LIVRO O Anti-imperialismo na era da Rivalidade das Grandes Potências (Parte 3)

 

Parte 3: O Programa d Derrotismo Revolucionário Contra Todas as Grandes Potências

 

 

Nota do Conselho Editorial: Os capítulos a seguir contêm vários quadros. Por razões técnicas, eles só podem ser visualizadas na versão pdf do livro, que pode ser baixada aqui. 

 

 

XII. A Terceira Guerra Mundial é Inevitável? (Notas críticas sobre Michael Roberts)

 

Crescimento Populacional e Longos Crescimentos Econômicos

 

Quais São as Condições Longos Crescimentos Econômicos?

 

Um Elemento de Kautskyanismo

 

 

 

XIII. O Proletariado Como Classe Internacional

 

Internacionalismo e Libertação Nacional

 

Sobre o Aristocratismo e a Aristocracia Trabalhista

 

 

 

XIV. O Caráter Internacionalista da Luta Contra a Guerra Imperialista e a Natureza Social-Patriótica da Teoria Estalinista do “Socialismo Num Só País”

 

 

 

XV. O Significado do Ditado “A Guerra é a Continuação da Política por Outros Meios”

 

 

 

XVI. Derrotismo Revolucionário Como Estratégia Combinada

 

A natureza Contraditória do Imperialismo Como Base objetiva do Anti-Imperialismo

 

Os Clássicos Marxistas Sobre a Estratégia Combinada

 

 

 

XVII. A Relação Entre Guerra e Revolução

 

“Pequenas” e “Grandes” Guerras Imperialistas

 

III Guerra Mundial e Revolução - uma contradição em si mesmo?

 

 

 

XVIII. Derrotismo Revolucionário nos Conflitos entre Estados Imperialistas: Os Clássicos Marxistas

 

Marx e Engels na Época Pré-Imperialista

 

Os Bolcheviques e a Guerra Russo-Japonesa 1904/05

 

A Elaboração Completa do Programa Derrotista de Lenin na Primeira Guerra Mundial 1914-17

 

A Agitação Bolchevique Contra a Guerra na Rússia

 

Trotsky Continua a Luta Revolucionária Contra a Guerra Imperialista

 

 

 

XIX. Derrotismo Revolucionário em Conflitos entre Estados Imperialistas: componentes programáticos (1)

 

Pela Independência da Classe Trabalhadora - Nenhum Apoio a Qualquer Grande Potência!

 

A luta Contra o Chauvinismo

 

Mudanças nas Condições e suas Conseqüências

 

A Crise Moral nos Países Imperialistas Ocidentais

 

 

 

XX. Derrotismo Revolucionário nos Conflitos entre os Estados Imperialistas: Componentes Programáticos (2)

 

A Questão das Sanções de uma Grande Potência Contra Outra

 

Guerra Comercial Global e Táticas Internacionalistas

 

Guerras entre Grandes Potências, e Respectivamente entre suas Marionetes

 

Alinhando-se ao Mal Menor (Imperialista)?

 

A Pobreza do Pacifismo

 

O Slogan do Desarmamento

 

Tribunais Internacionais de Arbitragem e Nações Unidas

 

 

 

XXI. Derrotismo Revolucionário nos Conflitos entre os Estados Imperialistas e os Povos Oprimidos

 

Guerras Imperialistas e Ocupações de Países Semicoloniais

 

Agressões Imperialistas Não-Militares Contra os Países Semi-Coloniais

 

Opressão das Minorias Nacionais

 

Táticas de Luta em Massa

 

Em Cenários Complexos de Guerra

 

 

 

XXII. Derrotismo Revolucionário e a Luta pela Igualdade Total dos Imigrantes

 

 

 

 

 

 

XII. A III Guerra Mundial é Inevitável? (Notas críticas sobre Michael Roberts)

 

A CCRI tem repetidamente assinalado que a aceleração da rivalidade entre as Grandes Potências desde o início do novo período em 2008 será inevitável resultar em uma nova Guerra Mundial. A única chance de evitar um cenário tão apocalíptico é, como afirmamos nas "Teses sobre o Derrotismo Revolucionário nos Estados Imperialistas", a luta de classes revolucionária da classe trabalhadora contra os belicistas imperialistas que resulte na derrubada deles.

Muitos socialistas rejeitam essa perspectiva. Vamos lidar com alguns argumentos que foram apresentados por Michael Roberts. Roberts é um economista marxista que produz regularmente análises bem concebidas da economia mundial capitalista. Em um ensaio publicado recentemente, ele elabora seus pensamentos sobre o possível fim da longa depressão atual e a transição para uma nova fase de longa expansão. Vamos primeiro citar os parágrafos relevantes do seu artigo e, em seguida, discutir criticamente o seu conteúdo. Em um capítulo intitulado “Uma nova fase do imperialismo à frente?” Roberts escreve:

A economia mundial está em uma longa depressão. No entanto, o capitalismo mundial não ficará neste estado. Eventualmente, provavelmente após uma outra queda que destruirá o valor suficiente (o valor dos meios de produção, o capital fictício e o emprego), a lucratividade para aqueles capitais que sobreviverem aumentará novamente para iniciar uma nova onda de investimento e crescimento. Isso pressupõe, é claro, que a luta de classes não leve às forças do trabalho triunfando sobre o capital em qualquer economia imperialista importante.

Uma nova onda de globalização é assim possível. Há ainda mais seres humanos no mundo para serem explorados e sempre há novas inovações tecnológicas que podem fornecer um novo ciclo de expansão de valor e mais-valia. Ainda existem enormes reservas de mão-de-obra ainda inexploradas, especialmente na África. As últimas projeções da ONU para as economias do mundo mostram que a África deve dominar o crescimento populacional nos próximos noventa anos, à medida que as populações em muitas das economias desenvolvidas do mundo e na China encolherem. [ii] Espera-se que a população da África mais que quadruplique em apenas 90 anos, enquanto a Ásia continuará a crescer, mas atingirá o pico daqui a 50 anos e começará a declinar.

Será que o capitalismo pode avançar ainda mais ao explorar essas centenas de milhões que entram nas forças de trabalho da Ásia, da América do Sul e do Oriente Médio? Enquanto a força de trabalho industrial nas maduras economias capitalistas encolheu para menos de 150 milhões; nas chamadas economias emergentes, a força de trabalho industrial chega a 500 milhões, superando a força de trabalho industrial nos países imperialistas no início dos anos 80. Além disso, há um grande exército de reserva de trabalho composto por desempregados, subempregados ou inativos adultos de outros 2,3 bilhões de pessoas que também poderiam ser explorados por novo valor”. [346]

Lenin gostava de dizer sobre Máximo Gorki - um famoso escritor russo e defensor socialista da luta da classe trabalhadora que, no entanto, cometeu erros na política - que não se deve julgar muito duro com ele. Ele é um grande artista, disse Lenin, e não se deve esperar as pessoas a encontrar o seu caminho no labirinto da luta de classes. Michael Roberts provoca um julgamento similar sobre grandes economistas. Seus escritos sobre a economia mundial são excelentes e nos referimos a eles repetidamente em nossas análises econômicas. Mas no campo da política, esse antigo defensor da tradição centrista CIT / TMI de Ted Grant, não superou as deficiências desses professores políticos.

Por exemplo, ele ainda considera a China como um “estado operário degenerado” não capitalista. [347] Infelizmente, sua teoria sobre um novo longo boom (desenvolvimento acelerado de uma determinada atividade econômica) não é muito melhor. Seus principais argumentos para prever a possibilidade de um novo boom são basicamente i) que, eventualmente, outra queda destruirá valor capitalista suficiente para criar condições prévias para investimentos lucrativos e ii) que ainda existem grandes setores de forças de trabalho na África e em outros países. partes do mundo semicolonial que poderiam ser integradas no processo capitalista de exploração.

É claro, é verdade que as grandes quedas podem destruir enormes quantidades de valor capitalista e isso, por sua vez, é uma pré-condição para um período de ascensão capitalista. E também é verdade que a crescente população jovem na África e na Ásia poderia ser integrada ao mercado capitalista.

 

Crescimento Populacional e Longos Crescimentos Econômicos

 

No entanto, há uma série de falhas nesta tese. Vamos tratar primeiro do argumento da população jovem em África. De fato, as taxas de crescimento da população mundial foram maiores nas últimas décadas do que atualmente e prevê-se que sejam ainda mais baixas nas próximas décadas. (Veja a Tabela 26 e Quadro 31)

Então, em resumo, as “enormes reservas de trabalho” cresceram muito mais no passado do que se prevê que cresçam no futuro. E apesar de uma maior taxa de crescimento da população trabalhadora (do que o previsto para o futuro), as taxas de crescimento da economia capitalista mundial declinaram nas últimas décadas, como demonstramos no capítulo 1. Em suma, é desprovido de lógica supor que as taxas de crescimento populacional mais baixas no futuro poderiam ser a base para uma longa recuperação do capitalismo.

Acrescentemos que a dinâmica declinante do capitalismo não foi sequer invertida após o colapso do estalinismo em 1989-91, quando o desaparecimento dos estados operários degenerados na Rússia, China e outras partes do mundo acrescentou centenas de milhões de força de trabalho adicional. para o mercado mundial capitalista. Notamos de passagem que vários revisionistas na época assumiram que este evento abriria um período de longo boom econômico - algo contra o qual sempre argumentamos fortemente contra. [351]

 

Quais são as Condições para Ocorrer Longos Crescimentos Econômicos?

 

O segundo argumento de Michael Roberts também é falho. É verdade que uma queda destrói o valor capitalista. Mas a história do capitalismo na época do imperialismo demonstrou que uma queda em si, ou a destruição do valor capitalista em geral, não é suficiente para criar as condições para um longo período de ascensão capitalista. Recapitulemos: as catástrofes econômicas e militares levaram a destruições maciças do valor capitalista em 1914-1918, 1929-1933, 1937 e 1939-1945 e então tivemos as severas recessões em 1974/75, 1980-1982, 1990-91, 2000-2001 e a Grande Recessão 2008-2009. Somente em um único caso (a Segunda Guerra Mundial) isso abriu a estrada por um longo período de ascensão capitalista. Portanto, é óbvio que tais recessões não são uma pré-condição suficiente para outro boom capitalista.

Isso nos leva à questão das causas de um longo período de ascensão capitalista. Michael Roberts comete o erro de abordar as questões de um ponto de vista economicista eclético (talvez não seja atípico para um economista). Ele imagina compreender o desenvolvimento histórico analisando esse ou aquele fator da economia. No entanto, não é à toa que os marxistas falam da “economia política”. O capitalismo não existe exclusivamente como modo de produção, mas é também uma formação socioeconômica. A economia não pode existir sem um estado para regular as contradições de classe e a economia mundial não pode existir sem estados-nação.

O capitalismo na época do imperialismo é caracterizado pela tendência histórica de declínio, como os marxistas explicaram repetidamente. [352] Em contraste, os defensores da teoria mecanicista das ondas longas acreditam que existe um tipo de lei trans-histórica que um período de ascensão capitalista deve ser seguido por um período de depressão capitalista a ser seguido por um período de ascensão capitalista e assim por diante. Parece que Michael Roberts também adere a essa concepção errada. [353]

Como já explicamos em outro lugar, os marxistas reconhecem o período do "Longo Boom" nos anos 50 e 60. Mas é preciso ver que esse período foi uma exceção na época imperialista, resultado de circunstâncias históricas extraordinárias. Primeiro, a guerra mundial causou massivas destruições de capital. Em segundo lugar, o fascismo resultou em derrotas históricas para a classe trabalhadora. Acrescente a isso o papel devastador da burocracia estalinista que traiu as lutas revolucionárias da classe trabalhadora entre 1945-1948 e, com isso, ajudou a estabilizar o capitalismo. Além disso, o estalinismo concordou com as potências imperialistas no estabelecimento de uma ordem mundial reacionária - o “acordo de Yalta” - que durou mais ou menos até 1989-1991.

Finalmente, e especialmente importante, a Segunda Guerra Mundial resultou no surgimento de uma hierarquia indiscutível das potências imperialistas, com os EU tendo a hegemonia absoluta. Este não foi o caso após a Primeira Guerra Mundial, que não resultou no surgimento de uma potência imperialista hegemônica. Daí a tumultuada década de 1920 e 1930, resultando na Segunda Guerra Mundial. Foi o reordenamento das relações Inter imperialistas resultantes das derrotas da Alemanha e do Japão e o domínio indisputado dos EUA, o que significou que durante todo um período histórico - efetivamente até o final dos anos 2000 - a rivalidade entre as Grandes Potências imperialistas desempenhava apenas um papel secundário.

Então, o que, teoricamente, poderiam ser as pré-condições para um novo período de longo boom capitalista? Nós elaboramos em um ensaio publicado há algum tempo os seguintes argumentos:

A precondição para isso é:

* que a classe dominante imponha derrotas históricas sobre a classe trabalhadora e reduza o preço da mão-de-obra para um nível qualitativo inferior,

* que uma enorme massa de capital supérfluo seja destruída (através de guerras ou catástrofes similares) e

* que uma nova ordem mundial capitalista sob a hegemonia indiscutível de uma potência imperialista seja formada (no século XIX era a Grã-Bretanha, depois de 1945 eram os EUA) (…)

“Poderíamos experimentar outro longo boom no futuro, semelhante ao das décadas de 1950 e 1960? Do ponto de vista marxista, seria errado excluir tal possibilidade. Mas seria igualmente errado imaginar tal possibilidade como uma simples repetição dos eventos que levaram a essa recuperação. O capitalismo monopolista do século 21 não é o mesmo dos anos 50 e 60. As forças produtivas se desenvolveram enormemente desde então, e com elas também as forças destrutivas. Uma guerra mundial hoje teria consequências imensamente piores para a humanidade do que a Segunda Guerra Mundial (incluindo a eliminação de parte da humanidade e a destruição da civilização). A fina interconexão da economia mundial globalizada significa que qualquer séria perturbação regional - seja econômica, política ou militar - envolveria todo o planeta. A probabilidade de uma diminuição temporária das contradições imperialistas e de uma nova recuperação seria, portanto, muito menor do que em meados do século XX. A alternativa, "socialismo ou barbárie", por outro lado, surge mais acentuada do que nunca no século XXI. Quanto mais o imperialismo decai em sua senilidade, mais explosivas se tornam suas contradições. As pré-condições para um impedimento temporário do seu declínio e outro período de expansão seriam uma destruição maciça sem precedentes do capital, enormes derrotas históricas para a classe trabalhadora e uma guerra entre as Grandes Potências para que uma potência imperialista dominante pudesse estabilizar a situação mundial com uma absoluta hegemonia. Em outras palavras, o capitalismo exigiria métodos bárbaros que colocariam em questão a sobrevivência da humanidade”. [354]

É claro que seria errado excluir qualquer possibilidade teórica de uma vida mais longa do capitalismo. Seria errado excluir o cenário de que uma guerra nuclear entre as Grandes Potências resultaria na aniquilação de um lado e na situação relativamente ilesa do outro campo. Ou que uma parte do planeta seria destruída por uma catástrofe ambiental ou uma pandemia e outra parte não. Teoricamente, esses eventos devastadores, resultando na aniquilação generalizada de milhões de pessoas, assim como na indústria e na infraestrutura, poderiam, teoricamente, criar as condições de uma nova ascensão capitalista. No entanto, não é preciso muita explicação de que os socialistas não têm motivos para especular ou mesmo construir uma perspectiva de luta em tal cenário que representaria definitivamente uma horrível regressão social.

 

Um elemento do Kautskyanismo

 

Enfatizemos finalmente que nossa insistência na dinâmica interna do capitalismo, resultante inevitável em guerras, está de acordo tanto com as lições da história como com os ensinamentos clássicos do marxismo. Sempre foi o caso na história das sociedades de classes que as Grandes Potências e os Impérios não entregaram pacificamente o poder a um rival. Eles sempre tentaram manter seu poder por qualquer meio necessário e seus rivais tentaram derrubá-los com a mesma ferocidade. Basta pensar sobre a rivalidade entre o Império Romano e Cartago, entre os Três Reinos Chineses (Wei, Shu e Wu), entre a China e o Japão, entre a Inglaterra e a França ou entre as grandes Potências modernas envolvidas nas duas Guerras Mundiais do século XX.

De fato, é uma posição clássica dos marxistas reconhecer que as contradições entre os monopólios capitalistas e as Grandes Potências imperialistas não podem ser mitigadas por algumas quedas econômicas. Não, esses antagonismos devem inevitavelmente resultar em guerras mundiais. Esta sempre foi uma suposição básica de Lenin.

“A Guerra não acontece por acaso, nada tem a ver com “o pecado” como defendido pelos sacerdotes cristãos (que não ficam atrás dos oportunistas na pregação do patriotismo, da humanidade e da paz), a guerra é uma etapa inevitável do capitalismo, uma forma tão legítima da vida capitalista como a paz.” [355]

… Isto resume, por assim dizer, o moderno capitalismo monopolista em escala mundial. E este resumo prova que, no momento em que exista propriedade privada dos meios de produção as guerras imperialistas são absolutamente inevitáveis sob tal sistema econômico”. [356]

"Sob o capitalismo, especialmente em seu estágio imperialista, as guerras são inevitáveis." [357]

De fato, seria uma ilusão pequeno-burguesa imaginar que a escalada da rivalidade entre as Grandes Potências não resultaria inevitavelmente em uma nova Guerra Mundial se a classe trabalhadora não derrubasse o capitalismo neste planeta e destruísse o imperialismo. Tal mito pacifista já foi levantado há muito tempo pelo fundador do centrismo, Karl Kautsky. Ele proclamou, apenas algumas semanas após o início da Primeira Guerra Mundial (!), Que seria possível transformar o capitalismo imperialista violento em um “Ultra imperialismo” pacífico”.

O que Marx disse do capitalismo também pode ser aplicado ao imperialismo: o monopólio cria concorrência e a concorrência cria monopólio. A competição frenética de firmas gigantescas, bancos gigantes e multimilionários obrigou os grandes grupos financeiros, que estavam absorvendo os pequenos, a pensar na noção do cartel. Da mesma forma, o resultado da Guerra Mundial entre as Grandes Potências imperialistas pode ser uma federação das mais fortes, que renunciam a sua corrida armamentista. Portanto, do ponto de vista puramente econômico, não é impossível que o capitalismo ainda possa em outra fase, ser a tradução da cartelização em política externa: uma fase de ultra imperialismo, que é claro que devemos lutar tão energicamente quanto contra o imperialismo, mas cujos perigos estão em outra direção, não na corrida armamentista e na ameaça à paz mundial.” [358]

Lênin assinalou muitas vezes que esse era um sonho reacionário que visava pacificar e desarmar a classe trabalhadora e confundir sua perspectiva de luta revolucionária contra a classe capitalista. Num prefácio de um livro de seu colaborador Nikolai Bukharin sobre o imperialismo, ele comentou a ideia de Kautsky:

“Em Kautsky, especialmente, a ruptura evidente com o marxismo traduziu-se não pela negação ou pelo esquecimento da política; nem, por um "salto" acima dos conflitos políticos, perturbações e transformações especialmente numerosas e variadas nesta época do imperialismo; nem por uma apologia do imperialismo — mas pelo sonho de um capitalismo "pacífico". Sucede, porém, que o capitalismo pacífico foi substituído por um capitalismo nada pacífico, e antes belicoso e catastrófico — o que Kautsky é forçado a admitir, pois já o fazia em 1909, em obra consagrada especialmente a esse problema(2), e onde falou pela última vez como marxista, capaz de deduzir com inteligência as consequências de seus princípios. Se não se pode, porém, sonhar ingenuamente, como um simplista algo grosseiro, com o retorno do imperialismo a um capitalismo "pacífico", não seria possível dar-se a tais sonhos, que são em suma de pequeno-burguês, a forma de inocente meditação sobre um "super-imperialismo pacífico"? Se chama-se "super-imperialismo" à associação internacional dos imperialismos nacionais (mais precisamente, dos imperialismos particularizados em Estados); se é possível admitir que esse super-imperialismo "poderia" eliminar certos choques particularmente desagradáveis, alarmantes ou importunos para um pequeno-burguês (tais como as guerras, as transformações políticas, etc.) por que não se abstrair da realidade atual, desta época de imperialismo que acarretou os mais graves conflitos e catástrofes, para imaginar, inocentemente, um "super-imperialismo" relativamente pacifico, isento de conflitos e de catástrofes? Por que não se afastar dos sérios problemas colocados pela fase imperialista sobrevinda na Europa, para sonhar que, talvez, essa fase passará em breve, e que, talvez, seja lícito conceber uma fase de "super-imperialismo" relativamente pacífica livre de táticas "brutais"? Kautsky diz precisamente que “tal nova [ultra imperialista] nova fase do capitalismo é de qualquer modo imaginável”, mas que “ainda não existem pré-requisitos suficientes para decidir se é ou não viável” (Die Neue Zeit, 7 de abril de 1915). , p. 144). Não há nada a ver com o marxismo neste desejo de ignorar o imperialismo que está aqui e escapar para o reino de um “ultra imperialismo” que pode ou não chegar. Nessa formulação, o marxismo é reconhecido naquela “nova fase do capitalismo” que o próprio inventor não garante possa ser realizado, enquanto no estágio atual (que já está aqui) o desejo pequeno-burguês e profundamente reacionário de neutralizar as contradições é substituído o marxismo”. [359]

Não nos enganaríamos em dizer que, historicamente falando, estamos entrando em um período anterior à Terceira Guerra Mundial. Para evitar qualquer mal-entendido, não assumimos que tal Terceira Guerra Mundial esteja logo ali na esquina. O que vemos atualmente com a Guerra do Comércio Global é um prelúdio, um começo, de um período histórico mais longo de preparativos de uma guerra tão devastadora. Yossi Schwartz, um dos líderes da CCRI, apontou em um artigo que a classe dominante deve lidar com severas derrotas históricas para a classe trabalhadora antes que ela possa mobilizá-la para tal guerra mundial.

Sem essa série de derrotas desmoralizantes, a Segunda Guerra Mundial nunca teria existido. Hoje, a classe trabalhadora internacional ainda não foi derrotada. O resultado das crescentes crises da economia mundial levará a revoluções socialistas ou derrotas que abrirão o caminho para uma terceira guerra mundial ”. 360

A conclusão disso não é ficar petrificado com esses perigos, mas sim organizar a vanguarda da classe trabalhadora sob uma perspectiva sóbria e um programa revolucionário de luta contra os belicistas imperialistas.

“Finalmente, se as Grandes Potências imperialistas não forem esmagadas pela classe operária internacional revolucionária, sua rivalidade levará à III Guerra Mundial. A classe trabalhadora só pode acabar com essa cadeia contínua de miséria, guerras e catástrofes através de uma revolução socialista mundial. A declaração de Rosa Luxemburgo de que a humanidade é confrontada com a alternativa "Socialismo ou Barbárie" é mais relevante do que nunca. Sob as condições do início do século XXI, a concretização da declaração de Luxemburgo significa: “Socialismo ou Morte Generalizada através da Destruição do Clima e da Terceira Guerra Mundial”! [361]

 

 

Tabela 26. Total da População Mundial décadas de 1950-2050

(projeção histórica) [348]

Ano                        Total da população mundial           taxa de crescimento

                                (números de média semestral)       anual em 1 década (%)

1950                       2,556,000,053                                      18.9%

1960                       3,039,451,023                                      22.0%

1970                       3,706,618,163                                      20.2%

1980                       4,453,831,714                                      18.5%

1990                       5,278,639,789                                      15.2%

2000                       6,082,966,429                                      12.6%

2010*                     6,848,932,929                                      10.7%

2020*                     7,584,821,144                                      8.7%

2030*                     8,246,619,341                                      7.3%

2040*                     8,850,045,889                                      5.6%

2050*                     9,346,399,468                                     

* Projected

 

 

Quadro 31. Taxa média anual de faixa de população, para o mundo e principais áreas, 1970-2050 [349]

Average annual rate of change (percentage) = Taxa média anual de variação (percentagem)

 

 

 

Quadro 32. Porcentagem da População com idades entre 15- e 64 anos, por região, 1970-2030 [350]

 

 

 

 

 

 

 

Notas de rodapé

346) Michael Roberts: Imperialismo, globalização e lucratividade do capital, em: Revista Ruptura, Edição 1, https://rupturemagazine.org/2018/01/25/imperialism-globalization-and-the-profitability-of-capital/

347) Nós lidamos com esse mito aqui: Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South, capítulo 10, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/ ; Michael Pröbsting: Perspectivas Mundiais 2018,

348) https://www.infoplease.com/world/population-statistics/total-population-world-decade-1950-2050

349) A Situação Mundial da População em 2014. Um Relatório Conciso, Nações Unidas, Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, Nova York, 2014, p. 4

350) População 2030. Desafios demográficos e oportunidades para o planejamento do desenvolvimento sustentável, Nações Unidas, Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, Nova York, 2015, p. 24

351) Veja por exemplo o livro de Richard Brenner, Michael Pröbsting e Keith Spencer: A Crise do Crédito - uma análise marxista, Londres, 2008.

352) Nossa análise foi resumida, entre outras, em: Michael Pröbsting: A Falha Catastrófica da teoria do “Catastrofismo”, https://www.thecommunists.net/theory/the-catastrophic-failure-of-the-theory-of-catastrophism/; Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South, capítulo 3, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/; Michael Pröbsting: O Imperialismo, a Globalização e o Declínio do Capitalismo, em Richard Brenner, Michael Pröbsting e Keith Spencer: A Crise do Crédito - uma análise marxista, Londres 2008, https://www.thecommunists.net/theory/imperialism-and-globalization/

353) Para a nossa crítica da teoria das ondas longas, ver, e. Michael Pröbsting: A Falha Catastrófica da Teoria do "Catastrofismo", pp. 22-24; Richard Brenner: Globalização e o Mito da Nova Onda Longa, em: A Crise de Crédito - Uma Análise Marxista, http://www.fifthinternational.org/content/globalisation-andmyth-new-longwave

354) De um ensaio do autor escrito em 2007, citado em Michael Pröbsting: The Great Robbery of the South, pp. 376-377, https://www.thecommunists.net/theory/great-robbery-of-the-south/

355) V. I. Lenin: A posição e as tarefas da Internacional Socialista (1914); em: CW vol. 21, pp. 39-40

356v V. I. Lenin: Imperialismo. O estágio Superior do capitalismo (1916); em: CW vol. 22, p. 190

357) V. I. Lenin: A Conferência do R.S.D.L.P. Grupos no Exterior (1915); em CW 21, p. 162

358) Karl Kautsky: Der Imperialismus, em: Die Neue Zeit 32-II., 1914, 21, p. 921, in: inglês: Karl Kautsky: Selected Political Writings (editado e traduzido por Patrick Goode), The Macmillan Press, Hong Kong 1983, p. 88, http://www.marxists.org/archive/kautsky/1914/09/ultra-imp.htm

359) V.I.Lenin: Prefácio ao panfleto de N. Bukharin, Imperialism and the World Economy (1915), em: LCW vol. 22, pp. 105-106

360) Yossi Schwartz: o comércio capitalista e a iminente 3ª Guerra Mundial, 15 de julho de 2018, https://www.thecommunists.net/theory/capitalist-trade-and-looming-3rd-world-war/

361) CCRI: World Perspectives 2016: Promovendo a contrarrevolução e a aceleração das contradições de classe Marque a abertura de uma nova fase política. Teses sobre a situação mundial, as perspectivas para a luta de classes e as tarefas dos revolucionários (janeiro de 2016), capítulo II, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2016/; ver também RCIT: Seis Pontos para uma Plataforma da Unidade Revolucionária Hoje, fevereiro de 2018, https://www.thecommunists.net/rcit/6-points-for-a-platform-of-revolutionary-unity-today/

 

 

 

XIII. O Proletariado Como Uma Classe Internacional

 

O programa de derrotismo revolucionário significa que a classe operária nos países imperialistas nunca deve defender sua pátria. Isso reflete a forte oposição da classe trabalhadora contra o estado imperialista. Representa o facto de que não há interesses comuns entre o proletariado e o oprimido, por um lado, e os seus mestres imperialistas, por outro.

Basicamente, isso não significa outra coisa senão a aplicação do programa marxista e os métodos gerais da luta de classes ao terreno da luta anti-chauvinista e antimilitarista. Baseia-se no axioma de que a classe trabalhadora é, por sua própria natureza, uma classe internacional. Isso já foi formulado com mais fama por Karl Marx e Friedrich Engels em seu Manifesto Comunista em 1847:

“Os trabalhadores não têm país. Não podemos tirar deles o que eles não têm. Uma vez que o proletariado deve, antes de mais nada, adquirir supremacia política, deve ser a classe dirigente da nação, deve constituir-se a nação, é até então, ela mesma nacional, embora não no sentido burguês da palavra.” [362]

Esta declaração causou muitos protestos e confusão. Os chauvinistas de direita utilizaram essas palavras para difamar os socialistas como "homens sem pátria" ("vaterlandslose Gesellen", como costumavam dizer na Alemanha). Os social-democratas oportunistas e os stalinistas internalizaram esse preconceito reacionário e trabalham duro para provar à "opinião pública" burguesa que eles são diferentes dos marxistas, isto é, que se tornaram defensores leais de sua pátria imperialista.

Outras críticas, muitas vezes pessoas progressistas com melhores intenções, em seguida, os chauvinistas e social-democratas, mas não necessariamente com mais cérebro, interpretam as palavras dos fundadores do socialismo científico de outra forma distorcida. Eles deduzem do Manifesto Comunista que os socialistas não têm interesse na questão nacional e, consequentemente, recusam-se a defender os povos contra a opressão nacional.

É preciso apenas uma pequena quantidade de conhecimento histórico para entender que nada poderia estar mais em desacordo com a verdade do que tão má interpretação. Deveria ser suficiente salientar que, ao mesmo tempo em que Marx e Engels estavam escrevendo o Manifesto e o divulgando para o continente europeu, eles se mobilizaram em palavras e ações pelo apoio da luta de libertação nacional do povo polonês. De fato, a causa da independência da Polônia foi um dos fatores mais importantes que levaram à fundação da Primeira Internacional em 1864, como David Riazanov, o famoso fundador do Instituto Marx-Engels na União Soviética (até sua perseguição pelos stalinistas). em 1931), apontou. [363]

Da mesma forma, Marx e Engels apoiaram a unificação nacional da Alemanha, exigiram uma guerra revolucionária da Alemanha contra a Rússia czarista e apoiaram o povo italiano contra o Império Habsburgo. Mais tarde, continuaram seu apoio incondicional às lutas de libertação nacional de pessoas oprimidas, como, por exemplo, o povo irlandês ou da Índia lutando contra a ocupação britânica. [364]

À primeira vista, isso parece ser uma contradição, mas apenas se abordarmos essa questão de um ponto de vista formalista e mecanicista. Vamos explicar o método marxista sobre internacionalismo e a questão nacional em mais detalhes.

Quando Marx e Engels afirmaram que “os trabalhadores não têm país”, eles queriam dizer que a classe trabalhadora não tem lealdade “natural” ao país específico de sua origem. Os trabalhadores deste ou daquele país estrangeiro são para eles tão próximos quanto os camaradas de seu próprio país.

A relação consciência de classe operária com relação ao estado imperialista é semelhante à relação com a corporação na qual ela ou ele é empregado. O trabalhador terá a mesma solidariedade para com o trabalhador de outra corporação (independentemente de as duas corporações serem rivais no mercado ou não) do que para o trabalhador de sua corporação. Toda a ideia de solidariedade dos trabalhadores e sindicatos é construída sobre essa percepção fundamental da natureza de classe dos trabalhadores.

O mesmo se aplica à solidariedade dos trabalhadores quando se trata de fronteira, passaporte e cor da pele. O trabalhador consciente da classe sente o mesmo apego ao trabalhador que vive noutro país, vindo de outro país ou com uma cor de pele diferente, como o trabalhador que vive no seu próprio país, nascido no mesmo país ou com a mesma cor de pele.

O que constitui nossa identidade não é o passaporte ou a cor da pele, mas nossa existência como uma classe que enfrenta basicamente as mesmas condições de exploração e opressão pelos capitalistas e sua máquina estatal. A identidade entre as classes, baseada no passaporte ou na cor da pele, é resultado da manipulação da classe dominante, sua mídia e seus pregadores políticos. Somente a identidade de classe, independentemente do passaporte ou da cor da pele, é a verdadeira identidade do proletariado e do oprimido.

 

Internacionalismo e Libertação Nacional

 

Então, por que Marx e Engels apoiaram várias lutas nacionais e por que o fazemos hoje? É porque lutamos pela erradicação de todas as formas de exploração e opressão. A opressão nacional é uma forma de opressão que serve à classe dominante deste ou daquele país. É por isso que os revolucionários devem apoiar a luta para esmagar essa opressão nacional.

Mas os trabalhadores conscientes da sua própria classe abordam essa oposição contra a opressão nacional do ponto de vista internacionalista. Isso significa que eles apoiam a luta pela igualdade nacional de todos os povos oprimidos - independentemente de essas pessoas oprimidas viverem no mesmo país ou em outro, se viverem no mesmo continente ou em outro, ou se tiverem a mesma cor de pele ou outra. Lutamos contra a opressão nacional porque sabemos que somente a ausência de qualquer opressão pode abrir o caminho para a liberdade e riqueza para a humanidade e não porque compartilhamos o mesmo passaporte ou cor de pele com as pessoas oprimidas envolvidas.

É isso que Marx e Engels queriam dizer no Manifesto Comunista e é isso que queremos dizer quando dizemos que a classe trabalhadora é essencialmente uma classe internacional.

Desta compreensão internacionalista proletária fundamental segue logicamente as táticas do Derrotismo Revolucionário. O trabalhador consciente de sua classe na corporação A não pode apoiar ativamente seu chefe para prevalecer sobre a empresa rival B na competição econômica. O trabalhador consciente da corporação A buscará contato com seus colegas empregados na corporação B, para que possam deixar de ser jogados uns contra os outros e lutar juntos contra os dois patrões.

Da mesma forma, o trabalhador consciente da classe lutará contra qualquer posição chauvinista de seus colegas que se oponham a que um trabalhador migrante possa ingressar na força de trabalho. E assim os trabalhadores progressistas do sexo masculino rejeitarão qualquer oposição contra empregar uma mulher trabalhadora ou trabalhadores mais velhos rejeitarão qualquer oposição contra o emprego a um trabalhador jovem. Tal oposição contra qualquer forma de chauvinismo reacionário e guildismo atrasado sempre foi um princípio básico do movimento operário desde o dia da Primeira Internacional nos tempos de Marx e Engels e assim é hoje.

Também tem sido um axioma para o movimento operário revolucionário que o Estado capitalista é um corpo totalmente estranho que o proletariado não defende, mas que deve ser destruído e substituído por um novo tipo de comuna de Estado baseado em trabalhadores e conselhos pobres de camponeses. e milícias. Ou, para colocar nas palavras de Lenin:

“O imperialismo - a era do capital bancário, a era dos gigantescos monopólios capitalistas, do desenvolvimento do capitalismo monopolista no capitalismo de monopólio estatal - mostrou claramente um extraordinário fortalecimento da "máquina estatal" e um crescimento sem precedentes de seu aparato burocrático e militar em conexão com a intensificação de medidas repressivas contra o proletariado, tanto nos países monárquicos quanto nos mais livres republicanos.” [365]

É por isso que os marxistas sempre rejeitaram os devaneios dos reformistas e centristas de que o Estado pode ser reformado e de que o capitalismo possa ser transformado sem violência: "A superação do estado burguês pelo Estado proletário é impossível sem uma revolução violenta". [366]

A mesma ideia foi articulada por Nikolai Bukharin, um importante teórico do Partido Bolchevique:

“O padrão geral do desenvolvimento do estado é, portanto, o seguinte: no princípio, o estado é a única organização da classe dominante. Então outras organizações começam a surgir, seus números multiplicando-se especialmente na época do capitalismo financeiro. O estado vai se transformando da organização única da classe dominante em uma de suas organizações, com a distinção de que possui o caráter mais geral de todas essas organizações. Finalmente, chega a terceira etapa, na qual o Estado engole essas organizações e, mais uma vez, torna-se a única organização universal da classe dominante, com uma divisão interna e técnica do trabalho. Os agrupamentos organizacionais outrora independentes tornam-se as divisões de um mecanismo estatal gigantesco, que se lança sobre o inimigo visível e interno com força esmagadora. Assim surge o tipo acabado do estado ladrão imperialista contemporâneo, a organização de ferro que, com suas garras tenazes e rijas, abraça o corpo vivo da sociedade. Este é o Novo Leviatã, ao lado do qual a fantasia de Thomas Hobbes parece um brinquedo de criança.” [367]

Em resumo, como afirmamos nas Teses sobre Derrotismo Revolucionário, assim como os trabalhadores de uma dada empresa não têm interesses comuns com seu chefe, a classe trabalhadora também não interesses comuns com a classe dominante de um dado estado capitalista. Como os trabalhadores querem enfraquecer, derrotar e finalmente expropriar os donos da “sua” corporação, os trabalhadores de um dado país imperialista desejam enfraquecer, derrotar e finalmente derrubar a classe dominante. Por essas razões, os trabalhadores utilizarão todos os conflitos em que seu inimigo de classe está envolvido, a fim de promover seus interesses e fortalecer seu poder de luta.

A classe trabalhadora defenderá de todo o coração sua pátria ou seus empreendimentos somente depois de ter derrubado e expropriado a burguesia imperialista e criado um Estado e uma economia socialista. Só sob tais condições é que qualquer patriotismo em relação ao seu país é justificado e progressivo.

O mesmo vale para a classe operária de países semicoloniais que estão sob ataque de potências imperialistas ou oprimidos que lutam contra a ocupação estrangeira ou contra uma ditadura reacionária. Em tais casos, a defesa da pátria também é legítima.

 

Sobre o Aristocratismo e a Aristocracia Trabalhista

 

Terminaremos este capítulo discutindo brevemente um argumento que é levantado por alguns setores dos socialistas contra nossa teoria. Há a crítica de que a unidade internacional da classe trabalhadora entre os países imperialistas e semi-coloniais não é possível, uma vez que os capitalistas monopolistas subornam toda a classe trabalhadora nos países imperialistas.

É a clássica posição marxista, que a CCRI defendeu e elaborou em vários documentos, que o estrato superior do proletariado nos países imperialistas é de fato subornado pela burguesia. [368] No entanto, pensamos que seria um exagero errado e superficial imaginar que a massa dos trabalhadores nos países imperialistas tenha sido subornada. É verdade que, até certo ponto, a massa dos trabalhadores dos países imperialistas ganha com a super-exploração do mundo semicolonial - por exemplo, da importação de bens de consumo baratos, como roupas, televisão ou telefones celulares. Esta não foi a primeira vez na história do capitalismo. Por exemplo, como resultado de seu papel hegemônico mundial como potência colonial, o capitalismo britânico desfrutou de deflação de preços no último quartel do século XIX. Theodore Rothstein - publicitário judeu-russo residente na Grã-Bretanha que apoiava os bolcheviques e líder da ala esquerda do Partido Socialista Britânico - elaborou em seu livro sobre a história do movimento operário na Grã-Bretanha o importante papel da deflação de preços no fortalecimento do reformismo e das políticas de colaboração de classe na classe trabalhadora e, consequentemente, na burocracia trabalhista. [369]

Mas isso deve ser qualificado contra as desvantagens da globalização capitalista para a massa dos trabalhadores nos países imperialistas. A terceirização da produção, a depressão dos salários por causa do comércio internacional e da migração etc. - tudo isso é desvantagem das camadas baixas e médias do proletariado nos países imperialistas.

Como mostramos acima, a massa da classe trabalhadora - os trabalhadores de baixa e média qualificação - na América do Norte, Europa Ocidental e Japão perderam maciçamente a renda na última década e apenas o estrato superior, muitas vezes parte da aristocracia trabalhista privilegiada, foi capaz de aumentar sua parcela de renda. Mas é esse trabalho de baixa e média qualificação que constitui a maioria do proletariado - mesmo nos antigos países imperialistas.

Na Tabela 27, vemos que 60,7% da força de trabalho nos antigos países imperialistas pertence aos setores de baixa e média qualificação. (A parcela dos estratos baixos e médios da força de trabalho global é ainda maior, com 82%.) Se tivermos em mente que nem toda a força de trabalho faz parte da classe trabalhadora (basta levar em conta a camada intermediária assalariada entre a qual uma alta desproporção percentual seja altamente qualificada), podemos ver que uma maioria decisiva da classe trabalhadora nos antigos países imperialistas não pertence ao estrato superior do qual um setor significativo faz parte da aristocracia operária subornada.

 

 

Tabela 27: Participação do Emprego por Ocupação Ampla

(por habilidade), Mundo e Regiões, 2013 [370]

 

Região do mundo                               Baixa                     Qualificação       Altamente

                                                                Qualificação       Média                    Qualificação                      

Mundo total                                        16.0%                    66.0%                    18.0%

Economias desenvolvidas             9.8%                      50.9%                    39.3%

Europa Central e

Sudeste europeu                              14.1%                    52.4%                    33.5%

Leste da Ásia                                     8.2%                      79.7%                    12.1%

Sul da Ásia e Pacífico                     22.0%                    65.6%                    12.4%

Sul da Ásia                                         27.7%                    58.5%                    13.8%

América Latina e Caribe                                19.0%                    61.3%                    19.8%

Oriente Médio e

Norte da Africa                                 12.0%                    65.7%                    22.4%

Africa Subsahariana                       16.2%                    79.2%                    4.6%

 

Em nossa opinião, pode-se dizer que, embora a aristocracia operária tenha algum interesse de curto prazo (mas não fundamental, histórico) em manter o capitalismo, esse não é o caso da massa dos trabalhadores nos antigos países imperialistas. Eles não têm interesse algum em defender o sistema capitalista. Seu interesse é unir a grande maioria do proletariado mundial que vive nos países imperialistas semicoloniais e emergentes e lutar juntos pela revolução permanente para construir o amplo socialismo mundial.

Dado o fato de que a grande maioria do proletariado internacional vive fora dos antigos países imperialistas e, dado o fato de ser menos contaminada pelo mecanismo pacificador dos imperialistas (o peso das ideologias colaboracionistas de classe do reformismo, a esperança de fazer parte do “Ilhas ricas” em um mundo tumultuado, as técnicas sofisticadas de manipular e integrar o mundo da mídia, etc.), fica claro que o foco da luta de classes internacional e da classe trabalhadora mundial está fora dos antigos países capitalistas. Em outras palavras, o foco mudou para o Sul, assim como para os novos países capitalistas, com um poderoso proletariado como a China.

Daqui segue também o papel específico e importante dos migrantes como eles estão vindo do Sul e vivem agora na América do Norte, Europa Ocidental ou Rússia. Eles podem desempenhar o papel de correias de transmissão entre as duas partes do mundo: eles podem trazer o espírito de luta militante de seus países de origem para o Norte e transmitir várias habilidades e experiências do Norte ao Sul.

 

Notas de rodapé

362) Karl Marx e Frederick Engels: Manifesto do Partido Comunista (1847), em: MECW vol. 6, pp. 502-503

363) Ver David Riazanov: Die Entstehung der Internationalen Arbeiter-Assoziation (Zur Geschichte der Ersten Internationale), em: Marx-Engels-Archiv. Zeitschrift des Marx-Engels Instituts em Moskau, vol. 1, pp.165-173, Marx-Engels-Archiv Verlagsgesellschaft, Frankfurt am Main, 1925 (Politladen-Reprint, Erlangen 1971)

364) Para a abordagem de Marx e Engels na questão nacional, ver, e. Roman Rosdolsky: Engels e os povos "não-históricos": a questão nacional na Revolução de 1848, Critique Books, Glasgow 1986; Michel Löwy: Marxistas e a Questão Nacional, em: New Left Review, 96, março-abril de 1976, pp. 81-100; Neil A. Martin: Marxismo, Nacionalismo e Rússia, em: Journal of the History of Ideas, vol. 29, No. 2 (abril-junho 1968), pp. 231-252

365) V. I. Lenin: O Estado e a Revolução. A Teoria Marxista do Estado e as Tarefas do Proletariado na Revolução; em: CW vol. 25, p.326

366) V. I. Lenin: O Estado e a Revolução. O Ensinamento Marxista sobre o Estado e as Tarefas do Proletariado na Revolução (1917), em: LCW vol. 25, p. 405. Veja também: “A revolução proletária é impossível sem a destruição forçada da máquina estatal burguesa e a substituição por ela de uma nova que, nas palavras de Engels,“ não mais um estado no sentido próprio da palavra. ”(V. I. Lenin: A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky, em: LCW Vol. 25, p. 237). A posição de Lenin, que se tornou o fundamento da teoria marxista da revolução (apesar da rejeição dos revisionistas do passado e do presente que acreditam na possibilidade de transformação pacífica para o socialismo como Kautsky no século passado e o CIT de Peter Taffee ou Alan Woods TMI hoje ), baseia-se na análise de Marx e Engels. Veja por exemplo:

O poder estatal centralizado, com seus órgãos onipresentes de exército permanente, polícia, burocracia, clero e órgãos judiciários, elaborados segundo o plano de uma divisão sistemática e hierárquica do trabalho, origina-se dos dias da monarquia absoluta, servindo à sociedade nascente de classe média como uma arma poderosa em suas lutas contra o feudalismo. (...); mas seu caráter político mudou simultaneamente com as mudanças econômicas da sociedade. No mesmo ritmo em que o progresso da indústria moderna se desenvolveu, ampliou, intensificou o antagonismo de classes entre capital e trabalho, o poder estatal assumiu cada vez mais o caráter do poder nacional do capital sobre o trabalho, de uma força pública organizada para a escravidão social, de um motor de despotismo de classe."(Karl Marx: A Guerra Civil na França, em: MECW Vol. 22, pp. 328-329)

“Esse Poder Executivo com a sua monstruosa organização burocrática e militar, com a sua máquina estatal multifacetada e artificiosa, esse exército de funcionários de meio milhão de pessoas somado a um exército regular de mais meio milhão, essa terrível corporação de parasitas, que envolve o organismo da sociedade francesa como uma membrana e entope todos os seus poros, surgiu no tempo da monarquia absoluta, na época da decadência

do sistema feudal, para cuja aceleração contribuiu. Os privilégios senhoriais dos proprietários de terra e das cidades se transformam na mesma quantidade de atributos do poder estatal, os dignitários feudais passam à condição de funcionários remunerados e o catálogo multicor dos potentados medievais conflitantes se converte em plano regulamentado de um poder estatal cujo trabalho é dividido e centralizado como numa fábrica. A primeira revolução francesa, ao cumprir a tarefa de quebrar todos os poderes autônomos nos níveis local, territorial, citadino e provincial, visando criar a unidade nacional burguesa, necessariamente desenvolveu o que a monarquia absoluta havia começado: a centralização e, junto com ela, o raio de ação, os atributos e os servidores do poder governamental. Napoleão aperfeiçoou essa máquina do Estado. Essa monarquia legítima e a Monarquia de Julho nada acrescentaram além de uma

maior divisão do trabalho, que crescia na mesma proporção em que a divisão do trabalho no interior da sociedade burguesa criava novos grupos de interesse, ou seja, novo material para a administração estatal. Todo e qualquer interesse comum foi imediatamente desvinculado da sociedade e contraposto a ela como interesse mais elevado, geral, subtraído a atividade dos próprios membros da sociedade e transformado em objeto da atividade governamental, desde

a ponte, o prédio escolar e o patrimônio comunal de um povoado até as ferrovias, o patrimônio nacional e a universidade nacional da França. A república parlamentar, por fim, na sua luta contra à revolução, viu-se obrigada a reforçar os meios e a centralização do poder do governo para implementar as medidas repressivas. Todas as revoluções somente aperfeiçoaram a máquina em vez de quebrá-la. Os partidos que lutaram alternadamente pelo poder

consideraram a tomada de posse desse monstruoso edifício estatal como a parte do leão dos despojos do vencedor. ”(Karl Marx: O 18 Brumário de Louis Bonaparte (1852), em: MECW Vol. 11, pp. 186)

367) Nikolai Bukharin: Para uma Teoria do Estado Imperialista (1915), em: Robert V. Daniel: Uma História Documentária do Comunismo, vol. 1, Vintage Russian Library, Nova Iorque 1960, pág. 85, https://www.marxists.org/archive/bukharin/works/1915/state.htm

368) Veja neste exemplo Michael Pröbsting: o Marxismo e a Tática da Frente Unica hoje. A luta pela hegemonia proletária no movimento de libertação nos países semi-coloniais e imperialistas no presente período, Livros RCIT, Viena 2016, https://www.thecommunists.net/theory/book-united-front/ , Capítulo III

369) Veja Theodore Rothstein: Tratado da Corte de Arbeiterbewegung na Inglaterra, Viena 1929, Capítulo “O Período do Sindicalismo”

370) International Labour Office: World Employment and Social Outlook – Trends 2015, pp. 72-89, Supporting Data

 

 

XIV. O Caráter Internacionalista da Luta Contra a Guerra Imperialista e a Natureza Social-Patriótica da Teoria Estalinista do “Socialismo Num Só País

 

Também é necessário apontar fatores adicionais que tornam obrigatória ver o proletariado como uma classe internacional e, portanto, da luta de classes como internacional por sua natureza. Os marxistas sempre insistiram que o capitalismo em geral e o capitalismo monopolista (ou seja, o capitalismo na época do imperialismo) em particular só pode ser compreendido se for entendido como um sistema político e econômico mundial. As relações políticas e econômicas em cada país nunca podem, do ponto de vista marxista, ser derivadas simplesmente de fatores internos. O imperialismo não constitui um conjunto de estados e economias nacionais que estão amarrados juntos. É, antes, o caso em que a economia mundial e a política mundial são as forças motrizes decisivas. Elas agem como um caldeirão de fatores nacionais, formando uma totalidade independente levantada por acima e imposta aos estados nacionais. O desenvolvimento combinado e desigual do capitalismo mundial coincide com as peculiaridades locais de um país e se funde com a dinâmica nacional específica das relações políticas e econômicas desse estado. [371]

Marx já apontou isso nos Grundrisse, sua "base" para o Capital:

“No mercado mundial, a conexão do indivíduo com todos os outros, mas ao mesmo tempo também a independência dessa conexão em relação aos indivíduos, desenvolveu-se a tal ponto que sua formação já contém as condições para que ela seja transcendida”. [372]

Mais tarde, Trotsky elaborou sistematicamente essas ideias fundamentais e desenvolveu sua teoria da revolução permanente. Ele enfatizou que não se deve começar com a economia nacional, mas com o mundo como uma totalidade. Trotsky enfatizou corretamente a importância do mercado mundial. O mesmo é verdade no terreno da política.

“O marxismo toma seu ponto de partida da economia mundial, não como uma soma de partes nacionais, mas como uma realidade poderosa e independente que foi criada pela divisão internacional do trabalho e do mercado mundial e que em nossa época imperiosamente domina os mercados nacionais.” [373]

Se olharmos para os desenvolvimentos na economia mundial nas últimas décadas, podemos ver uma completa defesa do prognóstico marxista do papel cada vez mais dominante do mercado mundial. A globalização levou ao crescimento maciço - em relação à produção global - da exportação e importação de commodities mundiais. Da mesma forma, as exportações de capital aumentaram substancialmente em relação à acumulação global total de capital.

Como já indicamos em outro lugar, “os monopólios são levados a uma maior internacionalização pela queda das taxas de lucro em seus mercados domésticos e uma massa tão alta de acumulação de capital que os mercados nacionais são pequenos demais para eles. Isso ocorre porque os enormes investimentos nas instalações de produção cada vez maiores exigidas pela própria concorrência exigem um mercado cada vez maior para obter lucros. Isso também os leva à terceirização de partes da produção para os mercados de exportação e à mão-de-obra mais barata do planeta. A tecnologia moderna e os custos de transporte baratos ajudam neste processo. A abertura forçada de mercados em todo o mundo anda de mãos dadas com isso. O resultado desse desenvolvimento é que, nos últimos 25 anos, a exportação de capital se tornou maciçamente mais importante tanto nos estados imperialistas quanto no mundo semicolonial.” [374]

Vamos demonstrar isso com dois quadros. Como mostramos no quadro 33, a exportação de capital (expressa em Investimento Estrangeiro Direto-IDE) e a integração global do mercado mundial subiram, por esse fenômeno, a um nível nunca antes visto na história do capitalismo.

 

Quadro 33. Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto-IDE para o PIB Global (em %), 1880-2000 [375]

 

Globalização

 

 

Da mesma forma, demonstramos no quadro 34 até que ponto o comércio global aumentou - quando considerado em relação à produção mundial - ao longo de toda a história do capitalismo de 1820 até hoje.

 

Quadro 34 . Exportações mundiais como parte do PIB mundial, 1820-2013 [376]

 

 

Dessa visão de mundo do capitalismo, segue-se que os marxistas se baseiam numa visão de mundo do proletariado e, portanto, uma visão de mundo da luta de classes. Isso tem profundas consequências para a política da classe trabalhadora em geral e em suas táticas anti-guerra e anti-imperialista em particular.

Tal visão está em completa contradição com a teoria reformista do “socialismo em um só país” que foi desenvolvida pelos estalinistas e que eles contrapuseram à estratégia internacionalista desenvolvida por Lenin e os bolcheviques e mais tarde defendida pela Quarta Internacional de Trotsky. Essa teoria estalinista declarou que o socialismo, ou seja, uma sociedade próspera com um padrão de vida mais alto para a população do que o capitalismo pode fornecer, poderia ser construída em um único país sem a vitória da classe trabalhadora em outros países. Daí se seguiu que a política externa da União Soviética e, portanto, a política da Internacional Comunista, não tinham mais que servir à meta de internacionalizar a revolução, mas sim ajudar a construir o “socialismo” na URSS sob o comando de Stalin.

Trotsky resumiu o contraste entre as duas teorias em seu livro sobre a revolução permanente nas seguintes palavras:

É precisamente aqui que nos deparamos com os dois pontos de vista mutuamente exclusivos: a teoria revolucionária internacional da revolução permanente e a teoria nacional-reformista do socialismo em um país. Não apenas a China atrasada, mas em geral nenhum país do mundo pode construir o socialismo dentro de seus próprios limites nacionais: as forças produtivas altamente desenvolvidas que cresceram além das fronteiras nacionais resistem a isso, assim como as forças insuficientemente desenvolvidas para a nacionalização. A ditadura do proletariado na Grã-Bretanha, por exemplo, encontrará dificuldades e contradições, de caráter diferente, é verdade, mas talvez não seja mais leve do que aquelas que enfrentarão a ditadura do proletariado na China. A superação dessas contradições só é possível em ambos os casos por meio da revolução internacional. Este ponto de vista não deixa espaço para a questão da "maturidade" ou "imaturidade" da China para a transformação socialista. O que permanece indiscutível aqui é que o atraso da China torna as tarefas da ditadura do proletariado extremamente difíceis. Mas repetimos: a história não é feita por encomenda e o proletariado chinês não tem escolha.” [377]

O que isso significa para a luta revolucionária contra a agressão imperialista e a guerra?

Os estalinistas, acreditando na possibilidade de vitórias duradouras nacionalmente isoladas da classe trabalhadora, concluem que é possível construir o socialismo em um único país se a classe trabalhadora conseguir impedir a burguesia imperialista de interferir e atacar o país socialista. Eles ignoraram a verdade fundamental, declarada por Lenin e muitos outros marxistas, de que a guerra é inevitável no capitalismo e que os imperialistas nunca e jamais poderão coexistir pacificamente com um Estado operário. Assim, os imperialistas provocaram a Segunda Guerra Mundial, a Guerra da Coréia, a Guerra do Vietnã e a Guerra Fria entre o Ocidente e a URSS até o colapso desta última em 1989-91.

Como consequência tática de sua teoria equivocada, os estalinistas proclamaram a possibilidade da "neutralização da burguesia mundial", ou seja, pressioná-la para que ela desistisse de atacar o Estado operário. Essa teoria era sem sentido e historicamente falsificada.

“Uma condição na qual o proletariado ainda é incapaz de tomar o poder, mas pode impedir a burguesia de utilizar seu poder para uma guerra, é uma condição de equilíbrio de classe instável em sua mais alta expressão. Um equilíbrio é chamado instável precisamente quando não pode durar muito tempo. Deve inclinar-se para um lado ou para o outro. Ou o proletariado chega ao poder ou então a burguesia, por meio de uma série de golpes esmagadores, enfraquece suficientemente a pressão revolucionária para recuperar a liberdade de ação, sobretudo na questão da guerra e da paz. Somente um reformista pode imaginar a pressão do proletariado sobre o estado burguês como um fator permanentemente crescente e como uma garantia contra a intervenção. É precisamente a partir dessa concepção que surgiu a teoria da construção do socialismo em um país, dada a neutralização da burguesia mundial (Stalin). Assim como a coruja voa no crepúsculo, também voa no crepúsculo o estalinista. A teoria da neutralização da burguesia pela pressão do proletariado surge apenas quando as condições que engendraram essa teoria começaram a desaparecer”. [378]

Tal absurdo pacifista sobre a possibilidade de tornar a burguesia pacifista faz resultar em inevitável capitulação aberta ao imperialismo. Trotski já previa, em 1928, que o desvio nacionalista estalinista deveria resultar num colapso social-patriótico e na colaboração da burocracia com um campo do imperialismo (contra o outro).

“É possível levar o proletariado à posição de derrotismo em relação ao Estado burguês somente por meio de uma orientação internacional no programa sobre essa questão central e por meio de uma rejeição impiedosa do contrabando social-patriótico que é mascarado , mas que procura construir um ninho teórico para si mesmo no programa da Internacional de Lenin”. [379]

Pode-se menosprezar a relevância desses pensamentos atualmente, já que não existem mais estados operários. Mas, primeiro, um setor significativo de estalinistas e semi-estalinistas ainda vê a China como um "estado socialista" ou um "estado operário deformado", como demonstramos acima. Outros revisionistas não vão tão longe, mas ainda veem a China e a Rússia como algo qualitativamente político superior aos antigos estados imperialistas e, por isso, defendem o apoio às Grandes Potências emergentes. Além disso, é facilmente compreensível imaginar um cenário em que os reformistas defenderão uma União Europeia “liberal”, “mais democrática” contra um Estados Unidos “semi-fascista” e ultra-reacionário. O social-patriotismo conhece muitos caminhos diferentes, mas tudo acaba no campo de defesa da pátria imperialista. Ou colocá-lo na fórmula de Trotsky: "O patriotismo social é apenas uma máscara para o imperialismo social". [380]

Sua raiz teórica é a teoria revisionista malfadada do “socialismo em um só país” que liquida a natureza internacional da classe trabalhadora e a essência internacionalista da luta de classes incorporada no programa do derrotismo revolucionário.

“A teoria da possibilidade de realizar o socialismo em um país destrói a conexão interna entre o patriotismo do proletariado vitorioso e o derrotismo do proletariado dos países burgueses. O proletariado dos países capitalistas avançados ainda está tentando alcançar o poder.” [381]

A desastrosa teoria stalinista do “socialismo num só país” não é relevante apenas para a questão da luta revolucionária contra a guerra imperialista. Também tem influência maciça nas questões de programa e construção de partidos. "Socialismo em um país" significa priorizar a luta de classes em seu próprio país e desprivilegiar a luta de classes em outros países. Consequentemente, também significa priorizar a construção de um partido em seu próprio país e não priorizar o mesmo em outros países. Além disso, geralmente acompanha também uma atitude ignorante ou mesmo social-chauvinista em relação às minorias nacionais e aos migrantes em seu próprio país. Em resumo, “Socialismo em um país” resulta em nacionalismo e reformismo nacional no campo teórico, programático e organizacional.

De fato, vemos numerosas organizações que estão dispostas a agir como revolucionárias, mas que estão, inconscientemente, infectadas com as ideias do “socialismo em um país”, uma vez que colocam uma forte prioridade no trabalho nacional em contraste com o trabalho internacional. Como resultado, essas organizações se recusam a lidar adequadamente com questões da luta de classes internacional e com a construção do Partido Revolucionário Mundial.

Trotsky explicou em 1928, em sua crítica ao programa estalinista, que um programa internacional não é importante apenas para um partido mundial, mas também para qualquer organização nacional, uma vez que a política nacional não pode ser entendida sem o contexto internacional:

Em nossa época, que é a época do imperialismo, isto é, da economia mundial e da política mundial sob a hegemonia do capital financeiro, nem um único partido comunista pode estabelecer seu programa procedendo exclusiva ou principalmente de condições e tendências de desenvolvimentos em seu próprio país. país. Isso também é válido para o partido que detém o poder do estado dentro dos limites da União Soviética. Em 4 de agosto de 1914, a sentença de morte soou para programas nacionais de todos os tempos. O partido revolucionário do proletariado só pode se basear em um programa internacional correspondente ao caráter da época atual, a época do mais alto desenvolvimento e colapso do capitalismo. Um programa comunista internacional não é, em hipótese alguma, a soma total de programas nacionais ou um amálgama de suas características comuns. O programa internacional deve proceder diretamente de uma análise das condições e tendências da economia mundial e do sistema político mundial como um todo em todas as suas conexões e contradições, isto é, com a interdependência mutuamente antagônica de suas partes separadas. Na época atual, em uma extensão muito maior do que no passado, a orientação nacional do proletariado deve e pode fluir apenas de uma orientação mundial e não vice-versa. Aqui reside a diferença básica e primária entre o internacionalismo comunista e todas as variedades de socialismo nacional.” [382]

Pela mesma razão, uma organização revolucionária não pode construir sozinho no terreno nacional. Deve ser construída simultaneamente como uma organização internacional. Trotsky respondeu àqueles revolucionários que consideravam a construção de uma organização internacional como “prematura” o seguinte:

Sua concepção de internacionalismo me parece errônea. Em última análise, você considera a Internacional como uma soma de seções nacionais ou como um produto da influência mútua das seções nacionais. Esta é, pelo menos, uma concepção unilateral e, portanto, errada da Internacional. Se a Esquerda Comunista em todo o mundo consistisse em apenas cinco indivíduos, eles teriam, no entanto, sido obrigados a construir uma organização internacional simultaneamente com a construção de uma ou mais organizações nacionais.

É errado ver uma organização nacional como a fundação e a internacional como um telhado. A inter-relação aqui é de um tipo completamente diferente. Marx e Engels começaram o movimento comunista em 1847 com um documento internacional e com a criação de uma organização internacional. A mesma coisa foi repetida na criação da Primeira Internacional. O mesmo caminho foi seguido pela esquerda Zimmerwald em preparação para a Terceira Internacional. Hoje esta estrada é ditada de maneira muito mais imperiosa do que nos dias de Marx. É possível, é claro, na época do imperialismo, que uma tendência proletária revolucionária surja em um ou outro país, mas não pode prosperar e se desenvolver em um país isolado; no dia seguinte à sua formação, deve procurar ou criar laços internacionais, uma plataforma internacional, uma organização internacional. Porque a garantia da correção da política nacional só pode ser encontrada ao longo desta estrada. Uma tendência que permaneça fechada nacionalmente ao longo de vários anos, condena-se irrevogavelmente à degeneração.

Você se recusa a responder à pergunta sobre o caráter de suas diferenças com a Oposição Internacional, alegando que falta um documento internacional de princípios. Considero essa abordagem da questão como puramente formal, sem vida, não política e não revolucionária. Uma plataforma ou programa é algo que vem como resultado de extensas experiências de atividades conjuntas com base em um certo número de ideias e métodos comuns. Sua plataforma de 1925 não surgiu no primeiro dia de sua existência como uma facção. A oposição russa criou uma plataforma no quinto ano de sua luta; e, embora essa plataforma tenha surgido dois anos e meio após a sua, ela também ficou desatualizada em muitos aspectos.” 383

Em resumo, o capitalismo e o imperialismo existem e só podem existir como um sistema mundial. A luta contra ela deve tomar o caminho da luta de classes internacional e deve ter como objetivo a criação de uma economia mundial socialista e uma federação mundial de trabalhadores e repúblicas camponesas. Tal luta requer um partido mundial, ou seja, uma organização internacional e não grupos nacional-isolados.

 

Notas de rodapé

371) Tratamos dessa questão com mais detalhes em um ensaio de Michael Pröbsting: O Capitalismo Hoje e a Lei do Desenvolvimento Desigual: A tradição marxista e sua aplicação no período histórico atual, em: Critique: Journal of Socialist Theory, Vol. 44 , Edição 4, 2016, http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/03017605.2016.1236483

372) Karl Marx: Grundrisse [Esboços da Crítica da Economia Política (versão preliminar de 1857-58)]; em: MECW 28, p. 98

373) Leon Trotsky: A Revolução Permanente (1929), Pathfinder Press, Nova York 1969, p. 146

374) Veja Michael Pröbsting: O Imperialismo e o Declínio do Capitalismo (2008), em: Richard Brenner, Michael Pröbsting e Keith Spencer: A crise do crédito - uma análise marxista (2008); http://www.thecommunists.net/theory/imperialism-and-globalization/

376) O super ciclo vive: o crescimento EM é fundamental, Standard Chartered Bank, Relatório Especial, 06 de novembro de 2013, p. 13

377) Leon Trotsky: A Revolução Permanente (1929), Pathfinder Press, Nova York 1969, p. 255

378) Leon Trotsky: A Revolução Permanente (1929), Pathfinder Press, Nova York 1969, pp. 267-268

379) Leon Trotsky: A Terceira Internacional Depois de Lenine. O Projeto de Programa da Internacional Comunista: Uma Crítica dos Fundamentos (1928), Pathfinder Press, Nova York, 1970, p. 73

380) Leon Trotsky: Paralisia Progressiva. A Segunda Internacional na Véspera da Nova Guerra (1939), em: Escritos de Leon Trotsky, 1939-40, p. 37

381) Leon Trotsky: A Terceira Internacional Depois de Lenine. O Projeto de Programa da Internacional Comunista: Uma Crítica dos Fundamentos (1928), Pathfinder Press, Nova York, 1970, p. 72

382) Leon Trotsky: A Terceira Internacional Depois de Lenin (1928), Pathfinder Press, Nova York 1970, p.4

383) Leon Trotsky: Ao Conselho Editorial d Prometeu (1930); em: Escritos 1930, pp. 285-286

 

 

XV. O Significado do Ditado “A Guerra é a Continuação da Política por Outros Meios”

 

A abordagem marxista de conflitos e guerras baseia-se no entendimento de que não são uma questão separada da política em geral, mas sim um aspecto específico dela. Friedrich Engels e V.I. Lenin foram grandes admiradores do teórico militar prussiano Carl von Clausewitz do início do século XIX, que resumiu a essência de qualquer conflito militar com as famosas palavras: "A guerra é uma mera continuação da política por outros meios". [384]

Em seu livro On War (Sobre a Guerra), Clausewitz enfatizou e elaborou este ponto: “A guerra é um instrumento de política; deve necessariamente ter o seu caráter, deve medir com a sua escala: a condução da guerra, em suas grandes características, é, portanto, a própria política, que toma a espada no lugar da caneta, mas não deixa de pensar de acordo às suas próprias leis.” [385]

De fato, as guerras são travadas por qualquer classe não como um fim em si mesmo, mas para objetivos políticos e econômicos específicos, ou seja, para impor seus interesses. Isso se aplica tanto à política da burguesia quanto à política do proletariado e de outras classes oprimidas.

Um estado imperialista poderia atacar um rival para obter controle sobre territórios estratégicos ou suas colônias (por exemplo, a Primeira Guerra Mundial entre Alemanha, França, Grã-Bretanha, Rússia, etc.), uma Grande Potência poderia atacar uma semi-colônia para roubar seus recursos económicos (por exemplo, a invasão do Iraque pelos EUA em 2003) ou para impedir uma rebelião que põe em causa a dominação imperialista na região (por exemplo, as duas guerras da Rússia contra a Chechênia em meados dos anos 90 e início dos anos 2000). Ou pode ser uma guerra das classes oprimidas para expulsar invasores estrangeiros (por exemplo, a resistência afegã contra as forças dos EUA desde 2001 ou a luta somali contra as tropas da União Africana-UA dirigidas pela Etiópia) ou para derrubar uma ditadura reacionária (por exemplo, Cuba contra Batista 1953-59, na Líbia contra Gaddafi em 2011 ou na Síria contra Assad desde 2011).

Para colocar nas palavras de Lênin: “Com referência às guerras, a principal tese da dialética, que foi tão descaradamente distorcida por Plekhanov para agradar a burguesia, é que“ a guerra é simplesmente a continuação da política por outros [isto é, violentos]. ] meios". Tal é a fórmula de Clausewitz, um dos maiores escritores da história da guerra, cujo pensamento foi estimulado por Hegel. E sempre foi o ponto de vista de Marx e Engels, que consideravam qualquer guerra como a continuação da política das potências envolvidas - e as várias classes dentro desses países - em um período definido”. [386]

A guerra faz parte da política; o último não pode existir sem o primeiro. Um panfleto dos trotskistas americanos e americanos publicado em 1936 formulou essa ideia fundamental com muita pertinência:

“Os disfarces morais, religiosos, raciais e ideológicos que a guerra usa não devem esconder os conflitos fundamentais que são as verdadeiras fontes da guerra moderna. A conclusão geral é inescapável: a guerra moderna não é nem acidental nem devida ao mal da natureza humana nem decretada por Deus. A guerra é da própria essência do capitalismo imperialista, tanto como parte do capitalismo quanto do trabalho assalariado. Falar de capitalismo sem guerra é como falar de um ser humano sem pulmões. O destino de um está inextricavelmente ligado ao destino do outro”. [387]

Disto segue que os marxistas abordam questões sobre as guerras com um método não diferente do que outras características das lutas entre as classes. Portanto, a política da classe trabalhadora está voltada para defender sua independência perante a classe dominante (respectivamente suas diferentes facções) de todas as potências imperialistas em tempos de paz e em tempos de guerra. E está lutando para enfraquecer os capitalistas assim como derrubá-los em tempos de paz e em tempos de guerra.

Lênin apontou para os mesmos princípios fundamentais da luta de classes em tempos de paz e também durante as guerras: “A guerra é uma continuação da política por outros meios. Todas as guerras são inseparáveis dos sistemas políticos que as engendram. A política que um dado estado, uma determinada classe dentro daquele estado, perseguida por um longo tempo antes da guerra é inevitavelmente continuada por essa mesma classe durante a guerra, a forma de ação sozinha está sendo alterada”. [388]

Essa ideia foi repetida por Trotsky no programa fundador da Quarta Internacional: “A guerra imperialista é a continuação e o aperfeiçoamento da política predatória da burguesia. A luta do proletariado contra a guerra é a continuação e o aguçamento de sua luta de classes. O começo da guerra altera a situação e parcialmente os meios de luta entre as classes, mas não o objetivo e o curso básico.” [389]

Isso é verdade tanto para questões de política interna quanto externa. Trotsky insistiu em suas teses sobre a Guerra e a Quarta Internacional sobre a estreita e inseparável relação entre as políticas internas e externas da classe dominante e do proletariado. A vanguarda do proletariado defende uma política de independência de classe de qualquer burguesia imperialista e de cada uma de suas frações - tanto daquelas domésticas como das estrangeiras: “A política externa de cada classe é a continuação e o desenvolvimento de sua política interna”. [390]

Em outras palavras, todo o método do derrotismo revolucionário não tem "táticas especiais" para a guerra, mas dita a continuação de táticas dirigidas para promover a independência da classe trabalhadora perante toda burguesia imperialista (e cada fração dela), que são válidas. para todas as fases da luta de classes - seja em tempos de guerra ou de paz.

Por essa razão, os marxistas aplicam o mesmo método de "derrotismo revolucionário" não apenas em casos de conflitos entre países imperialistas. Da mesma forma, a CCRI também aplica tal método, por exemplo, sobre questões como a participação de estados imperialistas em alianças entre os estados (por exemplo, a questão da participação na União Europeia). [391]

Outra questão semelhante é o caso das eleições em que apenas os candidatos abertamente burgueses estão competindo (por exemplo, nas eleições presidenciais nos EUA entre os candidatos do Partido Republicano e do Partido Democrata). Em tais situações, os revolucionários não podem apoiar nenhum desses candidatos e, portanto, exigem a abstenção. [392]

Nesse contexto, vale a pena chamar a atenção para a observação de Lenin de que os revolucionários deveriam estudar os escritos de Clausewitz por causa da proximidade das táticas políticas e das táticas militares. Em um artigo publicado durante o último período da vida de Lenin, o historiador soviético V.I. Sorin atribuiu ao líder dos bolcheviques as seguintes visões sobre o significado de Clausewitz: "Lenin disse que" as táticas políticas e militares são chamadas de Grenzgebiet (uma fronteira) em alemão e os trabalhadores do partido poderiam estudar com vantagem as obras de Clausewitz, o maior dos Teóricos militares alemães.” 393

Em resumo, os marxistas não mudam sua abordagem em relação à classe dominante em tempos de guerra, portanto, a classe trabalhadora deve se opor fundamentalmente ao seu governo imperialista igualmente em tempos de paz e em tempos de guerra. A política do derrotismo revolucionário tem sempre a mesma raiz programática: a luta pela independência política da classe trabalhadora perante todas as frações da burguesia e todas as potências imperialistas.

 

Notas de rodapé

384) Carl von Clausewitz: Vom Kriege (1832), Hamburgo 1963, p. 22; em inglês: Carl von Clausewitz: Em guerra, http://www.gutenberg.org/files/1946/1946-h/1946-h.htm

385) Carl von Clausewitz: Vom Kriege (1832), Hamburgo 1963, p. 221; em inglês: Carl von Clausewitz: na guerra, http://www.clausewitz.com/readings/OnWar1873/Bk8ch06.html#B

386) V.I.Lenin: O Colapso da Segunda Internacional (1915), em: LCW Vol. 21, p.219 (ênfase no original)

387) John West (James Burnham): Guerra e os Trabalhadores (1936), Panfleto do Partido dos Trabalhadores, https://www.marxists.org/history/etol/writers/burnham/1936/war/index.htm

388) V. I. Lenin: Guerra e Revolução (1917), em: LCW 24, p. 400

389) Leon Trotsky: A Agonia de Morte do Capitalismo e as Tarefas da Quarta Internacional. O Programa de Transição (1938); in: Documentos da Quarta Internacional, Nova York 1973, p. 199

390) Leon Trotsky: Guerra e a Quarta Internacional (1934), em: Trotsky Writings 1933-34, p. 313

391) Veja neste exemplo Michael Pröbsting: o marxismo, a União Europeia e o Brexit. O L5I e a União Europeia: um direito de se afastar do marxismo. A recente mudança na posição da L5I em relação ao apoio à adesão à UE representa uma mudança de sua própria tradição, do método marxista e dos fatos; Agosto de 2016, em: Revolucionário Comunista No. 55, http://www.thecommunists.net/theory/eu-and-brexit/; Michael Pröbsting: A UE representa o "progresso democrático burguês"? Mais uma vez, sobre a UE e as táticas da classe trabalhadora - uma adenda à nossa crítica da volta do L5I à direita e seu apoio à adesão à UE, 16.09.2016, https://www.thecommunists.net/theory/eu-broxit-article/ ;RCIT: Após o Voto BREXIT - Tempos tempestuosos à frente para os trabalhadores e oprimidos na Grã-Bretanha, 24.6.2016,http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/brexit-vote-results/;RED*LIBERATION (Boletim dos Socialistas no Partido Trabalhista): Reino Unido: Não à Armadilha de Cameron: Nem SIM nem NÃO ao Reino Unido na UE! Por Abstenção no Referendo! Apelamos ao Momentum para criar um “Terceiro Acampamento” e lançar uma campanha socialista e internacionalista! Pela união internacional dos trabalhadores britânicos, migrantes e europeus! 25 de fevereiro de 2016, https://redliberation.wordpress.com/2016/05/02/100/; RCIT und RCIT Grã-Bretanha: Boicote Cameron’s Trap: Nem Bruxelas, nem Downing Street! Abstenção no referendo da UE na Grã-Bretanha! Para a unidade internacional e luta dos trabalhadores e oprimidos! Lute contra o imperialismo tanto britânico quanto europeu! Encaminhar para os Estados Unidos Socialistas da Europa, 2 de agosto de 2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/eu-referendum-in-uk/ ; Michael Pröbsting: A Esquerda Britânica e o Referendo da UE: As Muitas Faces do Social-Imperialismo pró-Reino Unido ou pró-UE. Uma análise do fracasso da esquerda em lutar por uma posição independente, internacionalista e socialista, tanto contra o imperialismo britânico como europeu, Comunismo Revolucionário Nº. 40, agosto de 2015 http://www.thecommunists.net/theory/british-left-and-eu-referendum/

392) Veja neste exemplo Yossi Schwarz: Por que não votar no Partido Democrata nas próximas eleições dos EUA ou em qualquer outro momento, 2.3.2016, https://www.thecommunists.net/worldwide/north-america/no-vote-sanders/;Yossi Schwartz: Mais uma vez: o oportunismo da esquerda norte-americana exposta. Uma análise da Campanha eleitoral dos EUA 2016, 14 de agosto de 2016, https://www.thecommunists.net/worldwide/north-america/left-and-us-election/;Michael Pröbsting: O Significado, Consequências e Lições da Vitória do Trump. Sobre as lições do resultado eleitoral da Presidência dos EUA e as perspectivas para a luta de classes doméstica e internacional, 24 de novembro de 2016, https://www.thecommunists.net/theory/meaning-of-trump/

393) V. I.Sorin: Marxism, Tactics, e Lenin (Pravda, No. 1, 1923), citado em A.S. Bubnov: Prefácio ao "Caderno sobre Clausewitz" de Lênin (1931), em Donald E. Davis e Walter S.G. Kohn: Lenin sobre Clausewitz, em: Revista das Forças Armadas Soviéticas, vol. I, Academic International Press, 1977, Gulf Breeze, Flórida, p. 193. Sobre os pensamentos de Lenine sobre Clausewitz e sobre a questão militar em geral, além de seu Caderno mencionado acima, ver também: Jacob W. Kipp: Lenin e Clausewitz: A militarização do marxismo, 1914-1921, in: Military Affairs vol. 49, 1985, pp. 184-191; James Ryan: ‘Revolução é Guerra’: O Desenvolvimento do Pensamento de V. I. Lenin sobre Violência, 1899–1907, em: The Slavonic and East European Review, vol. 89, No. 2 (abril de 2011), pp. 248-273; Israel Getzler: Concepção de Revolução de Lenin como Guerra Civil, em: The Slavonic and East European Review, vol. 74, n ° 3 (julho de 1996), pp. 464-472.

Nós nos arriscamos a aproveitar esta oportunidade para informar os leitores sobre a seguinte pequena anedota que é muito característica do falso caráter do stalinismo. Como o autor dessas linhas está na posse tanto da publicação em alemão quanto da publicação em inglês do Caderno de Lenin sobre Clausewitz, ele pôde comparar os prefácios de ambas as edições. Eles são idênticos, palavra por palavra. No entanto, enquanto o original foi escrito por A.S. Bubnov em 1931, a versão alemã foi publicada sob o nome “Otto Braun”. A razão é simplesmente que Bubnov, enquanto isso, foi perseguido pelos stalinistas, então o stalinista alemão simplesmente pegou seu prefácio e o publicou em seu próprio nome! (A edição em alemão é: W.I.Lenin: Clausewitz 'Werk "Vom Kriege". Auszüge und Randglossen, Verlag des Ministerium für nationale Landesverteidgung, Berlim, 1957)

Sabemos que os stalinistas implementaram essa política de supressão de autores originais muitas vezes. Por exemplo, o "pai" das Obras Coletadas de Marx e Engels foi o grande historiador David Rjazanov. Mas desde que ele foi perseguido e depois morto pelos stalinistas, seu nome nunca apareceu nos famosos volumes! (Sobre o trabalho de Rjazanov sobre as Obras Coletadas de Marx e Engels ver por exemplo David Borisovič Rjazanov: Vorwort zur MEGA 1927, em: UTOPIE kreativ, H. 206 (dezembro de 2007), pp. 1095-1011; Bud Burkhard: DB Rjazanov e o Marx -Engels Institute: Notas para novas pesquisas, em: Estudos em pensamento soviético 30 (1985), pp. 39-54; Colum Leckey: David Riazanov e marxismo russo, em: História Russa / Histoire Russe, Vol. 22, N ° 2 (1995), David Borisovič Rjazanov und die erste MEGA, Beiträge zur Marx-Engels-Forschung, Neue Folge, Sonderband, 1. Argument, Hamburg 1996).

 

 

XVI. O Derrotismo Revolucionário Como Uma Estratégia Combinada

 

Em nossas teses sobre o Derrotismo Revolucionário, afirmamos a seguinte ideia: “Os dois aspectos fundamentais do derrotismo revolucionário - (i) a recusa em ficar ao lado de qualquer campo nos conflitos entre as Grandes Potências e (ii) o apoio ativo à luta dos povos oprimidos para derrotar os imperialistas - estão absolutamente ligados uns aos outros. As tensões entre as Grandes Potências baseiam-se, em grande parte, no desejo de cada classe dominante de expandir sua esfera de influência ao Sul ( do hemisfério) , à custa de seus rivais. A opressão e a super-exploração do povo oprimido é determinada pelo impulso das Grandes Potências pelo domínio global.

Ao considerarmos essa abordagem como um dos aspectos mais importantes (e muitas vezes ignorados ou incompreendidos) da luta anti-imperialista, queremos elaborá-la aqui com mais detalhes.

Para começar, temos que enfatizar novamente que a luta contra o imperialismo, o militarismo e a guerra não é uma luta separada que estaria sujeita a leis diferentes da luta contra outras características do capitalismo. Não, o militarismo e a guerra são parte integrante do mesmo sistema e, portanto, a luta contra o imperialismo e a guerra deve ser conduzida com os mesmos métodos da independência da luta de classes, assim como em todos os outros campos da luta de classes. A Quarta Internacional, liderada por Leon Trotsky, deixou isso muito claro em uma resolução adotada em um congresso em 1936:

“A 'luta contra a guerra' não pode ser conduzida como algo diferente e separado da própria luta de classes, da luta intransigente do proletariado contra o capitalismo imperialista, isto é, contra aquela ordem social que inexoravelmente dá origem à guerra e opressão imperialista e que é inconcebível sem esses flagelos gêmeos. Qualquer tentativa de conduzir uma luta "contra a guerra" por meio de "métodos especiais" separados ou "acima" da própria luta de classes é, na melhor das hipóteses, uma ilusão cruel e, via de regra, um engano malicioso que facilita o trabalho dos belicistas imperialistas.” [394]

Como vamos descrever nos capítulos abaixo em detalhe, os marxistas basicamente distinguem entre dois tipos diferentes de guerras: entre guerras de opressão e guerras de libertação. Guerras de opressão são guerras da classe dominante a fim de impor seus interesses reacionários às custas dos outros - seja contra seus rivais capitalistas ou contra a classe trabalhadora e o povo oprimido. Os socialistas nunca podem, sob nenhuma circunstância, apoiar tais guerras de opressão.

As únicas guerras que merecem o apoio dos socialistas são as guerras de libertação. Tais guerras são guerras em defesa do interesse da classe trabalhadora e do povo oprimido. Tais guerras podem tomar a forma de guerras civis - por exemplo, a Guerra Civil Espanhola de 1936-39, a guerra da Índia contra o povo da Caxemira, a guerra da Rússia contra o povo checheno ou a Guerra Civil Síria desde 2011. Elas também podem assumir a forma de guerras entre estados - por exemplo, as guerras imperialistas contra a União Soviética ou contra países semicoloniais (Afeganistão, Iraque etc.). Os socialistas são obrigados a apoiar o proletariado e o povo oprimido em tais guerras e a trabalhar pela derrota do campo reacionário.

Trotsky resumiu a posição marxista sobre guerras concomitantemente em uma declaração para um congresso anti-guerra em 1932: “Bandidos capitalistas sempre conduzem uma guerra“ defensiva”, mesmo quando o Japão está marchando contra Xangai e França contra a Síria ou Marrocos. O proletariado revolucionário distingue apenas entre guerras de opressão e guerras de libertação. O caráter de uma guerra é definido, não por falsificações diplomáticas, mas pela classe que conduz a guerra e pelos objetivos que almeja nessa guerra. As guerras dos estados imperialistas, além dos pretextos e da retórica política, são de caráter opressivo, reacionário e hostil ao povo. Somente as guerras do proletariado e das nações oprimidas podem ser caracterizadas como guerras de libertação (...)” [395]

Os marxistas dão o nome do programa para defender o campo da classe trabalhadora e o do povo oprimido de “defensismo” enquanto dão o nome do programa para derrubar o campo reacionário de “derrotismo”. Trotsky enfatizou que compreender o verdadeiro caráter de uma guerra e extrair as conclusões corretamente programáticas é uma das tarefas mais importantes de qualquer organização revolucionária: “O problema ou a guerra, ao lado do problema da revolução, é a pedra de toque de um partido revolucionário. Aqui, nenhum tipo de equívoco é permissível. A decisão baseada em princípios é clara de antemão: o defensismo e o derrotismo são tão incompatíveis quanto o fogo e a água. É necessário dizer isso antes de mais nada. Esta verdade deve ser ensinada aos membros do partido”. [396]

Em sua definição mais geral, o programa marxista de derrotismo significa que os revolucionários continuam a luta de classes dos trabalhadores e oprimidos contra a classe dominante imperialista em tempos de guerra e recusam qualquer apoio ao inimigo de classe. Os revolucionários desejam utilizar as condições de guerra para enfraquecer e, eventualmente, derrotar o inimigo de classe. Eis como a Oposição de Esquerda, lutando contra os revisionistas stalinistas, formulou a essência do derrotismo em um documento oficial em 1927:

“O que significa o termo derrotismo? Em toda a história passada do partido, o derrotismo foi entendido como desejando a derrota do próprio governo em uma guerra com um inimigo externo e contribuindo para tal derrota por métodos de luta revolucionária interna. Isso se refere, é claro, à atitude do proletariado em relação ao estado capitalista”. [397]

O próprio Trotsky deu uma definição mais ou menos idêntica no mesmo ano: “O que é derrotismo? É uma política que visa contribuir para a derrota do seu "próprio" estado , que está nas mãos da classe inimiga." [398]

Rudolf Klement, um líder da Quarta Internacional que foi morto pela GPU stalinista em 1938, resumiu os princípios do derrotismo revolucionário em um artigo que foi elogiado por Trotsky: “A guerra é apenas a continuação da política por outros meios. Daí o proletariado deve continuar sua luta de classes em tempo de guerra, entre outras coisas com os novos meios que a burguesia lhe dá. Pode e deve utilizar o enfraquecimento de sua própria burguesia nos países imperialistas para implacavelmente preparar e realizar sua revolução social em conexão com a derrota militar engendrada pela guerra e para tomar o poder. Essa tática, conhecida como derrotismo revolucionário, é uma das mais fortes alavancas da revolução proletária mundial em nossa época e, com isso, do progresso histórico”. [399]

Os revolucionários na luta contra o inimigo imperialista desejam utilizar cada crise - desde recessões econômicas, crises políticas a conflitos militares - a fim de fortalecer o poder combativo e a consciência da classe trabalhadora e das massas oprimidas e para enfraquecer e, eventualmente, derrubar a classe dominante. É por isso que os marxistas veem as guerras imperialistas sempre da perspectiva de como ela pode ser transformada em uma guerra revolucionária contra os governantes imperialistas.

 

A Natureza Contraditória do Imperialismo como Base Objetiva do Anti-Imperialismo

 

No entanto, antes de lidarmos com os aspectos específicos do programa do derrotismo revolucionário, precisamos esclarecer um de seus aspectos mais fundamentais. O derrotismo revolucionário é uma estratégia combinada. Isto significa que combina a luta anti-imperialista contra todas as Grandes Potências juntamente com o apoio a todas as lutas de libertação dos trabalhadores e do povo oprimido contra todas as Grandes Potências, e respectivamente seus representantes. O programa de derrotismo é uma estratégia combinada ou não é derrotista de verdade!

É por isso que Trotsky enfatizou analisar o caráter de cada conflito o mais concreto possível e, ao mesmo tempo, reconhecer as relações entre eles: “Ensinar os operários a compreenderem corretamente o caráter de classe do estado – imperialista, colonial, operários – assim como suas contradições internas, permitirá que os operários extraiam as conclusões práticas corretas em cada situação determinada.” [400]

Essa estratégia combinada é a única conclusão possível da teoria marxista do imperialismo. Como mostramos acima, Lênin, Trotsky e outros proeminentes marxistas do século XX sempre foram claros sobre a natureza do imperialismo como um sistema onde um pequeno número de monopólios e Grandes Potências rivalizam entre si pela dominação do mundo e pela exploração de seus recursos econômicos. Assim, o imperialismo, por definição, implica a opressão e exploração dos países dependentes e subordinados e dos povos ao Sul por esses monopólios e Grandes Potências. Vamos reproduzir novamente a definição de imperialismo de Lênin:

“Temos que começar com uma definição tão precisa e completa do imperialismo quanto possível. O imperialismo é um estágio histórico específico do capitalismo. Seu caráter específico é triplo: o imperialismo é o capitalismo monopolista; capitalismo parasitário ou decadente; capitalismo moribundo. A suplantação da livre concorrência pelo monopólio é a característica econômica fundamental, a quintessência do imperialismo. O monopólio se manifesta em cinco formas principais: (1) cartéis, sindicatos e trusts - a concentração da produção atingiu um grau que dá origem a essas associações monopolistas de capitalistas; (2) a posição monopolista dos grandes bancos - três, quatro ou cinco bancos gigantes manipulam toda a vida econômica da América, França, Alemanha; (3) apreensão das fontes de matéria-prima pelos trustes e pela oligarquia financeira (capital financeiro é o monopólio do capital industrial fundido com o capital dos bancos); (4) a divisão (econômica) do mundo pelos cartéis internacionais já começou. Já existem mais de cem cartéis internacionais, que comandam o mercado mundial inteiro e o dividem “amigavelmente” entre si - até que a guerra o redistribua. A exportação de capital, diferente da exportação de mercadorias sob o capitalismo não monopolista, é um fenômeno altamente característico e está intimamente ligada à divisão econômica e territorial-política do mundo; (5) a partição territorial do mundo (colônias) está completa.” [401]

Daí resulta que a opressão imperialista e a super-exploração dos povos coloniais e semicoloniais são características essenciais do atual sistema mundial:

“Imperialismo significa a opressão progressivamente crescente das nações do mundo por um punhado de Grandes Potências (…) É por isso que o ponto focal no programa social-democrata deve ser aquela divisão das nações em opressor e oprimido que forma a essência do imperialismo. e é iludida pelos social-chauvinistas e por Kautsky. Esta divisão não é significativa do ponto de vista do pacifismo burguês ou da utopia filistina de competição pacífica entre as nações independentes sob o capitalismo, mas é mais significativa do ponto de vista da luta revolucionária contra o imperialismo”. [402]

Em outras palavras, os monopólios imperialistas e as Grandes Potências existem e só podem existir a) em rivalidade uns contra os outros e b) oprimindo e explorando as nações oprimidas. Ambos os aspectos estão relacionados uns com os outros, porque os monopólios e as Grandes Potências lutam por mais lucro e poder e só podem ser satisfeitos expandindo sua influência global e sua participação de mercado ao custo de seus rivais e espremendo mais riqueza dos povos oprimidos.

Tal natureza contraditória do imperialismo constitui a base objetiva para o programa do anti-imperialismo e tem profundas consequências para a luta revolucionária. Como ambos os aspectos estão organicamente e objetivamente ligados uns aos outros, qualquer estratégia que seja significativa contra as Grandes Potências deve levar ambos em consideração e integrá-los em uma simples e única estratégia.

É por isso que Lênin enfatizou já no meio da Primeira Guerra Mundial, quando as Grandes Potências estavam massacrando milhões de pessoas umas contra as outras nos campos de batalha, sobre a importância crucial das lutas de libertação das nações oprimidas. Ele fez isso apesar do fato de que naquela época quase não havia tais levantes nacionais. Mas Lênin compreendeu plenamente a estreita conexão entre a rivalidade entre as Grandes Potências e a opressão imperialista dos povos coloniais e semicoloniais. Ele enfatizou essa conexão inúmeras vezes:

“Teoricamente, seria absolutamente errado esquecer que toda guerra é apenas a continuação da política por outros meios. A atual guerra imperialista é a continuação das políticas imperialistas de dois grupos de Grandes Potências, e essas políticas foram engendradas e fomentadas pela soma total das relações da era imperialista. Mas esta mesma época deve também necessariamente engendrar e fomentar políticas de luta contra a opressão nacional e de luta proletária contra a burguesia e, consequentemente, também a possibilidade e inevitabilidade, em primeiro lugar, de rebeliões e guerras nacionais revolucionárias; segundo, de guerras e rebeliões proletárias contra a burguesia; e, terceiro, de uma combinação de ambos os tipos de guerra revolucionária etc.” [403]

“Os marxistas nunca se esqueceram de que a violência acompanhará inevitavelmente a bancarrota do capitalismo em toda a sua amplitude e o nascimento da sociedade socialista. E esta violência constituirá um período histórico-universal, toda uma era de guerras com o carácter mais diverso — guerras imperialistas, guerras civis dentro dos países, entrelaçamento de umas e outras, guerras nacionais, de libertação das nacionalidades esmagadas pelos imperialistas e por diferentes combinações das potências imperialistas que participam inelutavelmente nestas ou naquelas alianças na época dos enormes trusts e consórcios capitalistas de Estado e militares.” [404]

Daqui se conclui que os marxistas têm que se esforçar ativamente para conquistar a vanguarda da classe trabalhadora e dos oprimidos por combinar sua luta contra as Grandes Potências com a luta de libertação do povo oprimido.

“As guerras nacionais contra as potências imperialistas não são apenas possíveis e prováveis; elas são inevitáveis, são progressistas e revolucionárias, embora, é claro, para serem bem-sucedidas, exigem o esforço conjunto de um grande número de pessoas nos países oprimidos (centenas de milhões em nosso exemplo da Índia e da China) ou uma conjuntura especialmente favorável de condições internacionais (por exemplo, o fato de que as potências imperialistas não possam interferir, sendo paralisadas pelo esgotamento, pela guerra, pelo seu antagonismo, etc.), ou a revolta simultânea do proletariado contra a burguesia em uma das Grandes Potências (esta última eventualidade em primeiro lugar como a mais desejável e favorável à vitória do proletariado).” [405]

O caráter objetivamente combinado da estratégia do derrotismo também é sempre refletido no seguinte fato. Dada a interconexão objetiva entre a rivalidade entre as Grandes Potências e a luta do povo oprimido contra as Grandes Potências, acontece frequentemente que a primeira situação influencia a última e vice-versa. Nós lidamos com essa questão extensivamente em outros trabalhos. [406] É suficiente dizer neste local que pode haver casos em que tal interferência das Grandes Potências em uma luta de libertação em curso se torna tão dominante que o caráter dessas lutas se transforma e se torna uma disputa por interesses de uma ou outra Grande Potência. No entanto, seria tolice presumir que a interferência da Grande Potência como tal já resulte em tal transformação. Os marxistas devem empreender uma análise concreta da situação concreta.

A história tem visto numerosos casos em que ocorreram tais combinações de guerras inter-imperialistas e guerras de libertação. Em nossa análise acima mencionada, elaboramos vários exemplos. Aqui nos limitamos a alguns exemplos. Na Segunda Guerra Mundial, os revolucionários tiveram que levar em conta que aquela guerra global incluiu três tipos diferentes de guerra: a) a guerra entre as Grandes Potências imperialistas (Alemanha-Itália-Japão x EUA-Reino Unido-França), a guerra entre uma Grande Potência imperialista e um estado de operário degenerado (Alemanha vs. URSS) e guerras entre Grandes Potências versus povos oprimidos (Alemanha versus povos oprimidos em países europeus ocupados; Japão versus povos oprimidos em países do Sudeste Asiático ocupados, Grã-Bretanha versus a população da Índia, etc.) Naturalmente, cada Grande Potência tentou enfraquecer seu inimigo apoiando a URSS ou povos oprimidos com armas, etc. A Terceira Internacional Trotskista implantou uma tática que diferenciava entre os personagens dos diferentes tipos de guerras. Eles assumiram uma posição de derrotismo revolucionário em ambos os lados na guerra entre os dois campos imperialistas, mas apoiaram a URSS e respectivamente o povo oprimido contra a Grande Potência.

Tais situações complicadas também existem hoje, como podemos ver atualmente na Síria. Os revolucionários apoiam a contínua luta de libertação dos rebeldes contra a tirania de Assad e seus mestres imperialistas russos. Nos confrontos entre os rebeldes pró-turcos (apoiando o traiçoeiro processo Astana / Sochi) e os rebeldes que se opõem a Astana, eles, os revolucionários, estão do lado dos últimos. Eles apoiam os rebeldes em sua luta contra o Daesh / ISIS. Mas eles se opõem ao massacre imperialista dos EUA com a ajuda do YPG / SDF curdo contra o Daesh. Nos conflitos entre as tropas pró-russas Assadistas e as tropas pró-EUA YPG / SDF, os revolucionários não defendem lados, pois tratam-se de fantoches dos imperialistas. [407]

Outro exemplo são os ataques aéreos imperialistas ocidentais na Líbia durante a revolução popular contra a ditadura de Gaddafi. Esses ataques aéreos, em que os revolucionários resolutamente se opuseram, não se tornaram, contudo, o elemento dominante na luta de libertação, isto é, a luta de libertação contra Gaddafi manteve seu caráter progressista e não se transformou em uma guerra em favor dos imperialistas (contrária às alegações tolas do estalinistas e vários pseudo-trotskystas). Isto foi confirmado pelos eventos que se seguiram à queda de Gaddafi. Se a guerra civil contra Gaddafi tivesse sido uma guerra de agentes da OTAN (como afirmam os estalinistas e semi-estalinistas), a OTAN teria assumido o controle após a queda de Gaddafi no outono de 2011. No entanto, ocorreu o oposto: mais de sete anos depois da queda da ditadura, os imperialistas ainda não conseguiram controlar a Líbia. Na verdade, eles tiveram que evacuar suas embaixadas e um embaixador dos EUA foi assassinado. [408]

Tal natureza complexa e contraditória das guerras, quando o aspecto das lutas de libertação e o aspecto da intervenção imperialista estão presentes, não eram desconhecidos para os clássicos marxistas. Na verdade, Lênin e Trotsky estavam plenamente conscientes de tais combinações de diferentes tipos de guerras e delinearam uma resposta revolucionária.

 

Os Clássicos Marxistas Sobre a Estratégia Combinada

 

Trotsky advertiu contra qualquer esquema mecânico que ignorasse a natureza contraditória e dialética de tais conflitos. “Em noventa por cento dos casos, os trabalhadores colocam um sinal de menos onde a burguesia coloca um sinal de mais. Em dez por cento, no entanto, eles são forçados a fixar o mesmo sinal que a burguesia, mas com seu próprio selo, no qual se expressa sua desconfiança da burguesia. A política do proletariado não é de forma alguma derivada automaticamente da política da burguesia, tendo apenas o sinal oposto - isso faria de todo sectário um mestre estrategista; não, o partido revolucionário deve se orientar cada vez de maneira independente, tanto na situação interna como externa, chegando às decisões que melhor correspondam aos interesses do proletariado. Esta regra se aplica tanto ao período da guerra quanto ao período de paz”. [409]

Lênin explicou, na época do imperialismo, que as Grandes Potências sempre tentarão interferir e utilizar conflitos nacionais e democráticos. No entanto, este fato não deve levar os marxistas a adotarem automaticamente uma posição derrotista em vez de defensiva-revolucionária em tais conflitos. Em vez disso, a posição assumida pelos marxistas deve depender de qual fator se torna dominante - a luta nacional de libertação democrática ou a guerra imperialista de conquista.

Por outro lado, os socialistas das nações oprimidas devem, em especial, defender e implementar a unidade total e incondicional, incluindo a unidade organizacional, dos trabalhadores da nação oprimida e da nação opressora. Sem isso, é impossível defender a política independente do proletariado e sua solidariedade de classe com o proletariado de outros países, diante de todo tipo de intrigas, traição e malandragem por parte da burguesia. A burguesia das nações oprimidas utiliza persistentemente os slogans da libertação nacional para enganar os trabalhadores; em sua política interna, eles usam esses slogans para acordos reacionários com a burguesia da nação dominante (por exemplo, os poloneses na Áustria e na Rússia que chegam a um acordo com os reacionários para a opressão dos judeus e ucranianos); em sua política externa, eles se esforçam para chegar a um acordo com uma das potências imperialistas rivais, a fim de implementar seus planos predatórios (a política dos pequenos estados balcânicos, etc.). O facto de a luta pela libertação nacional contra uma potência imperialista poder, sob certas condições, ser utilizada por outra “grande” potência para os seus próprios objetivos, igualmente imperialistas, é tão pouco provável que faça os sociais-democratas recusarem reconhecer o direito das nações à autodeterminação, como é improvável que os numerosos casos de utilização burguesa de slogans republicanos para fins de fraude política e pilhagem financeira (como nos países românicos, por exemplo) façam os sociais-democratas rejeitarem seu republicanismo.” [410]

Mais tarde, quando confrontado com o complexo cenário da aproximação da Segunda Guerra Mundial, Rudolf Klement elaborou a abordagem marxista:

“A luta de classes e a guerra são fenômenos internacionais decididos internacionalmente. Mas como cada luta permite apenas dois campos (bloco contra o bloco) e desde que as lutas imperialistas se entrelaçam com a guerra de classes (imperialismo mundial - proletariado mundial), surgem casos múltiplos e complexos. A burguesia dos países semicoloniais ou a burguesia liberal ameaçada pelo seu próprio fascismo apelam à ajuda aos imperialismos “amigáveis”; a União Soviética tenta, por exemplo, utilizar os antagonismos entre os imperialismos concluindo alianças com um grupo contra outro, etc. O proletariado de todos os países, a única solidariedade internacional - e não menos que isso, a única classe progressista - encontra-se, assim, na complicada situação em tempos de guerra, especialmente na nova guerra mundial, de combinar o derrotismo revolucionário contra sua própria burguesia, juntamente com o apoio a guerras progressistas.”

Klement defende uma abordagem dialética, argumentando que “o proletariado, especialmente nos países imperialistas, exige, nessa situação aparentemente contraditória, uma compreensão particularmente clara dessas tarefas combinadas e dos métodos para cumpri-las”. E, ao final de seu artigo, ele em seguida enfatiza: “Assim, vemos como diferentes situações de guerra exigem do proletariado revolucionário dos vários países imperialistas, se ele deseja permanecer fiel a si mesmo e ao seu objetivo, com diferentes formas de luta, que podem aparecer para espíritos esquemáticos serem "desvios" do princípio básico do derrotismo revolucionário, mas que resultam na realidade apenas da combinação do derrotismo revolucionário com a defesa de certos campos progressistas." [411]

É este método concreto e dialético que os clássicos marxistas desenvolveram e que aplicamos hoje aos diferentes tipos de guerras que ocorrem em uma situação mundial caracterizada por contradições crescentes e rivalidades.

E é exatamente essa natureza dialética e contraditória dos conflitos que quase todos os reformistas e centristas não conseguem entender. No melhor dos casos, eles tomam apenas um ou outro aspecto do programa derrotista, mas não a estratégia em sua totalidade. Ou pior, eles nem sequer entendem um desses elementos complexos do derrotismo revolucionário como uma estratégia combinada.

O resultado de tal fracasso, como afirmamos nas Teses e como elaboramos mais detalhadamente abaixo, é que uma oposição contra as Grandes Potências sem pleno apoio às lutas de libertação do povo oprimido é, na melhor das hipóteses, “anti-imperialismo platônico” ou na pior das hipóteses Social-imperialismo mascarado”. O apoio a esta ou aquela luta de libertação sem oposição firme contra todas as Grandes Potências envolve o risco de se aliar a um campo imperialista contra o outro e, portanto, de transformar uma força de libertação em um substituto para esta ou aquela Grande Potência.

Em suma, o “anti-imperialismo” sem o pró-liberacionismo não é anti-imperialismo, mas sim o social-imperialismo aberto ou dissimulado!

 

Notas de rodapé

394) Leon Trotsky: Resolução sobre o Congresso Antiguerra do Bureau de Londres (1936), em: Documentos da Quarta Internacional, Nova York 1973, p. 98

395) Leon Trotsky: Declaração ao Congresso Antiguerra em Amsterdã (1932), em: Writings 1932, p. 153 (ênfase no original)

396) Leon Trotsky: Derrotismo vs. Defensismo (1937), em: Trotsky Writings 1937-38, p. 86

397) L. Trotsky, G. Zinoviev, Yevdokimov: Resolução do Sindicato dos Metalúrgicos de toda a Rússia (1927); em: Leon Trotsky: O Desafio da Oposição de Esquerda (1926-27), pp. 249-250 (Ênfase no original)

398) Leon Trotsky: "Defeatism" e Clemenceau (1927); em: Leon Trotsky: O Desafio da Oposição de Esquerda (1926-279), p. 252

399) Rudolf Klement: Princípios e Táticas na Guerra (1938); in The New International (Revista Teórica do Partido Socialista dos Trabalhadores, seção norte-americana da Quarta Internacional), maio de 1938, vol. 4, n. 5, pp. 144-145, https://www.marxists.org/history/etol/revhist/backiss/vol1/no1/printact.html .A CCRI republicou este texto em: Revolutionary Communism No. 4 (2012), pp. 44-46.

400) Manifesto da Quarta Internacional sobre a Guerra Imperialista: Guerra Imperialista e a Revolução Mundial Proletária. Adoptado pela Conferência de Emergência da Quarta Internacional, de 19 a 26 de maio de 1940, em: Documentos da Quarta Internacional. Os anos formativos (1933-40), Nova York, 1973, p. 327, http://www.marxists.org/history/etol/document/fi/1938-1949/emergconf/fi-emerg02.htm

401) V. I. Lênin: Imperialismo e a Divisão no Socialismo (1916); em: CW vol. 23, pp. 105-106 [ênfase no original]

402) V. I. Lênin: O Proletariado Revolucionário e o Direito das Nações à Autodeterminação (1915); em: CW 21, p. 409

403) V. I. Lênin: O Programa Militar da Revolução Proletária (1916); em: LCW Vol. 23, p. 80

404) V.I.Lênin: Relatório sobre a Revisão do Programa e sobre a Mudança do Nome do Partido, 8 de março de 1918, em: LCW Vol. 27, p. 130

405) V.I.Lênin: O Panfleto de Junius (1916), em: LCW vol. 22, p.312 [ênfase no original]

406) Ver p. Michael Pröbsting: Lutas pela Libertação e Interferência Imperialista. O fracasso do “antiimperialismo” sectário no Ocidente: algumas considerações gerais do ponto de vista marxista e o exemplo da revolução democrática na Líbia em 2011, outono de 2012, https://www.thecommunists.net/theory/liberation-struggle-and-imperialism/

407) A CCRI publicou uma série de folhetos, declarações e artigos sobre a Revolução Síria que podem ser lidos em uma subseção especial neste site: https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/collection-of-articles-on-the-syrian-revolution/. Em especial, nos referimos a Michael Pröbsting: A Revolução Síria está no seu fim? O terceiro abstencionismo é justificado? Um ensaio sobre os órgãos do poder popular na área libertada da Síria, sobre o caráter dos diferentes setores dos rebeldes sírios, e sobre o fracasso dos esquerdistas que desertaram da Revolução Síria, 5 de abril de 2017, https: // www.thecommunists.net/theory/syrian-revolution-not-dead/; Michael Pröbsting: Perspectivas do Mundo 2018: Um Mundo Grávido de Guerras e Levantes Populares, fevereiro de 2018, Capítulo V, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2018/chapter-v/; Yossi Schwartz: Raqqa: Derrote a ofensiva imperialista dos EUA! Uma avaliação da guerra dos EUA / SDF / YPG contra o Daesh, em abril de 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/us-offensive-in-raqqa/

408) Veja sobre isto no CCRI: PareM o bombardeio dos EUA sobre a Líbia! 23.2.2016, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/us-bombing-libya/ ; CCRI: Europa / Norte da África: Storm the Gates of Rome! Fronteiras abertas para refugiados! Pare a guerra imperialista da UE contra os refugiados! Não aos Preparativos para uma Agressão Imperialista Contra a Líbia! 22.5.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/europe/eu-war-against-refugees/ ; RCIT: Revolução e Contra-Revolução no Mundo Árabe: Um Teste Ácido para os Revolucionários, http://www.thecommunists.net/theory/theses-arab-revolution/; CCRI: General Sisi, Hollande, Obama: Tirem as Mãos da Líbia! Derrotar os Lacaios Imperialistas do General Haftars! Abaixo o Daash-Gang of Killers! Por um Governo Popular e Operário! 26.2.2015, http://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/hands-off-libya/

409) Leon Trotsky: Aprenda a Pensar: Uma Sugestão Amigável para Certos Ultra-esquerdistas (1938); em: Trotsky Writings 1937-38, pp. 332-333. (Ênfase no original) O RCIT republicou este texto no Comunismo Revolucionário nº 5 (2012).

410) V. I. Lênin: A Revolução Socialista e o Direito das Nações à Autodeterminação (1916); em: CW 22, p. 148

411) Rudolf Klement: Princípios e Táticas na Guerra (1938); in The New International (Revista Teórica do Partido Socialista dos Trabalhadores, seção norte-americana da Quarta Internacional), maio de 1938, vol. 4, n. 5, pp. 144-145, https://www.marxists.org/history/etol/revhist/backiss/vol1/no1/printact.html. A CCRIT republicou este texto em: Revolutionary Communism No. 4 (2012), pp. 44-46.

 

 

XVII. A Relação Entre Guerra e Revolução

 

Dissemos acima que, como o imperialismo e a guerra são parte orgânica do capitalismo, a luta contra esses fenômenos está sujeita às mesmas leis que a luta contra todas as outras características do capitalismo. No entanto, isso não deve levar a ignorar os elementos específicos incorporados nessa luta. Um dos mais importantes é a relação entre guerra e revolução.

A guerra representa a mais extrema tensão de todas as forças de uma sociedade. Ajuda a classe dominante a suprimir tendências de oposição, mas ao mesmo tempo, abaixo da superfície, acelera as contradições e prepara futuras catástrofes. Os precursores da guerra - as tensões entre as Grandes Potências, as guerras comerciais, o jingoísmo, o chauvinismo anti-migrante, etc. - não têm as mesmas consequências dramáticas, mas são passos nessa direção.

A história demonstrou tal relação entre a guerra - e mais precisamente a derrota de um governo reacionário em uma guerra reacionária - e a revolução numerosas vezes. A razão para isso é bastante óbvia. As guerras representam por definição a tensão de todas as forças de uma sociedade. Enquanto uma guerra de libertação geralmente consegue mobilizar as massas para que elas a apoiem voluntariamente e consequentemente dela participem, isso é diferente em uma guerra de opressão. Em tais guerras, a classe dominante é forçada, em vários graus, a usar uma combinação de mentiras chauvinistas, histeria de guerra, compulsão militar e repressão contra forças de oposição.

 

“Pequenas” e “Grandes” Guerras Imperialistas

 

Obviamente, há uma diferença entre as guerras de opressão “pequenas” e “grandes”. Por "pequenas" guerras queremos dizer guerras geralmente coloniais como o ataque dos EUA ao Iraque ou ao Afeganistão ou a intervenção da Rússia na Síria. Estas não são pequenas guerras para o povo oprimido - muito pelo contrário, estas guerras resultam no massacre de dezenas ou centenas de milhares de trabalhadores e camponeses. Mas elas são pequenas do ponto de vista dos imperialistas, pois não exigem o recrutamento em massa ou a mobilização de toda a economia para fins militares. Em suma, têm muito menos consequências para a vida cotidiana da sociedade nos países imperialistas.

Isso é completamente diferente no caso de guerras “grandes” pelas quais basicamente queremos dizer guerras entre as Grandes Potências. Tais grandes guerras forçam a classe dominante a uma tensão abrangente de todas as forças sociais. Além disso, tais guerras também têm consequências drásticas para a população civil - escassez de alimentos, falta de medicação até bombardeio aéreo. A Primeira Guerra Mundial e ainda mais a Segunda Guerra Mundial fornecem numerosos exemplos disso. Qualquer futura Guerra Mundial entre as Grandes Potências terá um caráter ainda mais "total", já que quase inevitavelmente implicará o uso de armas nucleares.

É claro que não se deve fazer uma divisão muito esquemática entre as guerras imperialistas “pequenas” e “grandes”. Uma guerra colonial sustentada, por exemplo, pode não exigir uma tensão abrangente de todas as forças sociais. No entanto, a sua natureza prolongada, a acumulação de perdas, os custos crescentes, etc., terão consequências políticas importantes - particularmente se terminarem numa derrota para os imperialistas. Tomemos por exemplo a guerra da França na Argélia, a guerra dos EUA no Vietnã ou a guerra de Yeltsin na Chechênia.

Disto resulta que a derrota da classe dominante nas guerras reacionárias tem efeitos potentes. Sua força material, assim como seu prestígio político e moral, são severamente destruídos. Ao mesmo tempo, as massas estão enfurecidas e “militarizadas”, ou seja, mais habituadas no uso de armas. Este é tanto mais o caso do “maior” (nos termos definidos acima) de tal guerra reacionária dos imperialistas. É por isso que tais guerras estão cheias de reviravoltas revolucionárias nas massas oprimidas e é por isso que Lênin, à luz da derrota da autocracia da Rússia contra o Japão em 1904/05, falou sobre “o grande papel revolucionário da guerra histórica em que o trabalhador da Rússia é um participante involuntário”. [412]

A história fornece numerosos exemplos da relação entre as guerras perdidas pela classe dominante e os consequentes desenvolvimentos revolucionários. Para citar apenas alguns exemplos históricos, nos referimos à Jacquerie, a grande revolta camponesa no norte da França durante a Guerra dos Cem Anos depois que a classe dominante sofreu uma série de derrotas contra os ingleses [413]; o heroico levante dos camponeses russos liderados por Yemelyan Pugachev em 1774/75, no final da longa e exaustiva guerra russo-turca [414]; as humilhantes derrotas da desprezada dinastia Qing nas duas Guerras do Ópio contra as Grandes Potências ocidentais, que deram origem, em primeiro lugar, a 110 insurreições camponesas locais em 1841-1849 e, finalmente, à poderosa insurreição do movimento da sociedade religiosa revolucionária popular de Taiping - uma das mais longas e sangrentas guerras civis da história da humanidade (1850-64) [415]; e então temos os exemplos bem conhecidos da história moderna com a Guerra Franco-Prussiana em 1870-71 que levou à Comuna Parisiense [416], a guerra russo-japonesa em 1904/05 que levou à primeira Revolução Russa em 1905-07 [417]. A Primeira Guerra Mundial que resultou na Revolução Russa de Outubro de 1917, bem como em várias outras revoltas de trabalhadores entre 1918/19 e, finalmente, a Segunda Guerra Mundial, que provocou guerras civis e desenvolvimentos revolucionários em vários países (por exemplo, China, Coréia, Grécia).

Marx e Engels já reconheciam a potencialidade de transformar uma guerra em revolução: "Mas não devemos" esquecer que há um sexto poder na Europa, que em determinados momentos afirma sua supremacia sobre as cinco chamadas "Grandes Potências”. e as faz tremer, cada um deles. Esse poder é a revolução. Há muito tempo em silêncio e afastada, é novamente chamado a agir por causa da crise comercial e pela escassez de alimentos. De Manchester a Roma, de Paris a Varsóvia e Pesth, é onipresente, levantando a cabeça e despertando de seu sono. Múltiplos são os sintomas de seu retorno, em toda parte visível na agitação e inquietação que tomaram a classe proletária. Só um sinal é necessário, e este sexto e maior poder europeu se apresentará, com armadura brilhante e espada na mão, como Minerva da cabeça do olímpico. Este sinal da iminente guerra europeia se dará, e então todos os cálculos quanto ao equilíbrio de poder serão abalados pela adição de um novo elemento que, sempre flutuante e jovem, confundirá enormemente os planos das antigas Potências europeias, e seus Generais, como o fez de 1792 a 1800." [418]

Vale a pena notar que mesmo os sagazes representantes da classe dominante estavam cientes da relação entre guerra e revolução. Por exemplo, o chanceler alemão Bismarck observou em uma exposição para um encontro de seu imperador Guilherme I com o russo Alexandre III em novembro de 1887: “Em nosso tempo atual, mais do que em qualquer outra época histórica, é do interesse das grandes monarquias evitar a guerra, porque hoje as nações tendem a responsabilizar seus governos por sofrerem derrotas militares. (...) No total, uma possível próxima guerra teria menos o caráter de uma guerra entre governos, mas de uma guerra entre a bandeira vermelha e os elementos de ordem e preservação.” [419]

Mais tarde, Lênin e outros marxistas processaram as experiências da guerra russo-japonesa em 1904/05 e em especial a Primeira Guerra Mundial. Eles entenderam que as guerras imperialistas podem acelerar maciçamente o ritmo da história: “A guerra de 1914-1918 foi um gigantesco 'acelerador' (Lênin) da revolução socialista.” [420]

Foi com base nisso que eles desenvolveram o slogan da transformação da guerra imperialista em guerra civil - não como um slogan radical voluntarista, mas como um slogan que é objetivamente baseado no potencial de uma guerra reacionária acabar resultando no colapso da ordem vigente e insurreições armadas das massas oprimidas.

É por isso que Lênin despreza os ideólogos reformistas e centristas que se queixam das consequências destrutivas das guerras e esperam uma revolução pacífica. Tal escreveu Lênin numa polêmica contra o principal teórico centrista alemão da época, Karl Kautsky:

“Estes são os dois“ pontos favoritos” deste homem“ extremamente erudito”! O "culto da violência" e a quebra da indústria - isso é o que o levou ao lamento típico e antigo dos filisteus, em vez de analisar as condições reais da luta de classes. "Nós esperávamos", ele escreve, "que a revolução viria como o produto da luta de classes proletária ...", "mas a revolução veio como consequência do colapso do sistema vigente na Rússia e na Alemanha na guerra. . . . Em outras palavras, esse especialista “esperava” uma revolução pacífica! Isso é soberbo! Mas Herr Kautsky perdeu a coragem a tal ponto que esqueceu o que ele mesmo escreveu quando era marxista, a saber, com toda probabilidade, que uma guerra proporcionaria a ocasião para a revolução. Hoje, em vez de investigar com calma e destemidamente quais mudanças devem inevitavelmente ocorrer na forma da revolução como consequência da guerra, nosso "teórico" lamenta o colapso de suas "expectativas"! [421]

Isso não significa que toda guerra resultará em uma revolta revolucionária das massas populares. Mas a experiência histórica demonstra que grandes guerras que mobilizam os recursos de toda a economia, que afetam todas as classes da sociedade e que influenciam toda a vida política e, consequentemente, a consciência das massas, que tais eventos provocam massiva instabilidade social e política e, portanto, pode levar a rupturas revolucionárias. Como estamos convencidos de que o chauvinismo, as tensões e guerras militares estão se tornando uma característica cada vez mais definidora da sociedade capitalista, pensamos que tal desenvolvimento em direção ao militarismo acabará também por abrir caminho a lutas de classe e explosões revolucionárias.

 

III Guerra Mundial e Revolução - Uma Contradição em Si Mesmo?

 

Finalmente, vamos lidar brevemente com o seguinte problema. Como elaboramos acima no capítulo XII, consideramos uma nova Guerra Mundial entre as Grandes Potências como mais ou menos inevitável se a seu tempo a classe trabalhadora não derrubar os imperialistas. Da mesma forma, é difícil imaginar uma guerra mundial sem as Grandes Potências usando seu arsenal mortal de armas nucleares. Deve-se concluir disso fatalistamente que a relação entre guerra e revolução não existirá em um cenário futuro de uma Terceira Guerra Mundial?

Em nossa opinião, esta questão não pode ser respondida de forma esquemática. Sim, é verdade, se uma Terceira Guerra Mundial ocorrer com todas as Grandes Potências implantando todas as suas armas nucleares, a humanidade será lançada de volta ao palco da barbárie. Mas, em primeiro lugar, uma guerra nuclear tão completa não sairia do nada. É muito provável que um evento tão catastrófico seja precedido por um período mais longo de tensões globais extremas entre as Grandes Potências. Naturalmente, a elite governante dos rivais imperialistas não iniciará um evento tão extremamente arriscado de maneira clara. É verdade que há lunáticos como Trump, mas não se deve supor que a elite dos EUA deixaria Trump iniciar uma guerra nuclear contra a vontade deles. [422]

Não, é muito mais provável que haja um período mais longo de guerras comerciais, confrontos militares menores, grave crise política interna, talvez golpes de estado, crise diplomática, etc. É quase inevitável que tais eventos sejam desencadeadores de crises de processos revolucionários e pré-revolucionários que oferecerão oportunidades à classe trabalhadora para enfraquecer ou derrubar a classe dominante.

Além disso, não podemos prever o futuro. Não se pode excluir que tal Guerra Mundial não resulte na aniquilação total da humanidade, mas pelo contrário, a derrota de um lado ou uma devastação nuclear localizada. Nesse caso, a Terceira Guerra Mundial poderia resultar na aniquilação de muitos milhões de pessoas e, ao mesmo tempo, abrir um período de rebelião global contra os belicistas de guerra imperialistas.

De qualquer forma, o ponto é que os revolucionários não devem ficar petrificados pelo perigo de uma Terceira Guerra Mundial. A tarefa não é especular sobre o futuro (ou mesmo usar tais perigos como uma desculpa para ficar preso na passividade), mas intervir resolutamente na luta de classes e mobilizar a vanguarda operária para que as chances da revolução socialista internacional aumentem e os perigos de uma queda na Terceira Guerra Mundial diminuam!

 

Notas de rodapé

412) V. I. Lênin: A Queda de Port Arthur (1905), em: LCW vol. 8, p. 53

413) Veja isto, por exemplo, I. M. Shukow (Ed.): Weltgeschichte, BVB Deutscher Verlag der Wissenschaften, Berlim 1963, vol. 3, pp. 730-758. Os 10 volumes de Weltgeschichte (com um total combinado de 8.500 páginas) são a tradução em alemão da famosa Enciclopédia de História Soviética publicada após a morte de Stalin. Até onde sabemos, esta enciclopédia não foi traduzida para o inglês (em contraste com a Grande Enciclopédia Soviética). Escrito por um grande coletivo de historiadores soviéticos sob a direção de E. M. Zhukov, esses dez volumes são um verdadeiro tesouro de conhecimento histórico, pois combinam informações detalhadas com uma abordagem materialista. No entanto, é preciso encarar essa enciclopédia criticamente, uma vez que ela sofre das limitações teóricas inevitáveis do stalinismo, em particular, sua concepção mecanicista de história segundo a qual todas as sociedades da história passam pela mesma seqüência de estágios de formações sócio-econômicas: Comunismo primitivo, sociedade de escravos, feudalismo, capitalismo e comunismo. Tal visão exclui, por exemplo, o chamado Modo Asiático de Produção, ao qual Marx se referiu repetidamente. (Ver, por exemplo, seu Prefácio de uma Contribuição para a Crítica da Economia Política publicado em 1859, em: Marx Engels Collected Works, Vol. 29, Editores Internacionais, Nova York, 1987, p. 263.)

414) Veja por exemplo Paul Avrich: Russian Rebels, 1600-1800, Schocken Books, Nova York, 1972; Dorothea Peters: Politische und gesellschaftliche Vorstellungen in Aufstandsbewegung unter Pugačev (1773–1775). Wiesbaden, Berlim, 1973; Marc Raeff: Rebelião de Pugachev, em: Robert Forster (Ed.): Pré-condições de revolução no início da Europa Moderna, Johns Hopkins University Press, Baltimore 1970; Placa de Alice: Der Pugačev-Aufstand: Protesto de Kosakenherrlichkeit oder sozialer, em: Heinz-Dietrich Löwe: Volksaufstände em Rußland. Von der Zeit der Wirren para «Revolução Grünen» gegen die Sowjetherrschaft, Otto Harrassowitz Verlag, Wiesbaden 2006; Leo Yaresh: As "Guerras Camponesas" na historiografia soviética, em: American Slavic e East European Review, vol. 16, n ° 3 (outubro de 1957), pp. 241-259; Philip Longworth: Liderança Camponesa e a Revolta de Pugachev, em: The Journal of Peasant Studies, 2: 2 (1975), pp. 183-205; B. H. Sumner: Novo Material sobre a Revolta de Pugachev, em: The Slavonic and East European Review, vol. 7, n ° 19 (junho 1928), pp. 113-127; B. H. Sumner: Novo Material sobre a Revolta de Pugachev: II, em: The Slavonic and East European Review, vol. 7, n ° 20 (janeiro de 1929), pp. 338-348; Alexander Pushkin: Geschichte des Pugatschew'schen Aufruhrs, Stuttgart 1840

415) A Revolução Taiping foi um movimento social-revolucionário de mineiros, camponeses pobres e minorias étnicas contra a corrupta dinastia Qing que visava criar um "Reino Celestial da Paz" e que foi organizado por uma seita milenar conhecida como Sociedade de Adoração a Deus liderada por Hong Xiuquan, que acreditava ser o irmão mais novo de Jesus Cristo. Veja isso, por exemplo, Franz Michael e Chung-li Chang: The Taiping Rebellion. História e Documentos Vol.1, University of Washington Press, Londres, 1966; Stephen R. Platt: Outono no Reino Celestial: China, o Ocidente e a história épica da Guerra Civil de Taiping, Alfred A. Knopf, Nova York 2012; I. M. Shukow (Ed.): Weltgeschichte, vol. 6, pp. 440-455

416) Obviamente, existe uma variedade de literatura sobre a Comuna de Paris. Para citar apenas uma visão dos clássicos socialistas sobre o assunto: von P.L. Lavrov: Die Pariser Kommune vom 18.Marz 1871, Verlag Klaus Wagenbach, Berlim, 1971; Jean Villain: Die großen 72 Tage. Ein Report de Jean Villain über die Pariser Kommunarden, Verlag Volk und Welt, Berlin 1981; Prosper Lissagaray: Geschichte der Kommune de 1871, Rütten & Loening, Berlim, 1956. Ver também Donny Gluckstein: A Comuna de Paris: Uma Revolução na Democracia, Bookmarks Publication, Londres 2006; I. M. Shukow (Ed.): Weltgeschichte, vol. 6, pp. 628-643 e vol. 7, pp. 15-39.

417) Novamente, existe uma variedade de literatura sobre a Guerra Russo-Japonesa de 1904/05 e a subsequente Revolução Russa de 1905-07. No lugar de muitos, nos referimos a Die Russische Revolution 1905, de Leon Trotsky, Vereinigung Internationaler Verlagsanstalten, Berlim 1923 (republicado em Leo Trotzki: Ausgewählte Werke, vol. 1, Verlag Neuer Kurs, Berlim, 1972); M. Pokrowski: Russische Geschichte, Berlim, 1930; M. Pokrowski: Geschichte Russlands von Seiner Entrehung bis Zeuren Zeit, C.L. Hirschfeld Verlag, Leipzig 1929, pp. 314-496; Abraham Ascher: A Revolução de 1905. Vol. 1 e 2, Stanford University Press, Stanford 1992.

418) Friedrich Engels: A guerra européia (1854), em: MECW 12, pp. 557-558

419) Citado em: Heinz Wolter: Die Alternativkonzeption der Sozialdemokratie zum außenpolischen Kurs Bismarcks nach 1871, in: Ernst Engelberg (Ed.): Diplomatie und Kriegspolitik vor und nach der Reichsgründung, Akademie-Verlag, Berlin, 1971, p. 255 (nossa tradução)

420) A Plataforma da Oposição (1927), em: Leon Trotsky: O Desafio da Oposição de Esquerda (1926-27), p. 382

421) V. I. Lênin: Os Heróis da Internacional de Berna (1919); em: LCW 29, p. 397. Veja também Nikolai Bukharin e Evgenii Preobrazhensky: O ABC do Comunismo (1920), publicado pelo Partido Comunista da Grã-Bretanha, 1922; Nikolai Bukharin: Introdução ao Transformationsperiode. Mit Randbemerkungen von Lênin, Dietz Verlag, Berlim 1990

422) É provável que, se houver conselheiros que roubem as ordens presidenciais da mesa de Trump, a fim de evitar que eles sejam implementados (e eles possam confiar no esquecimento do homem laranja para que ele não perceba), haverá também generais e assessores de segurança. que se certificarão de que Trump não teria acesso ao Botão Vermelho. (Pode ser que eles mostrem o botão vermelho para ele pedir sua Coca-Cola diária!)

 

 

XVIII. Derrotismo Revolucionário nos Conflitos entre Estados Imperialistas: Os Clássicos Marxistas

 

A CCRI elabora em suas “Teses sobre Derrotismo Revolucionário em Estados Imperialistas” que a posição dos marxistas nos conflitos inter-imperialistas é baseada nos princípios da solidariedade internacional da classe trabalhadora. Portanto, eles devem recusar-se a ficar do lado de sua própria classe dominante, bem como recusar a ficar do lado do campo imperialista oposto. O seu slogan deve ser: Abaixo todas as Grandes Potências imperialistas - seja os EUA, a UE, o Japão, a China ou a Rússia!

Em vez de apoiar sua própria classe dominante, eles, os marxistas, defendem a luta de classes irreconciliável, conforme foi resumida pelo famoso líder revolucionário alemão Karl Liebknecht durante a Primeira Guerra Mundial: “O principal inimigo está em casa”. Os revolucionários tentam utilizar todos os conflitos da classe dominante imperialista contra um rival, a fim de enfraquecer a classe dominante, promover a luta de classes e, finalmente, transformar tais conflitos em uma guerra civil contra a classe dominante.

Estes princípios resultam, sob as condições de guerra, na estratégia que se tornou conhecida como “a transformação da guerra imperialista em guerra civil”, isto é, o avanço da luta dos proletários pelo poder sob as condições da guerra. Os mesmos princípios significam, sob as condições de uma guerra comercial entre potências imperialistas, advogar a transformação da Guerra do Comércio Global em luta política doméstica de classes contra a elite dominante.

Em todos os cenários, o objetivo é unir a classe trabalhadora internacional em uma base internacionalista e romper qualquer unidade “patriótica” de trabalhadores com a “burguesia imperialista” deles, bem como romper com os lacaios social-imperialistas dentro do movimento operário.

Tais são os objetivos estratégicos do programa do derrotismo revolucionário. É um programa que sempre faz parte da política do partido revolucionário e respectivamente da organização pré-partido. Seria um erro imperdoável acreditar que seria apenas um programa relativo à luta contra as guerras e, portanto, que só se tornaria relevante quando a guerra eclodisse. Se uma organização marxista só começar a lutar contra a agressão imperialista e as guerras quando esses conflitos começarem, será tarde demais. Quando uma grande guerra começar, a classe dominante já terá acionado seu maquinário político e ideológico do chauvinismo muito antes. E se um partido revolucionário somente abrir a luta derrotista no começo da guerra então não terá chance contra um inimigo de classe superior. Não, o programa do derrotismo revolucionário deve ser implementado a partir de agora.

Tal trabalho para uma orientação derrotista revolucionária requer agitação e propaganda abrangentes, utilizando todos os meios legais (de acordo com o espaço democrático permitido pela classe dominante) e todos os meios ilegais. Esse trabalho deve ser realizado em locais de trabalho, bairros, escolas, universidades e quartéis e, sempre que possível, também no parlamento. O objetivo deve ser mobilizar as massas para ações de luta de classes, como manifestações, greves gerais, revoltas - de acordo com as condições e com a relação de forças.

Dado o fato de que os revolucionários constituem apenas uma pequena minoria hoje, é urgente que eles apliquem a tática da frente única. Isto significa que eles deveriam chamar os trabalhadores e organizações de massa populares (sindicatos, partidos, organizações de migrantes, etc.), que são normalmente liderados por forças não-revolucionárias, para atividades conjuntas contra planos de armamento governamentais, contra agressão colonial no exterior, contra medidas protecionistas e sanções contra rivais, etc. Eles devem chamar esses partidos, onde têm representantes no parlamento, para votar contra o orçamento militar e contra todas essas medidas. Os revolucionários deveriam criticar tais forças - geralmente reformistas e populistas pequeno-burgueses - sempre que eles deixarem de agir contra a política imperialista da classe dominante.

Além disso, é de extrema importância para os revolucionários advogarem declarações conjuntas transfronteiriças e atividades de socialistas, sindicatos, bem como outros trabalhadores e organizações populares de massas dos respectivos países imperialistas envolvidos no conflito. Tais medidas podem ser um forte sinal da solidariedade internacionalista concreta da classe trabalhadora!

 

Marx e Engels na Época Pré-Imperialista

 

Antes de entrarmos mais detalhadamente na substância e na tática do derrotismo revolucionário, vamos elaborar brevemente o contexto histórico dessa estratégia.

Como é sabido, Marx e Engels viveram no século XIX, isto é, na época pré-monopolista do capitalismo. Nesta época, o capitalismo estava em expansão e, portanto, a burguesia nos países industrializados poderia ocasionalmente desempenhar um papel historicamente progressista. Como resultado, as guerras entre estados europeus, ou entre o norte e o sul nos EUA, geralmente não tinham um caráter reacionário em ambos os lados. As relações interestatais na situação política internacional eram antes, como Marx e Engels elaboraram, caracterizadas pela constante ameaça da Rússia czarista como a maior e mais reacionária Grande Potência. [423] Além disso, existiam tarefas democráticas historicamente progressistas como a unificação nacional da Alemanha fragmentada, assim como na Itália, a libertação nacional da Polônia, assim como a Irlanda, etc.

Foi esse pano de fundo histórico onde Marx e Engels convocaram entusiasticamente a guerra revolucionária da Alemanha contra a Rússia czarista em 1848:

“Só uma guerra contra a Rússia seria uma guerra da Alemanha revolucionária, uma guerra pela qual ela poderia se purificar de seus pecados passados, poderia tomar coragem, derrotar seus próprios autocratas, espalhar civilização pelo sacrifício de seus próprios filhos como se torna um povo que está sacudindo as correntes da escravidão longa e indolente e libertando-se dentro de suas fronteiras, trazendo libertação para os que estão do lado de fora. Quanto mais a luz da publicidade revela em linhas gerais os eventos mais recentes, mais fatos confirmam nossa visão das guerras nacionais pelas quais a Alemanha desonrou sua nova era.” [424]

Da mesma forma, os fundadores do socialismo científico mais tarde se aliaram a outras potências, como a Inglaterra ou o Império Otomano, em conflitos militares com a Rússia. [425]

 

Os Bolcheviques e a Guerra Russo-Japonesa 1904/05

 

No entanto, isso mudou com a transição do capitalismo pré-monopolista para o capitalismo monopolista, ou seja, o início da época imperialista no início do século XX. Como Lênin explicou em seus escritos durante a Primeira Guerra Mundial, a burguesia não poderia desempenhar um papel historicamente progressista em nenhum dos países desenvolvidos. Assim, a defesa da pátria nos países capitalistas avançados perdeu qualquer caráter progressista:

“O que queremos dizer quando dizemos que os estados nacionais se tornaram grilhões, etc.? Temos em mente os países capitalistas avançados, sobretudo a Alemanha, a França, a Inglaterra, cuja participação na atual guerra foi o principal fator para torná-la uma guerra imperialista. Nesses países, que até então estiveram na vanguarda da humanidade, particularmente em 1789-1871, o processo de formação de estados nacionais foi consumado. Nesses países, o movimento nacional é coisa de um passado irrevogável, e seria uma absurda utopia reacionária tentar revivê-lo. O movimento nacional dos franceses, ingleses e alemães está há muito tempo concluído. Nesses países, o próximo passo da história é diferente: as nações liberadas transformaram-se em nações opressoras, em nações de rapina imperialista, nações que estão passando pelas “vésperas do colapso do capitalismo.” [426]

Em outras palavras, de então, a classe trabalhadora e o povo oprimido não enfrentaram apenas a Rússia czarista, mas todas as Grandes Potências imperialistas como seu "maior inimigo e o maior reduto da reação."

Lênin e os bolcheviques elaboraram completamente o programa do derrotismo revolucionário no começo da Primeira Guerra Mundial. No entanto, eles já haviam desenvolvidos elementos-chave dessa estratégia durante a guerra entre Rússia e Japão em 1904-05. [427] Como se sabe, esta guerra terminou com uma derrota para a Rússia e desencadeou a primeira Revolução Russa em 1905-07.

Lênin enfatizou, já antes do início da revolta revolucionária de janeiro de 1905, a conexão entre guerra e revolução: “devemos reconhecer o grande papel revolucionário da guerra histórica em que o trabalhador russo é um participante involuntário.” [428]

“A catástrofe militar é inevitável e, juntamente com o descontentamento, a inquietação e a indignação, aumentará inevitavelmente dez vezes. Precisamos nos preparar para esse momento com a máxima energia. Naquele momento, um dos surtos recorrentes, agora aqui e acolá, com tanta crescente frequência, se transformará em um tremendo movimento popular. Nesse momento, o proletariado se levantará e se posicionará à frente da insurreição para ganhar a liberdade de todo o povo e assegurar à classe trabalhadora a possibilidade de empreender a luta aberta e ampla pelo socialismo, uma luta enriquecida por toda a experiência. da Europa.” [429]

Como consequência, os bolcheviques defendiam uma posição derrotista, ou seja, defendiam a derrota de seu próprio governo reacionário.

“A causa da liberdade russa e da luta do proletariado russo (e do mundo) pelo socialismo depende em grande parte das derrotas militares da autocracia. Esta causa foi grandemente avançada pelo desastre militar que atingiu o terror nos corações de todos os guardiões europeus da ordem existente. O proletariado revolucionário deve levar adiante uma incessante agitação contra a guerra, sempre lembrando, no entanto, que as guerras são inevitáveis enquanto existir o domínio de classe. Frases banais sobre a paz ao estilo Jaurès não têm qualquer utilidade para a classe oprimida, que não é responsável por uma guerra burguesa entre duas nações burguesas, que está fazendo tudo o que pode para derrubar toda burguesia, que conhece a enormidade do sofrimento do povo mesmo em época da exploração capitalista “pacífica”. (...) Foi a autocracia russa e não o povo russo que iniciou essa guerra colonial, que se transformou em uma guerra entre o velho e o novo mundo burguês. É o regime autocrático e não o povo russo que sofreu uma derrota ignóbil. O povo russo ganhou com a derrota da autocracia. A capitulação de Port Arthur é o prólogo da capitulação do czarismo. A guerra ainda não terminou, mas cada passo para sua continuação aumenta imensamente o desassossego e o descontentamento do povo russo, aproxima-se a hora de uma nova grande guerra, a guerra do povo contra a autocracia, a guerra do proletariado por liberdade.” [430]

Eles polemizam contra os mencheviques por causa de sua posição pacifista. É verdade que este último não adotou uma postura social-patriótica - nessa guerra, mesmo grandes setores da intelligentsia urbana e da burguesia não conseguiram apoiar os objetivos militaristas do Czar ao menosprezar a autocracia. (Na verdade, muitos partidos da oposição estavam mesmo em contato com o serviço secreto japonês e ganhou dinheiro com isso!) [431] Mas os mencheviques criticaram a defesa de Lênin do “derrotismo” e acusaram-no de promover o “Japanofilismo”. Em contraste, eles defendiam o slogan de "paz imediata." [432]

Lênin rejeitou tal posição pacifista: “Nem o novo Iskra poderia ajudar a mostrar o pensamento confuso. Na primeira vez, tinha muito a dizer sobre paz a qualquer preço. Então, apressou-se a "corrigir-se", quando Jaurès mostrou claramente que seus interesses, os dos progressistas ou os da burguesia reacionária, seriam atendidos por uma campanha quase socialista pela paz em geral. E agora terminou com platitudes sobre a irracionalidade de "especular" (?!) Sobre uma vitória da burguesia japonesa e sobre a guerra ser uma calamidade "independentemente de" terminar na vitória ou na derrota da autocracia.” [433]

Como vemos, as diferenças essenciais entre a estratégia bolchevique de derrotismo e a estratégia menchevique de esquerda do antimilitarismo e do pacifismo platônicos já eram visíveis uma década antes.

 

A Elaboração Completa do Programa Derrotista de Lenin na Primeira Guerra Mundial 1914-1917

 

Portanto, não é de surpreender que Lênin tenha sido capaz de elaborar completamente um programa revolucionário derrotista poucos dias depois que os primeiros tiros iniciaram a Primeira Guerra Mundial, conforme testemunharam colaboradores próximos dele. [434] Após a sua libertação da prisão depois de onze dias em agosto de 1914 na Galícia, Lênin, juntamente com sua esposa e camarada Nadezhda Krupskaya, bem como Grigory Zinoviev e Zlata Lilina, foram para a Suíça, onde eles se jogaram a trabalhar a ruptura da Segunda Internacional politicamente colapsada e a criação da Terceira Internacional revolucionária. [435]

De acordo com as memórias do bolchevique russo GL Shklovsky, Lênin proclamou no momento de sua chegada à Suíça após o início da Primeira Guerra Mundial: “Ele não é um socialista que rejeita, em tempos de guerra imperialista, a derrota de seu próprio país.” [436]

Nos dias seguintes, depois de chegar a Berna, Lênin começou a organizar reuniões com seus camaradas, explicando-lhes as táticas necessárias nessa guerra imperialista. Ele obteve sucesso nesse esforço e suas teses sobre a guerra, depois expandidas para um Manifesto e várias resoluções, foram acordadas e adotadas tanto pelas principais instituições do partido clandestino na Rússia quanto pela Conferência de Berna dos grupos bolcheviques no exterior (no final de fevereiro de 1915). [437]

A ideia central da abordagem de Lênin era que os revolucionários devem avançar a luta contra as guerras imperialistas através dos métodos da luta de classes e utilizar a crise causada pela guerra pela derrubada revolucionária de uma burguesia proprietária. Daí a posição inequívoca da derrota do próprio governo na guerra: “Durante uma guerra reacionária, uma classe revolucionária não pode deixar de desejar a derrota do seu governo. Isso é axiomático, e disputado apenas por partidários conscientes ou satélites indefesos dos social-chauvinistas.” [438]

Lênin citou com aprovação os marxistas italianos que proclamaram no início da guerra mundial a sua posição derrotista e afirmaram que a única guerra justa é a guerra dos oprimidos para tomar o poder: “Estamos sempre em guerra santa tutti gli oppressi per la conquista. delle loro patrie! '”(uma guerra santa de todos os oprimidos, pela conquista da própria pátria!.” [439]

Essa abordagem foi combinada com a luta pela revolução socialista. Daí que o slogan central dos bolcheviques fosse a "guerra civil": "A conversão da atual guerra imperialista em guerra civil é o único slogan proletário correto." [440]

“Consideramos as guerras civis, isto é, guerras travadas por uma classe oprimida contra a classe opressora, por escravos contra senhores de escravos, por servos contra proprietários de terras e por trabalhadores assalariados contra a burguesia, como plenamente legítimos, progressistas e necessários.” [441]

Os bolcheviques concretizaram sua estratégia de transformar a guerra imperialista em uma guerra civil da seguinte maneira:

“Os passos seguintes devem ser indicados como os primeiros para converter a atual guerra imperialista em guerra civil: (1) recusa absoluta de votar por créditos de guerra e renúncia de governos burgueses; (2) uma ruptura completa com a política de trégua de classe (bloco nacional, Burgfrieden); (3) a formação de uma organização clandestina, quando os governos e a burguesia abolirem as liberdades constitucionais, introduzindo a lei marcial; (4) apoio à confraternização entre soldados das nações beligerantes, nas trincheiras e nos campos de batalha em geral; (5) apoio a todo tipo de ação de massa revolucionária do proletariado em geral.” [442]

Os bolcheviques estavam plenamente conscientes do fato de que a guerra imperialista inevitavelmente provoca uma situação explosiva objetiva que teve de ser utilizada para promover a luta de classes: “A guerra sem dúvida criou uma crise aguda e aumentou incomensuravelmente a aflição das massas. A natureza reacionária dessa guerra e as mentiras impensadas contadas pela burguesia de todos os países para ocultar seus objetivos predatórios com a ideologia “nacional” servem como base em uma situação objetivamente revolucionária, inevitavelmente criando humores revolucionários entre as massas. É nosso dever ajudar as massas a tornarem-se conscientes desses humores, aprofundá-las e dar-lhes forma. Esta tarefa encontra expressão correta apenas no slogan: converter a guerra imperialista em guerra civil; todas as lutas de classes consistentemente travadas em tempo de guerra e todas as táticas de “ação de massa” levadas a sério levam inevitavelmente a isso. É impossível prever se um poderoso movimento revolucionário surgirá em conexão com, durante ou depois da primeira ou segunda guerra imperialista das Grandes Potências; em qualquer caso, é nosso dever trabalhar de forma sistemática e inabalável nessa direção.” [443]

 

Agitação Bolchevique Contra a Guerra na Rússia

 

Os bolcheviques na Rússia se esforçaram para resistir às mobilizações em favor da guerra imperialista. Apesar de sofrerem uma onda de prisões em massa nas semanas anteriores, distribuíram panfletos ilegais em Petersburgo e outras cidades em julho, agosto e setembro de 1914. Além disso, tentaram organizar manifestações de rua e protestos de soldados recrutados. Em sua propaganda, os bolcheviques defendiam slogans como “Abaixo a guerra!”, “Abaixo o regime czarista!” E “Viva a revolução!”. Eles também levantaram slogans como "Fiquem politicamente organizados!" E "Peguem em Armas, o tempo está se esgotando!" [444]

Alexander Shlyapnikov, um dos líderes bolcheviques durante o período da guerra, relatou em sua memória sobre a agitação anti-guerra do partido nas ruas e nas fábricas. Ele cita um panfleto, emitido pelo comitê de Petersburgo do partido no início da guerra:

"Abaixo a guerra!" "Guerra a guerra!" Devemos atravessar poderosamente a cidade e o povoado em toda a largura de nossa Rússia. Os trabalhadores devem lembrar-se de que não têm inimigos além da fronteira: em toda parte, a classe trabalhadora é oprimida pelos ricos e pelo poder dos proprietários. Em todo lugar é oprimido pelo jugo da exploração e pelas cadeias da pobreza. (…) Sem ter tempo para lavar o sangue dos trabalhadores das ruas de Petersburgo e só ontem marcar todos os trabalhadores da cidade de Petersburgo, bem como todos os trabalhadores da Rússia como "inimigos dentro" contra quem cossacos selvagens e policiais mercenários entraram em ação, eles agora pedem a defesa da pátria. Soldados e trabalhadores! Você está sendo chamado a morrer pela glória do açoite dos cossacos e pela glória de uma pátria que atira camponeses e trabalhadores famintos e estrangula seus melhores filhos na prisão. Não, nós não queremos a guerra, você deve declarar. Nós queremos a liberdade da Rússia. (…) Abaixo a guerra, abaixo o governo czarista! Vida longa à revolução!" [445]

Em outro folheto, distribuído no outono de 1914, eles chamaram os trabalhadores para se organizarem e obterem armas para a luta vindoura. [446]

 

Trotsky Continua a Luta Revolucionária Contra a Guerra Imperialista

 

Mais tarde, depois que a burocracia stalinista transformou a Internacional Comunista em uma força revisionista, Trotsky e a Quarta Internacional continuaram a lutar por um programa revolucionário derrotista contra a guerra imperialista. Pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial, Trotsky declarou:

“Derrotismo é a política de classe do proletariado, que mesmo durante uma guerra vê o principal inimigo em casa, dentro de seu próprio país imperialista. O patriotismo, por outro lado, é uma política que localiza o principal inimigo fora do próprio país. A idéia de derrotismo significa, na realidade, o seguinte: conduzir uma luta revolucionária irreconciliável contra a própria burguesia como o principal inimigo, sem ser dissuadido pelo fato de que essa luta pode resultar na derrota do próprio governo; num movimento revolucionário, a derrota do próprio governo é um mal menor.” [447]

Além disso, Trotsky enfatizou que o movimento dos trabalhadores só estará preparado para a luta contra as guerras imperialistas se já aprender a se opor ao "seu" estado imperialista em tempos de paz.

A defesa do Estado nacional, antes de tudo na Europa balcanizada - o berço do Estado nacional - é, no sentido pleno da palavra, uma tarefa reacionária. O estado nacional, com suas fronteiras, passaportes, sistema monetário, mercadorias e o exército, para a proteção das mercadorias, tornou-se um terrível impedimento para o desenvolvimento econômico e cultural da humanidade. A tarefa do proletariado não é a defesa do estado nacional, mas sua completa e final liquidação. (…) Um “socialista” que prega a defesa nacional é um reacionário pequeno-burguês ao serviço do capitalismo decadente. Não se vincular ao estado nacional em tempo de guerra, seguir não o mapa de guerra, mas o mapa da luta de classes, só é possível para aquele partido que já declarou guerra irreconciliável ao Estado nacional em tempo de paz. Somente realizando plenamente o papel objetivamente reacionário do Estado imperialista é que a vanguarda proletária se torna invulnerável a todos os tipos de patriotismo social. Isso significa que uma ruptura real com a ideologia e a política de “defesa nacional” só é possível do ponto de vista da revolução proletária internacional.” [448]

Foi durante os anos 1914-16 que a categoria “derrotistas” e “derrotismo” emergiu. Inicialmente foi usado pelos opositores dos bolcheviques que os acusavam de “antipatrioticamente” defender a derrota (em russo: “porashenzy” - “aqueles que defendiam a derrota”). Seus inimigos social-patrióticos foram chamados de "Oboronzy" - "aqueles que defendem a pátria". Além disso, a categoria “derrotismo” também foi usada (inclusive pelos bolcheviques) para descrever um estado de espírito generalizado na sociedade de falta de apoio aos esforços de guerra da classe dominante.

Os bolcheviques captaram essa categoria e se identificaram positivamente com ela. Grigori Zinoviev, que editou junto com Lênin o órgão central dos bolcheviques durante a Primeira Guerra Mundial, publicado na Suíça, escreveu em um artigo programático em outubro de 1916: “É impossível ser um internacionalista consistente na guerra imperialista de 1914-16 sem ser um 'derrotista'." [449] Mais tarde, os bolcheviques, a Internacional Comunista e a Quarta Internacional usaram a categoria “derrotismo” ou “derrotismo revolucionário” mais sistematicamente.

Também vale a pena ressaltar que a estratégia do derrotismo dos bolcheviques poderia basear-se em declarações de marxistas anteriores. Gregory Zinoviev observou que Jules Guesde, um pioneiro do marxismo na França, defendeu o “derrotismo” de ambos os lados quando a Rússia e a Grã-Bretanha chegaram perto da guerra sobre o Afeganistão em 1885.

“Em 1885, Jules Guesde regozijou-se com a ameaça de guerra entre a Rússia e a Inglaterra na esperança de que uma revolução social emergisse de tal catástrofe. Quando Guesde agiu dessa maneira, quando convocou o proletariado a fazer uso da guerra entre duas potências gigantes para acelerar o desencadeamento da revolução proletária, ele era muito mais marxista do que atualmente quando, junto com Sembat, ele prossegue sobre a tradição do “grande orador pacifista Jean Jaurès.” [450]

Guesde publicou na época um artigo intitulado "Longa Vida à Guerra", no qual ele caracterizava a Grã-Bretanha e a Rússia como "igualmente opressivas, embora de maneiras diferentes". Guesde explicou que qualquer um dos dois governos sendo derrotado, será uma coisa boa “para nós”, ou seja, para o socialismo.

“A derrota da Rússia significaria o fim do czarismo, a libertação política da Rússia. (…) E o primeiro resultado, o resultado inevitável de uma revolução política em Petersburgo, será a libertação dos trabalhadores alemães. (…) A derrota da Grã-Bretanha não teria menos consequências nem menos vantajosas. (…) Poderia libertar a Irlanda do estado de sítio (…) enquanto o Sudão - e consequentemente o Egito - poderiam libertar-se (…). Logo após a primeira desgraça da Inglaterra, a separação das maiores e mais exploradas colônias começaria …” [451]

Zinoviev resumiu a abordagem de Guesde: “A guerra entre a Inglaterra e a Rússia poderia acelerar a solução, o fim da ordem social burguesa. Mas - de qual país vitorioso e de qual país derrotado é mais desejável? Inglaterra ou Rússia? Desejo a derrota de ambos.” [452]

Alguns anos depois, a Internacional Comunista resumiu a experiência da luta revolucionária contra a guerra imperialista. Em uma declaração programática, adotada pelo ECCI em março de 1922, listou as seguintes medidas conforme apropriado na luta antimilitarista.

“Partindo desses fatos e considerações, o Executivo ampliado da Internacional Comunista declara que a única defesa eficaz contra o perigo ameaçador da guerra é uma revolução proletária. . . . Os representantes reunidos de 36 nações consideram que é uma tarefa de todos os partidos comunistas preparar ideologicamente e de forma organizada para a luta de classe revolucionária mais intensa para evitar a guerra. Para alcançar esse fim eles sugerem:

1. Educação sistemática das massas trabalhadoras, incluindo a juventude, sobre as causas e o caráter das guerras.

2. Colocar perante o tribunal das massas mais amplas todos os problemas e decisões relativas à política externa, armamentos, etc.

3. Propaganda legal e ilegal bem organizada entre as forças e formações armadas de todo tipo para esclarecê-las sobre essas questões.

4. Incentivar o proletariado com a determinação de impedir o transporte de tropas e suprimentos do exército por todos os meios e a qualquer custo, caso a guerra imperialista venha a eclodir.

5. Fortalecer a vontade revolucionária das massas populares de lutar contra a eclosão da guerra imperialista através de manifestações de rua, greves gerais, levantes armados.

6. A criação de órgãos legais e ilegais para trabalhar na execução dessas tarefas.

7. A criação de órgãos e instituições legais e ilegais para garantir a cooperação internacional unificada e enérgica dos comunistas nos países entre os quais as contradições são mais agudas.” [453]

No mesmo espírito, os trotskistas americanos definiram as tarefas dos revolucionários na preparação para a guerra imperialista: “Enquanto isso, ao continuar a luta diária, é dever dos marxistas se preparar para a crise de guerra. Para esse fim, eles devem expor constantemente os planos de guerra das potências imperialistas; eles devem resistir à militarização das massas; eles devem deixar claro para a classe trabalhadora cada passo no processo em direção à guerra; eles devem combater a propaganda patriótica de guerra; eles devem ajudar a fortalecer, ideológica e materialmente, as organizações dos trabalhadores, para que estas não sejam esmagadas no início da guerra. E eles devem estar em todos os lugares e em todos os momentos, a expor os enganadores e os traidores nessa luta contra a guerra, de qualquer campo - expor aqueles que se preparam, por mil e um artifícios, a entregar os trabalhadores aos mandantes da guerra." [454]

Essas táticas não perderam a validade desde então!

 

Notas de rodapé

423) Eleanor Marx Aveling, a filha de Marx, resumiu apropriadamente a visão de seus pais sobre a Rússia czarista como sendo "o maior inimigo de todos os avanços, o maior reduto da reação" (Karl Marx: The Eastern Question. Uma Reimpressão de Cartas escritas 1853-1856). lidando com os eventos da Guerra da Crimeia, Editado por Eleanor Marx Aveling e Edward Aveling, Swan Sonnenschein & Co, Londres, 1897, p.

424) Karl Marx, Friedrich Engels: Política Externa Alemã e os Últimos Eventos em Praga (em: Neue Rheinische Zeitung, 12 de julho de 1848), em: MECW vol. 7, p. 212

425) Veja sobre isso, além das duas coleções de escritos de Marx sobre o assunto mencionado acima, por exemplo. Karl Marx: Die Geschichte der Geheimdiplomatie des 18. Jahrhunderts. Über den asiatischen Ursprung der russischen Despotie, Berlim, Olle & Wolter, Berlim, 1977; David B. Rjazanov, Karl Marx über den Ursprung der Vorherrschaft Rußlands, em Europa. Kritische Untersuchungen, in: Karl Marx, Die Geschichte der Geheimdiplomatie des 18. Jahrhunderts; M. Pokrowski: Geschichte Russlands von Seiner Entrehung bis zur neuesten Zeit, C.L.Hirschfeld Verlag, Leipzig 1929; M. Pokrowski: Russische Geschichte, Berlim, 1930; Paolo Dalvit: Die Außenpolitik im Klassenkampf. Die Position von Marx und Engels zum Krimkrieg; Hanno Strauß: "Panslawismus" zu Marx "de Geheimdiplomatie" de Von Engels. Eine Herleitung politischer Ambitionen; ambos os ensaios foram publicados em: Marx und Russland. Mensagem de Marx-Engels-Forschung Neue Folge 2012, Argument, Hamburgo 2014, pp. 9-20 resp. 83-104

426) V. I. Lênin: Uma Caricatura do Marxismo e do Economismo Imperialista; em: LCW Vol. 23, p. 38

427) Sobre a guerra russo-japonesa em 1904-05 ver, e. John W. Steinberg, Bruce W. Menning, David Schimmelpenninck, Van Der Oye, David Wolff, Shinji Yokote (Eds.): A Guerra Russo-Japonesa em Perspectiva Global. World War Zero, vol. I e II, Brill, Leiden 2005 e 2007; J. N. Westwood: Rússia contra o Japão, 1904-1905: Um Novo Olhar para a Guerra Russo-Japonesa, Universidade Estadual de Nova York, 1986; Evgeny Sergeev: Inteligência Militar Russa na Guerra com o Japão, 1904–05. Operações secretas em terra e no mar, Routledge, Nova York 2007; Rotem Kowner: O Impacto da Guerra Russo-Japonesa, Routledge, Nova York 2007; Josef Kreiner (Ed.): Der Russisch-Japanische Krieg (1904/05), V & R unipress, Göttingen 2005

428) V.I.Lênin: A Queda de Port Arthur (1905), in: LCW vol. 8, p. 53

429) V.I.Lênin: A Autocracia e o Proletariado (1904), em: LCW vol. 8, p. 28

430) V.I.Lênin: A queda de Port Arthur (1905), em: LCW vol. 8, p. 53

431) Veja por exemplo Akashi Motojirō: Rakka ryusui: Relatório do coronel Akashi sobre sua cooperação secreta com os partidos revolucionários russos durante a guerra russo-japonesa. O. Fält e A. Kujala (Eds.), Studia Historica 31, Helsínquia, 1988; Dmitrii B. Pavlov: Dinheiro Japonês e a Revolução Russa, 1904-1905, em: Acta Slavica Iaponica, No. 11 (1993), pp. 79-87

432) Ver Júlio Martó: Geschichte der russischen Sozialdemokratie (1918/26), Erlangen 1973, pp. 93-95; veja também Dmitrii B. Pavlov: Dinheiro Japonês e a Revolução Russa, p. 82

433) V.I.Lênin: A Queda de Port Arthur (1905), em: LCW vol. 8, pp. 52-53

434) Ver p. As Lembranças do Velho Bolchevique de Shklovsky: "Posso testificar que os slogans fundamentais da tática de Lênin na guerra imperialista haviam sido formulados por ele na Áustria durante os primeiros dias da guerra, pois ele os levou a Berna completamente formulados. Além disso, Eu tenho todos os motivos para afirmar que essa tática amadureceu na cabeça de Lênin, provavelmente no primeiro dia da guerra.Minha prisão no terceiro ou quarto dia da guerra pode servir como uma prova dessa afirmação ... Minha prisão foi causada por um telegrama de Vladimir Ilich [Lênin] endereçado a mim, interceptado pelas autoridades militares suíças, que sugeriu, neste telegrama, que eu entrasse em contato com nossos camaradas em Paris com o objetivo de organizar a questão dos panfletos e proclamações de guerra. Isso indica que não houve um momento de dúvida ou vacilação por parte de Vladimir Ilich e que no primeiro dia da guerra ele já estava pensando em uma guerra contra a guerra, isto é, em transformar a guerra imperialista em uma guerra civil. Mais ou menos no segundo dia [depois da chegada de Lênin em Berna], realizou-se uma reunião na floresta ... onde Ilich falou sobre a atitude em relação à guerra, sendo este o único assunto possível de discussão para nós naquela época. Alguns dias depois, ou seja, em 6 ou 7 de setembro, uma reunião mais íntima foi realizada no meu apartamento; Nessa reunião, Ilich apresentou suas teses sobre a guerra. "(G. L. Shklovsky: Recordações (1925), em: O.H. Gankin e H.H. Fisher: The Bolsheviks and the World War, Stanford University Press, Stanford, 1940, p. 143)

435) Notamos, como um aparte, que a crítica da estratégia de derrotismo revolucionário de Lênin, que tem sido articulada por vários marxistas (no sentido amplo da palavra) após a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, por pessoas como Hal Draper ou Brian Pearce, é completamente infundado. O primeiro foi um acadêmico pseudo-marxista, o segundo, um estudioso que fez um valioso trabalho como tradutor de numerosas obras de Trotsky e outras, do russo ao inglês. Ao contrário de suas acusações, nem Lênin inicialmente considerou o derrotismo como uma estratégia válida apenas para a Rússia, nem relativizou mais tarde ou até mesmo derrubou o derrotismo. Nesse sentido, concordamos com a resposta de Cliff Slaughter (Lênin e a Guerra Imperialista de 1914-1918, em: Fourth International, Vol. 4, No. 3, novembro de 1967, pp. 81-88). Brian Pearce elaborou suas visões no ensaio Lênin ETrotsky sobre Pacifismo e Derrotismo, in: Labour Review, vol. 6 (1961), nº 1, http://www.whatnextjournal.co.uk/Pages/History/Pearce.html . O ataque revisionista de Hal Draper ao leninismo é chamado de “O Mito do Derrotismo Revolucionário de Lênin” e foi publicado inicialmente na revista Shachmanita New International em 1953/54, http://www.marxists.org/archive/draper/1953/defeat/index.htm. Uma apresentação muito superior e precisa do programa de derrotismo de Lênin foi publicada por Roman Rosdolsky em sua obra Studien über revolutionäre Taktik. Zwei unveröffentlichte Arbeiten über die II. Internationale und über die österreichische Sozialdemokratie (Verlag für das Studium der Arbeiterbewegung, Berlim Ocidental, 1973; este trabalho foi posteriormente traduzido para o inglês com o título Guerra Imperialista e a Questão da Paz e pode ser lido online aqui: https://www.marxists.org/archive/rosdolsky/1978/impwarqpeace/index.htm). Rosdolsky foi um trotskista ucraniano e um excelente estudioso marxista (ver, por exemplo, seu trabalho sobre a pré-história do capital de Marx). No entanto, até mesmo seu estudo ponderado não está isento de fraquezas ao relativizar o derrotismo de Lênin nos casos em que uma Grande Potência poderia conquistar todo o país de seu rival.

436) Citado em Alfred Erich Senn: A Revolução Russa na Suíça, 1914-1917, University of Wisconsin Press, Londres, 1971, p. 33

437) Shklovsky relatou a partir do julgamento dos deputados bolcheviques à Duma: "Do depoimento do deputado Petrovsky no julgamento dos bolcheviques, foi revelado que essas teses também foram adotadas por sete das maiores preocupações em Petrogrado". Os editores acrescentam uma nota: "Na Rússia, essas teses foram mimeografadas e enviadas a várias grandes organizações partidárias. Aparentemente, elas foram discutidas e adotadas pelos trabalhadores de várias fábricas em Petersburgo durante a segunda metade de setembro de 1914; elas foram enviadas para Kamenev, em outubro eles foram discutidos em Moscou, de acordo com registros da polícia.Eles foram descobertos também em Baku .... Samoilov lembra que em meados de setembro de 1914, imediatamente após seu retorno do exterior, ele apresentou o ponto de vista do Mesa do Comitê Central no exterior em uma reunião de membros do partido em Ivanovo-Voznesensk ". (ibid, p. 144)

438) V.I. Lênin: A Derrota do próprio Governo na Guerra Imperialista (1915); em: LCW 21, p.275

439) V. I. Lênin: A Guerra Européia e o Socialismo Internacional (1914); em: LCW 21, p. 20

440) V.I. Lênin: A Guerra e a Social-Democracia Russa (1914); em: LCW 21, p.34

441) V.I. Lênin e G. Zinoviev: Socialismo e Guerra (1915); em: LCW 21, p.299

442) V.I. Lênin: A Conferência do R.S.D.L.P. Grupos no Exterior (1915); em: LCW 21, p. 161

443) V.I. Lênin e G. Zinoviev: Socialismo e Guerra (1915), em: LCW 21, p.313

444) Citado em Lênin: Sämtliche Werke, Banda XVIII (Der imperialistische Krieg 1914-15), Verlag für Literatur und Politik, Wien 1929, p. 493 (nossa tradução) Veja também, por exemplo Olga Hess Fisher, H. H. Gankin: Os bolcheviques e a guerra mundial; a origem da terceira Internacional, Stanford University Press, Stanford 1940; Barbara C. Allen: Alexander Shlyapnikov, 1885-1937. Vida de um velho bolchevique, Haymarket Books, Chicago 2015, pp. 56-75; Alexander Shlyapnikov: Na véspera de 1917 (1923), http://www.marxists.org/archive/shliapnikov/1923/eve1917/index.html; W. Astrow, A. Slepkow, J. Thomas (Eds): Revolução Illustrierte Geschichte der Russischen 1917 (publicado em 1928, reimpresso por Verlag Neue Kritik, Frankfurt am Main 1970), pp. 73-82

445) Alexander Shlyapnikov: Na véspera de 1917 (1923)

446) Ver as notas históricas em W.I.Lênin: Sämtliche Werke Band XVIII, Wien-Berlim, 1929, p. 493. Este panfleto também é mencionado na lembrança de Shlyapnikov.

447) Leon Trotsky: Um passo em direção ao patriotismo social (1939), em: Escritos de Leon Trotsky, 1938-39, p. 209

448) Leon Trotsky: Guerra e a Quarta Internacional (1934); em: Trotsky Writings 1933-34, pp. 304-305 (Enfatize no original)

449) Gregory Zinoviev: Der Defaitismus "Früher und heute (1916); em: Lênin / Sinowjew: G. Sinowjew / V. I. Lênin: Gegen den Strom, Verlag der Kommunistischen Internationale, Hamburgo 1921, p. 442 (nossa tradução)

450) Gregory Zinoviev: Pazifismus oder Marxismus (Böse Folgen einer Losung.), Em: G. Sinowjew / V. I. Lênin: Gegen den Strom, Verlag der Kommunistischen Internationale, Hamburgo 1921, p. 119 (Em inglês: Pacifism or Marxism (As desventuras de um slogan), em: Spartacist English edition No. 64, Summer 2014, http://www.icl-fi.org/english/esp/64/zinoviev.html

451) Citado em: Gregorij Sinowjew: Der Krieg und die Krise im Sozialismus, Verlag für Literatur und Kritik, Wien 1924, p. 475 (nossa tradução)

452) Citado em: Gregorij Sinowjew: Der Krieg und die Krise im Sozialismus, Verlag für Literatur und Kritik, Wien 1924, pp. 475-476 (nossa tradução). Veja também: Edgar Hardcastle: Socialistas e Guerra (sobre Boris Souvarine), Socialist Standard, agosto de 1932, https://www.marxists.org/archive/hardcastle/1932/socialists_war.htm

453) Internacional Comunista: Teses sobre o Combate ao Perigo da Guerra (1922), em: Jane Degras: A Internacional Comunista 1919-1943. Documentos Volume I 1919-1922, p. 332

454) John West (James Burnham): Guerra e os Trabalhadores (1936), Panfleto do Partido dos Trabalhadores, https://www.marxists.org/history/etol/writers/burnham/1936/war/index.htm; veja também: Um Manifesto contra a Guerra Imperialista! O Comitê Executivo da Quarta Internacional (Partido Mundial da Revolução Socialista) setembro de 1938, em: Documentos da Quarta Internacional, Nova York 1973, p. 171-176




 

XIX. Derrotismo Revolucionário nos Conflitos entre os Estados Imperialistas: Componentes Programáticos (1)

 

Vamos agora lidar com vários componentes do programa de derrotismo revolucionário que o CCRI defende nos conflitos inter-imperialistas.

 

Pela Independência da Classe Trabalhadora - Nenhum Apoio a Qualquer Grande Potência!

 

O ponto de partida para qualquer orientação correta em um conflito entre os estados imperialistas deve ser a independência política da classe trabalhadora. Isto significa que os socialistas devem rejeitar o apoio ou para o seu próprio estado imperialista ou para qualquer outro estado imperialista. Em seu documento programático “Seis Pontos para uma Plataforma da Unidade Revolucionária Hoje”, o CCRI resumiu a posição marxista da seguinte forma:

“Só é possível entender a dinâmica motriz do atual período de crise capitalista e tomar uma posição correta se reconhecermos o caráter imperialista não apenas dos EUA, UE e Japão, mas também das novas potências emergentes, Rússia e China. Somente com base nisso é possível chegar ao único programa anti-imperialista correto sobre esta questão - internacionalismo proletário e derrotismo revolucionário, ou seja, a perspectiva de luta consistente da classe trabalhadora independente de e contra todas as potências imperialistas. Isto significa que os revolucionários se recusam a apoiar qualquer Grande Potência nos conflitos inter-imperialistas sob o slogan “O principal inimigo está em casa!” (…) Aqueles que não reconhecerem o caráter reacionário e imperialista destas Grandes Potências inevitavelmente falharão em tomar uma linha consistente anti-imperialista, ou seja, marxista, e acabará, consciente ou inconscientemente, apoiando um ou outro campo imperialista como um "mal menor." [455]

Esta linha está de acordo com a linha de classe como Lenin e os bolcheviques elaboraram durante a Primeira Guerra Mundial. Em Socialismo e Guerra, um de seus principais panfletos que publicaram pouco antes da primeira conferência internacional contra a guerra imperialista em Zimmerwald, em setembro de 1915, os líderes bolcheviques enfatizaram que a classe trabalhadora deve se opor a sua própria Grande Potência, assim como a qualquer outra Grande Potência. [456]

“Social-chauvinismo é defesa da ideia de“ defesa da pátria ”na presente guerra. Essa idéia logicamente leva ao abandono da luta de classes durante a guerra, ao voto por créditos de guerra, etc. Na verdade, os social-chauvinistas estão perseguindo uma política burguesa anti-proletária, pois eles estão na verdade defendendo, não “a defesa da pátria ”, no sentido de combater a opressão estrangeira, mas o“ direito ”de uma ou outra das“ Grandes” Potências de saquear colônias e oprimir outras nações. Os social-chauvinistas reiteram a mentira burguesa ao povo de que a guerra que está sendo travada é para proteger a liberdade e a existência das nações, assim tomando partido da burguesia contra o proletariado. Entre os social-chauvinistas estão aqueles que justificam e embelezam os governos e a burguesia de um dos grupos das potências beligerantes, bem como aqueles que, como Kautsky, argumentam que os socialistas de todas as potências beligerantes têm igual direito a “defender a pátria”. ”O social-chauvinismo, que é, na prática, defesa dos privilégios, das vantagens, do direito de pilhagem e pilhagem da própria burguesia imperialista (ou de qualquer outra) é a traição total de todas as convicções socialistas e da decisão do Congresso Socialista Internacional de Basileia.” [457]

Tal posição deve ser tomada também hoje. No entanto, como elaboramos acima, isso só é possível se formos capazes de reconhecer corretamente o caráter de classe não apenas das antigas potências imperialistas (EUA, UE e Japão), mas também das novas emergentes (China e Rússia). Sem esse reconhecimento, qualquer organização inevitavelmente entrará no pântano social-chauvinista.

 

A Luta contra o Chauvinismo

 

A luta contra o imperialismo e o militarismo não é aquela que começa apenas quando tiros são disparados entre as Grandes Potências. É um combate que está organicamente relacionado à luta total contra a classe dominante. Assim, como Trotsky observou uma vez, requer uma consciência política completamente internacionalista e anti-chauvinista da vanguarda dos trabalhadores, em primeiro lugar, e, eventualmente, a maioria do proletariado: “A luta contra a guerra é inseparável da luta de classes do proletariado. A consciência de classe irreconciliável é a primeira condição para uma luta bem-sucedida contra a guerra.” [458]

A luta contra a guerra está intimamente relacionada com a luta política contra todas as formas de chauvinismo ideológico, contra o ódio aos refugiados, contra a opressão nacional aos migrantes, contra o belicismo dirigido aos rivais imperialistas etc. Em outras palavras, a luta contra o imperialismo e o militarismo deve ser uma parte orgânica do trabalho político diário de qualquer organização revolucionária.

De fato, vemos nos últimos anos uma onda maciça de chauvinismo em todas as Grandes Potências. Esse chauvinismo é, antes de tudo, dirigido contra migrantes e minorias nacionais. Tem havido um enorme aumento do chauvinismo anti-migrante nos EUA, Europa Ocidental e Rússia nos últimos anos, resultando tanto no aumento da repressão estatal assim como das forças racistas de direita e fascistas (principalmente dirigidas contra os latinos e negros nos EUA, migrantes muçulmanos na Europa Ocidental e na Rússia e, no caso da carta, também contra as minorias nacionais no Cáucaso). Na China, atualmente existem poucos migrantes do exterior porque há uma vasta oferta de “migrantes internos” (como explicamos acima). No entanto, Pequim está instigando o chauvinismo contra suas minorias nacionais - em especial os muçulmanos uigures no Turquestão Oriental (ou Xinjiang, como a província é oficialmente chamada pelas autoridades chinesas). [459] O Japão, historicamente o mais isolado de todas as Grandes Potências com quase nenhum migrante e com apenas uma pequena minoria coreana, tem tradicionalmente muita xenofobia (o que provocará tensões políticas internas, dada a necessidade da classe capitalista de importar mão-de-obra imigrante barata no próximo período.) [460]

No entanto, o chauvinismo das Grandes Potências é também cada vez mais dirigido contra os rivais imperialistas. Veja, por exemplo, a histeria anti-russa nos EUA e na UE - em especial desde os acontecimentos na Ucrânia em 2014 e ainda mais desde as eleições presidenciais dos EUA em 2016 e o ataque venenoso a Sergei Skripal, um ex-oficial militar russo agente duplo para os serviços de inteligência do Reino Unido. [461]

Da mesma forma, vemos uma campanha cada vez mais agressiva nos velhos estados imperialistas contra a China. Acusando-o de se esforçar para controlar as tecnologias modernas e espionar os sistemas de comunicação ocidentais. [462] Vice-versa, o Estado russo toma medidas contra várias ONGs sob o pretexto de que elas atuam como "agentes estrangeiros". O chauvinista faz campanhas na China e no Japão em torno do conflito sobre as ilhas Senkaku / Diaoyu em o Mar da China Oriental [463] ou as campanhas chauvinistas contra o pano de fundo da iminente Guerra do Comércio Global são outros exemplos.

Lênin enfatizou que os reformistas e centristas geralmente subestimam as dificuldades de lutar contra a guerra imperialista. Eles imaginam que uma vez que a guerra começa, eles possam organiza greves ou outras ações em massa para detê-la. Em suas anotações para a delegação comunista em um congresso internacional organizado por sindicatos reformistas em Haia, no final de 1922, Lênin explicou que isso é uma ilusão total.

“Sobre a questão do combate ao perigo da guerra, em conexão com a Conferência de Haia, acho que a maior dificuldade está em superar o preconceito de que se trata de uma questão simples, clara e comparativamente fácil. “Vamos retaliar a guerra por uma greve ou revolução” - é o que todos os proeminentes líderes reformistas costumam dizer à classe trabalhadora. E muitas vezes a aparente radicalidade das medidas propostas satisfaz e apazigua os trabalhadores, cooperadores e camponeses. Talvez o método mais correto seja começar com a refutação mais aguda dessa opinião; declarar que, especialmente agora, após a recente guerra, somente as pessoas mais tolas ou totalmente desonestas podem afirmar que tal resposta à questão do combate à guerra é de alguma utilidade; declarar que é impossível “retaliar” a guerra com uma greve, assim como é impossível “retaliar” a guerra pela revolução no sentido simples e literal desses termos. Devemos explicar a situação real às pessoas, mostrar-lhes que a guerra é idealizada no maior sigilo e que as organizações operárias comuns, mesmo que se chamem de organizações revolucionárias, são totalmente incapazes diante de uma guerra realmente iminente. (...) Devemos nos esforçar especialmente para explicar que a questão da “defesa da pátria” inevitavelmente surgirá, e que a esmagadora maioria dos trabalhadores inevitavelmente a decidirá em favor de sua burguesia.” [464]

Uma das consequências dessa avaliação, além de preparar o partido revolucionário e seus quadros para trabalhar em condições ilegais, ou seja, para o trabalho clandestino, é a necessidade da preparação política da vanguarda dos trabalhadores e da classe trabalhadora como um todo. Tal preparação política requer uma educação completamente internacionalista e anti-chauvinista da classe trabalhadora. Os revolucionários devem combater qualquer pensamento de que a pátria seria a pátria dos trabalhadores. Eles têm que explicar que a pátria é "possuída" e controlada por uma pequena minoria de capitalistas ladrões. Esses bandidos exploram “nós, os revolucionários, e eles, os trabalhades” - ou seja, os trabalhadores nativos, os trabalhadores migrantes e trabalhadores no exterior. É por isso que os trabalhadores dos países imperialistas não devem defender a pátria dos patrões. Somente se os trabalhadores expropriam e expulsam os exploradores, somente se eles tomam o poder, somente então a pátria se torna “sua” pátria, somente então se torna legítimo, de fato necessário, defender a pátria. Esta linha, este espírito, deve ser um fio comum constante na propaganda e agitação dos revolucionários nos países imperialistas!

Notamos, de passagem, que a oposição marxista contra a ameaça vazia de anarquistas, bem como os oportunistas de “retaliar a guerra por uma greve ou uma revolução” foi distorcida por vários centristas, a fim de justificar a sua oposição contra a organização de quaisquer atividades de greve contra as guerras imperialistas. No entanto, na verdade, Lênin e os bolcheviques só se opuseram à seguinte ideia específica: a de ameaçar organizar uma greve geral apenas quando uma grande guerra imperialista começou. Eles o fizeram corretamente porque, em tal situação, no início de uma grande guerra com todas as grandes mobilizações da opinião pública burguesa e da repressão do Estado, seria muito tarde organizar uma greve geral. No entanto, os marxistas não se opuseram a organizar greves e ataques gerais contra o militarismo e a guerra, ou seja, antes que uma guerra inter-imperialista tão grande fosse iniciada (ou também durante uma guerra tão grande como na Rússia, Alemanha). e a Áustria em 1916-18 ou na Itália na primavera de 1943).

Durante o período em que a Internacional Comunista seguia um caminho revolucionário, ela codificou essa abordagem em sua declaração programática mais importante sobre a questão da guerra imperialista (que já mencionamos acima). Entre os meios decisivos na luta contra a guerra, o Comintern defendia: “Fortalecer a vontade revolucionária das massas mais amplas de lutar contra a eclosão da guerra imperialista por manifestações de rua, greves gerais, revoltas armadas.” [465]

Neste espírito, por exemplo, a delegação sindical soviética no congresso internacional anti-guerra em Haia, em dezembro de 1922, propôs organizar uma campanha antimilitarista internacional, incluindo uma greve geral internacional de protesto de 24 horas. [466]

Lênin explicou, ao discutir o dever dos marxistas nos países imperialistas, que é obrigatório apoiar incondicionalmente o direito de autodeterminação da nação oprimida. Ele enfatizou que a importância disso não é apenas por causa da natureza legítima da luta de libertação das nações oprimidas, mas também por causa da necessidade de educar a classe trabalhadora nativa das Grandes Potências no espírito do internacionalismo, do anti-chauvinismo.

“O importante não é se um quinto ou um centésimo das pequenas nações são libertadas antes da revolução socialista, mas o fato de que na época do imperialismo, devido a causas objetivas, o proletariado foi dividido em dois campos internacionais, um dos quais foi corrompido pelas migalhas que caem da mesa da burguesia da nação dominante - obtido, entre outras coisas, da exploração dupla ou tripla de pequenas nações - enquanto o outro não pode libertar-se sem libertar as pequenas nações, sem educar as massas em um espírito anti-chauvinista, isto é, anti-anexacionista, isto é, "autodeterminacionista". [467]

A mesma ideia foi defendida por Trotsky, como ele explicou em suas famosas teses A Guerra e a Quarta Internacional, publicadas em 1934: “Um 'socialista' que prega a defesa nacional é um reacionário pequeno-burguês a serviço do capitalismo decadente. Não se ligar ao estado nacional em tempo de guerra, não seguir o mapa de guerra, mas o mapa da luta de classes, é só possível para partido que já declarou guerra irreconciliável ao estado nacional em tempo de paz. Somente percebendo plenamente o papel objetivamente reacionário do Estado imperialista é que a vanguarda proletária se torna invulnerável a todos os tipos de patriotismo social. Isso significa que uma ruptura real com a ideologia e a política de “defesa nacional” só é possível do ponto de vista da revolução proletária internacional.” [468]

De fato, pode-se generalizar esse importante pensamento dos líderes da revolução socialista de outubro. Os revolucionários são obrigados a utilizar todas essas questões relacionadas à defesa da pátria imperialista - das guerras coloniais, pilhagem financeira de países semicoloniais, fechamento da fronteira para refugiados, discriminação de migrantes, “leis antiterroristas”, islamofobia, guerras comerciais, patriotismo contra rivais imperialistas, etc. - para educar as massas populares no espírito do anti-chauvinismo, do internacionalismo proletário, da solidariedade internacional da classe operária.

Além disso, a questão da luta consistente contra todas as formas de chauvinismo, anti-imperialismo em palavras e ações, é também um critério decisivo para avaliar a verdadeira natureza política das organizações do movimento operário. Os revolucionários têm de julgá-los - são combatentes honestos contra a classe dominante imperialista, são oportunistas vacilantes ou são lacaios social-imperialistas da burguesia - examinando suas posições sobre todas essas questões de política interna e externa do imperialismo.

Trotsky enfatizou, nas mesmas teses citadas acima, a importância de tal teste para qualquer organização socialista: “Ao mesmo tempo, é necessário seguir atentamente a luta interna no campo reformista e atrair, com o tempo, os agrupamentos socialistas de esquerda desenvolvendo-os para a revolução, para a luta contra a guerra. O melhor critério das tendências de uma determinada organização é a sua atitude na prática, em ação, em direção à defesa nacional e às colônias, especialmente naqueles casos em que a burguesia de um determinado país possui escravos coloniais. Só uma ruptura completa e real com a opinião pública oficial sobre a questão mais candente da “defesa da pátria” significa uma virada, ou pelo menos o começo de uma mudança de posições burguesas para posições proletárias. A abordagem das organizações de esquerda desse tipo deve ser acompanhada de críticas amigáveis a toda indecisão em sua política e por uma elaboração conjunta de todas as questões teóricas e práticas da guerra.” [469]

 

Mudanças nas Condições e suas Consequências

 

Essa educação política constante da classe trabalhadora e das massas populares é ainda mais importante hoje pelas seguintes razões. Primeiro, a classe dominante aumentou suas já enormes possibilidades de manipular a classe trabalhadora e as massas populares. Como subproduto do desenvolvimento das forças produtivas, o volume da mídia e sua presença cotidiana também aumentaram enormemente - especialmente nos países imperialistas. A expansão da TV e da internet, sua presença não só em casa e no trabalho, mas também nos transportes públicos e shoppings, nas mídias sociais, no uso generalizado de smartphones, etc., tudo isso dá à burguesia a oportunidade de expor as pessoas com um fluxo permanente de manipulação ideológica em torno do relógio. Há 100 anos, os trabalhadores foram expostos à propaganda do proprietário de escravos uma vez por semana, quando visitavam a igreja ou a mesquita onde o padre ou o imane (sacerdote muçulmano) lecionavam as pessoas em questões instruídas pelas autoridades religiosas ou estatais. Hoje, os trabalhadores e jovens estão expostos às manipulações ideológicas da classe dominante, trabalhadas 24 horas todos os dias e sete dias por semana. Agora, não é tanto o padre ou o imã, mas as miríades de estrelas da mídia anônimas, “influenciadores”, “especialistas” e, é claro, os políticos oficiais e seus lacaios que estão realizando o tratamento ideológico do povo.

Há numerosos exemplos que demonstram como a classe dominante e as forças reacionárias são capazes de utilizar as mídias sociais para manipular as massas populares. A disseminação de “notícias falsas” sobre “refugiados criminosos” por forças racistas reacionárias na Europa, as campanhas demagógicas da campanha de direita de Bolsonaro durante as eleições presidenciais no Brasil, ou pelos assadistas (defensores de Assad) e putinistas (defensores de Putin) contra a Revolução Síria, são apenas uma alguns exemplos.

Lênin já chamou a atenção para o fato de que as massas populares estão enfrentando uma rede maciça de instituições, ideologias, tradições, etc., o que torna impossível para elas enxergar espontaneamente tudo isso e reconhecer sua posição de classe e as tarefas correspondentes. Tal reconhecimento pelas massas requer a ajuda dos marxistas organizados.

“Os democratas pequeno-burgueses, seus principais representantes atuais, os socialistas e os social-democratas, estão sofrendo de ilusões quando imaginam que o povo trabalhador é capaz, sob o capitalismo, de adquirir o alto grau de classe. consciência, firmeza de caráter, percepção e visão política ampla que lhes permitirão decidir, simplesmente por meio de votação, ou em qualquer caso, decidir antecipadamente, sem longa experiência de luta, que seguirão uma determinada classe, ou uma determinada parte. . É uma mera ilusão. É uma história sentimental inventada por pedantes e socialistas sentimentais do tipo Kautsky, Longuet e MacDonald. O capitalismo não seria o capitalismo se, por um lado, não condenasse as massas a um estado de existência oprimido, esmagado e aterrorizado, à desunião (com relação aos camponeses!) E à ignorância, e se o (capitalismo) e, por outro lado, não seria capitalismo se não colocasse nas mãos da burguesia um aparato gigantesco de falsidade e engano para enganar as massas de trabalhadores e camponeses, para estupidificar suas mentes, e assim por diante.” [470]

É claro que, como marxistas, sempre reconhecemos as contradições internas de todos os fenômenos. A presença expandida da internet e das mídias sociais não pode ser usada apenas pela classe dominante, mas também pela classe trabalhadora e pelos oprimidos. E, como podemos ver em vários protestos (mais recentemente os protestos dos Coletes Amarelos na França [471]), esses meios de comunicação têm sido efetivamente usados para organizar manifestações e contra-mobilizações em curto prazo.

No entanto, ao contrário dos ideólogos pequeno-burgueses que imaginam que a “internet é livre”, no mundo real os meios de produção, bem como os meios de comunicação, são geralmente de propriedade e controlados pela classe dominante. O estrito controle estatal da China sobre sua internet, o crescente número de censuras no Facebook, Twitter, etc. - tudo isso reflete que a idéia de que a internet e as mídias sociais existiriam no vácuo fora do controle capitalista é uma pura ilusão.

Isso não significa que os ativistas socialistas não devam usar o máximo possível da internet e das mídias sociais. Primeiro, fazer tal uso sem censura ainda é possível em muitos países. Em segundo lugar, mesmo que esses meios sejam censurados, será necessário utilizá-los de maneira semelhante, pois os revolucionários fazem uso de limitadas possibilidades legais em uma semi-ditadura (como, por exemplo, os bolcheviques assim fizeram na Rússia czarista depois de 1905 publicando documentos como o Pravda ou utilizando a Duma do Estado como uma tribuna de propaganda revolucionária). Em terceiro lugar, as organizações revolucionárias têm que fazer uso de ativistas tecnicamente qualificados que podem contornar o controle capitalista da mídia e utilizá-los de forma ilegal (ou seja, uma versão do século 21 de impressão ilegal de papel por revolucionários em países governados por uma ditadura - como os bolcheviques). quando eles produziram o