe em todos os estados; consiste não apenas de homens armados, mas também de apêndices materiais, prisões e instituições coercitivas de todos os tipos.… (Friedrich Engels: The Origin of the Family, Private Property and the State. In the Light of the Researches by Lewis H. Morgan (1884), in: MECW Vol. 26, p. 270)

64) V. I. Lenin: O Proletariado Revolucionário e o Direito das Nações à Autodeterminação (1915); in: LCW 21, p. 409

65) V. I. Lenin: O Proletariado Revolucionário e o Direito das Nações à Autodeterminação (1916); in: LCW 22, p. 147

66) Além da extensa análise em nosso livro O Grande Roubo do Sul (veja acima), nós também nos referimos ao nosso livreto sobre a superexploração de migrantes (em alemão).: Michael Pröbsting: Marxismus, Migration und revolutionäre Integration (2010); in: Revolutionärer Kommunismus, Nr. 7, http://www.thecommunists.net/publications/werk-7. Um resumo deste estudo em língua inglesa: Michael Pröbsting: Marxismo, Migração e Integração revolucionária, em: Comunismo Revolucionário, No. 1 (English-language Journal of the RCIT), http://www.thecommunists.net/oppressed/revolutionary-integration/

67) V. I. Lenin: Conspectus of Hegel’s Science of Logic (1914); in: Collected Works Vol. 38, p. 220

68) Nós elaboramos tal exame histórico em várias ocasiões, o mais importante em Michael Pröbsting: Lenin’s Theory of Imperialism and the Rise of Russia as a Great Power.

69) V.I.Lenin: Sobre a Questão do Imperialismo, em: LCW 39, p. 202

70) V. I. Lenin: Imperialism.O mais alto estágio do capitalismo (1916), in: LCW Vol. 22, p. 243. No mesmo livro, Lênin também explicou que julgou os estados imperialistas não apenas em termos de sua condição atual, mas também em termos de sua direção de desenvolvimento. Em outras palavras, ele reconheceu - em contraste com os social-imperialistas pró-orientais, que se recusam a reconhecer a China e a Rússia como potências imperialistas.– O caráter e dinâmica de Grandes Potências emergentes como a Rússia ou o Japão durante seu tempo: “Isso ocorre porque a única base concebível sob o capitalismo para a divisão de esferas de influência, interesses, colônias, etc., é um cálculo da força dos participantes, sua força econômica, financeira, militar geral, etc. os participantes da divisão não mudam em igual grau, pois o desenvolvimento de diferentes empreendimentos, trusts, ramos da indústria ou países é impossível sob o capitalismo. Há meio século, a Alemanha era um país miserável e insignificante, se sua força capitalista fosse comparada à da Grã-Bretanha da época; O Japão comparou com a Rússia da mesma maneira. É “concebível” que em dez ou vinte anos a força relativa das potências imperialistas permaneça inalterada? Está fora de questão.“ (V. I. Lenin: Imperialism. The Highest Stage of Capitalism (1916) ; in: LCW Vol. 22, p. 295)

71) Leon Trotsky: História da Revolução Russa(1930), Haymarket Books, Chicago 2008, p. 5

72) Nós lidamos com essa questão com mais detalhes em Michael Pröbsting: Lenin’s Theory of Imperialism and the Rise of Russia as a Great Power

73) Pensamos que tal definição de um estado imperialista está de acordo com a breve definição que Lênin deu em um de seus escritos sobre o imperialismo em 1916: „… Grandes Potências imperialistas (ou seja, poderes que oprimem um grande número de nações e as envolvem na dependência do capital financeiro, etc.)… (V. I. Lenin: A Caricature of Marxism and Imperialist Economism (1916); in: LCW Vol. 23, p. 34)

74) Leon Trotsky: A Revolução Chinesa(Introduction to Harold R. Isaacs, A Tragédia da Revolução Chinesa, London 1938); http://www.marxists.org/archive/trotsky/1938/xx/china.htm

75) V. I. Lenin: Imperialismo, o Estágio Superior do Capitalismo; in: LCW 22, p. 266

76) Nós lidamos com a questão do surgimento de novas potências imperialistas extensivamente. Sobre a China como uma potência imperialista emergente, ver a literatura do RCIT mencionada acima. Sobre a Rússia como potência imperialista emergente: Michael Pröbsting: A Teoria do Imperialismo de Lênin e a Ascensão da Rússia como uma Grande Potência. Sobre a Compreensão e a Incompreensão da Rivalidade Interimperialista de Hoje à Luz da Teoria do Imperialismo de Lênin. Outra resposta aos nossos críticos que negam o caráter imperialista da Rússia,n: Revolutionary Communism No. 25, August 2014, http://www.thecommunists.net/theory/imperialism-theory-and-russia/; Michael Pröbsting: Russia as a Great Imperialist Power. The formation of Russian Monopoly Capital and its Empire – A Reply to our Critics, 18 March 2014, in: Revolutionary Communism No. 21, http://www.thecommunists.net/theory/imperialist-russia/

77) V. I. Lenin: Imperialismo, o Estágio Superior do Capitalismo (1916) ; in: LCW Vol. 22, p. 274

78) Analisamos a transformação da Coréia do Sul em uma potência imperialista menor em Michael Pröbsting: Der kapitalistische Aufholprozeß in Südkorea und Taiwan; in: Revolutionärer Marxismus Nr. 20 (1996). Uma versão abreviada deste artigo apareceu como “Desenvolvimento capitalista na Coréia do Sul e Taiwan” em: Trotskyist International No. 21 (1997), http://www.thecommunists.net/theory/capitalism-in-south-korea-taiwan/. Sobre Israel como uma potência imperialista menor, ver Michael Pröbsting: Sobre algumas questões da opressão sionista e da Revolução Permanente na Palestina“, em: Revolutionary Communism Nr. 10 (June 2013), p. 29, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/permanent-revolution-in-palestine

79) See e.g. Ruy Mauro Marini: Subimperialismo brasileiro, em: Monthly Review Vol. 23, No. 9 (February 1972), pp. 14-24; Mário Costa de Paiva Guimarães Júnior, Tiago Camarinha Lopes: A Lei de Desenvolvimento Desigual e Combinado de Trotsky na Dialética da Dependência de Marini, Quarta Conferência Anual em Economia Política, July 9-11, 2013, The Hague, The Netherlands; Tiago Camarinha Lopes: Marx and Marini on Absolute and Relative Surplus Value, on: International Critical Thought, Vol. 3, Issue 2 (2013); Atualmente, Patrick Bond e Ana Garcia estão entre os mais destacados defensores da teoria do subimperialismo. See e.g. Patrick Bond and Ana Garcia (Eds.): BRICS – An Anti-Capitalist Critique, Pluto Press, London 2015; Patrick Bond: Towards a Broader Theory of Imperialism, 2018-04-19, http://roape.net/2018/04/18/towards-a-broader-theory-of-imperialism/; Patrick Bond: BRICS and the tendency to sub-imperialism, 2014-04-10, Pambazuka, Issue 673, http://www.pambazuka.org/en/category/features/91303

80) Veja Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South, pp. 220-228. See http://www.great-robbery-of-the-south.net/great-robbery-of-south-online/download-chapters-1/chapter9/

81) Todas as citações são tiradas de Germaine A. Hoston: Marxism and the Crisis of Development in Prewar Japan,Princeton University Press, Princeton 1986, pp. 80-81

 

 

 

 

V. O Surgimento da China e da Rússia Como Novas Grandes Potências

 

Esse declínio histórico das antigas potências capitalistas e a consequente mudança econômica maciça levaram à criação de novas potências imperialistas (China e Rússia) e, inseparavelmente associadas, levando a uma aceleração da rivalidade entre as Grandes Potências.

 

Produção e Comércio

 

Como demonstramos em vários estudos, a China tornou-se o mais importante desafiante aos EUA como potência imperialista hegemônica. [82] Quando olhamos para a base da produção capitalista - produção industrial global - vemos que a participação dos EUA diminuiu de 25,1% (2000) para 17,7% (2015), a participação da Europa Ocidental também caiu de 12,1% para 9,2%, enquanto a participação da China cresceu de 6,5% (2000) para 23,6% (2015). (Ver quadro 15) Da mesma forma, enquanto a participação dos EUA no comércio mundial caiu de 15,1% (2001) para 11,4% (2016), a participação da China subiu neste período de 4,0% para 11,5%. (Veja o quadro 16)

De acordo com as últimas estatísticas publicadas pela Organização Mundial do Comércio, a participação da China no comércio de mercadorias em 2017 foi de 11,5%, enquanto a dos EUA foram de 11,1%. [83]

Na Tabela 5 e 6, mostramos os números que demonstram o desenvolvimento a longo prazo das exportações e importações mundiais de mercadorias desde o final da Segunda Guerra Mundial. Eles refletem, entre outros, o declínio das antigas potências imperialistas e a ascensão da China - especialmente desde o início do século. Desde a restauração do capitalismo nos antigos estados estalinistas (os números fornecidos são de 1993), a participação dos EUA nas exportações mundiais de mercadorias caiu de 12,6% para 9,0% em 2017. Houve a mesma tendência em outros países ocidentais (Japão : de 9,8% para 4,1%, Alemanha: de 10,3% para 8,4%, França: de 6,0% para 3,1%, Reino Unido: de 4,9% para 2,6%). No mesmo período, a participação da China subiu de 2,5% para 13,2% e a da Rússia de 1,7% para 3,0%. O mesmo desenvolvimento ocorreu nas importações mundiais de mercadorias.

 

Monopólios e Bilionários

 

Tal declínio das antigas potências imperialistas ocidentais e o surgimento da China como uma nova potência desafiante pode ser observado não apenas no âmbito da produção como no âmbito de valor capitalista e do comércio. Vemos o mesmo quando analisamos uma versão nacional dos principais monopólios capitalistas. Comparando a lista de Forbes Global 2000 - uma lista das maiores corporações do mundo dos anos 2000 - entre o ano de 2003 com o ano de 2017, vemos que, embora os EUA continuem sendo a potência mais forte, sua participação diminuiu substancialmente de 776 corporações (38,8%) para 565 (28,2%). Ao mesmo tempo, a participação da China cresceu dramaticamente e agora se tornou a número dois entre as Grandes Potências. (Veja a Tabela 7)

Vemos a mesma imagem quando comparamos a composição regional das 5.000 maiores empresas do mundo (por capitalização de mercado) para os anos de 2000 e 2016. (Veja a Tabela 8) Dado o maior número de monopólios, essa estatística é ainda mais representativa para a dramática mudança que ocorreu na relação de forças entre os rivais imperialistas. Nesta tabela, a ascensão da China como potência imperialista é confirmada novamente. Em 2000, essa participação entre as principais corporações foi de 402 (8%). Em 2016, essa participação já cresceu para 1.085 (21,7%). Ao mesmo tempo, a participação da América do Norte caiu de 1.958 (39,2%) para 1.519 (30,4), a participação da Europa de 1.346 (26,9%) para 876 (17,5%) e a participação do Japão de 659 (13,2%) para 437 (8,7%).

Outro estudo, publicado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento-UNCTAD, também confirma a ascensão da China entre os maiores monopólios globais. Relata que a participação da China entre as 2.000 maiores Corporações Transnacionais (CTN) cresceu tão maciçamente nas últimas duas décadas, de modo que, em 2015, elas conseguiram 17% de todos os lucros desses principais monopólios. O relatório da UNCTAD acrescenta: “Curiosamente, no entanto, a participação das transnacionais financeiras chinesas nas principais Corporações Transnacionais-TNC se expandiu rapidamente para mais de 10% do total dos lucros das principais transnacionais, superando as das principais TCNs dos Estados Unidos em 2015.” [90]

Estes números provam, sem sombra de dúvida, que a ascensão da China (e o declínio do Ocidente) não se limita a produção e comércio. Como veremos mais adiante, vários revisionistas negadores do caráter imperialista da China afirmam que o Reino do Meio ( Como se auto-define) ainda seria somente local de manufatura mantida pelos governos ocidentais . Mas, como temos argumentado em várias obras e como os números acima confirmam, isso não é mais verdade - pelo menos não desde uma década! A China não apenas produz e comercializa uma parte significativa do produto de valor capitalista global, mas também possui uma grande parte dela. Isso se reflete na parcela substancial de empresas chinesas entre os principais monopólios do mundo, bem como seus lucros (tanto no setor industrial quanto no financeiro). Em outras palavras, as corporações chinesas (mesmo que sejam estatais) não são uma espécie de megaempresas “socialistas”, mas, sem dúvida, monopólios capitalistas.

Outro exemplo, falando muito sobre o “socialismo” da China, é o surgimento dos bilionários. Como mostramos em outros estudos, a China tornou-se o lar do maior número de bilionários, ou o segundo maior - dependendo da lista que se observa - no mundo. De acordo com a edição de 2017 da lista Hurun Global Rich List, 609 bilionários do mundo são chineses e 552 são cidadãos dos EUA. Juntos, eles respondem por metade dos bilionários em todo o mundo. [91] A Lista de Bilionários da Forbes, que tem sede nos EUA, enquanto Hurun é da China, vê os EUA ainda à frente. De acordo com a Forbes: “Os EUA continuam a ter mais bilionários do que qualquer outra nação, com um recorde de 565, acima dos 540 do ano passado. A China está alcançando 319. (Hong Kong tem outros 67, e Macau 1.) A Alemanha tem o terceiro lugar com 114 e a Índia, com 101, a primeira vez que teve mais de 100, é o quarto. [92] Enquanto se diferenciam nos diferentes relatórios, a tendência em todos os estudos disponíveis é a mesma: o peso dos capitalistas monopolistas da China está aumentando.

Um resultado muito semelhante emerge da mais recente edição do relatório anual Billionaires Insights, publicado em outubro de 2018 pelo Banco Suíço UBS, em conjunto com a britânica PwC. [93] De acordo com este relatório, existem 2.158 bilionários no mundo, dos quais 373 possuem seus lares na China. Este número sobe para 475 se somarmos os bilionários que vivem em Hong Kong, Macau (ambos fazem parte do estado chinês) e também em Taiwan. Isso significa que cerca de um quinto dos super-ricos globais - ou seja, capitalistas monopolistas - estão vivendo na China! Este número não é muito abaixo do número de bilionários que vivem nos EUA (585) e acima dos números para o Japão, bem como a soma combinada de todas as potências imperialistas na Europa Ocidental (414). Além disso, de todos os países, foram os bilionários chineses que tiveram o crescimento mais rápido de sua riqueza em 2017 (+ 39%). Bilionários em outros países tiveram taxas de crescimento muito menores (o crescimento médio global foi de 12%). A China é também o país com o maior número de novos bilionários. 106 pessoas tornaram-se bilionários em 2017 (embora um número tenha saído da lista a partir de 2016). Isso leva para aproximadamente um novo bilionário a cada três dias. [94]

É evidente que a classe capitalista chinesa experimentou o crescimento mais rápido do mundo na última década. O relatório do UBS / PwC comenta: “Doze anos atrás, o país mais populoso do mundo abrigava apenas 16 bilionários. Hoje, com o progresso do "Século da China", eles somam 373, quase um em cada cinco do total global.”

É importante reconhecer que o capitalismo da China é baseado não apenas em uma pequena minoria de super-ricos (em contraste com países como a Índia ou a Arábia Saudita), mas em um estrato mais amplo de pequenos e médios capitalistas. Como mostramos na Tabela 9, a China é o número dois em todas as categorias de milionários - apenas atrás dos EUA e à frente de todas as outras Grandes Potências imperialistas como Japão, Alemanha, França e Grã-Bretanha.

Outro indicador para medir o crescimento da China é o que os economistas chineses chamam de riqueza social líquida. Este é o total de ativos não financeiros e ativos externos líquidos. Um relatório recentemente publicado, que foi divulgado pela Instituição Nacional para Finanças e Desenvolvimento, calcula que a riqueza social líquida da China chegou a 437 trilhões de yuans (US $ 63,66 trilhões) no final de 2016, o equivalente a cerca de 70% do total dos EUA. à frente de todas as outras Grandes Potências. [96]

 

Exportação de Capital e Gastos Militares

 

As próximas duas tabelas demonstram que a China e a Rússia (em menor grau) estão se tornando cada vez mais importantes investidores estrangeiros. Na Tabela 10, reproduzimos o último número de exportação de capital das Grandes Potências. Como podemos ver, a China já havia se tornado o número três em Fluxos de Investimento Direto Estrangeiro em 2017 - à frente de todas as potências europeias. O valor da Rússia é menor, um pouco menos da metade do Investimento Direto Estrangeiro-IDE da Alemanha.

Quando olhamos para o estoque acumulado de saídas de Investimento Estrangeiro Direto-IED (em 2017), é interessante ver o rápido processo de recuperação especialmente da China. Apesar do fato de que a China só se tornou uma potência imperialista há cerca de uma década, seu estoque de saídas de IED já é igual aos números de todas as outras grandes potências (exceto os EUA (ver Tabela 11).

Podemos observar um desenvolvimento semelhante no setor de investimento em tecnologias modernas. Como mostra o quadro 17, os EUA continuam a ser o país líder mundial em termos de gastos com pesquisa e desenvolvimento. No entanto, a China está se recuperando rapidamente. O atual plano quinquenal de Pequim apela a um aumento da pesquisa e da concepção de gastos para 2,5% do PIB, ante 2,1% em 2011-2015. Como resultado, tornou-se o segundo país na última década.

Enquanto a Rússia é mais fraca em nível econômico, ainda desempenha um papel importante, dado o seu peso militar e político. Além de importantes monopólios como a Gazprom ou a Rosneft, a Rússia tem um enorme complexo militar-industrial, tornando-se a segunda maior potência militar atrás dos EUA e à frente de todos os outros estados imperialistas. (Veja as tabelas 12 e 13). [99]

Além disso, é essencial salientar que o estado russo possui apenas uma quantidade relativamente pequena de dívida externa. [103] Ao mesmo tempo, a dívida corporativa da Rússia é muito maior e sua dívida externa total no momento atual é de cerca de 30% do PIB. No entanto, a crescente rivalidade entre os estados imperialistas está levando dívida empresarial russa a vender sua dívida, o que resultou em um pagamento recorde de 130 bilhões de dólares em 2018. [104] Essa alta dívida em moeda está ligada à orientação da Rússia de exportar commodities para ganhar moeda estrangeira. No entanto, altos pagamentos da dívida não significam automaticamente que a Rússia seria um estado "semicolonial". Havia um padrão semelhante na Rússia czarista quando os bancos franceses e alemães tiveram um papel importante na economia. No entanto, seu aparato militar e sua expansão colonial, combinados com o aumento dos investimentos estrangeiros em nações asiáticas, deram à Rússia seu caráter imperialista.

Hoje, as ambições imperialistas da Rússia moderna são mais abrangentes do que as do antigo Império. Por exemplo, a Rússia está se tornando uma força dominante em países da América Latina, como Venezuela 105 e Cuba. [106] Também está expandindo sua presença no Oriente Médio na Síria, Líbia, Irã e Egito. Na África, a Rússia já emprega mais tropas de "manutenção da paz" da ONU do que outras nações. [107] Há também alguma presença do capital financeiro russo na Nigéria. [108] O governo russo usa diferentes meios para atingir seus objetivos políticos estrangeiros: ajuda militar, empréstimos, investimentos estrangeiros, etc.

Entender o caráter imperialista da Rússia requer que se veja o Estado não apenas do ponto de vista econômico, mas também político-econômico. Geralmente, os pseudo-marxistas de mentalidade economicista tendem a ter uma interpretação linear da relação entre base e superestrutura e veem a política como sempre seguindo diretamente a economia. Engels repetidamente enfatizou a "relativa independência da superestrutura" e que a economia é o determinante decisivo apenas na "análise final". [109] Assim, as ações políticas da burguesia às vezes podem ocorrer antes das mudanças e realizações na economia. De fato, esse é o caso da Rússia. Se olharmos para as ações políticas do Estado russo e depois para a sua política externa no Oriente Médio, podemos observar como a sua intervenção bem-sucedida na Síria criou uma posição de muito prestígio para os monopólios russos na região. Por exemplo, a Rosatom conseguiu vários acordos com o Egito e a Turquia, o complexo militar-industrial adquiriu novos contratos com vários estados e algumas formas de novas parcerias com aliados tradicionais dos EUA, como a Arábia Saudita e Israel, estão no horizonte.

 

Quadro 15. Produção industrial global, EUA, Europa Ocidental e China Entre 1970-2015 (Em Preços Atuais) [84]

Total Industry value-added= Valor adicionado total da indústria

Quadro 16. Participações dos EUA e da China no comércio mundial - 2001-2016 [85]

 

Tabela 5. Participaçao nas exportações de mercadorias mundiais

por região e economias selecionadas 1953-2017 (percentagem) [86]

Páis                                       1953       1963       1973       1983       1993       2003       2017

EUA                                       14.6        14.3        12.2        11.2        12.6        9.8          9.0

Alemanha                           5.3          9.3          11.7        9.2          10.3        10.2        8.4

França                                   4.8          5.2          6.3          5.2          6.0          5.3          3.1

Reino Unido                       9.0          7.8          5.1          5.0          4.9          4.1          2.6

China                                    1.2          1.3          1.0          1.2          2.5          5.9          13.2

Japão                                     1.5          3.5          6.4          8.0          9.8          6.4          4.1

India                                     1.3          1.0          0.5          0.5          0.6          0.8          1.7

CEI

(Russia & ex-URSS)         -               -               -               -               1.7          2.6          3.0

África do Sul                      1.6          1.5          1.0          1.0          0.7          0.5          0.5

 

 

 

Tabela 6. Participaçao nas importações de mercadorias mundiais

por região e economias selecionadas-1953-2017 (percentagem) [87]

Páis                                       1953       1963       1973       1983       1993       2003       2017

EUA                                       13.9        11.4        12.4        14.3        15.9        16.9        13.7

Alemanha                           4.5          8.0          9.2          8.1          9.0          7.9          6.6

Reino Unido                       11.0        8.5          6.5          5.3          5.5          5.2          3.7

França                                   4.9          5.3          6.4          5.6          5.7          5.2          3.6

China                                    1.6          0.9          0.9          1.1          2.7          5.4          10.5

Japão                                     2.8          4.1          6.5          6.7          6.4          5.0          3.8

India                                     1.4          1.5          0.5          0.7          0.6          0.9          2.5

CEI

(Russia & ex-URSS)         -               -               -               -               1.5          1.7          2.3

África do Sul                      1.5          1.1          0.9          0.8          0.5          0.5          0.6

 

 

 

Tabela 7. Composição nacional das 2.000 maiores empresas do mundo,

2003 e 2017 (lista Global Forbes) [88]

                                                2003                                       2017

                                                Number    Share                  Number    Share

EUA                                       776           38.8%                  565            28.2%

China                                    13               0.6%                  263            13.1%

Japão                                     331           16.5%                  229            11.4%

Reino Unido                       132             6.6%                  91                4.5%

Japão                                     67               3.3%                  59                2.9%

Canadá                                 50               2.5%                  58                2.9%

Alemanha                           64               3.2%                  51                2.5%

 

Tabela 8. Composição regional das 5.00 principais companhias do mundo entre 2.000 e 2016 [89]

                                América                Europa                  Japão     China     Outros

                                do Norte

2000                       1956                       1346                       659         402         635

2016                       1519                       876                         437         1085       1083

 

 

 

 

Tabela 9. Os países ricos e super-ricos, 2018 [95]

 

Páis                                                                              escala de riqueza em milhões de dólares americanos

                                      1-5m                      5–10m                   10–50m              50–100m              100–500m            500+m

Estados Unidos       14,520,885           1,855,679              902,736                 50,144                   19,253                   1,144

China                            3,094,768              235,858                 132,701                 10,113                   5,690                      708

Japão                             2,627,845              125,377                 51,947                   2,478                      1,027                      71

Reino Unido               2,247,529              124,244                 56,535                   3,125                      1,422                      117

Alemanha                   1,985,627              127,157                 63,678                   4,078                      2,042                      203

França                          2,002,967              99,252                   42,117                   2,087                      886                         64

 

Tabela 10. Fluxo de investimentos estrangeiros diretos por país em 2017 (em milhões de dólares americanos e participação fluxo de investimentos estrangeiros diretos globais) [97]

Páis                                       2017                       Share of the

                                                                                Global FDI Outflows

Total                                      1,429,972              100%

EUA                                       342,269                 23.9%

Japão                                     160,449                 11.2%

Bretanha                              99,614                   7%

Alemanha                             82,336                   5.6%

França                                   58,116                   4.1%

China                                     124,630                 8.7%

Rússia                                   36,032                   2.5%

 

 

 

Tabela 11. Investimentos estrangeiros diretos externo disponíveispor páis em 2017 (em milhões de dólares americanos e participação do estoque global de investimentos estrangeiros diretos Disponíveis) [98]

 

Páis                                       2017                       Share of the

                                                                                Global FDI Outflows

Total                                      30,837,927           100%

EUA                                       7,799,045              25.3%

Japão                                     1,519,983              4.9%

Bretanha                              1,531,683              5%

Alemanha                             1,607,380              5.2%

França                                   1,451,663              4.7%

China                                     1,482,020              4.8%

Rússia                                   382,278                 1.2%

 

 

Tabela 12. Forças nucleares do mundo, 2018 [101]

 

Country                                Ogivas à disposição         Outras                  Inventário

                                                do Departamento               Ogivas                  Total

                                                de defesa              

EUA                                       1,750                                      4,700                      6,450

Rússia                                   1,600                                      5,250                      6,850

França                                   280                                         20                           300

China                                                                                 280                         280

Reino Unido                       120                                         95                           215

 

Tabela 13. Os 10 principais exportadores de armas, 2016 [102]

 

Exporter                               Participação Global (%)

1 EUA                                   33

2 Rússia                               23

3 China                                 6.2

4 França                               6.0

5 Alemanha                        5.6

6 Reino Unido                    4.6

7 Espanha                           2.8

8 Itália                                  2.7

9 Ucrania                             2.6

10 Israel                               2.3

 

 

 

Quadro 17. Top dez Países que Gastam em Pesquisa e Desenvolvimento 2.000-2015 [100]

billions of dollars spent on research & development = Bilhões de dólares gastos em investigação e desenvolvimento.

 

 

Notas de rodapé

82) Sobre a análise da CCRI da China como uma potência imperialista emergente, ver a literatura mencionada na subseção especial em nosso site:https://www.thecommunists.net/theory/china-russiaas-imperialist-powers/. Em particular, referimos os leitores a Michael Pröbsting: A China-Índia Conflito: Suas Causas e consequências. Quais são os antecedentes e a natureza das tensões entre a China e a Índia na região fronteiriça de Sikkim? Quais devem ser as conclusões táticas para Socialistas e Ativistas dos Movimentos de Libertação? 18 de agosto de 2017, Comunismo Revolucionário No. 71. https://www.thecommunists.net/theory/china-india-rivalry/; Michael Pröbsting: Questões sobre a China e a teoria marxista do imperialismo, dezembro de 2014, https://www.thecommunists.net/theory/reply-to-csr-pco-on-china/; Michael Pröbsting: a transformação da China em potencia imperialista. Um estudo dos aspectos econômicos, políticos e militares da China como uma grande potência, em: Comunismo Revolucionário No. 4, http://www.thecommunists.net/publications/revcom-number-4.

83) WTO: World Trade Statistical Review 2018, p. 23

84) Conselho de Desenvolvimento do Comércio de Hong Kong: Mudança no panorama da produção global e na Ásia Flourishing Supply Chain, 3 de outubro de 2017, p.1

85) Conselho de Desenvolvimento do Comércio de Hong Kong: Mudança no panorama da produção global e na Ásia Flourishing Supply Chain, 3 de outubro de 2017, p.4

86) OMC: World Trade Statistical Review 2018, p. 122. Gostaríamos também de chamar a atenção para o fato de que os EUA e a Grã-Bretanha importam substancialmente mais mercadorias do que exportam, ou seja, acima de seus meios. Eles são definitivamente as velhas potências imperialistas podres e parasitas. Não admira que os EUA se tornaram o maior devedor do mundo.

87) OMC: Revisão Estatística do Comércio Mundial 2018, p. 123

88) Lista Global da Forbes Global 2000t (2017), https://www.forbes.com/global2000/list/45/#tab:overall

89) Tomohiro Omura: A Maturidade das Economias Emergentes e Novos Desenvolvimentos na Economia Global, Relatório Mensal do Mitsui Global Strategic Studies Institute, abril de 2017, p. 4

90) UNCTAD: Relatório de Comércio e Desenvolvimento 2018, Nova York e Genebra, 2018, p. 58

91) Hurun Global Rich List 2017,http://www.hurun.net/EN/HuList/Index?num=8407ACFCBC85;ver também Zhu Wenqian: Pequim listado como capital bilionário do mundo, mais uma vez, China Daily, 2017-03-08, http://www.chinadaily.com.cn/business/2017-03/08/content_28470987.htm; Michael Pröbsting: Milionários "socialistas" da China, 16.11.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/asia/chinas-billionaires

92) Luisa Kroll e Kerry A. Dolan: Lista de bilionários da Forbes em 2017: Conheça as pessoas mais ricas do mundo O Planeta, 20.3.2017, https://www.forbes.com/sites/kerryadolan/2017/03/20/forbes-2017-billionaireslist-meet-the-richest-people-on-theplanet/#2084cc6362ff, veja também, https://www.forbes.com/billionaires/list/#version:static

93) UBS / PwC: Novos visionários e o século chinês. Bilionários insights 2018; Um comunicado de imprensa dos editores que resumem os resultados, pode ser visto aqui: UBS / PwC Billionaires Report 2018: A riqueza total dos bilionários cresce 19% para um recorde de US $ 8,9 trilhões, 26 de outubro de 2018, https://www.ubs.com/global/en/ubs-news/r-news-display-ndp/en-20181026-billionaires-report-2018.html

94) Veja também o nosso artigo sobre este relatório: Michael Pröbsting China: Um Paraíso para Bilionários. O mais recente Relatório do UBS / PwC sobre os super-ricos globais dá outro golpe esmagador ao stalinista Mito do "Socialismo" da China, 27.10.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/chinais-a-paradise-for-billionaires/; veja também Michael Pröbsting: Os super-ricos globais ficam ainda mais ricos. UBS / PwC publica seu último relatório sobre os bilionários do mundo, 27.10.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/global/the-global-super-rich-get-even-richer/

95) Credit Suisse Research Institute: Global Wealth Databook 2018, outubro de 2018, p. 125

96) Xie Jun: riqueza líquida social da China como segunda maior, enquanto os desequilíbrios precisam de atenção, Global Horários, 2018/12/27 http://www.globaltimes.cn/content/1133892.shtml

97) UNCTAD: World Investment Report 2018, pp. 184-187

98) UNCTAD: World Investment Report 2018, pp. 188-191

99) Na análise da CCRI sobre a Rússia como uma potência imperialista, ver a literatura mencionada em a subseção especial em nosso site: https://www.thecommunists.net/theory/china-russias-imperialist-powers/. Em particular, referimos os leitores a Michael Pröbsting: Teoria de Lenine de O imperialismo e a ascensão da Rússia como uma grande potência. Sobre o entendimento e mal-entendido da rivalidade interimperialista de hoje à luz da teoria do imperialismo de Lênin, agosto de 2014, http://www.thecommunists.net/theory/imperialism-theory-and-russia/ ; Michael Pröbsting: Rússiacomo um grande poder imperialista. A formação do capital monopolista russo e seu império - uma resposta aos nossos críticos, 18 de março de 2014, edição especial do comunismo revolucionário nº 21 (março de 2014),https://www.thecommunists.net/theory/imperialist-russia/

100) Pentágono: Avaliando e Fortalecendo a Base Industrial de Fabricação e Defesa Resiliência da Cadeia de Suprimentos dos Estados Unidos, Relatório ao Presidente Donald J. Trump pelo Grupo de Trabalho Interinstitucional em Cumprimento da Ordem Executiva 13806, setembro de 2018, p. 39

101) Anuário SIPRI 2018, Armamentos, Desarmamento e Segurança Internacional, p. 236

102) SIPRI Yearbook 2017 (resumo), p. 15

103) Ver p. Total da dívida externa da Rússia, https://tradingeconomics.com/russia/external-debt

104) Ver p. ING: A Rússia intensifica o resgate da dívida externa líquida no 3T de 11.10.2018, https://think.ing.com/snaps/russia-intensifies-foreign-debt-redemption-in-3q/

105) Ver p. Anthony Faiola e Karen DeYoung: Na Venezuela, a Rússia concentra os principais ativos de energia em troca de resgates em dinheiro, Washington Post, 24 de dezembro de 2018, https://www.washingtonpost.com/world/national-security/in-venezuela-russia-pockets-key-energy-assets-in-exchange-forcash-bailouts/2018/12/20/da458db6-f403-11e8-80d0-f7e1948d55f4_story.html?noredirect=on&utm_term=.4c57edeb1009

106) Ver p. Rússia vai desenvolver instalações de produção em Cuba, 21 de junho de 2016, Russia Today, https://www.rt.com/business/347586-russia-cuba-facilities-development/

107) Ver p. South China Morning Post: Como a Rússia está aumentando seu papel na África com armas, investimento e "instrutores", 14 de agosto de 2018, https://www.scmp.com/news/world/africa/article/2159622/how-russia-boosting-its-role-africa-weapons-investment-and

108) Ver p. Financial Times: Fortunas dos bancos da Nigéria ligados ao preço do petróleo, 20.11.2018; https://www.ft.com/content/370057c8-c71f-11e8-86e6-19f5b7134d1c

109) Veja-se, por exemplo: “De acordo com a concepção materialista da história, o elemento determinante final na história é a produção e reprodução da vida real. Mais do que isso, nem eu e nem Marx jamais afirmamos. Assim, se alguém distorce isto afirmando que o fator econômico é o único determinante, ele transforma esta proposição em algo abstrato, sem sentido e em uma frase vazia. As condições econômicas são a infra-estrutura, a base, mas vários outros vetores da superestrutura (formas políticas da luta de classes e seus resultados, a saber, constituições estabelecidas pela classe vitoriosa após a batalha, etc., formas jurídicas e mesmo os reflexos destas lutas nas cabeças dos participantes, como teorias políticas, jurídicas ou filosóficas, concepções religiosas e seus posteriores desenvolvimentos em sistemas de dogmas) também exercitam sua influência no curso das lutas históricas e, em muitos casos, preponderam na determinação de sua forma. Há uma interação entre todos estes vetores entre os quais há um sem número de acidentes (isto é, coisas e eventos de conexão tão remota, ou mesmo impossível, de provar que podemos tomá-los como não-existentes ou negligenciá-los em nossa análise), mas que o movimento econômico se assenta finalmente como necessário. Do contrário, a aplicação da teoria a qualquer período da história que seja selecionado seria mais fácil do que uma simples equação de primeiro grau. ”(Friedrich Engels: Carta a Joseph Bloch (1890); em: MECW 49, pp. 34-35)

 

 

VI. A Aceleração das Rivalidades Inter-imperialistas e a Guerra do Comércio Global

 

 

 

Dada a crise histórica do capitalismo e a grande mudança na relação de forças entre as Grandes Potências, não é de surpreender que as tensões entre os estados imperialistas estejam se acelerando. Trotsky sempre enfatizou como é crucial para uma organização revolucionária analisar cuidadosamente o processo político, as contradições e as mudanças nas relações entre os estados e as classes, a fim de se preparar politicamente para as guerras imperialistas vindouras.

 

“O primeiro pré-requisito para o sucesso é a formação de quadros partidários na correta compreensão de todas as condições da guerra imperialista e de todos os processos políticos que a acompanham. Pobre daquele partido que limita esta questão candente a frases gerais e slogans abstratos! Os eventos sangrentos vão atingir sua cabeça e esmagá-lo.” [110]

 

Levar em conta esse conselho é particularmente importante no próximo período de crescentes tensões entre as Grandes Potências. É preciso entender a legitimidade dos processos que ocorrem no sistema mundial imperialista. O surgimento da extraordinariamente chauvinista (e bizarra) Administração Trump não é, portanto, uma piada ruim da história (embora muitas vezes se pareça com isso), mas uma expressão de necessidade histórica. "Tornar a América Grande Outra Vez" reflete objetivamente a tentativa desesperada do imperialismo dos EUA de parar e reverter o declínio histórico de sua posição hegemônica. [111] Da mesma forma, a pessoa grotesca de Trump simboliza o fracasso dos EUA em alcançar tal objetivo. [112]

 

Essa enorme aceleração da rivalidade das Grandes Potências se refletiu na iminente Guerra do Comércio Global, no cancelamento do INF Treaty ( abreviação em inglês para Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário ) pela Administração dos EUA, [113] nas tensões no Mar do Sul da China [114], na agressão dos EUA contra o Irã [115], assim como em várias declarações dos principais políticos e militares de ambos os lados.

 

 

 

O Início de uma Nova Guerra Fria

 

 

 

Vamos dar alguns exemplos do passado recente. O tenente-general aposentado Ben Hodges, ex-comandante do Exército dos EUA na Europa, alertou no Fórum de Segurança de Varsóvia que "em 15 anos (...) é muito provável que estejamos em guerra com a China". [116] O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Jeremy Hunt, alertou durante a visita ao Irã que um único evento menor poderia desencadear uma catástrofe ao estilo da Primeira Guerra Mundial no Oriente Médio. [117] O ex-secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, alertou recentemente para os riscos de uma "cortina de ferro" descer entre as duas maiores economias do mundo. [118] De acordo com a imprensa chinesa, o presidente Xi Jinping disse a seus comandantes militares que "concentrem os preparativos para combates em uma guerra", já que as tensões continuam a crescer no futuro com relação ao Mar do Sul da China e de Taiwan. [119] O conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, afirmou que os EUA estão determinados a impedir a crescente influência da China e da Rússia na África. [120]

 

Outro exemplo da crescente influência dos agressivos imperialistas é a ascensão de Peter Navarro na Administração do governo dos EUA. Ele é o atual assessor da Casa Branca nos assuntos de comércio e ele foi o autor de várias publicações nos últimos anos que identificam a China como principal rival dos EUA. Um deles tem o título auto-explicativo de “As Guerras Vindouras da China”. Sem surpresa, ele é um forte defensor das altas tarifas contra o Reino do Meio. [121]

 

Graham Allison, ex-secretário de defesa dos EUA, defende uma política externa similar. Allison introduziu a frase da "Armadilha de Tucídides". Ele argumenta que, na maioria dos casos na história, o confronto entre um poder crescente e um poder dominante resultou em derramamento de sangue. Consequentemente, ele está convencido da probabilidade de um grande confronto entre os EUA e a China.[122]

 

A mídia oficial chinesa tem moderadas expectativas similares sobre as futuras relações entre as Grandes Potências. O Global Times, uma espécie de órgão internacional de língua inglesa do Partido Comunista da China-PCCh, publicou um artigo que afirmava que, mesmo que a China e os EUA possam evitar uma guerra comercial no curto prazo, não há motivo para otimismo:

 

“No curto prazo, devido à natureza ganha-ganha do comércio, ainda há espaço para negociação nas disputas comerciais. No entanto, no médio prazo, os EUA se tornaram agressivos em relação à ascensão do setor manufatureiro da China e ao estreitamento da lacuna em áreas de alta tecnologia. A longo prazo, em meio às preocupações com a Armadilha de Tucídides, uma contenção total da China pelos EUA não é totalmente impossível. Nesse sentido, a China provavelmente enfrentará mais conflitos com os EUA em diferentes níveis, e é essencial estar preparado para uma guerra prolongada ”. [123]

 

Nos últimos anos, toda uma série de livros e estudos foram publicados, que enfocam as crescentes tensões entre as Grandes Potências e alertam para grandes confrontos no previsível futuro. O Eurásia Group escreveu, por exemplo: “Não estamos à beira da III Guerra Mundial. Mas, na ausência de um garantidor de segurança global e com uma proliferação de atores subnacionais e não estatais capazes de desestabilizar as ações, o mundo é um lugar mais perigoso. A probabilidade de acidentes geopolíticos aumentou significativamente, uma tendência que continuará. Em algum momento, é provável que tenhamos um erro que leve a um confronto.” [124]

 

Minxin Pei, um especialista chinês que vive nos EUA, advertiu: “A crescente disputa comercial entre os EUA e a China é cada vez mais vista como a campanha de abertura de uma nova guerra fria. Este confronto de titãs, se continuar a aumentar, custará caro a ambas as partes, ao ponto de que até mesmo o vencedor (mais provavelmente os EUA) provavelmente encontraria sua vitória de Pirro.” [125]

 

É importante reconhecer que não é só a China que está desafiando a hegemonia das Grandes Potências ocidentais. A Rússia também está expandindo globalmente sua influência política, militar e econômica.[126] As intervenções militares na Ucrânia [127] e na Síria [128], o crescente papel de Moscou em todo o Oriente Médio [129], na África [130], etc. - tudo isso alarma as antigas potências imperialistas. Isto é verdade para a América Latina - o tradicional reduto do imperialismo norte-americano - que “a Rússia está descobrindo um novo 'El Dorado'”. Moscou expandiu suas relações não apenas com os estados da ALBA como Venezuela e Cuba, mas também com países como a Argentina, até mesmo sob a presidência de direita de Mauricio Macri [131]. As mais recentes tensões entre as grandes potências após o confronto entre a marinha russa e a ucraniana no estreito de Kerch apenas confirmam esta tendência. [132]

 

 

 

Tianxia - Desafio Ideológico da China

 

 

 

Naturalmente, a ascensão da China e da Rússia como grandes potências anda de mãos dadas com uma crescente autoconfiança ideológica. Pequim se vê cada vez mais como uma potência que deve desempenhar um papel central na política mundial. O presidente Xi enfatizou o papel de liderança global da China em um discurso no outono de 2017, quando disse: "É hora de nos colocarmos no centro do palco e de dar uma contribuição maior à humanidade". [133] O principal jornal do PCC, o Diário do Povo, declarou em um editorial que a China enfrenta uma "oportunidade histórica" de "restaurar sua grandeza e retornar a sua posição de direito no mundo". Ele enfatiza: “O mundo nunca se focou tanto na China e precisava tanto da China como agora ”. Ele afirma: “A oportunidade histórica é completa, que se refere não apenas ao desenvolvimento econômico, mas também à aceleração da ciência, tecnologia e revolução industrial, à crescente influência da cultura chinesa e ao crescente reconhecimento da sabedoria chinesa e a aproximação com a China (...) Estamos mais confiantes e mais competentes do que em qualquer momento da história para aproveitar esta oportunidade." Além disso, o editorial aponta que "o sistema de governança global está passando por profundas mudanças; e uma nova ordem internacional está tomando forma” Refletindo o movimento imperialista, o South China Morning Post, o maior jornal diário de Hong Kong de propriedade de Alibaba, de Jack Ma, intitulou um relatório sobre este manifesto "Torne a China grande novamente"! [134]

 

Elisabeth C. Economy, especialista burguesa nas questões da Ásia no Conselho de Relações Exteriores dos EUA, certamente não está errada ao observar que o presidente Xi da China está defendendo globalmente o “modelo chinês”: “Xi busca seu próprio modelo de política externa: Modelo chinês que ele acredita que vai entregar o seu sonho chinês e, talvez, tornar-se um porta-estandarte de outros países desencantados com os modelos americano e europeu de democracia liberal". [135]

 

A crescente autoconfiança ideológica da classe dominante chinesa também se reflete no ressurgimento do antigo conceito de Tianxia (que significa literalmente “sob o céu”), um antigo conceito chinês. Este conceito foi historicamente baseado em uma compreensão do mundo em cinco zonas concêntricas com o Imperador ("Filho do Céu"). o domínio real no centro, os domínios dos príncipes, a zona de pacificação, a zona dos bárbaros aliados e a zona de selvageria. [136] Uma interpretação alternativa é dividir o mundo em três áreas com diminuição da influência chinesa: área de vassalagem interna, área vassalagem externa e área temporária de não vassalagem. [137] Apesar das modificações ao longo da história, o conceito de Tianxia sempre foi um conceito confucionista clássico que legitimou o império da classe dominante do Império Han-Chinês.

 

Hoje, vários ideólogos chineses e não chineses pró-Pequim apresentam Tianxia como um modelo alternativo pacífico à ordem mundial imperialista dominada pelo Ocidente. [138] Pepe Escobar, por exemplo, um importante ideólogo que combina propaganda a favor de Moscou e Pequim com uma cor de esquerda liberal [139], defende a superioridade da visão de mundo chinesa de Tianxia ao se referir aos escritos de Zhao Tingyang, pesquisador da Academia Chinesa de Ciências Sociais. . Ele caracteriza a Tianxia como uma visão de mundo “para enfrentar problemas universais em um processo de formação dinâmica que se refere à globalização. (…) Tingyang mostra que o conceito de Tianxia se refere a um sistema mundial onde o verdadeiro sujeito político é o mundo. Sob a visão imperialista ocidental, o mundo sempre foi um objeto de conquista, dominação e exploração, e nunca um assunto político per si. Portanto, precisamos de uma visão unificadora maior e mais abrangente do que a do Estado-nação - sob o esquema de Lao Tzu: “Ver o mundo do ponto de vista do mundo”. Mergulhando nas raízes mais profundas da cultura chinesa, Tingyang mostra que a ideia de que não há nada além de Tianxia é, de fato, um princípio metafísico, porque Tian (céu) existe globalmente. Então, Tianxia (tudo sob o Céu), como Confúcio disse, deve ser o mesmo, para estar de acordo com o céu. Assim, o sistema de Tianxia é inclusivo e não exclusivo; suprime a ideia de inimigo e estrangeiro; nenhum país ou cultura seria designado como um inimigo e não seria desincorporado do sistema ”. [140]

 

No entanto, isso é obviamente um absurdo ideológico burguês, já que toda a história do Reino chinês é caracterizada pelo expansionismo e subjugação dos povos não pertencentes à etnia Han, como muitos povos vizinhos do Turquestão Oriental, do Vietnã, da Coréia, etc. Naturalmente, isso faz com que a China não seja diferente dos impérios ocidentais, já que os últimos também estão sempre tentando expandir e subjugar outros povos. No entanto, os marxistas têm que se opor a quaisquer mitos ideológicos históricos - sejam eles pró-chineses ou pró-ocidentais. Nem o Império da China, nem qualquer outro Império na história, era a favor da inclusão ou pacifista. Eram mecanismos brutais do Estado com o propósito de servir os interesses de classe da elite governante através da exploração do povo trabalhador, assim como através da subjugação de outros povos. O mesmo é verdade nos dias de hoje. Quer se chame “valores globais da civilização”, “direitos humanos e democracia” ou Tianxian, todos esses conceitos ideológicos burgueses servem de justificativa para a política imperialista das Grandes Potências.

 

Há vários ideólogos que defendem o ponto de vista da Rússia e da China. Naturalmente, em contraste com os ideólogos pró-ocidentais, eles observam com bastante animação que "a transferência do centro de gravidade geopolítico para a Eurásia é algo com o qual o Ocidente terá de se acostumar". [141] Esses ideólogos, além de vários estalinistas, variam de escritores como o já mencionado Pepe Escobar a William Engdahl, que está próximo do semi-fascista LaRouche movement e do fascista russo Aleksandr Dugin. [142] O último é uma figura de proa do movimento eurasiano, uma corrente que é extremamente reacionária por natureza, que elogia o chauvinismo dos grandes poderes e as formas autoritárias dos regimes burgueses, e inclui também várias posições afins ao fascismo. Clama pela formação de um império totalitário com a Rússia como seu centro que formará uma aliança com a Europa contra os EUA. Dugin proclamou já duas décadas atrás: “A Rússia é a encarnação da busca por uma alternativa histórica ao atlanticismo. Aí reside sua missão global ”. [143]

 

 

 

Protecionismo e Militarismo

 

 

 

Todas essas tensões refletem a mudança fundamental que está ocorrendo na política mundial. Entramos em uma nova era. Fazendo uma revisão histórica, podemos dizer que houve a era da Guerra Fria entre os estados imperialistas (liderados pelos EUA) e os estados operários estalinistas (liderados pela URSS) nos anos 1948-1989 / 91. Depois disso, experimentamos uma era da Inter-Guerra Fria caracterizada pela dominação absoluta do imperialismo norte-americano. E atualmente, estamos entrando em uma nova era de Guerra Fria entre as Grandes Potências imperialistas - em primeiro lugar entre os EUA a China. [144]

 

A Guerra Global do Comércio , que começou em 2018, é um bom exemplo para demonstrar a rápida deterioração das relações entre as Grandes Potências. Como discutimos em documentos recentemente publicados, as tensões políticas e econômicas entre as Grandes Potências se aceleraram enormemente nos últimos meses, com o presidente dos Estados Unidos, Trump, desencadeando uma guerra comercial aberta. [145] No entanto, esse conflito não é um desenvolvimento súbito e inesperado ou um resultado da loucura de Trump. É antes o resultado do crescente número de medidas protecionistas dos EUA e de outras Grandes Potências nos últimos anos. (Veja Quadro 18)

 

É por isso que as mentes mais brilhantes entre os líderes políticos e empresariais de ambos os lados já se preparam para uma longa Guerra Fria. Chen Hongtian, um importante bilionário chinês que é membro do Comitê Consultivo Político do Povo Chinês e presidente do Harmony Club, um grupo de cerca de 150 magnatas chineses, espera um longo período de Guerra Fria entre as duas Grandes Potências. Em um discurso a outros capitalistas monopolistas, ele advertiu que o próximo inverno ”será mais frio e mais longo do que o esperado” e “tudo o que posso dizer é que as dificuldades [para empresas privadas] são muito maiores do que as pessoas esperavam”. [146]

 

Como demonstramos no Quadro 19, houve uma estagnação do comércio mundial desde a Grande Recessão em 2008, após décadas de muito grande