O Ataque Terrorista em Paris é o resultado do terror imperialista no Oriente Médio!

Parar o belicismo da França e das outras Potências Imperialistas! Não à Mobilização do Exército dentro da França! Defender os povos muçulmanos contra os ódios Chauvinistas e contra a Repressão Estatal!

Declaração da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (em inglês RCIT), 2015/11/14, www.thecommunists.net

 

1.            Na sexta-feira à noite, 13 de novembro, os terroristas - muito provavelmente membros da Daesh (o denominado Estado Islâmico) - cometeu seis ataques coordenados em Paris, que mataram 128 pessoas e feriram cerca de 200 outros. A maioria das vítimas morreu no local de shows Bataclan na capital francesa durante uma apresentação de uma banda de metal rock após forças de polícia especial invadirem o salão onde os terroristas tinham tomado como reféns o público presente. Além disso, os ataques foram também realizados em três restaurantes e um centro comercial. O presidente da França, François Hollande, declarou estado de emergência e enviados 1.500 soldados adicionais, em Paris. O transporte público foi interrompido e as pessoas foram instruídas a ficar em casa.

2.            A Corrente Comunista Revolucionária Internacional (em inglês RCIT) condena este ataque como sendo absolutamente reacionária. Não era dirigido contra um alvo militar, nem mesmo um alvo simbólico como o racista jornal Charlie Hebdo. Foi praticado diretamente contra jovens e a comum classe trabalhadora. Enviamos nossas mais sinceras condolências aos amigos e familiares das vítimas. O ataque demonstra uma vez mais o caráter particularmente reacionária das organizações salafistas-takfiri como Estado Islâmico, o que os diferencia de outros islamitas reacionários (porque organizações como o Estado Islâmico estão lutando principalmente contra os oprimidos e nossa classe operária, e não contra o imperialismo ou contra os regimes reacionários).

3.            O ataque também é completamente reacionário, porque servirá para a classe dominante justificar e intensificar sua ofensiva reacionária contra os povos oprimidos do Oriente Médio, bem como em nível nacional contra a classe trabalhadora em geral e os migrantes muçulmanos em particular. O Presidente Hollande, o provocador de guerra disfarçado em social-democrata, vai usar esse ataque como pretexto para enviar ainda mais aviões e navios de guerra ao Oriente Médio para bombardear o povo sírio e o povo iraquiano. A classe dominante, liderada pela mídia de direita, vai agitar o ódio chauvinista contra a numerosa minoria muçulmana de migrantes na França, e justificar uma intensificação da já enorme repressão estatal.

4.            A verdade é que a maioria de ataques recentes como estes em Paris são o resultado direto do crescente terror das Grandes Potências imperialista e de seus lacaios locais no Oriente Médio, combinado com a intensificação da opressão dos migrantes na Europa. As grandes potências - incluindo a França - já ocuparam e aterrorizaram o povo afegão por quase uma década e meia. Então, depois de ter deixado à míngua primeiro o povo iraquiano com uma guerra cruel de sanções que durou mais de uma década após 1991, os imperialistas sumariamente destruíram seu país durante a guerra de 2003 e da ocupação que se seguiu. Atualmente, as potências ocidentais e a Rússia imperialista estão trabalhando lado a lado para bombardear e colocar em submissão a resistência na Síria e ajudar o regime do serial killer Assad. O Imperialismo francês tem sido particularmente cruel em sua ofensiva militar. Ele não só participa da ofensiva imperialista na Síria e no Iraque, como também invadiu Mali e enviou tropas para reprimir a minoria muçulmana na República Centro-Africana. Além disso, Israel imperialista está intensificando a fome e expulsão do povo palestino em Gaza e na Cisjordânia. Enquanto no Iêmen, o bando reacionário de Al-Saud e seus aliados locais - apoiado pelas grandes potências ocidentais - estão travando uma guerra vicioso da agressão contra o povo do Iêmen. Além disso, a França e o imperialismo ocidental não tiveram nenhum problema com a Rússia durante massacre de até 200 mil pessoas do heroico povo da Chechena.

5.            A combinação de implacável terror imperialista estatal e das atuais ditaduras arqui-reacionária aliadas com uma ou mais das grandes potências resultaram em uma onda sem precedentes de terror contra as massas populares no Oriente Médio. O regime de Assad - um aliado-chave da Rússia imperialista e um colaborador de longa data do imperialismo ocidental - por si só é responsável por pelo menos 300 mil mortos na Síria. Pelo menos 450 mil iraquianos morreram como consequência da guerra dos EUA e sua posterior ocupação desse país. A maioria do povo palestino é forçado a viver como refugiados e / ou sob o terror da máquina de guerra sionista (Estado de Israel). Os imperialistas criaram um regime de terror patrocinado pelo estado em todo o Oriente Médio, e o terror, em consequência, volta na cara dos imperialistas como um resultado direto do terror de Estado muito mais violento. Portanto, não será nenhuma surpresa se ataques terroristas semelhantes, como o mais recente em Paris tiver lugar em outros países imperialistas também.

6.            O Estado Islâmico (Daesh / EI) é um produto de anos e anos de agressão imperialista. O fracasso de várias lideranças pequeno-burguesas nacionalistas e islâmicas resultou na criação de uma organização tão desprezível e reacionária. No entanto, repetimos, não é tarefa dos imperialismos combaterem o Estado Islâmico, não só porque ele só vai fortalecê-los, mas porque as massas do povo sunitas no Oriente Médio tiveram de aprender nos últimos anos que, na prática, o domínio imperialista significa terror aberto contra eles. Os EUA, a França e a Rússia estão cinicamente usando essa guerra contra Estado Islâmico como um pretexto para estender sua influência e seus interesses comerciais no Oriente Médio. Não, lutar contra o Estado Islâmico-EI é a tarefa dos próprios operários e camponeses organizados em milícias populares, e apenas as forças do progresso podem ser vitoriosas e alcançar o interesse da nossa classe.

7.            O RCIT enfatiza, mais uma vez, que a atual tarefa dos socialistas é opor-se às mobilizações pró-imperialistas - tanto internamente como no exterior - da França, assim como das outras grandes potências. Os socialistas não devem participar nas mobilizações patrióticas, pró-imperialistas de que o governo Hollande certamente será agora organizador. Em vez disso, deveriam-se organizar manifestações de rua independentes que condenem o ataque terrorista e ao mesmo tempo contra a política racista e militarista do governo Hollande.

8.            Os socialistas devem defender os imigrantes muçulmanos e mobilizar contra a guerra imperialista do governo Hollande, assim como os dos EUA, do Reino Unido, de Israel e da Rússia. Socialistas devem indicar claramente que o inimigo principal não são os jihadistas reacionários, mas o governo Hollande e as grandes potências. Eles são responsáveis ​​pela morte de mais pessoas, e carregam em suas costas muitos crimes e mais malignos. É urgente que os socialistas façam um esforço sério para ganhar o movimento dos trabalhadores ao longo de uma campanha resoluta em solidariedade com as lutas de libertação no Oriente Médio, bem como com os refugiados, e contra a guerra imperialista. Obviamente, essa campanha tem de incluir uma denúncia afiada contra todas as forças reformistas e centristas que não tomam uma posição anti-imperialista e internacionalista consistente.

9.            Por fim, salientamos a necessidade da construção de novos partidos revolucionários - na França e em todo o mundo. Somente esses partidos podem fornecer a liderança revolucionária como a única alternativa aos islamitas reacionários, assim como alternativa aos reformistas. Sem esses partidos revolucionários estando unidos em uma única, nova Internacional revolucionária, a classe trabalhadora na França e os povos oprimidos do Oriente Médio não podem esperar ter sucesso na luta eficaz contra seus inimigos. Somente tais partidos - como parte da Quinta Internacional dos Trabalhadores - podem lutar por um programa consistente de igualdade para os imigrantes e para a derrota do imperialismo no Oriente Médio. Apenas um partido mundial revolucionário pode ter sucesso na luta pela revolução socialista internacional.

 

Morte ao imperialismo! Abaixo Estado Islâmico-EI! Vingar os assassinatos lutando contra o imperialismo e todas as suas formas de opressão!

 

Secretariado Internacional da RCIT

 

Sobre nossas posições com relação ao ataque à Charlie Hebdo em Janeiro de 2015 veja:

http://www.thecommunists.net/home/portugu%C3%AAs/paris-attacks/

http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/french-pcf-iraq-war/ (em inglês)

http://www.thecommunists.net/home/portugu%C3%AAs/racist-charlie-hebdo/


Free Homepage Translation